Startup cariri 1ª edição

Download Startup cariri 1ª edição

Post on 13-Apr-2017

243 views

Category:

Business

0 download

TRANSCRIPT

  • 1

  • 2

    Copyright 2015 by Piedley Macedo Douglas Feitosa Tiago Pereira Tiago Alencar

    Todos os direitos reservados. Vedada a produo, distribuio, comercializao ou

    cesso sem autorizao do autor. Os direitos desta obra no foram cedidos.

    Impresso no Brasil Printed in Brazil

    Capa e Diagramao

    Andreza de Souza

    Reviso Do autor

    .

    ISBN E FICHA CATALOGRFICA EM ANDAMENTO

    Editora Livro Rpido Elgica Diretora editorial: Maria Oliveira

    Rua Dr. Joo Tavares de Moura, 57/99 Peixinhos Olinda PE CEP: 53230-290

    Fone: (81) 2121.5307/ (81) 2121.5313 livrorapido@webelogica.com

    www.livrorapido.com

    mailto:livrorapido@webelogica.comhttp://www.livrorapido.com/

  • 3

    Ao receber o convite para escrever este prefcio

    fiquei bastante honrado. Dentre os autores est o Professor

    Piedley Macedo, um dileto amigo e para mim umas das

    maiores autoridades no conhecimento mercadolgico da

    regio do Cariri.

    Empreendedor por natureza, ele juntamente com

    um grupo de jovens com o mesmo tino fundaram o Startup

    Club e caminham para fazer histria neste mercado

    inovador na regio do Cariri.

    O livro trata j na introduo de tentar desmitificar

    o conceito de startup hoje muito relacionado

    principalmente ao aspecto tecnolgico. ...uma startup

    pode ser entendida como qualquer instituio o qual foi

    desenvolvida para criar linha de produtos e/ou servios

    inovadores em ambientes de nveis de incerteza elevada,

    contudo, vale salientar, que estes modelos desenvolvidos

    no se centram exclusivamente com aes relacionadas ao

    ambiente virtual podendo enveredar para vrios outros

    meios. Em seguida traz o objetivo do Startup Club

    ...aglutinar em um nico ambiente pessoas com perfis

    diferentes, habilidades e competncias distintas que

    provocam um borbulhar de ideias, fortalecimento das

    empresas e o espirito de ajuda mtua, j que todos se

  • 4

    reconhecem como pertencentes ao mesmo nicho e que a

    dificuldades quando so divididas so amenizadas. Em

    outro momento do livro podemos ter uma ideia da

    coragem destes jovens ao utilizarmos este conceito,

    startup um grupo de pessoas procura de um modelo

    de negcios repetvel e escalvel, trabalhando em condies

    de extrema incerteza. Em qualquer mercado obter escala

    em ambiente de extrema incerteza um grande desafio.

    Recorri a trechos do prprio livro por que vi nas palavras

    colocadas um prenncio de uma ao empreendedora que

    vai marcar a histria da regio do Cariri. Das empresas que

    participam da Startup Club conheo em particular o

    trabalho da Aller que est revolucionando o mercado em

    atua na regio, oferece solues de altssimos nvel com um

    baixo investimento.

    O trabalho tambm traz uma abordagem sobre o

    contexto econmico regional feita pelo Prof Piedley

    Macedo de grande valia para muitos profissionais de outras

    reas dada a riqueza das informaes levantadas. Em

    seguida os demais autores trazem bons artigos sobre

    pesquisa de mercado, empreendedorismo e marketing

    digital. Enfim esta publicao torna-se leitura

    indispensvel para economistas, administradores e

    naturalmente pessoas ligadas tecnologia e

    desenvolvimento regional. Francisco Leite

    Coordenador de Consultoria Senai de Juazeiro do Norte

  • 5

    Piedley Macedo Mestre em Administrao de Empresas com concentrao em Gesto estratgica. Especialista em Competncias Gerenciais, em Formao de Professores do Ensino Superior, Gesto estratgica e Tecnologia da Informao. Graduado em Administrao de empresas pela UFPB. Tcnico em transaes imobilirias pelo CETREDE. Foi gerente Adm. Financeiro do Cariri Shopping Center e Analista de Mercado do Senai CFP WCC. Ministra

    aulas desde 2004 em faculdades de Juazeiro do Norte e em cursos tcnicos desde 2001. Leciona em cursos de graduao, especializao e MBA. Atualmente scio diretor da empresa Aller Solues e professor da Faculdade Paraso em Juazeiro do Norte-Ce nos cursos de Administrao de Empresas, Marketing e Sistemas de Informao.

    Douglas Feitosa Inicialmente graduado na rea da sade e com especializaes no setor. Mestrando em Cincias da Sade. Atualmente graduando de Administrao pela Universidade Federal do Cear (UFC). Empresrio e professor nas reas de gesto, auditoria e lngua espanhola contempornea. Fundador e diretor da Full Vision Cliente Oculto e Palleti Mveis e decorao sustentvel. Palestrante e consultor de temas ligados inovao, empreendedorismo jovem, anlise de atendimento,

    marketing de relacionamento, Mystery Shopper e sustentabilidade. Ganhador do prmio Voc Empreendedor 2014 no Estado do Cear. Vivncia em pases como Canad e Argentina de onde trouxe tcnicas para implantao no Brasil. Cofundador da Startup Clube e colunista sobre temas de negcios, gesto e empreendedorismo. E-mail: douglasrfeitosa@gmail.com

  • 6

    Tiago Pereira Ps-Graduado em Gesto financeira e consultoria empresarial pela Universidade Regional do Cariri - URCA e MBA Marketing pela Estcio FMJ. Graduado em Administrao pela Universidade Federal do Cear UFC. Consultor empresarial na Mercari Solues. Supervisor e planejamento de vendas na TV Verdes Mares Cariri Cear. Cofundador da Startup Clube. E-mail tiagopsilva4@gmail.com

    Tiago Alencar Especializando em Direito Administrativo e Gesto Pblica (2014 - 2016) pela Universidade Regional do Cariri URCA e Bacharel em Administrao pela Universidade Federal do Cear - UFC (2011). Professor substituto do curso de Administrao da Universidade Federal do Cariri (UFCA). Cofundador da Startup Clube. Scio-diretor da Mercari Solues e Marketing. Palestrante e Consultor de temas ligados a marketing, pesquisa de mercado, gesto, plano de negcio e

    empreendedorismo. E-mail: tiagoalencar@mercarism.com.br

  • 7

    1. INTRODUO .......................................................... 9 2. CONTEXTO REGIONAL .....................................11

    2.1 Cariri ........................................................................12 2.2 Regio Metropolitana do Cariri ..............................14 2.3 Crajubar ...................................................................21

    3. STARTUP...................................................................29

    3.1 Pontos Fortes e Pontos Fracos das Startups ...........31 3.2 Empresas Startups ...................................................32

    4. PESQUISA DE MERCADO: UM OLHAR ESTRATGICO PARA O FUTURO. ......................37 5. EMPREENDEDORISMO E INOVAO ..........49

    5.1 Cliente Oculto .........................................................54 5.2 Pallet e os Mveis Sustentveis. ..............................59

    6. MARKETING DIGITAL NO CARIRI .................61

    6.1 A Internet no Brasil .................................................62 6.2 Redes Sociais ...........................................................64 6.3 Oportunidade e Necessidades ................................67

    7. CONSIDERAES FINAIS ..................................71 REFERNCIAS .............................................................73

  • 8

  • 9

    Diante de um cenrio de mudanas constantes,

    transformaes na economia, na poltica e na sociedade, o

    estimulo ao empreendedorismo tem sido de vital

    importncia. As grandes empresas j no mais dominam o

    mercado, uma vez que as mesmas passaram a aumentar sua

    produtividade com menos empregados atravs da utilizao

    da tecnologia. Atualmente o mercado dominado por

    pequenas e mdias empresas, sendo consequncia da ao

    empreendedora. Como ressalta Dornelas (2005, p.22):

    O momento atual pode ser chamado de a era do empreendedorismo, pois so os empreendedores que esto eliminando barreiras comerciais e culturais, encurtando distncias, globalizando e renovando os conceitos econmicos, criando novas relaes de trabalho e novos empregos, quebrando paradigmas e gerando riqueza para a sociedade. A chamada nova economia, a era da internet, mostrou recentemente e ainda tem mostrado que boas ideias inovadoras, know-how, um bom planejamento e, principalmente, uma equipe competente e motivada so ingredientes poderosos, que quando somados no momento adequado, acrescidos do combustvel indispensvel criao e novos negcios - o capital - podem gerar negcios grandiosos em curto espao de tempo.

  • 10

    Num momento em que prevalece a instabilidade,

    observado que as pessoas esto cada vez mais buscando ser

    dono do prprio negcio, deixando de ser empregado e

    tornando-se seu prprio patro. Baseado neste pressuposto

    verifica-se como perspectiva de mercado o surgimento de

    novos modelos de negcio e dentre eles podemos destacar

    as aes de startups. Contudo nos vem uma indagao. O

    que seriam startups?

    Mesmo sendo uma temtica muito discutida

    atualmente nos meios acadmicos a conceituao de

    startup ainda no to bem compreendida, mas

    apropriando-se do conceito desenvolvido por Ries (2012)

    uma Startup pode ser entendida como qualquer instituio

    o qual foi desenvolvida para criar linha de produtos e/ou

    servios inovadores em ambientes de nveis de incerteza

    elevada, contudo, vale salientar, que estes modelos

    desenvolvidos no se centram exclusivamente com aes

    relacionadas ao ambiente virtual podendo enveredar para

    vrios outros meios.

    E buscar colocar empresas com este esprito

    inovador no mesmo ambiente o que buscou a Startup

    Clube, grupo criado com o intuito de fortalecer as

    empresas da Regio do Cariri e aglutinar em um nico

    ambiente pessoas com perfis diferentes, habilidades e

    competncias distintas que provocam um borbulhar de

    ideias, fortalecimento das empresas e o espirito de ajuda

    mtua, j que todos se reconhecem como pertencentes ao

    mesmo nicho e que a dificuldades quando so divididas so

    amenizada.

  • 11

    Piedley Macedo

    Ferral (2009) apud Tiecher (2011 ) afirma que

    mercado nada mais que um conjunto de compradores e

    vendedores. Acredita-se que o mercado caracterizado

    como um grupo de indivduos ou estabelecimentos com

    necessidades parecidas que podem ser atendidas por

    determinado produto ou classe de produtos.

    Baseado no pressuposto, o mercado Brasileiro passa

    por um perodo de franco crescimento onde anteriormente

    vivia-se na sombra de grandes potncias consideradas

    como pases desenvolvidos, hoje podemos considerar um

    Brasil fazendo parte das grandes potncias mundiais.

    Para Kotler (2000), existem quatro estgios de

    evoluo de um mercado, sendo eles: emergncia,

    crescimento, maturidade e declnio, sendo que a

    perspectiva de nosso mercado esta focada em gerao de

    crescimento econmico atrelado ao desenvolvimento de

    sua populao. acrescentado ainda pelo autor que a fase

  • 12

    de declnio identificada a partir da diminuio de

    necessidade de consumo.

