situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01-120716213148-phpapp01 (1)

Download Situaesquearotinanecessitacontemplar 120628125647-phpapp01-120716213148-phpapp01 (1)

Post on 21-Jun-2015

777 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. Organizar uma rotina semanal de leitura e escrita fundamental para orientar o planejamento e o cotidiano da sala de aula.

2. Ela se expressa na forma que voc organiza:TEMPOESPAOSMATERIAIS INTENESINTERVENES 3. A rotina deve contemplar situaes didticas de reflexo sobre o sistema de escrita alfabtico e de apropriao da linguagem que se escreve. 4. ATIVIDADES PERMANENTES: - Leitura realizada pelo(a) professor(a): (Leitura em voz alta de textos literrios, jornalsticos e sobre curiosidades). - Leitura pelo aluno: Roda de biblioteca com diversas finalidades: apreciar a qualidade literria dos textos, conhecer diferentes suportes de texto. 5. Matrizes Curriculares Municipais Lngua PortuguesaEscutar textos lidos pelo professor, atribuindo-lhe sentido, associando texto e contexto.Ler livros na classe, na biblioteca e em casa (emprstimos de livros). Socializar as experincias de leitura. 6. - Anlise e reflexo sobre o sistema de escrita:( para os alunos no- alfabticos) Leitura e escrita dos nomes dos alunos da sala. Leitura do alfabeto exposto na sala. Leitura e escrita de textos conhecidos de memria. Leitura e escrita de ttulos de livros, de listas diversas (nomes dos ajudantes da semana, brincadeiras preferidas, professores e funcionrios), ingredientes de uma receita, leitura de rtulos etc. 7. Matrizes Curriculares Municipais Lngua PortuguesaConstruir a escrita a partir do seu nome.Escrever palavras, frases e pequenos textos contextualizando-os. Utilizar diferentes gneros, como histria em quadrinhos, pinturas, msicas etc. 8. - Comunicao oral: Roda de conversa.Reconto de histrias conhecidas ou pessoais, de filmes etc. Exposio de objetos, materiais de pesquisa etc. Situaes que permitam emitir opinies sobre acontecimentos, curiosidades etc. 9. Matrizes Curriculares Municipais Lngua PortuguesaParticipar de situaes comunicativas: ouvir com ateno, intervir sem sair do assunto tratado, formular e responder perguntas, explicar e ouvir explicaes, manifestar e acolher opinies. Narrar fatos e histrias em sequncia temporal e casual. Trabalhar com variados gneros discursivos: contos, poemas, canes, parlendas, anncios, notcias, cartas, receitas etc. 10. - Produo de texto escrito:Produo coletiva, em dupla e individual de um bilhete, de um texto instrucional etc. ( Produo oral com destino escrito) Reescrita de textos conhecidos coletiva, em dupla, individual. 11. Matrizes Curriculares Municipais Lngua PortuguesaConsiderar para quem o texto foi escrito, o porqu e as caractersticas do gnero. Introduzir progressivamente aspectos notacionais.Introduzir progressivamente aspectos discursivos. 12. SEQUNCIA DIDTICA:planejadas e orientadas com o objetivo de promover uma aprendizagem especfica e definida. So sequenciadas com a inteno de oferecer desafios com graus diferentes de complexidade para que as crianas possam ir paulatinamente resolvendo problemas a partir das diferentes proposies. (RCNEI) 13. Exemplo:Sequncia didtica produo oral com destino escrito Era uma vez um conto de fadas.... Atividade 1 Leitura de contos tradicionais. Atividade 2 Ouvir uma histria gravada em CD. Atividade 3 Produo oral da histria escolhida. 14. Sequncia: Escolha boas verses dos contos: Branca de Neve,Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e Joo e Maria. Leia trechos que descrevem os personagens ou cenrios (tinha os lbios vermelhos como sangue, os cabelos pretos como o bano e era branca como a neve, por exemplo) para que os alunos descubram de que histria foram retirados. 15. Promova uma discusso a respeito da linguagemutilizada e do papel das descries nas histrias: - Como o uso das palavras e expresses pode servir para causar os efeitos desejados (por exemplo, pergunte como sabemos que a Chapeuzinho est amedrontada com a av)? - Como a descrio de ambientes pode criar suspense, diferentes climas numa histria? -Como a descrio de um personagem seu jeito, sua personalidade nos provoca, nos faz imagin-lo? - A caracterizao de um personagem nos ajuda a saber qual a histria contada? 16. Escolha, com os alunos, um conto entre aqueles mais conhecidos, para ser produzido oralmente. Leia-o em diferentes verses. Se houver possibilidade, deixe-os ouvir um conto em CD. Promova o reconto oral desse conto com a colaborao de todos os alunos. Planeje coletivamente o processo de produo oral do conto a ser escrito por voc. Escreva a produo oral dos alunos. 17. Nessa sequncia fica evidente o trabalho com boas situaes de aprendizagens mencionadas nas atividades permanentes. 18. PROJETO DIDTICO:Se caracterizam por serem conjuntos de atividades envolvendo uma ou mais linguagens e possuem um produto final que ser socializado para um pblico externo sala de aula. Em geral, possuem durao de vrias semanas. 19. Erros mais comuns:- Focar o trabalho excessivamente no produto final. Os alunos aprendem muito mais com todo o processo do que com a chamada culminncia. - No aproveitar os projetos para refletir sobre o sistema alfabtico e ortogrfico. Os alunos devem realizar registros e ter atividades de leitura em diversas etapas, articulando o sistema de escrita com as prticas de linguagem. 20. Assim como as sequncias didticas, os projetosdidticos devem ter uma intencionalidade definida e sabendo que aps alcanarem a aquisio do sistema de escrita o prximo passo a produo de bons textos nosso caminho ser: Aspectos necessrios para a produo de bons textos. 21. Bibliografia: MOGI DAS CRUZES, Secretaria Municipal de Educao. Matrizescurriculares municipais para a educao bsica: 9 anos- Lngua Portuguesa. Secretaria Municipal de Educao. Mogi das Cruzes: SME, 2009. So Paulo (Estado), Secretaria da Educao. Ler e escrever: guia deplanejamento e orientaes didticas; professor alfabetizador 1a srie Secretaria da Educao, Fundao para o Desenvolvimento da Educao; adaptao do material original, Claudia Rosenberg Aratangy, Rosalinda Soares Ribeiro de Vasconcelos. - 3. ed. So Paulo : FDE, 2010.