sistema tributÁrio nacional e polÍtica nacional .especializado em direito empresarial e...

Download SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E POLÍTICA NACIONAL .Especializado em Direito Empresarial e Tributário

Post on 13-Feb-2019

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

4

SISTEMA TRIBUTRIO NACIONAL E POLTICA NACIONAL DO MEIO

AMBIENTE: A Extrafiscalidade Pr-Ambiente

NATIONAL TAX SYSTEM AND NATIONAL ENVIRONMENTAL POLICY

MARCOS AURLIO DOS SANTOS BORGES1

RESUMO

O presente texto visa tecer consideraes sobre o liame existente entre o Sistema Tributrio Nacional e a Poltica Nacional do Meio Ambiente, atravs da abordagem acerca dos tributos em espcie e o carter extrafiscal, propcio para contribuir para as polticas ambientais, bem como o impacto das reparties constitucionais das receitas tributrias nas aes preventivas de proteo ambiental. Ademais, aborda questes internacionais e a relao com o meio ambiente nacional , alm de evidenciar algumas experincias positivas existentes na regio amaznica, no que se refere a empreendimentos industriais e as receitas tributrias geradas, levando em considerao o meio ambiente. Palavras-chave: Sistema Tributrio Nacional. Poltica Nacional do Meio Ambiente. Extrafiscalidade

ABSTRACT This paper seeks comment on the bond between the National Tax System and the National Environment Policy, through the approach on taxes in kind and their character , suitable for contributing environmental policies, as well as the impact of constitutional breakdowns of revenues tax on preventive environmental protection. In addition to addressing international issues and the relationship with the environment nationwide, some positive experiences existing in the Amazon region, with regard to industrial enterprises and tax revenue generated, taking into consideration the environment. Keywords: National Tax System. National Environment Policy. Extrafiscality. 1. CONSIDERAES INICIAIS

A atual ordem constitucional inaugurada em 1988 trouxe novos paradigmas acerca de

quais direitos seriam tutelados pela Constituio Federal, como forma de assegurar a

estabilidade de um Estado Democrtico e de Direito.

Princpios, como os da dignidade da pessoa humana, livre concorrncia, limitaes ao

poder de tributar e o do meio ambiente ecologicamente equilibrado, presentes,

respectivamente, nos art. 1, III; 170, IV; 146,II e 225, todos da Constituio Federal, so

1 Advogado atuante no Par e no Rio de Janeiro nas reas de Direito Tributrio, Empresarial e Internacional. Graduado em Direito pela Universidade Federal do Par. Especializado em Direito Empresarial e Tributrio - Fundao Getlio Vargas/RJ e, em Direito Internacional por ttulo conferido pelo Comit Jurdico Interamericano da Organizao dos Estados Americanos. Parecerista-Avaliador ad hoc da Universidade Federal de Uberlndia. Mestrando em Direito Internacional Universidade Gama Filho/RJ.

5

marcos que devem ser preservados em nossa ordem jurdica, j que foram eleitos pelo

constituinte originrio, como referncias para o novo ordenamento jurdico.

Estes princpios se relacionam, na medida em que regem as relaes jurdicas entre

cidados em grau de igualdade, mas, principalmente, se direciona ao Estado, no tocante sua

atuao para com seus nacionais brasileiros.

Neste contexto existe a convivncia necessria entre o sistema tributrio nacional e a

poltica nacional do meio ambiente.

Fernando Magalhes Mod, no ttulo da sua obra expe, o termo Tributao

Ambiental2, terminologia que tambm usada por Paulo Henrique do Amaral, Jos Eduardo

Silvrio Ramos, Stefania Eugenia Barichello e Luiz Ernani Bonesso de Arajo,

O termo equivocado, por dois motivos. O primeiro se encontra no fato de que

tributao enseja um fazer do Estado, mais precisamente, na criao de tributos incidentes

sobre o meio ambiente. Sendo assim, do ponto de vista tcnico, isto impossvel, na medida

em que considera o meio ambiente um bem privado, sujeito incidncia de tributos,

contrariando o explicitado no art. 225 da CF, que prev que o meio ambiente bem de uso

comum do povo. J o segundo est pautado na realidade. O que ocorre so incentivos fiscais

queles que regem suas atividades produtivas pautadas na preservao ambiental, ou uma

majorao dos tributos j existentes com o intuito de reprimir prticas produtivas deletrias ao

meio ambiente, como forma de efetivar o equilbrio entre os agentes econmicos

concorrentes.

Outro ponto de extrema relevncia mencionado por Mod a de que tal tributao

no tem carter sancionatrio. Em suas palavras, ele afirma: a tributao ambiental

diferencia-se do carter sancionatrio por no se aplicar a atividades ilcitas. A tributao

ambiental aplica-se to somente atividades lcitas, assim consideradas pelo legislador

porque necessrias, em que pese o impacto do meio ambiente.3

Ora, nenhuma atividade tributria em qualquer das esferas, sejam elas federal, estadual

ou municipal, tem natureza sancionatria. Pela prpria redao do art. 3 do Cdigo

Tributrio Nacional, onde h a clara meno que tributo no decorre de sano de ato ilcito,

depreende-se tal entendimento.