    Contudo tem-se a necessidade de direcionar tais

    aspectos a nossa realidade e justamente esse pressuposto

    que nos guia na elaborao deste livro.

    2.1 Cariri

    A regio caririense esta localizada no sul do estado

    do Cear, formada por 27 municpios o qual, segundo

    dados dos IBGE em 2010, tem uma populao de

    aproximadamente 892 mil habitantes, representando cerca

    de 10,91% da populao cearense, com rea de 15.225,60

    km e um PIB (Produto Interno Bruto) de R$

    4.764.705.850,00 o qual equivale 6,36% do Cear.

    Figura 1

  • 13

    Esta regio por muitos chamada de Oasis do serto,

    por causa da estrutura hidrogrfica, belezas naturais e clima

    agradvel se destaca economicamente no Cear devido a

    proximidades com outras capitais tais como Salvador-BA,

    Recife-PE, Teresina-PI, Joo Pessoa-PB, Aracaju-SE,

    Natal-RN e Maceio-Al, facilitando assim o escoar de sua

    produo de calados, aquecendo o ramo industrial e a

    facilidade na aquisio de produtos gerando retorno para o

    setor varejista da regio (Perrazo, 2009).

    Na vertente econmica se destacam no setor

    industrial as fbricas de calados, que se concentram

    especificamente no tringulo Juazeiro do Norte, Crato e

    Barbalha chegando a ser o terceiro maior polo caladista no

    Brasil e a construo civil o qual desponta na regio como

    uma vertente que surge para atender a exploso

    demogrfica que a regio vem passando, o varejo muito

    slido devido principalmente ao turismo da regio tanto na

    vertente religiosa como no ecoturismo e o setor de servios

    dando nfase educao com aproximadamente, segundo

    Dirio do Nordeste (2014), 80 cursos de nvel superior

    oferecido por instituies pblicas e privado, alm do setor

    de sade o qual se tem hospitais de referncia na regio e

    as estruturas de lazer como shopping centers, clubes

    recreativos dentre outros. Sendo que o setor de servios

    o que mais gera receita para regio conforme descrito no

    grfico abaixo.

  • 14

    Grfico 1

    Fonte: Quadro Elaborado pelo Autor, Dados do Instituo Brasileiro de Geografia e estatstica (2010)

    Baseado nesta perspectiva considera-se a regio

    como um celeiro para grandes empreendimentos e uma

    das regies que mais crescem no contexto nacional o qual

    segundo dados publicados pela revista Exame em relao

    ao mapa de consumo para 2020 a regio estar entre as que

    mais crescem no pas.

    2.2 Regio Metropolitana do Cariri

    Os investimentos pblicos e privados, a

    implantao de projetos de mdio, pequeno e grande

    portes nas reas industrial, comercial, turismo, construo

    civil, educao e sade, tm dado nova dimensionalidade a

    economia do Cariri nos ltimos cinco anos. (Fonte: Portal

    Cariri Noticia, em 11 de Julho de 2012.)

    Servio076%

    Indstria21,46%

    Agropecuria 2,84%

  • 15

    Santos (1994, p. 66), afirma que:

    Regies metropolitanas so reas onde diversas cidades grande possuem frequncia e intensidade como forma de incorporar outros ncleos urbanos sob o comando de um ncleo central em jogo de foras econmicas, polticas, sociais e culturais que se inserem em um espao densamente urbanizado, a partir de uma interdependncia funcional baseada nas unidades de infraestrutura urbanas e nas possibilidades que esse fato acarreta para uma diviso do trabalho interno bem mais acentuado que em outras reas.

    Empresrios e lojistas da regio reconhecem este

    favoritismo e prev um futuro bastante promissor para os

    nove municpios que formam a Regio Metropolitana do

    Cariri e em especial para aqueles prximos ao tringulo

    Crato, Juazeiro e Barbalha. A ascenso econmica, e o

    aumento do poder aquisitivo, aliados as melhorias na

    qualidade de vida da populao, tm feito do Cariri uma

    regio diferenciada em comparao as demais regies do

    Estado do Cear.

  • 16

    Figura 2 - rea geogrfica de atuao da executive consultoria e projetos.

    Fonte: Instituto de Pesquisa e Estratgia Econmica do Cear - IPECE

    Segundo Bacelar (2011)

    A regio segue a uma lgica nacional de desenvolvimento das cidades de mdio porte e poder se fortalecer tambm como polo de sade, educao e econmico, gerando novos empregos, atraindo imigrantes e investimentos, que devero impulsionar o processo dinmico de melhorias e avanos regional.

    Conforme mencionado anteriormente a RMC

    (Regio Metropolitana do Cariri) formada por nove

    municpios conforme descrito abaixo.

  • 17

    Tabela 1 - populao, PIB per capita, rea IDH e densidade populacional.

    Cidades Popul. PIB PIB per capita

    rea (m) IDH Densidade

    Popul.

    Barbalha 55.373 290.182.587,00 5.240,51 479.184,00 0,69 0,12

    Caririau 26.387 78.403.371,00 2.971,29 623.823,00 0,59 0,04

    Crato 121.462 644.522.069,00 5.306,37 1.009.202,00 0,72 0,12

    Farias Brito

    19.007 59.479.369,00 3.129,34 503.574,00 0,61 0,04

    Jardim 26.697 83.152.605,00 3.114,68 457.034,00 0,64 0,06

    Juazeiro do Norte 249.936 1.986.996.000,00 7.950,02 248.558,00 0,70 1,01

    Misso Velha 34.258 115.822.791,00 3.380,90 651.108,00 0,63 0,05

    Porteiras 15.065 48.560.311,00 3.223,39 21.757,00 0,64 0,69

    Santana do Cariri 17.181 57.480.771,00 3.345,60 768.768,00 0,61 0,02

    Fonte: Quadro Elaborado pelo Autor, Dados do Instituo Brasileiro de Geografia e estatstica (2010)

    O Cariri vem se aproveitando desse efeito de

    propagao que a economia nacional est apresentando, a

    Construo Civil como um dos setores de maior avano de

    empregabilidade no Cariri. Avalia tambm que o aumento

    do consumo por parte das classes mais populares vem

    proporcionando o crescimento do comrcio na regio com

    reflexos na indstria. A prova disto, disse ele, a instalao

    das redes atacadistas e varejistas no Crato, Juazeiro do

    Norte e Barbalha, sendo muitas delas de grupos europeus

    que descobriram o potencial regional.

    Segundo dados da Relao Anual de Informaes

    Sociais (RAIS), do Ministrio do Trabalho e Emprego

    (MTE), o nmero de estabelecimentos formais nos

  • 18

    municpios de Barbalha, Crato e Juazeiro do Norte teve

    um crescimento de 96,88% de 1996 para 2006, ou seja,

    houve um adicional de 2.052 novos estabelecimentos ao

    longo desse perodo. Destacam-se nesse crescimento os

    setores do comrcio e servios, com aumentos de 123,5%

    e 62,54%, respectivamente. Os setores aqui destacados

    merecem uma maior ateno, tambm, em razo da

    representatividade que estes possuem no conjunto geral

    das atividades econmicas, principalmente nos municpios

    de Crato e Juazeiro do Norte, cujos mercados possuem

    uma maior capilaridade. Por outro lado, reconhecer o papel

    significativo da indstria na economia local, cujo

    crescimento global de seus estabelecimentos foi de

    111,82% ao longo desse perodo. Essa ascenso foi melhor

    observada nos municpios de Crato e Juazeiro do Norte,

    com maior intensidade nesse ltimo.

    Tabela 02: Estabelecimentos Formais, por Setor de Atividade Municpios Selecionados 1996/2006

    Setor de atividade

    1996 2006

    B* C* J* Total B* C* J* Total

    Indstria 24 76 196 196 41 103 483 67 Construo civil 6 43 53 102 12 53 114 179 Comercio 48 320 632 1.000 146 652 1.437 2.235 Servios 55 264 351 670 75 332 682 1.089

    Agropecuria 4 7 6 17 3 12 25 40 Outros/ignorado 4 8 21 33 0 0 0 0

    Total 141 718 1.259 2.118 277 1.152 2.741 4.170

    Fonte: RAIS/MTE ( * - Barbalha; * - Crato; * - Juazeiro do Norte)

  • 19

    O crescimento do nmero de estabelecimentos

    formais nos municpios em anlise, importante registrar

    que o papel dos micros estabelecimentos nesse

    desempenho, cuja expanso de 1996 para 2006 foi de

    100,10%, ou seja, um adicional de 1.926 novos

    estabelecimentos nesse porte. Em termos relativos, a

    ascenso dos estabelecimentos com essa classificao foi de

    93,55%, em Barbalha; 66,61%, em Crato; e 119,74% em

    Juazeiro do Norte. Destacam-se, tambm, aqueles

    estabelecimentos considerados como pequenos, cuja

    oscilao ficou em 66,47%, ou mais precisamente, 111

    estabelecimentos a mais, na passagem de 1996 para 2006.

    Naqueles considerados como de mdio porte, observou-se

    um incremento de trs novos estabelecimentos em

    Barbalha e de oito, em Juazeiro do Norte, e a manuteno,

    em Crato, do mesmo nmero verificado em 1996, ou seja,

    10 estabelecimentos. Finalmente, os estabelecimentos de

    grande porte que, embora incipientes nos trs municpios,

    apresentaram avanos nesse perodo, de forma indistinta

    Tabela 2 - Nmero de Estabelecimentos Formais, segundo o Porte Municpios Selecionados 1996/2006.

    Porte do estabelecimento

    Barbalha Crato Juazeiro do norte 1996 2006 1996 2006 1996 2006

    Micro 124 240 650 1.083 1.150 2.527 Pequeno 13 29 57 56 97 193 Mdio 2 5 10 10 11 19 Grande 2 3 1 3 1 2

    Fonte: RAIS/MTE.

  • 20

    O crescimento do Cariri no apenas endgeno e

    sim, motivado por fatores externos como a atual poltica

    econmica que beneficia a gerao de renda a todas as

    classes trabalhadoras. Por outro lado, o que est

    acontecendo hoje com o sistema produtivo do Cariri, que

    a regio est aproveitando esse efeito de propagao da

    economia nacional. Mas preciso se discutir ideias de

    como podemos conceder um desenvolvimento de forma

    sustentvel e expandir esse processo at ao pequeno

    produtor e apontar a construo civil como o segmento de

    maior empregabilidade. A economia do Cariri tem as

    mesmas caractersticas do cenrio econmico nacional e

    em especial do Nordeste, com suas limitaes e

    potencialidades.

    louvvel o que hoje est acontecendo no sistema

    produtivo do Cariri, porm necessrio discutir ideias de

    como podemos conceder um desenvolvimento de forma

    sustentvel e equilibrada. A economia de um pas ou de

    uma regio no pode contemplar somente uma classe

    privilegiada. Ela s salutar quando passa a promover o

    crescimento tambm do pequeno produtor, promovendo

    a expanso dos negcios e consequentemente, a abertura

    de postos de trabalho.

