slides desonera§£o in 1.436 rfb

Download Slides desonera§£o in 1.436 rfb

Post on 28-Jan-2018

107 views

Category:

Economy & Finance

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  1. 1. DESONERAO DA FOLHA DE PAGAMENTO FORUM DE DISCUSSODESONERAO DA FOLHA DE PAGAMENTO FORUM DE DISCUSSO
  2. 2. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO INTRODUO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigncia encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISRIA N. 612, DE 04 DE ABRIL DE 2013 LEI N. 12.844, DE 19 DE JULHO DE 2013 MEDIDA PROVISRIA N. 634, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013 INSTRUO NORMATIVA RFB N. 1436, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013
  3. 3. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAODESONERAO CONTRIBUIO SUBSTITUTIVA LEI N 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. Art. 7 - At 31 de dezembro de 2014, contribuiro sobre o valor da receita bruta, excludas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos, em substituio s contribuies previstas nos incisos I e III do art.22 da Lei n. 8.212/91, alquota de 2% (dois por cento). Redao dada pela Lei n 12.715 Decreto n 7.828/2012
  4. 4. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO Parcela desonerada contribuies previdencirias de 20% sobre o total da folha de pagamento de empregados, avulsos e contribuintes individuais. As empresas continuam sujeitas ao cumprimento das demais obrigaes previstas na legislao previdenciria (recolhimento da parcela do empregado, contribuio para terceiros, alquotas SAT/RAT, etc.). Alquota contribuio ser de alquota de 2% sobre o valor da receita bruta, (art. 7o , caput, da Lei 12.546/2011).
  5. 5. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS OBRIGATORIEDADE De acordo com o Decreto n 7.828/2012, artigo 4, a substituio previdenciria tm carter impositivo aos contribuintes que exeram as atividades estabelecidas na Lei IN RFB n. 1436/2013, art. 1 As contribuies previdencirias das empresas que desenvolvem as atividades relacionadas incidiro obrigatoriamente sobre o valor da receita bruta
  6. 6. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS Art. 7, IV da Lei n. 12546 art. 13 da Lei n 12.844/2013 CONSTRUO CIVIL: CNAE 2.0 412 - CONSTRUO DE EDIFCIOS 432 - INSTALAES ELTRICAS, HIDRULICAS E OUTRAS INSTALAES EM CONSTRUES 433 - OBRAS DE ACABAMENTO 439 - OUTROS SERVIOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUO A partir de 1.04.2013 at 31.05.2013 MP 601 A partir de 1.11.2013 1 dia do 4 ms subsequente publicao da Lei 12.844/2013 (19.07.2013) Vigncia: art. 49, Lei 12.844
  7. 7. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS Art. 7, VII da Lei n. 12.546 Art. 13 da Lei n 12.844/2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA CNAE 2.0 421 - CONSTRUO DE RODOVIAS, FERROVIAS, OBRAS URBANAS E OBRAS-DE-ARTE ESPECIAIS 422 - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA PARA ENERGIA ELTRICA, TELECOMUNICAES, GUA, ESGOTO E TRANSPORTE POR DUTOS 429 - CONSTRUO DE OUTRAS OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA 431 - DEMOLIO E PREPARAO DO TERRENO Desonerao obrigatria a partir de 1.01.2014Desonerao obrigatria a partir de 1.01.2014
  8. 8. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS INCORPORAO IMOBILIRIA CNAE 4110-7/00 NO DESONERADO Nos casos de empresas que tem receita de INCORPORAO e de CONSTRUO: Nos termos dos 9 e 10, dever ser considerado "..apenas o CNAE relativo a sua atividade principal, assim considerada aquela de maior receita auferida ou esperada, no lhes sendo aplicado o disposto no 1. Confirmando o entendimento, o 10, diz que "...ser a receita bruta da empresa relativa a todas as suas atividades".
  9. 9. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - CONSRCIO Art. 5 da MP n. 634/2013 e Art. 1, 2 e Arts. 20, 21 e 22 da IN RFB n. 1436/2013 Equipara-se a empresa, o consrcio constitudo nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei n 6.404, de 15 de dezembro de 1976, que realizar a contratao e o pagamento, mediante a utilizao de CNPJ prprio do consrcio, de pessoas fsicas ou jurdicas, com ou sem vnculo empregatcio, ficando as empresas consorciadas solidariamente responsveis pelos tributos relacionados s operaes praticadas pelo consrcio.
  10. 10. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - CONSRCIO No clculo da contribuio incidente sobre a receita, a consorciada deve deduzir de sua base de clculo, observado o disposto no art. 9 da Lei n 12.546, de 2011, a parcela da receita auferida pelo consrcio proporcional a sua participao no empreendimento. Nos casos em que a empresa lder assumir, no contrato de que trata o art. 279 da Lei n 6.404, de 1976, a responsabilidade pela contratao e pagamento, em nome do consrcio, de pessoas fsicas ou jurdicas, com ou sem vnculo empregatcio, a contribuio para a Previdncia Social relativa s pessoas fsicas vinculadas ao consrcio seguir a mesma sistemtica a que estiver submetida a empresa lder.