Diante destas premissas, este trabalho pretende abordar a relao existente entre o

sistema tributrio nacional e a poltica nacional do meio ambiente, os aspectos positivos e 2 MOD, Fernando Magalhes. Tributao Ambiental. Curitiba: Juru, 2003, p. 123. In BARICHELO, Stefania Eugenia e ARAJO, Luiz Ernani Bonesso. Frum de Direito Urbano e Ambiental FDUA. ano 1, n.1, jan/fev. 2002. Belo Horizonte: Frum, 2002, p.69. 3 MOD, Fernando Magalhes, op.cit.,p.123.

6

negativos, bem como apontar sugestes para aprimoramento daquela, em prol do benefcio do

Estado brasileiro.

Desse modo, os recursos arrecadados com a tributao so parcialmente revertidos em

benefcio do meio ambiente e constituem ponto fulcral para a construo de uma sociedade

livre, justa e solidria, objetivo fundamental a ser perseguido e alcanado pelo Estado

Brasileiro, conforme prev o art. 2, I, da CF.

2. ELO CONSTITUCIONAL ENTRE ORDEM ECONMICA, SISTEMA

TRIBUTRIO NACIONAL E MEIO AMBIENTE

A Teoria Tridimensional do Direito proposta por Miguel Reale4 indica que a atividade

jurdica ou o fenmeno jurdico tem como pressupostos o fato social, valor e a norma.

Consiste no raciocnio lgico efetuado pelo agente normatizador em que diante de um fato

social relevante, estabelece certo aspecto axiolgico ou carga valorativa, a fim de que resulte

numa norma jurdica.

Se levarmos este entendimento para o ngulo constitucional e, tendo em vista que o

agente normatizador primrio de um estado moderno povo, que detm o poder constituinte

originrio, temos que este ir analisar um fato social, estabelecer um valor e criar uma

norma.

Tal norma ao ser criada pelo poder constituinte originrio tem carter constitucional e,

portanto, gozar de grau elevado de aplicabilidade dentro do ordenamento jurdico brasileiro.

Jos Afonso da Silva, em sua obra Aplicabilidade das normas constitucionais

estabelece uma diviso tripartite da aplicabilidade destas normas. O autor diz que as normas

constitucionais tem eficcia plena, contida ou limitada.

Para ele as normas constitucionais de eficcia plena so: as que receberam do constituinte normatividade suficiente sua incidncia imediata. Situam-se predominantemente entre os elementos orgnicos da constituio. No necessitam de providncia normativa ulterior para a sua aplicao. Criam situaes subjetivas de vantagem ou desde logo exigveis5

J as normas constitucionais de eficcia contida so aquelas que:

o legislador constituinte regulou suficientemente os interesses relativos a determinada matria, mas deixou margem atuao restritiva por parte da competncia discricionria do Poder Pblico, nos termos que a lei estabelecer ou nos termos dos conceitos gerais nela enunciados.6

4 REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito. 5 ed. So Paulo: Saraiva, 1994. 5 SILVA, Jos Afonso. Aplicabilidade das normas constitucionais. 3 ed. rev. e ampl., So Paulo: Malheiros, 1998, p. 262. 6Id, p. 116.

7

Por sua vez as normas constitucionais de eficcia limitada so: as que no receberam do constituinte normatividade suficiente para a sua aplicao, o qual deixou ao legislador ordinrio a tarefa de completar a regulamentao das matrias nela traadas em princpio ou esquema

Desta maneira, a Constituio Federal promulgada em 5 de outubro de 1988 merece

aplausos e elogios, ao estabelecer em seu texto um dispositivo de eficcia limitada, que tem a

capacidade de sintetizar e unir toda a relao existente entre a atividade empresarial, o sistema

tributrio brasileiro e aspectos legais protetivos ao meio ambiente. Este dispositivo de uma

superioridade intelectual soberba, pois concatena princpios e valores presentes na sociedade

brasileira.

Tal dispositivo encontra-se no art. 170, VI, da CF, que afirma: A ordem econmica, fundada na valorizao do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos a existncia digna, conforme os ditames da justia social, observados os seguintes princpios: ... VI defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e servios e de seus processos de elaborao e prestao.

Da leitura deste dispositivo vislumbra-se perfeitamente o elo existente entre a ordem

econmica, o sistema tributrio nacional e o meio ambiente, na medida em que a atividade

econmica deve ser realizada de modo a no ocasionar ou minimizar os impactos ambientais,

bem como ser observ

Recommended

View more >