  • 21

    2.3 Crajubar

    Dentre as cidades que compem a Regio

    Metropolitana do Cariri, Juazeiro do Norte se destaca pelo

    crescimento avassalador que vem passando nos ltimos

    anos em diversos mbitos, desde o setor industrial o qual

    se destaca sendo o terceiro maior polo caladista do Brasil,

    como nos setores de varejo e de servios especialmente

    influenciadas pelas romarias do Padre Cicero, o qual em

    todos os anos traz milhares de romeiros para visitar sua

    esttua gerando um aquecimento no comrcio local.

    Figura 2 - Esttua do Padre Cicero

    Fonte: Crato Noticias

  • 22

    Para Dumoullin (1990, p. 46)

    Os romeiros nos lembram frequentemente das palavras atribudas ao sacerdote: Vocs podem percorrer o mundo inteiro, como uma me de famlia com o seu filho, sem encontrar uma colher de farinha para aliment-lo: venham ao Juazeiro e aqui encontraro. Vocs podem percorrer o mundo inteiro, as guas do mundo tendo secado, procurando e no encontrando um copo de gua para beber: venham ao Juazeiro e aqui encontraro.

    Dando nfase aos setores que compe a economia

    de Juazeiro do Norte iniciamos destacando o surgimento

    nesta cidade de grandes estruturas varejistas nos setores de

    alimentos como Assai, Maxi, Po de Acar, como tambm

    grandes lojas de departamento como Lojas Americanas,

    Marisa dentre outras marcas nacionais e internacionais.

    Demonstrando assim a ascenso que a cidade vem

    passando e viso desses empreendedores tentando

    aproveitar as oportunidades geradas por esse crescimento.

    Conforme destacada pela reprter Elizangela Santos onde

    a mesma coloca em sua reportagem intitulada Comrcio

    segue a todo vapor em Juazeiro do Norte o crescimento

    do varejo de Juazeiro gerando destaque at em nvel

    nacional.

    Outro setor que merece destaque o educacional o

    qual tambm se v um crescimento acintoso,

    principalmente em instituies de nvel superior tendo

  • 23

    duas universidades (Universidade Federal do Cear-UFC

    e Universidade Regional do Cariri-URCA) e seis

    instituies particulares, o qual nos demonstra que alm de

    crescer na vertente econmica a cidade tambm est

    passando por um processo de desenvolvimento intelectual,

    gerando mo de obra cada vez mais qualificada para regio.

    Um fato que merece destaque, muito bem enfatizado pela

    colunista Liana Costa do Jornal O Povo, foi sano do

    presidente para criao da Universidade Federal do Cariri

    onde ter como objetivo preparar mo de obra

    especializada para atender as demandas da regio.

    Inicialmente este polo dever ter 16 novos cursos e

    pretender formar 6.490 estudantes para o Cariri.

    Houve recentemente em Juazeiro do Norte a

    comemorao dos 100 anos de emancipao poltica que

    fez com que a cidade deixasse de ser um povoado do Crato.

    De acordo com site Juazeiro, em 1889 durante uma missa

    ministrada pelo Padre Ccero uma hstia que fora colocada

    na boca de uma beata chamada Maria de Arajo,

    transformou-se em sangue. Por esse fato ter se repetido

    vrias vezes os fiis logo o viram como um milagre. Dessa

    forma, catlicos de vrios lugares passaram a visitar o

    povoado procura do Padre Ccero, com a esperana de

    tambm serem abenoados. Ainda segundo Dumoullin

    (1990), Juazeiro do Norte a cidade polo de uma das

    regies mais importantes do Cear e com mais influncia

    sobre a populao estimada em trs milhes de habitantes.

  • 24

    Uma terra que se movimenta em torno do lema maior do

    Padre Ccero Romo Batista: F e trabalho.

    Ressaltando ainda que por se tratar de uma cidade

    religiosa, muitos visitantes chegam e assim, movimentam

    seu comrcio deixando na cidade valores considerveis para

    a economia local.

    Para chegar a Juazeiro do Norte existem as

    rodovias federais e seis estaduais fazendo a ligao do Cariri

    aos principais centros do Nordeste. O seu terminal

    rodovirio possui um intenso fluxo, o que favorece as

    empresas de transportes interestaduais, alm de ter uma

    tima localizao para fluir mercadoria para as principais

    capitais do nordeste conforme demonstrado na figura

    abaixo.

  • 25

    Figura 3 - Ligao Juazeiro do Norte a capitais nordestinas

    Fonte: Juanorte

    A potncia da economia demonstrada no

    crescente Produto Interno Bruto (PIB), que hoje de dois

    bilhes de reais. Pode-se perceber que a economia da

    regio est em alta atravs dos grandes investimentos que

    esto sendo feitos. So dois shoppings, um concludo e

    outro em fase de construo que esto agregados nesse polo

    comercial que um dos maiores do interior do Nordeste.

  • 26

    De acordo com site Cariri notcia (2011, p. 2):

    Nos ltimos seis anos a cidade passou a receber grandes redes de empresas situadas dentre as dez maiores do Brasil em faturamento. Investimentos que atenderam s expectativas destes grupos econmicos, incluindo multinacionais, e alguns at j foram ampliados. Caminhando nessa mesma direo, a rede hoteleira evoluiu e j conta com mais de trs mil leitos em empreendimentos modernos, mantendo cozinha no padro nacional e internacional. No diferente em relao aos cerca de 200 restaurantes com as marcas do requinte, conforto e qualidade. As opes de lazer acompanham o desenvolvimento no contexto integrado do turismo ecolgico, religioso e de negcios. Alm disso, o Geopark Araripe, primeiro das Amricas, que garante sustentao e d vazo ao turismo cientfico.

    Segundo a fonte, Juazeiro do Norte um celeiro de

    cultura regional, e destaque no artesanato, um servio que

    brota das mos dos artistas para encantar as pessoas.

    Atualmente a cidade oferece 72 cursos de graduao,

    abrigando em torno de 22 mil estudantes de diversas partes

    do estado. O centro acadmico j conta com 53 cursos de

    ps-graduao em diversas reas, se compondo num dos

    mais importantes do Nordeste.

    Nos ltimos seis anos a cidade passou a receber

    grandes redes de empresas situadas dentre as dez maiores

  • 27

    do Brasil em faturamento. Investimentos que atenderam s

    expectativas destes grupos econmicos, incluindo as

    multinacionais. A localizao Geogrfica da cidade um

    dos motivos de ter se tornado polo de atrao dos novos

    investidores. O presidente do Sindicato dos Lojistas aduz

    que essa nova realidade vem acompanhada de um requisito

    que serviu para consolidar esse processo, que o polo

    educacional com universidades pblicas e particulares.

    Existem mais de cinquenta cursos, inclusive voltados para

    o aperfeioamento de profissionais do comrcio. Para ele

    hoje:

    As grandes redes atacadistas e do varejo no Brasil se instalam na cidade compondo o processo desenvolvimentista. Juazeiro, para o professor Micaelson Lacerda, do Departamento de Economia da Universidade Regional do Cariri (Urca), vivencia um momento de intenso crescimento econmico. Segundo ele, isso ocorre acima da mdia do Estado. Entre 2004 e 2008 tornou-se a terceira economia mais importante do Cear, ultrapassando os Municpios de Caucaia e Sobral que esto mais prximas da Capital. Entre os setores mais significativos, os servios constituem-se em importante setor que impulsiona a atividade econmica. o Municpio do Cear que possui maior participao do setor de servios em sua economia, em torno de 80%, ressalta Micaelson. Ele cita tambm a consolidao de polo universitrio, os servios de sade, com a criao do Hospital Regional do Cariri, e o comrcio em geral, atacado e varejo. tambm o setor que mais

  • 28

    gera empregos diretos. (Presidente Sindicato dos Lojistas, apud Cariri noticia, 2011. P.3).

    Portanto, atravs dos dados mencionados acima,

    podemos afirmar que o Juazeiro do Norte est se

    transformando em um dos maiores polos econmicos do

    nordeste e que, provavelmente, este crescimento tambm

    influencie o crescimento de outras cidades fronteirias

    dando mais destaque a Regio Metropolitana do Cariri no

    s a nvel regional, mas tambm a nvel nacional.

  • 29

    Piedley Macedo

    Startup um grupo de pessoas procura de um

    modelo de negcios repetvel e escalvel, trabalhando em

    condies de extrema incerteza. Outros defendem que

    uma startup uma empresa inovadora com custos de

    manuteno muito baixos, mas que consegue crescer

    rapidamente e gerar lucros cada vez maiores. Outro

    conceito para esse tipo de ngocio: Startup uma empresa

    emergente de grande potencial, ou ainda, uma empresa projetada

    desde o incio pra ser grande!

    Elas trabalham com vrios conceitos que envolvem:

    Um cenrio de incerteza significa que no h como

    afirmar se aquela ideia e projeto de empresa iro

    realmente dar certo ou ao menos se provarem

    sustentveis.

    O modelo de negcios como a startup gera valor

    ou seja, como transforma seu trabalho em dinheiro.

  • 30

    Por exemplo, um dos modelos de negcios do

    facebook que inicialmente teve fins,

    exclusivamente, sociais e com o seu crescimento

    demonstrou uma fonte de receita.

    Ser repetvel significa ser capaz de entregar o

    mesmo produto novamente em escala

    potencialmente ilimitada, sem muitas

    customizaes ou adaptaes para cada cliente. Isso

    pode ser feito tanto ao vender a mesma unidade do

    produto vrias vezes, ou tendo-os sempre

    disponveis independentes da demanda. Uma

    analogia simples para isso seria o modelo de venda

    de filmes: no possvel vender a mesma unidade

    de DVD vrias vezes, pois preciso fabricar um

    diferente a cada cpia vendida. Por outro lado,

    possvel ser repetvel com o modelo pay-per-view

    o mesmo filme distribudo a qualquer um que

    queira pagar por ele sem que isso impacte na

    disponibilidade do produto ou no aumento

    significativo do custo por cpia vendida.

    Ser escalvel a chave de uma startup: significa

    crescer cada vez mais, sem que isso influencie no

    modelo de negcios. Crescer em receita, mas com

    custos crescendo bem mais lentamente. Isso far

    com que a margem seja cada vez maior,

  • 31

    acumulando lucros e gerando cada vez mais

    riqueza.

    3.1 Pontos Fortes e Pontos Fracos das Startups

    Flexibilidade

    Devido a seu tamanho e custos reduzidos estes

    modelos de negcio conseguem se adaptar com maior

    rapidez as alteraes ditadas pelo mercado.

    Pessoas talentosas

    Como se trata de um negcio inovador a expertise

    e conhecimento das pessoas que o desenvolveram so

    consideradas de um nvel elevado e consequentemente

    atraindo mais pessoas que queiram se aprofundar neste

    conhecimento.

    Falta de capital

    Mesmo que as empresas iniciantes tenham

    flexibilidade, normalmente no tm o capital necessrio

    para expandir-se. Novas empresas pequenas no tm

    dinheiro suficiente para publicitar-se como deveriam, e

    isso pode ter um impacto negativo nas vendas.

  • 32

    Responsabilidade

    Por se tratar de um negcio de pequeno porte a

    responsabilidade do negcio se centra exclusivamente nas

    mos do proprietrio e, caso, no seja bem gerido poder

    acarretar uma centralizao desnecessria podendo

    burocratizar os processos.