  11. 11. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - CONSRCIO Nos casos em que as empresas integrantes do consrcio, mediante a utilizao de CNPJ prprio de cada pessoa jurdica, forem responsveis pelo pagamento pessoa fsica, com ou sem vnculo empregatcio, independentemente de a contratao ter sido efetuada pelo consrcio, a contribuio para a Previdncia Social seguir a mesma sistemtica a que estiver submetida a empresa beneficiria da contratao.
  12. 12. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS - VIGNCIA MATRCULA CEI vigncia Art. 7, 9, da Lei 12.546/2011 e IN 1436/2013, ART. 13 Aplicam-se s empresas de construo civil, enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE 2.0, responsveis pela matrcula da obra, as seguintes regras para fins de recolhimento:
  13. 13. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS - VIGNCIA CONSTRUO CIVIL CNAE 412, 432, 433, 439 REGRAS DE TRANSIO ABERTURA DO CEI Art. 7, 9, da Lei 12.546/2011 e Art. 13 da IN n. 1436/2013 ABERTURA DO CEI TIPO DE CONTRIBUIO PRAZO PARA CUMPRIMENTO DAS REGRAS At 31/03/2013 20% sobre a folha At o trmino da obra De 01/04/13 at 31/05/2013 2% da receita bruta At o trmino da obra De 01/06/13 at 31/10/13 20% sobre a folha ou 2% da receita bruta At o trmino da obra A partir de 01/11/13 2% da receita bruta At o trmino da obra
  14. 14. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS - VIGNCIA Art. 16 da IN 1436/2013: O disposto no art. 13 no se aplica s empresas de construo de obras de infraestrutura, enquadradas nos grupos 421, 422, 429 e 431 da CNAE 2.2 Desonerao obrigatria a partir deDesonerao obrigatria a partir de 1.01.2014 at 31.12.20141.01.2014 at 31.12.2014 Vigncia art. 49, Lei 12.844 e art. 9, IV, b da IN 1436/2013
  15. 15. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS RECEITA BRUTA CONSTRUO CIVIL no clculo da contribuioincidentesobreareceitabrutasero excludas da base de clculo as receitas provenientes das obras cujo recolhimento da contribuio tenha ocorrido na forma dos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei 8.212/91 art. 7, 9,V da Lei 12.546/2011
  16. 16. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO SETORES DESONERADOS FASE PR OPERACIONAL IN RFB N. 1436/2013, ART. 23 A CPRB no se aplica durante a fase pr-operacional empresas estaro sujeitas s contribuies previstas na Lei n. 8.212/91 Considera-se fase pr-operacional aquela que se desenvolve em perodo anterior ao incio das atividades da empresa Soluo de Consulta n 74 de 12 de julho de 2013
  17. 17. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - MULTIPLAS ATIVIDADES REGRA GERAL Art. 8, a e art. 9 da Lei n 12.546, de 2011 e Art. 8 da IN RFB n. 1436/2013 A empresa que exerce, conjuntamente, atividade sujeita contribuio substitutiva prevista no artigo 8 da Lei n 12.546, de 2011, e outras atividades no submetidas substituio, deve recolher: a) a contribuio incidente sobre a receita bruta em relao aos produtos que industrializa e que foram alcanados pelo regime substitutivo;
  18. 18. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - MULTIPLAS ATIVIDADES REGRA GERAL (Continuao): b) a contribuio previdenciria incidente sobre a folha de pagamento prevista no art. 22, incisos I e III, da Lei n 8.212, de 1991, mediante aplicao de redutor resultante da razo entre a receita bruta das atividades no sujeitas ao regime substitutivo e a receita bruta total, utilizando, para apurao das receitas brutas (total e "parcial"), os mesmos critrios e dedues
  19. 19. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - MULTIPLAS ATIVIDADES ENQUADRAMENTO PELO CNAE ATIVIDADE PRINCIPAL Art. 17 da IN 1436/2013 Art. 17, 4 Para as empresas cujo enquadramento se d pelo CNAE a CPRB ser a receita bruta da empresa relativa a todas as suas atividades , no lhes sendo aplicada a regra de que trata o art. 8. Ou seja, a base de clculo da contribuio para as empresas enquadradas nos CNAE desonerados ser a receita bruta da empresa relativa a todas as suas atividades. ( art. 9, 9 e 10 da Lei 12.546/2011, com a redao da 12.844/2013) e Art. 17 da IN 1436/2013.
  20. 20. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - MULTIPLAS ATIVIDADES ATIVIDADE PRINCIPAL Art. 17 da IN 1436/2013 Art. 17. As empresas para as quais a substituio da contribuio previdenciria sobre a folha de pagamento pela CPRB estiver vinculada ao seu enquadramento no CNAE devero considerar apenas o CNAE principal. 1 O enquadramento no CNAE principal ser efetuado pela atividade econmica principal da empresa, assim considerada, dentre as atividades constantes no ato constitutivo ou alterador, aquela de maior receita auferida ou esperada.
  21. 21. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - MULTIPLAS ATIVIDADES ATIVIDADE PRINCIPAL Art. 17 da IN 1436/2013 RECEITA AUFERIDA: 2 A "receita auferida" ser apurada com base no ano- calendrio anterior, que poder ser inferior a 12 (doze) meses, quando se referir ao ano de incio de atividades da empresa. 8. RECEITA ESPERADA: 3 A "receita esperada" uma previso da receita do perodo considerado e ser utilizada no ano-calendrio de incio de atividades da empresa.
  22. 22. DESONERAODAFOLHADEPAGAMENTO DESONERAO - MULTIPLAS ATIVIDADES O CNAE deve corresponder atividade efetivamente exercida pela empresa. A alterao do CNAE no deve ser efetuada ms a ms. O CNAE somente dever ser alterado caso ha