    3.2 Empresas Startups

    As empresas startups esto em crescimento no

    Brasil pelo fato do envolvimento de tecnologia e dentre

    vrias empresas podemos citar duas empresas da cidade de

    Juazeiro do Norte que fazem parte de um grupo chamado

    Startup Club.

    Aller Solues: Aller Solues nasceu em 2012 com um

    nico intuito: conectar ideias e negcios com o que

    inovador. Estruturando o mercado com o que h de mais

    moderno e criativo. Nosso objetivo mapear necessidades

    reais e construir inteligncia. A Aller sente e respeita a

    transformao do mercado. Mais do que uma empresa de

    Software, a Aller uma empresa que transforma ideias em

    negcios digitais. Somos o pioneiro em desenvolvimento de

    software em nuvem computacional. Vemos na inovao o

    constante sentimento de desafio. De buscas que motivam

    nosso desempenho e transformam nossos olhares, nos

  • 33

    permitindo enxergar novos horizontes, em uma realidade

    cada vez mais prxima. Encontramos na tecnologia, a mais

    pura forma de arte. Convertemos sinais digitais em produtos

    que modificam o mercado e a maneira como as decises so

    tomadas. Mais do que uma empresa de Software, a Aller

    uma empresa cuja matria-prima a transformao. E essa

    nossa motivao. Nosso alicerce est diretamente ligado ao

    crescimento regional do Cariri, nossa casa. Hoje a empresa

    possui mais de 100 (cem) clientes o qual so distribudos em

    diversos ramos, com faturamento mdio de R$ 30.000,00

    mensais e com apenas funcionrios, a empresa hoje consegue

    desenvolver atividades diversas no ambiente virtual deste de

    sites institucionais, sites de comercio eletrnico e

    desenvolvimento de aes em social mdia. (Jos Ermeson

    Scio proprietrio).

    Full Vision A Full Vision uma empresa no ramo de

    servios fundada em 15 de outubro de 2012, promovendo a

    anlise da qualidade do atendimento ofertado pelos vrios

    segmentos empresariais, tendo um direcionamento maior

    para bares e restaurantes, hotelaria, varejo, sade e bem-estar,

    bens de consumos, moda, entretenimento dentre outros. O

    empreendimento est localizado na cidade de Juazeiro do

    Norte no Estado do Cear. A empresa foi alicerada a partir

    da ideia do seu scio fundador Douglas Feitosa aps um

    intercmbio na cidade de Toronto no Canad. Com o

    propsito de oferecer servios de anlise da qualidade do

    atendimento para as organizaes instaladas na regio, e

  • 34

    possivelmente, em outras reas do Nordeste, encontra-se

    atualmente no processo de estruturao das suas linhas de

    servios oferecidos em funo das oportunidades de negcios

    propiciadas localmente. O Cariri cearense foi escolhido em

    funo das facilidades oferecidas e pela estrutura propcia ao

    desenvolvimento de micro e pequenas empresas. O local,

    conta com as seguintes facilidades: grande concentrao de

    indstrias, lojas de varejo em geral, grandes atacadistas,

    supermercados, shopping center, alm da continua

    expectativa de crescimento do mercado local nos mesmos

    segmentos citados e tambm inovadores, como o oferecido

    pela Full Vision. Tem como viso tornar-se referncia

    regional na anlise do atendimento dos servios prestados

    pelos empreendimentos locais e a misso de aperfeioar o

    atendimento do mercado, proporcionando as empresas um

    profundo conhecimento da real experincia de seus clientes,

    para que possam elevar a qualidade dos servios prestados,

    promoverem a fidelizao marca e aumentar o volume de

    negcios. A Full Vision entende que existem alguns pontos

    que demonstram o diferencial das empresas na oferta de um

    atendimento eficiente, os quais elevam a satisfao da

    clientela diante da expectativa dos servios prestados,

    fidelizando e impulsionando o volume de negcios. Os

    mesmos so: a satisfao do consumidor diante do

    atendimento e do ambiente a qual est inserido, a orientao

    atravs do desenvolvimento de habilidades junto aos recursos

    humanos da organizao, e a pesquisa, que busque atender o

  • 35

    ideal de atendimento almejado pelo consumidor. (Douglas

    Feitosa - Diretor Full Vision)

    Palleti: Empresa especializada na fabricao e venda de

    mveis e decoraes sustentveis a partir da reutilizao de

    materiais feitos de madeira, principalmente o pallet. Atravs da

    tcnica upcycling, a empresa fabrica seus produtos aliando

    estilo, design, preservao, conscincia ecolgica e

    sustentabilidade em um mesmo ambiente, ofertando assim

    um novo conceito no mercado e tornando-se o diferencial do

    negcio como coloca um dos proprietrios, Gmison Lima. O

    empreendimento a primeira empresa legal na fabricao e

    comercializao deste tipo de mvel na regio do Cariri. A

    empresa est localizada na cidade de Juazeiro do Norte e foi

    aberta aps verificao de uma lacuna na produo de moblia

    projetada, j que nenhuma se direcionava para a

    sustentabilidade.

    Mercari: A Mercari Solues & Marketing uma empresa

    de consultoria fundada em 2013 pelos scios e irmos Tiago

    Alencar e Tomaz Alencar, sendo prestadora de servios que

    incluem consultoria administrativa, pesquisas de mercado,

    grupos focais, construo de plano de marketing, plano de

    negcios, franchising, cursos na rea de liderana e

    empreendedorismo. A marca da Mercari Solues &

    Marketing a democratizao das informaes, de dados

    relevantes, garantindo ao micro, pequeno, mdio e grande

  • 36

    empresrio, o suporte necessrio para fortalecer e segur-lo

    na tomada de deciso de seus planos estratgicos.

    Atualmente o Brasil est com mais de duas mil e

    oitocentas (2800) startups, espalhadas em todas as regies e

    estados, sendo assim: seiscentas e noventa e oito (698) esto

    em So Paulo, seguida por Minas Gerais com apenas

    duzentas e dezesseis (216). O Nordeste participa mais

    ativamente com os estados do Pernambuco e Cear

    respectivamente oitenta e oito (88) e quarenta e seis (46).

    Alguns dados sobre Startups no Brasil, de todas apenas 1%

    acelerada por alguma instituio o que representa apenas

    trinta e quatro enquanto 52% no so.

    Apenas sete startups recebem investimento

    institucional o que menos de 1% enquanto 1485 no tem

    esse beneficio. Das mais de 2800, somente 29 participam

    de programas de incubao. Mais de Mil trezentas startups

    no informaram se so aceleradas, contm beneficio ou se

    so incubadas.

    Segundo as empresas cadastradas contamos com

    onze ramos de negcio e uma que envolve outros tipos

    sendo assim temos: Software no web, mobile,

    marketplace, rede social, e-commerce, contedo gerador,

    pagamento eletrnico, mdia, mecanismos de busca,

    games, hardware e outros.

  • 37

    Tiago Alencar

    Vivemos em um mundo onde as caractersticas da

    globalizao se fazem cada vez mais presentes na vida de

    todos, assim como na rotina das atividades e estratgias

    empresariais. A proximidade de culturas, etnias, credos e

    raas tornam-se cada vez maior e a troca de informaes

    entre diferentes povos possibilita a evoluo de ideias,

    opinies e contato com produtos e servios diferenciados.

    Temos um ambiente mais unificado e sociedades

    mais prximas, onde as barreiras geogrficas e culturais j

    no se mostram com tanta fora como obstculos s trocas

    comerciais e ao acesso dos consumidores a diversos tipos

    de produtos e servios. Com o advento da internet,

    surgimento de fruns de discusso, redes sociais,

    aplicativos e ferramentas de comunicao, o mercado

    tornou-se ainda mais competitivo e dinmico, exigindo

  • 38

    mais planejamento e diferenciao por parte das

    organizaes.

    Percebemos que estas metforas do novo trazem em seu bojo um ambiente empresarial mais competitivo e voltil. No apenas as empresas passaram a enfrentar a competio internacional em larga escala (diminuio das barreiras), como ocorreram movimentos constantes de fuses e aquisies em mbito mundial ocasionando grandes concentraes de empresas transnacionais (desterritorializao do mercado), como ainda rpidas, frequentes e ininterruptas mudanas e avanos tecnolgicos (nivelamento da tecnologia da informao), e ainda a desregulao dos mercados (reduo da soberania dos Estados nacionais). GUEDES, 2008.

    As informaes colhidas de consumidores,

    concorrentes, fornecedores e os demais parceiros das

    organizaes, tornam-se cada vez mais valiosas e

    necessrias para a construo de estratgias e planos tticos.

    A busca pela qualidade requisito bsico para o

    crescimento e desenvolvimento em um mercado exigente

    e sedento por novidades.

    Os clientes tornaram-se mais exigentes e presentes

    na cobrana de seus direitos e pela elevao do nvel de

    qualidade. As redes sociais tiveram um papel relevante na

    comunicao entre consumidores e empresas. Debates

    virtuais apresentam depoimentos de clientes sobre a

  • 39

    utilizao e qualidade de produtos e servios, sobre o nvel

    de atendimento e assistncia das empresas, assim como

    para advertirem sobre possveis problemas e cuidados a

    serem tomados antes da compra.

    Mostrou-se necessrio o monitoramento das redes

    sociais para o melhoramento dos servios e busca da

    satisfao das reais necessidades dos clientes. Os gestores

    esto comeando a ter conscincia do grande risco que

    terem suas marcas e imagem denegridas ou fragilizadas

    perante o grande pblico, pois comentrios que

    anteriormente se restringiam s rodas de conversas entre

    amigos e familiares, hoje em dia esto expostas a um

    nmero elevado de pessoas que compartilham postagens e

    mensagens, tornando-se um marketing viral positivo ou

    negativo.

    A satisfao pode ser definida como o grau de atendimento das expectativas dos clientes em relao a um produto ou servio. Conhecer o que os clientes esperam avaliar se suas expectativas so realistas ou idealistas e estimar em que grau deve ocorrer satisfao ingredientes - chave para obter a satisfao do cliente.(DOMINGUEZ, 2000)

    Diante de tamanha exposio a qual uma

    organizao pode vir a ser alvo, os gestores precisam

    fortalecer sua rede de relacionamentos com seus

    stakeholders, estando no centro das atenes, as necessidades

  • 40

    dos consumidores. A busca e monitoramento no mercado

    sobre informaes que venham agregar valor para seus

    produtos e servios, assim como para o fortalecimento da

    marca e imagem, devem ser colhidas com o mximo de

    cuidado e utilizadas de forma sria, tica e estratgica.

    Os caminhos e as fontes de informaes para os

    empresrios podem vir atravs de diversas formas e

    ferramentas. Os clientes so a mais rica fonte de dados, no

    entanto, os colaboradores da organizao que esto

    relacionados com as vendas e tem contato direto com os

    consumidores, possuem fatores e pontos relevantes para

    um possvel acompanhamento junto aos clientes. Faz-se

    necessrio a abertura e documentao das informaes

    fornecidas por suas foras de vendas, e principalmente, o

    uso sbio dessas informaes.

    Um dos objetivos mais importantes com a coleta e

    monitoramento de informaes dos clientes a busca pela

    satisfao, confiana e possvel fidelizao dos mesmos

    com o intuito de criar laos de relacionamento de longo

    prazo e consequentemente fortalecer sua marca e elevar a

    lucratividade.

    De acordo com Gonalves (2007), conquistar a

    fidelidade do cliente , cada vez mais, o desafio de empresas

    e profissionais preocupados no s com a sua

    competitividade, mas com sua prpria sobrevivncia no

    mercado.

  • 41

    Clientes fiis tornam-se advogados gratuitos das

    empresas, defendendo e apoiando suas marcas e atraindo

    novos clientes por meio de comentrios positivos e

    principalmente fazendo uso de redes sociais para promover

    boas experincias de consumo.

    Consumidores insatisfeitos podem promover um

    caminho contrrio ao crescimento e desenvolvimento de

    um negcio. Comentrios negativos e a propagao dos

    mesmos na internet podem afastar clientes potenciais e

    influenciar os atuais, podendo causar reduo das vendas e

    compartilhamento de informaes a respeito de

    experincias negativas com produtos e servios.

    Os clientes nem sempre tomam a iniciativa de irem

    at a empresa ou gestor para reclamarem, criticarem ou

    sugerirem mudanas e melhorias. Faz-se necessrio que os

    gestores tenham a preocupao de ouvir seus clientes e

    buscar meios para absorver os pontos de insatisfao para

    tomarem providncias e ainda se possvel no local e hora

    em que ocorreu o problema entre consumidor e empresa.

    Algumas organizaes utilizam ferramentas fsicas

    no ambiente da prpria empresa para ouvirem seus

    clientes, como caixas de sugestes, em que o cliente pode

    de maneira natural e espontnea compartilhar suas

    opinies e propor pontos de melhoria ou elogiar fatores

    que j estejam lhe causando satisfao. Uma possvel

    barreira seria esperar pela vontade do consumidor em

  • 42

    participar com crticas ou elogios sem que exista um

    estmulo da empresa.

    As organizaes tambm podem desenvolvem

    estratgias onde orientam colaboradores para buscarem

    colher informaes dos clientes no momento do contato

    direto das vendas. Vendedores podem desenvolver certa

    proximidade com seus clientes ao ponto de alguns terem

    preferncia por determinados colaboradores no momento

    do atendimento. Tal proximidade permite que o

    profissional possa colher informaes mais profundas das

    reais necessidades a serem atendidas e assim elevar o padro

    de qualidade.

    Ferramentas On line como sites e aplicativos onde

    os consumidores so cadastrados no momento da compra

    esto cada vez mais sendo utilizadas para construo de

    banco de dados e customizao dos produtos e servios

    ofertados. Os dados permitem que os gestores possam

    conhecer melhor o perfil de seus clientes e construrem

    ofertas mais adequadas, assim como ter um contato

    constante para oferta de produtos alinhados com os gostos

    de cada consumidor.

    Ademais, por meio de sites podem-se realizar

    reclamaes e estas serem analisadas e solucionadas pela

    empresa, como por exemplo, o sistema de atendimento ao

    cliente.

  • 43

    Diante de um ambiente to complexo e repleto de

    incertezas, as organizaes buscam informaes

    constantemente para tomarem decises com o mnimo de

    risco possvel. Uma empresa est inserida em um espao

    composto por clientes, fornecedores, concorrentes, poder

    pblico, mdia, sociedade, acionistas, rgos reguladores

    etc.

    Alm de tantos atores e fatores que fogem do

    controle da empresa compondo o ambiente organizacional,

    existem variveis incontrolveis como variaes

    econmicas, surgimento de novas empresas, lanamento

    de produtos e servios concorrentes, novas polticas e

    mudanas e legislao ou qualquer fator a mais que fuja do

    controle do sistema de informaes gerenciais.

    Tais caractersticas ambientais levaram muitas

    organizaes a enxergar e compreender a importncia das

    pesquisas de mercado para enriquecerem seus sistemas de

    informaes e conhecerem melhor o mercado no qual

    esto inseridas. A investigao permite a reduo de

    insegurana e maior assertividade no levantamento de

    hipteses, projeo de cenrios e escolhas.

    Pesquisas de mercado so processos de atividades

    que podem ser utilizados no somente por empresas j

    atuantes no mercado, mas principalmente por

    empreendedores que tem como objetivo abrir seus

    negcios e necessitam de informaes de anlise para

  • 44

    inserirem em seus planos de negcios e estruturarem sua

    adequao s caratersticas da regio, dos clientes e demais

    parceiros.

    As informaes coletadas permitem que um

    empreendedor possa ofertar o produto ou servios certos,

    evitar gastos desnecessrios, conhecer melhor seus

    concorrentes e fornecedores e ter uma melhor

    compreenso do prprio negcio. Muitos empresrios

    pecam por investirem seguindo somente sua intuio ou o

    achismo que leva muitos negcios falncia.

    Pesquisa de mercado um processo que envolve

    um conjunto de etapas e atividades que se complementam

    e so interdependentes. As etapas concentram a busca de

    informaes e definio do problema e objetivos de

    pesquisa, construo de uma estratgia e desenvolvimento

    do plano de pesquisa, escolha das ferramentas de coleta de

    dados, treinamento da equipe de trabalho, coleta de

    informaes, anlise das informaes, construo de

    relatrio e apresentao dos resultados.

    Pode se encontrar no mercado empresas

    especializadas apenas na construo e execuo de

    pesquisas de mercado. As pesquisas de mercado podem ser

    classificadas em qualitativas, quantitativas, tcnicas de

    observao e tcnicas experimentais, no entanto, o presente

    trabalho centralizar atenes e abordagens aos mtodos

    qualitativo e quantitativo.

  • 45

    A pesquisa de mercado quantitativa utiliza de

    mtodos de estatstica inferencial para chegar a concluses

    sobre determinada populao pesquisada atravs de uma

    amostra selecionada e investigada. O teste de uma hiptese

    busca resultados estatsticos, assim como averiguar

    informaes diversificadas.

    A pesquisa quantitativa utilizada para a tomada de

    decises conclusivas, ao contrrio da pesquisa qualitativa.

    As atividades de coleta de informaes so viabilizadas por

    meio de um questionrio estruturado.

    de grande importncia que todo o processo de

    pesquisa seja realizado com a participao dos tomadores

    de decises, que geralmente so os responsveis pela

    encomenda ou iniciativa da pesquisa e consequentemente

    os maiores interessados nos resultados das anlises.

    A necessidade decorre do fato de que quem mais

    tem conhecimento sobre o problema de pesquisa o

    tomador de deciso. O papel do pesquisador est em

    elaborar a pesquisa, mas tambm facilitar a retirada de

    informaes suficientes e precisas para construo e

    definio da real necessidade das informaes e sua

    possvel aplicao.

    interessante que o tomador de deciso ou gestor

    participe tambm da construo do questionrio ou

    qualquer ferramenta de coleta de informaes que se possa

  • 46

    utilizar para que assim exista um processo de confiana e

    transparncia.

    A clareza de objetivos e problema definidos pela

    equipe de pesquisa com participao efetiva dos gestores

    responsveis ser o norteador para a construo do plano

    estratgico de pesquisa e consequentemente todas as etapas

    intermedirias e finais dos procedimentos. Qualquer erro

    ou informao desencontrada nessa etapa inicial pode levar

    a perca da pesquisa ou a erros de tomada de deciso no

    futuro. O inicio crucial para o bom andamento das

    atividades.

    Em seguida se faz necessrio o pr-teste de

    qualquer ferramenta de coleta de informaes que venha a

    ser escolhida e desenvolvida como apropriada s estratgias

    elaboradas. Esta etapa vai identificar possveis falhas, ajustes

    e adaptaes para que no exista risco de desvios dos

    propsitos estabelecidos e no venham a comprometer a

    tomada de deciso dos gestores.

    Enquanto a pesquisa quantitativa pode ser utilizada

    para tomada de decises conclusivas, a pesquisa qualitativa

    no construda e desenvolvida para concluses definitivas

    e generalizveis. O fato se deve ao pequeno nmero de

    pesquisados o qual no suficiente para se tirar concluses

    definitivas. No se tem nveis de confiana e significncia

    estatsticos calculados.

  • 47

    Nesse tipo de pesquisa o intuito o

    aprofundamento de determinados temas e problemas,

    assim como informaes subjetivas, profundas, como

    sentimentos, emoes, opinies ntimas e intenes a

    respeito de contedos relevantes que se tenha o objetivo de

    compreender e posteriormente testar comprovao com

    um nmero elevado de pesquisados.

    Como exemplo de pesquisa qualitativa, podemos

    citar os grupos focais. a reunio de oito a doze pessoas

    para discusso de temas especficos e busca de informaes

    mais profundas e subjetivas que no seria possvel obterem

    com entrevistas de campo e aplicao de questionrios

    estruturados.

    O nmero mnimo de oito pessoas se d pelo fato

    que uma quantidade inferior no possibilitar consistncia

    nas discusses, assim como um nmero superior a doze

    pessoas pode vir a causar perca de controle do grupo e fuga

    do foco real estabelecido para a pesquisa.

    Os grupos focais geralmente so filmados com

    autorizao dos participantes para que possa ser feita uma

    segunda anlise aps a realizao do encontro. Por mais

    que a equipe formada por um moderador e um profissional

    de psicologia esteja atenta aos detalhes, fatores relevantes

    podem passar despercebidos aos olhares e anlises.

  • 48

    Durante o desenvolvimento do grupo focal, so

    observadas expresses corporais, estado de humor dos

    participantes, teor das falas, contedo das opinies,

    informaes novas e adicionais ao problema de pesquisa,

    emoes, sentimentos e reaes a determinados estmulos.

    Os resultados obtidos aps as analises sero

    reunidos em um relatrio para que se tenha um

    aprofundamento do problema e se possam comprovar as

    informaes por meio de uma pesquisa quantitativa de

    carter inferencial e assim se possa tomar concluses a

    respeito de uma populao com base em uma amostra.

    A utilizao das tcnicas citadas acima no devem

    ser vistas apenas como uma soluo para problemas j

    existentes ou para estratgias temporrias, mas devem ser

    estabelecidas como ferramentas permanentes de

    monitoramento da qualidade e sondagem de novas

    oportunidades.

    As pesquisas podem ser consideradas como os olhos

    dos empresrios ou gestores para um mundo de fatores e

    variveis que podem fazer a diferena e ser divisor de guas

    entre o sucesso e o caminho para barreiras que podem levar

    a quebra de um empreendimento.

  • 49

    Douglas Feitosa

    O empreendedorismo e a inovao so elementos

    propulsores para desenvolvimento econmico de uma

    regio, a qual torna os cidados cientes da sua importncia

    na insero de uma sociedade gil, dinmica e competitiva

    e mais ativa no processo de melhoria individual e coletiva,

    coadjuvado ao crescimento social e financeiro do hbitat a

    qual esto inseridos.

    Impulsionar prticas positivas de incentivos e

    melhoria contnua por meio de polticas pblicas no setor

    e de uma educao empreendedora mais slida e acessvel

    torna-se basilar no desenvolvimento de uma sociedade

    mais engajada, competitiva e inovadora, a saber, que suas

    aes sero apoiadas e qualificadas no tracejar de um

    caminho empreendedor torna esses atores mais confiantes

    no desenvolver de aes positivas, nas incertezas e riscos

    que surgem quando se abre novos negcios ou fortalece os

    j existentes.

  • 50

    Partindo dessa anlise, o desenvolvimento regional

    e local depende em grande parte da sinergia entre os atores

    do empreendedorismo com a busca constante pela

    inovao, impulsionando uma competitividade positiva e

    consequentemente de maximizao de vendas e lucros.

    A Global Entrepreneurship Monitor (2013) mostra

    que "a imagem da situao atual dos empreendimentos

    brasileiros demonstra que a economia nacional se encontra

    ainda em estgio inicial de desenvolvimento no que

    concerne sua capacidade de gerar empreendimentos

    inovadores", pois inmeros so os fatores que travam esse

    processo de melhoria como aspectos socioeconmicos, a

    estrutura de mercado e a diminuta ou falta de atuao de

    rgos e instituies de apoio ao empreendedorismo e a

    inovao, que muitas vezes so barrados pela

    burocratizao do sistema ou alta carga de impostos

    oriundas do governo.

    Segundo Barlach (2009) o empreendedorismo

    passa a ser caracterizado por um processo. Sabemos que

    realmente algo que se desenvolve a medida que as nossas

    aes so praticadas, tendo uma viso de futuro mais

    palpvel do que os outros conseguem observar e a medida

    que o tempo passa se agrega conhecimento e novas

    tecnologias na sua rea de atuao, o que torna o seu

    negcio mais firme e fortalecido. Assim, o empreendedor

    um ser capaz de agregar valor as atividades dirias de

  • 51

    mercado, fazendo o diferencial e provocando um

    desequilbrio no hbitat laboral vigente.

    Empreender por necessidade ou oportunidade faz

    tamanha diferena quanto a agregao de inovao em

    produtos, servios ou prtica diria de um negcio. Os

    empreendedores que vislumbraram uma oportunidade na

    abertura de um negcio diferente dos que esto presentes

    a seu redor so mais susceptveis e se colocam com um

    diferencial competitivo no mercado de atuao. Estes so

    atores inquietos que sempre buscam solues para

    problemas existentes, promovem a conexo de mercados

    isolados ou sem produtividade, buscando superar a

    deficincia mercadolgica. O lucro advindo da sua batalha

    no posto como pice de uma cadeia produtiva e sim

    como consequncia de uma produo eficiente, de uma

    referncia laboral positiva, de uma relao de qualidade

    com o cliente e uma implantao inovadora de produtos ou

    servios.

    Para Schumpter empreendedor aquele que

    introduz inovao, gera desequilbrio e provoca

    crescimento no sistema econmico, e so justamente essas

    aes que instiga o desenvolvimento de uma sociedade.

    Esse ator por se s j um agente de mudana, pois rompe

    com o tradicional e incorpora criatividade e inovao em

    mercados muitas vezes estagnados ou desprovidos de

    motivao.

  • 52

    As invenes de sucesso, nas mais variadas reas,

    no ocorrem por no possuir um mercado concorrente que

    instigue a essa transformao mercadolgica, pondo fim a

    um marasmo econmico e buscando novas oportunidades

    de negcios ou resoluo da necessidade de um nicho de

    consumo sedento de mudanas, gerando novas prticas e

    conhecimentos, alterando paradigmas impostos por uma

    zona de conforto social, cultural e econmico.

    O empreendedor dotado de habilidades, as quais

    consegue unir atores, prticas, conceitos e recursos que

    muitas vezes se encontram dispersos em lcus distintos e

    que por meio desta unio, que se consegue alimentar a

    necessidade da sociedade, e mais ainda, a sua necessidade

    de empreender, inovar e criar, mais do que apenas a

    implantao de um negcio, mas de uma convico de

    aes como transformao social, melhoria econmica,

    novos ciclos de negcios e maximizao da subjetividade

    de um ser capaz e atuante.

    Porm o empreendedorismo e a inovao so

    limitados pela ausncia de polticas socioeconmicos que

    fomentem o brasileiro na realizao de atividades

    favorveis e vantagens competitivas e assim se faz

    necessrio buscarmos uma melhoria continua e um

    aprendizado constante que torne intrnseco a realizao de

    um esprito empreendedor aliado a prticas inovadoras.

  • 53

    Assim, a inovao est aliada a prtica de um

    empreendedorismo por oportunidade e no por

    necessidade como se ver na grande maioria das aes

    mercadolgicas desenvolvidas, pois se percebe um nicho

    at ento inexplorado e desta forma o faz crescer com a

    implantao de uma nova cultura de consumo, a insero

    de novos produtos, servios ou prticas de gesto e

    produo diferenciais

    Desta forma, torna-se salutar adentrar no mercado

    com ideias inovadoras que faam o diferencial no processo

    mercadolgico e promovam uma transformao social e

    um crescimento econmico, deixando a viso de um

    empreendedor apenas como um aglutinador de recursos,

    porm um ser pro-ativo e facilitador na formao de redes

    e dotado de elevado grau de inovao.

    A dificuldade em inovar j comea pelo prprio

    conceito que j trs dvidas ou incertezas em relao ao seu

    uso. Muitas vezes somos levados a pensar que inovar

    apenas introduzir um produto ou servio novo no

    mercado, porm precisamos ir alm desta concepo.

    Desta forma, na busca de introduzir inovao no

    mercado Carirense que procuramos oferecer os servios

    e produtos de forma diferenciada para um pblico cada vez

    mais exigente de novidades e melhorias como visto com a

  • 54

    ferramenta de Cliente Oculto (ou Mystery Shopper) e os

    mveis e decorao base de pallet.

    5.1 Cliente Oculto

    Em um ambiente cada vez mais competitivo e

    desafiador para o desenvolvimento das organizaes,

    conhecer e entender o locus em que se est inserido, torna-

    se situao sine qua non para sobreviver diante de clientes

    cada vez mais exigentes e concorrentes conhecedores das

    melhores prticas de alcance na sua rea de atuao.

    Dentre os aspectos que gradativamente vem

    ganhando destaque est o conjunto de elementos que

    compem as foras competitivas internas empresa, dentre

    elas as questes associadas ao atendimento do consumidor.

    Identificar os pontos que precisam de melhorias, exceder

    as expectativas dos clientes e agregar valor a um processo

    de venda so grandes desafios impostos aos empresrios

    hoje em dia.

    Para entendimento de tais aspectos, uma das

    ferramentas empregadas para responder tais incertezas o

    Cliente Oculto, metodologia utilizada pelas pequenas e

    mdias empresas, servindo como tcnica de anlise de

    desempenho, buscando medir a eficincia dos servios

    prestados e a qualidade do atendimento oferecido.

  • 55

    De forma geral, a atividade um mecanismo

    inovador na procura pela excelncia do atendimento ao

    cliente. A ferramenta destina-se, a implantar mudanas nos

    modelos e comportamentos comerciais, buscando

    incrementar benefcios mediante a melhora e o

    desenvolvimento de prticas positivas de consumo.

    Conhecer o consumidor, saber das suas reais

    necessidades, percepes e desejos e buscar satisfaz-los

    tornam-se fatores indispensveis para realizao de um

    processo de venda que envolva no somente o repasse de

    um produto ou servio, mas uma empatia na relao.

    A utilizao tcnica de Cliente Oculto uma das

    ferramentas qualitativas do marketing que tem como

    intuito entender a relao cliente-empresa, sendo esta, uma

    das prticas de avaliao de desempenho mais usada para

    medir a qualidade do atendimento e o grau de satisfao do

    consumidor.

    As origens do emprego deste modelo de pesquisa

    remonta o ano de 1940 (MICHELSON, 2003 apud

    CHRISTOVAM, 2009) sendo usado no inicio do sculo

    XX para verificao de desvios efetuados por funcionrios.

    Assim, j no seu surgimento, superada a ideia de que seu

    uso primordial se direciona somente com o intuito de

    testar a honestidade dos empregados, pois para Susskind

    (2012, p.21) a origem ocorre como uma metodologia

  • 56

    usitada pelos banqueiros americanos na dcada de 1920 que

    por meio da ajuda de amigos e familiares usavam uma

    avaliao emprica para testar a honestidade dos

    colaboradores e evitar os possveis desvios de dinheiro que

    podiam ocorrer neste ambiente financeiro.

    Como alternativa para entender todos estes

    questionamentos e adentrar nos insights dos clientes que

    se consolida no mercado a pesquisa observacional de

    Cliente Oculto.

    Esta uma das inmeras nomenclaturas para a qual

    a Mystery Shopping Providers Association - MSPA conceitua a

    prestao de servio de pesquisadores treinados para

    experimentar e avaliar qualquer processo de servio ao

    consumidor. Desta forma, agem como clientes usuais ou

    potenciais e que, de algum modo, relatam suas experincias

    de maneira detalhada e de modo imparcial.

    De acordo com BUENO et all (2008) p. 3:

    A tcnica do cliente oculto utilizada em organizaes que trabalham com atendimento direto ao pblico e desejam identificar possveis falhas e potencialidades nesta rea. Esta tcnica consiste na atuao de uma equipe de pesquisadores treinados que se fazem passar por clientes, analisando pontos pr-determinados, conforme so os interesses de diagnstico da investigao. Atravs dos resultados possvel fazer melhorias nos processos que envolvem

  • 57

    atendimento e, muitas vezes, na prpria estrutura de alguns servios e produtos da instituio.

    Assim, outras terminologias tambm so usadas na

    literatura para se referir ao esta ferramenta como Cliente

    Espio, Cliente Misterioso, Mystery Shopper, Avaliador

    Disfarado, Cliente Fantasma ou Comprador Misterioso.

    Com o intuito de buscar entender as reais

    necessidades dos clientes e que as empresas locais tivessem

    mecanismos fieis e eficientes de conhecer os seus

    consumidores que foi observado uma lacuna no mercado

    e a possibilidade da abertura de um novo negcio.

    Assim, Full Vision Cliente Oculto surgiu como

    uma empresa de consultoria especializada na anlise e

    melhoria do atendimento ao consumidor com o objetivo

    de auxiliar as organizaes, a por com xito e eficincia,

    seus produtos e/ou servios no mercado, de maneira que

    consigam elevar a qualidade das aes prestadas, promover

    a fidelizao marca e aumentar o volume de vendas.

    Desta forma, as empresas que adotam o Cliente

    Oculto se beneficiam para o crescimento e

    desenvolvimento do seu estabelecimento, alm de ser um

    diferencial competitivo diante dos concorrentes, entender

    as necessidades dos consumidores para assim poder agir,

    analisar o desempenho dos funcionrios, padronizar os

  • 58

    servios, corrigir falhas, promover a fidelizao dos clientes

    e consequentemente aumentar os lucros.

    Como coloca William Pereira, gerente comercial de

    um dos mais importantes grupos do Estado do Cear, o

    Grupo J. Gondim e responsvel por marcas como O

    Boticrio, Camaro & Cia e China Matuto, atravs do

    cliente oculto conseguimos ter uma viso e percepo real

    do que acontece na ponta, seja com relao ao atendimento,

    comportamento e cumprimento de processos e aps o uso,

    conseguimos reverter alguns indicadores de imediato,

    como a taxa de converso.

    Assim, cada vez mais empresas investem na relao

    com o cliente, pois os estabelecimentos esto cada vez mais

    vulnerveis ao poder crtico do consumidor, pois o uso das

    redes sociais tem uma repercusso gigantesca neste

    processo. O consumidor est atento ao atendimento, pois

    mais do que apenas realizar uma compra ele quer uma

    experincia positiva de consumo e com o uso do Cliente

    Oculto possvel monitorar as aes desenvolvidas pelas

    organizaes, bem como treinar reas especificas que

    precisam de uma atuao mais objetiva e eficiente.

  • 59

    5.2 Pallet e os Mveis Sustentveis.

    Inmeras so as empresas alocadas na regio do

    Cariri, principalmente nas cidades de Juazeiro do Norte,

    Crato e Barbalha direcionadas para produo de mveis

    projetados, porm entre tantas no existe uma que foque

    na linha sustentvel.

    Desta forma, surge a Palleti Mveis Sustentveis,

    empresa especializada na fabricao e venda de mveis e

    decorao com pegada sustentvel. Por meio da

    reutilizao de madeira, principalmente o pallet (estrado de

    madeira que tem a finalidade de servir na movimentao

    de cargas para eficincia logstica) e por meio tcnica

    upcycling (termo utilizado para o processo de transformar

    resduos ou produtos inteis e descartveis em novos

    materiais ou produtos de maior valor) aliados a fabricao

    de produtos com design, estilo e conscincia ecolgica,

    que se buscou a inovao e consequentemente o

    diferencial competitivo na rea de mveis planejados.

    A Palleti a primeira empresa especializada na

    fabricao e comercializao de mveis e decorao

    sustentvel do Cariri cearense tendo como misso

    conquistar e manter a satisfao dos clientes deste nicho de

    mercado, projetando ambientes confortveis, inovadores e

    elegantes atravs de mveis e decoraes de excelente

    qualidade.

  • 60

    Tornar-se referncia no Estado na fabricao e

    comercializao de mveis com este conceito no uma

    ao fcil, pois ser vanguardista e buscar a implantao de

    uma cultura algo que deve est antes da preocupao com

    lucro, e sim, com aceitao diante do consumidor.

    Desta forma, empreender est ligado diretamente

    inovao, no somente por meio da insero de produtos e

    servios novos, porm com processos diferenciados,

    agregao de novas funcionalidades e melhoria de aes.

    A inovao deve ser um dos fatores definidores da

    competitividade dos empreendimentos, sendo instigados

    por empreendedores motivados e que busquem fazer o

    diferencial no setor onde est inserido.

  • 61

    Tiago Pereira

    Quando se fala em marketing digital logo vem a

    mente da maioria das pessoas as redes sociais, que no Brasil

    possui um grande nmero de usurios. Com o acesso

    facilitado a Internet, atravs dos gadgets que mais vendem no

    pas, os smartphones e tablets, cada vez mais pessoas passam

    mais tempo on line e boa parte desse tempo nas redes

    sociais. Por isso para a maioria dos leigos, marketing digital

    se resume ao uso das redes sociais na promoo de marcas

    e produtos.

    Porm este tema bem mais amplo e complexo do

    que a ideia de sua aplicao voltada apenas para propaganda

    nas redes sociais. O marketing digital est relacionado ao

    marketing de maneira geral, que tem como definio

    segundo Kotler (2012) a identificao e a satisfao das

    necessidades humanas e sociais e que consiste na tomada

    de aes que provoquem a reao desejada de um pblico-

    alvo. Assim o marketing digital uma aplicao virtual

    desses conceitos, onde se utilizam de plataformas e

  • 62

    ferramentas digitais para o desenvolvimento das estratgias

    de marketing.

    Apesar de ser um tema bem recorrente nas

    faculdades de administrao, marketing e comunicao da

    regio do Cariri, parece que no mercado muita coisa ainda

    uma incgnita. Desde seu conceito, aplicaes e atuao

    dos profissionais muito precisa ser discutido a respeito em

    nossa regio, no s por estudantes e profissionais da rea,

    mas tambm com os empresrios, para que haja a devida

    valorizao desse servio. Uma oportunidade para as

    empresas ampliarem suas estratgias de marketing, parece

    ser negligenciada, seja por desconhecimento por parte dos

    empreendedores, seja pela carncia de profissionais na rea

    ou mesmo pelo amadorismo presente em muitas aes de

    marketing em nossa regio.

    Existe uma dezena de agncias especializadas em

    marketing digital no Cariri, alm de vrios profissionais

    que atuam de forma autnoma. O desafio desses

    profissionais provar para as empresas o quo importante

    a utilizao dessas ferramentas para o desenvolvimento

    das estratgias de marketing em seus negcios.

    6.1 A Internet no Brasil

    Mais de 50% da populao brasileira faz uso da

    internet, algo em torno de 85,9 milhes de pessoas segundo

  • 63

    CGI.br (2014). a primeira vez que essa proporo

    alcanada e a tendncia de contnuo crescimento.

    O acesso por meio de celulares e smartphones

    tambm vem crescendo. Em 2013 o nmero de pessoas,

    com mais de 10 anos, que acessaram a rede foi de 31% da

    populao, correspondendo a um total de 52,5 milhes de

    brasileiros. No ano anterior este percentual era de 20% e

    em 2011 de 15%. Seus principais usos so para acessar redes

    sociais, visualizar fotos ou vdeos, acessar e-mails ou baixar

    aplicativos. Esse aumento pode ser explicado pela constante

    reduo do custo desses aparelhos, aliado a planos de dados

    mais acessveis populao.

    O uso da Internet por meio de aparelhos portteis

    como tablets e notebooks tambm tem aumentado. A

    presena de tablets nos domiclios era de 4% em 2012 subiu

    para 12% em 2013. J com relao aos notebooks estes

    estavam presentes em 50% dos domiclios em 2012, e no

    ano seguinte representava um total de 57%.

    O Brasil um dos pases com maior presena on line

    e que passa mais horas conectado, e ainda assim temos uma

    das conexes mais caras e ruins do mundo. Existem muitos

    desafios para a massificao da rede no pas, como aspectos

    econmicos, regionais, de infraestrutura e politicas

    pblicas que contribuam para a melhoria do servio. Os

    servios de Internet que so alvos de crticas e que geram

    um maior nvel de insatisfao so os prestados pelas

  • 64

    empresas de telefonia. As principais queixas esto ligadas

    qualidade e velocidade na conexo. O Cariri tambm sofre

    com essa deficincia na prestao deste servio, assim como

    as demais regies.

    6.2 Redes Sociais

    A cada dia estamos mais conectados e em um

    nmero maior de ambientes, seja em casa, no trabalho, na

    faculdade ou em algum estabelecimento comercial o uso

    das redes sociais no nosso cotidiano virou uma necessidade

    e para alguns um vcio. Com a disposio de redes sem fio

    na maioria desses ambientes estamos sempre conetados

    atravs dos smartphnes e tablets.

    Como o nome j diz, as redes sociais so redes de

    relacionamento e no devemos subestimar sua utilizao

    apenas propaganda. uma ferramenta essencial para

    qualquer empresa, pois manter um canal de

    relacionamento com o consumidor fundamental, ainda

    mais onde ele est presente. As redes mais disseminadas,

    como Facebook e Instagram, permitem a realizao de

    algumas estratgias importantes s empresas.

    Como canal de relacionamento as redes sociais

    possuem um papel estratgico para as organizaes, sejam

    pblicas ou privadas. Vemos uma recente onda de pginas

    no Facebook que atuam como um fonte de notcias e de

  • 65

    reclamaes por parte de seus usurios. o caso das pginas

    Cariri Como Eu Vejo e Mete Bronca Cariri que rene

    postagens de diversas pessoas da regio mostrando

    problemas causados pela m administrao de governos

    municipais, rgo pblicos, m prestao de servios das

    empresas e fatos cotidianos.

    Um verdadeiro depositrio de informaes que

    mobiliza pessoas com necessidades de expressarem suas

    opinies e angstias quanto a qualidade dos servios

    pblicos e privados. Existe ento a necessidade dos

    empreendedores estarem atentos a esses canais, a fim de se

    auto avaliarem a partir dos comentrios dirigidos a seus

    negcios.

    Saber como se posicionar frente a esses

    questionamentos, reclamaes e opinies outro fator

    fundamental. Em alguns casos temos a impresso de que

    algumas empresas desconsideram o fato de que esto

    lidando com clientes e acabam respondendo a essas

    reclamaes de forma orgulhosa ou at mesmo rude.

    Quando me deparo com situaes como essas me

    pergunto: Que tipo de relacionamento essas empresas

    esperam ter com seus clientes? Talvez elas no acreditem

    ou no saibam que devam manter um relacionamento com

    seus clientes, visto que muito mais dispendioso captar um

    cliente novo em vez de manter seus clientes.

  • 66

    O profissional que se dedica a mediar esses

    conflitos na web, e manter um bom relacionamento entre

    marca e cliente o social media. Este deve ser capaz de

    mediar crises nas redes, alm de elaborar campanhas

    digitais, desenhar um calendrio de publicaes, mensurar

    resultados obtidos entre outras atividades.

    O problema, que frequentemente verificado no

    Cariri, a falta de especializao desse profissional. Em

    muitas empresas esse papel desempenhado por um

    funcionrio que designado a executar essas tarefas alm

    de suas obrigaes tradicionais. A falta de especializao

    nesses casos pode mitigar o desenvolvimento de aes

    eficazes no ambiente virtual.

    Encontrar um profissional exclusivo para o

    desempenho dessas funes pode ser muito custoso para

    microempresas ou empresas de pequeno porte. Uma

    soluo cabvel para essa situao seria a terceirizao desse

    servio a agncias especializadas e ou profissionais

    autnomos.

    Outro fenmeno entre os negcios locais o

    Instagram que atraiu principalmente as empresas de

    vesturio da regio. Com uma foto trabalhada no prprio

    aplicativo e um texto simples uma roupa ou produto ganha

    status e disseminada em questo de segundos entre os

    clientes seguidores daquela marca.

  • 67

    Os restaurantes e bares das cidades do Cariri

    tambm se renderam as redes. Com a possibilidade de

    marcaes geogrficas nas fotos e postagens alguns bares

    passaram a ter status de acordo com os grupos que os

    frequentam. Novos restaurantes so descobertos na rede

    com uma velocidade maior do que sua movimentao

    natural. Pratos e bebidas so exibidos e apreciados por

    quem segue as redes e geram desejo entre os que ainda no

    provaram. Ou so motivos de piada e crticas quando, por

    exemplo um animal ou inseto achado em pratos. Logo a

    imagem de um negcio pode ir da glria a decadncia em

    questo de minutos.

    6.3 Oportunidade e Necessidades

    A qualidade da prestao de servios das empresas

    algo que pode ser percebido por todos, sejam clientes,

    fornecedores, profissionais de marketing ou pelos prprios

    colaboradores. O grau dessa percepo vai variar de acordo

    com a posio de cada um nesse processo.

    Quando existe a insatisfao por parte dos clientes

    com relao a qualidade da prestao dos servios natural

    que haja a exposio de seus sentimentos com relao a

    marca, servio ou produto. E em tempos de Internet, ou

    melhor, de redes sociais essa exposio toma, em muitos

  • 68

    casos, um efeito viral que pode repercutir negativamente

    para a empresa.

    Por isso mesmo aquelas empresas que de forma

    deliberada ou que por falta de estratgia mercadolgica,

    no esto oficialmente presentes na web atravs de sites,

    blogs ou pginas em redes sociais, podem ser levadas ao

    ambiente virtual atravs de seus clientes. Dependendo do

    caso, isso pode acontecer atravs de uma reclamao em

    algum site especializado ou at mesmo em alguma rede

    social. E mesmo quando no for uma crtica e sim uma boa

    avaliao, ainda assim um problema pois aqueles que

    leem o comentrio, e podem se tornar novos clientes, no

    conseguem encontrar a empresa na web.

    Surge a a necessidade da presena on line das

    empresas, independente de sua estratgia de mercado.

    Estar na web vital para que se mantenha um canal de

    relacionamento com o consumidor. Possibilitando que a

    empresa se comunique e, tambm, apresente seus produtos

    e servios.

    A partir do que foi discutido v-se que o marketing

    digital toma uma amplitude maior em relao ao

    pensamente de que sua utilizao ligada unicamente a

    realizao de publicidade em redes sociais. A utilizao das

    ferramentas de marketing podem e devem ser replicadas ao

    ambiente virtual.

  • 69

    V-se aqui no Cariri a crescente demanda por esse

    tipo de servio que envolve desde a criao e manuteno

    de sites, pginas em redes sociais, blogs corporativos a e-

    commerces. Mas ainda existe um leque de atividades que

    ainda podem ser desenvolvidas como a otimizao de

    palavras-chave para aumentar a visibilidade dos sites nos

    buscadores, publicidade on line, marketing viral, TV

    Digital, mensagens SMS, vdeos, entre outras ferramentas

    que possibilitam a aplicao das estratgias de marketing

    para o alcance do pblico-alvo.

    Se refletirmos a respeito da facilidade de realizar

    uma busca por produtos e servios pela internet em

    comparao ao deslocamento at os centros comerciais das

    cidades, que est sujeito a fatores do clima como sol forte,

    e de espao como as poucas opes para estacionar, de

    acesso e trnsito catico veremos que as vantagens vastas.

    Isso no significa que os negcios tradicionais

    deixaram de existir ou que os negcios digitais sejam

    melhores, a questo aqui oportunidade, e entendida

    assim no descarta a existncia de negcios tradicionais.

    Muitos dos negcios que no possuem pginas na

    web, em redes sociais, blogs ou qualquer outro canal virtual

    com o consumidor possivelmente tambm no possuem

    estratgias de marketing definidas para seus negcios. A

    dificuldade no est relacionada apenas a tecnologia e sim

    a gesto propriamente dita.

  • 70

    O ambiente digital agua a competitividade entre as

    empresas, pois aumenta a praa de atuao dos negcios, ao

    mesmo tempo que existe a crescente presena das pessoas

    no ambiente virtual. Explorar mais e cada vez melhor essas

    ferramentas para aplicar as estratgias de marketing digital

    agora uma necessidade e no mais uma opo.

    A oportunidade est a, o ambiente j existe e as

    pessoas esto conectadas. Cabe que os profissionais, as

    agncias de social media, desenvolvedores para web, de TI,

    consultores empresariais entre outros se organizem para

    educar o mercado e criar estratgias que mostrem a

    necessidade aos empreendedores da presena on line.

  • 71

    A importncia do debate a cerca do tema

    empreendedorismo destaca a nossa apreenso de que

    precisamos valorizar cada vez mais as aes educativas e

    esclarecedores dos caminhos que tratam a relao das

    mudanas na conexo entre capital e trabalho. Quando nos

    preocupamos em evidenciar a percepo do futuro

    empreendedor nos jovens acadmicos dos cursos de

    graduao, estamos buscando contribuies para a

    constatao da verdadeira inteno entre o sonho

    profissional e a sua concretizao de fato. Para tanto as

    aes de valorizao do empreendedor, somadas as de uma

    educao direcionada para a prtica empreendedora,

    surgem como ferramentas articuladas que podem

    modificar os destinos dos jovens, em termos de futuro

    profissional e realizao pessoal.

    Sendo assim as estruturas de startups surgem como

    umas perspectivas deste jovem empreendedores que

    conseguem vislumbrar uma boa oportunidade de mercado

    atrelado ao conhecimento adquirido em sua vida

    acadmica a fim de tentarem alcanar um lugar neste

    mercado extremamente concorrido.

  • 72

    Portanto com objetivo deste livro foi de tentar

    demonstrar a viso de alguns microempreendedores da

    regio do cariri em relao a sua perspectiva

    empreendedora e forma como eles se organizaram a fim de

    conseguir alcanar seus sonhos, sendo cada um em sua

    linha, sendo assim esperamos que livro sirva de inspirao

    para outros empreendedores que galgar dar vida a seu

    sonho de negcio.

  • 73

    ______ Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

    ______ O Segredo de Lusa: Uma ideia, uma paixo e um plano de negcios: como nasce o empreendedor e se cria uma empresa. 6. ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

    BARLACH, Lisete. Empreendedorismo ou profisso: am desafio para orientadores(as).Rev. bras. orientac. prof, So Paulo , v. 12, n. 1, jun. 2011 .Disponvel em . acessos em 28 mar. 2015.

    BARROS, Aidil Jesus da Silveira; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia cientfica. 3 ed. Ed. So Paulo : Pearson Prentice Hall, 2007.

    BERNARDI; Luiz Antnio; Manual de empreendedorismo e gesto: fundamento, estratgias e dinmicas;1 ed. So Paulo: Atlas,2008.

  • 74

    BUENO, Rosangela Aparecida; NEVES, Rosangela Domaneschi. Cliente Oculto: tcnica de pesquisa e avaliao de atendimento. Disponvel: . Acesso em: 15 de fev de 2015.

    CERVO, Luiz Amado; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia cientifica. 5.ed. So Paulo: Prentice-Hall, 2002.

    CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: Dando asas ao esprito empreendedor. 3. ed. So Paulo: Saraiva, 2008.

    CHRISTOVAM, Antonieta. Cliente Oculto: um estudo da tcnica na pesquisa qualitativa. 2009. 97 f. Dissertao (Mestrado em Administrao de Empresas) Pontfica Universidade Catlica de So Paulo, So Paulo.

    COMIT GESTOR DA INTERNET NO BRASIL CGI.br. TIC Domiclios. Disponvel: . Acesso em: 08 de Mar de 2015.

    CORRA, H. L.; CAON, M. Gesto de servios: Lucratividade por Meio de Operao e de

    http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/viewFile/1795/1706http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/viewFile/1795/1706

  • 75

    Satisfao dos Clientes. 1 ed. So Paulo. Atlas, 2012.

    CORRA, H. L.; CAON, M. Gesto de servios: Lucratividade por Meio de Operao e de Satisfao dos Clientes. 1 ed. So Paulo. Atlas, 2012.

    DEGEN, Ronald Jean. Empreendedor: Empreender como opo de carreira; ed------So Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

    DEYDA,Tnia Tisser; CASADO, Renata Utchitel - Relaes de trabalho no mundo corporativo: Possvel antecedente do empreendedorismo? [artigo cientifico]. 2011.Disponvel em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1679-39512011000400008&script=sci_arttext . Acesso em 25 set. 2012.

    DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor: A metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. 6. ed. So Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.

    DOMINGUEZ, S. V. O Valor Percebido como Elemento Estratgico para Obter a Lealdade do Cliente. Centro de Pesquisas em Administrao, So Paulo, v. 07, n 4, Outubro/Dezembro 2000.

  • 76

    DORNELAS, Jose Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando ideias em negcios. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

    DRUCKER, Peter Ferdinand. Inovao e Esprito Empreendedor: Prtica e princpios. 1. ed. So Paulo: Censage learning, 2008.

    GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR GEM. Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil Relatrio Executivo, 2013. GEM, 2013.

    GONALVES, H. J. Fidelizao de Clientes. Trabalho de Concluso de Especializao. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

    GUEDES, R. C. Responsabilidade Social & Cidadania Empresariais: Conceitos Estratgicos Para As Empresas Face Globalizao.

    KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administrao de Marketing 12 ed. So Paulo Pearson Prentice Hall, 2006.

    LAS CASAS, A. L. Administrao de Marketing: Conceitos, Planejamento e Aplicaes Realidade Brasileira. So Paulo: Atlas. 2006. MALHOTA, N. K. Pesquisa de Marketing: Uma Orientao Aplicada. Porto Alegre Bookman, 2006.

  • 77

    MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia cientifica. 6 ed. ed. So Paulo: Atlas, 2001.

    MARTES, Ana Cristina Braga. Weber e Schumpeter: a ao econmica do empreendedor. Rev. Econ. Polit., So Paulo , v. 30, n. 2, June 2010 . Available from . access on 30 Mar. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31572010000200005.

    MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Administrao para empreendedores: fundamentos da gesto e da criao de novos negcios. So Paulo: Pearson Prentice hall, 2006.

    MEC- Ministrio da educao e desportos. Cmera de educao superior. Disponivel em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0146.pdf. Erro! A referncia de hiperlink no vlida. em: 25 set.2014.

    MENDES, G. H. S.; TOLEDO, J. C. Qualidade em Servios: O Papel da Funo de Desenvolvimento de Novos Servios. Enegep. 1997.

    MYSTERY SHOPPING PROVIDERS ASSOCIATION. About Mystery Shopping. Disponvel:

  • 78

    la.org/en/What_is_MS.html>Acesso em: 16 de fev. De 2015.

    PANTZIER, Rolf Dieter. Empreendedorismo e formao de empreendedores- uma analise do curso de administrao da universidade regional de Blumenau.1999. 90f. Dissertao (mestrado em administrao) Universidade regional de Blumenau, Centro de cincias sociais aplicadas, Blumenau,1999.

    ROZADOS, Helen Beatriz Frota. Uso de indicadores na gesto de recursos de informao. Revista Digital de Biblioteconomia e Cincia da Informao [em lnea]. 2005, vol. 3, no. 1. [data de consulta: 15 fevereiro 2015]. Disponvelem:http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/viewFile/316/195

    SARKAR, Soumodip.O Empreendedor Inovador: Faa diferente e conquiste seu espao no mercado. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

    SUSSKIND, Stella Kochen. Cliente Oculto: a metodologia que revolucionou o atendimento ao consumidor. 1.ed. So Paulo: Primavera Editorial, 2012.

    http://www.mspa-la.org/en/What_is_MS.htmlhttp://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/viewFile/316/195http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/viewFile/316/195

  • 79

  • 80