SIMP .TCC /Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP ... ?· curvo e penas de várias cores, variando…

Download SIMP .TCC /Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP ... ?· curvo e penas de várias cores, variando…

Post on 12-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1430

CURSO DE MEDICINA VETERINRIA

LIPOSSARCOMA EM PAPAGAIO

Cristiane Antonito Grilli Rafael Prange Bonorino

Resumo As neoplasias so doenas frequentemente vistas em algumas espcies de aves. Com o aumento da criao de aves como animais de estimao, torna-se importante o aperfeioamento do conhecimento na rea e melhora a clnica das aves. Esta reviso literria visa o estudo do lipossarcoma, neoplasia maligna composta de lipoblastos e adipcitos imaturos, apresentando-se firme palpao, pobremente encapsulada, altamente vascularizada, invasiva e com possibilidade de metstase. A reviso visa comentar, questionar as incidncias do lipossarcoma nos psitacdeos em especial o papagaio; patologias semelhantes e como diagnostic-lo, aspectos clnicos, cirrgicos e quimioterpicos. A exciso cirrgica agressiva o tratamento de escolha para o lipossarcoma, j que os tumores so localmente invasivos. Palavras-Chave: Psitacdeos, neoplasia, cirurgia, quimioterapia. Abstract Neoplasms are diseases often seen in some species of birds. With the increase of the creation of birds as pets, it becomes important to improve knowledge in the area and improves the bird clinic. This literature review aims at the study of liposarcoma, malignant neoplasm composed of lipoblasts and immature adipocytes, being firm to palpation, poorly encapsulated, highly vascularized, invasive and with the possibility of metastasis. The review aims to comment, question the incidence of liposarcoma in psittacines, especially the parrot; similar pathologies and how to diagnose it, clinical, surgical and chemotherapeutic aspects. Aggressive surgical excision is the treatment of choice for liposarcoma, since the tumors are locally invasive.

Contato: rafael.bonorino@icesp.edu.br

1 INTRODUO A medicina de aves silvestres tem se

expandido nos ltimos anos graas grande quantidade de informaes existentes sobre a variedade de espcies e seu comportamento, alavancada pelo sucesso dos recentes avanos no manejo destes animais (CUBAS et al., 2014).

A crescente popularidade destas aves como animais de estimao, tem criado maiores exigncias quanto obteno de informaes especializadas por parte dos mdicos veterinrios e, dentre elas, o diagnstico do lipossarcoma sendo a neoplasia mais observada nas clnicas (RIBEIRO, 2017; ICMBIO, 2011).

Nesta reviso, o lipossarcoma foi descrito de uma forma geral e objetiva, enfatizando o papagaio. Assim, o propsito deste estudo foi de oferecer informaes sobre essa neoplasia para a interpretao de doenas semelhantes a esta patologia. A reviso detalha o papagaio, com caso de cncer, possveis tratamentos e o questionamento quanto a quimioterapia (GARNER, 2006).

A metodologia utilizada nesse trabalho a reviso literria sendo assim, os elementos bsicos descritos abrangem a reviso dos textos mais importantes para o embasamento do trabalho, e de outras pesquisas que trazem dados importantes, explicao de como o trabalho discorre com os estudos revisados com o objetivo

de conhecer a patologia e levantar novas possibilidades de tratamento.

2 ANATOMIA E FISIOLOGIA A famlia Psittacidae faz parte da ordem

dos Psittaciformes, constitudas por araras, papagaios, periquitos, maritacas e outros. As aves dessa ordem esto distribudas por um territrio mundial, encontrando-se em todos os continentes tropicais e subtropicais, sendo que o maior nmero de espcie se concentra na Amrica do Sul e Austrlia. De acordo com a Unio Internacional o Brasil o pas com maior diversidade de psitacdeos (CUBAS et al., 2014).

Classificao cientifica Reino Animalia Filo Chordata Classe Aves Ordem Psitaciformes Famlia Psittacidae

Tabela 1: classificao cientifica (NELSON et al., 2015; GUILERMO, 2015)

O papagaio tem como caracterstica um bico curvo e penas de vrias cores, variando muito entre as diferentes espcies (AGUILAR et al., 2006, FEDUCCIA, 1986).

Psittaciformes so reconhecidos pelo formato peculiar do bico e dos ps, alm da plumagem densa e colorida. Uma das caractersticas mais expressiva o formato do

Como citar esse artigo:

Grilli CA, Bonorino RP. LIPOSSARCOMA EM PAPAGAIO. Anais do 14 Simpsio de TCC e 7 Seminrio de IC da Faculdade ICESP. 2018(14);1430-1439

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1431

bico superior, que curto, curvado em arco de base larga e se encaixa sobre o bico inferior. H uma articulao especial entre a maxila e a calota craniana. Garantindo s aves grande mobilidade e fora (LIGHTFOOT, 2006; GABAN, 2007).

Diferentemente dos mamferos, as aves no possuem glndulas sudorparas. As penas cobrem, uma rea to grande do corpo que essas glndulas no seriam eficazes. A principal glndula cutnea presente na maioria das aves chamada de glndula uropigiana (glndula da limpeza) (COLVILLE, 2010).

Devido ao rpido metabolismo e ao alto nvel energtico das aves, o transporte de oxignio e a remoo de dixido de carbono dos tecidos devem ser rpidos e eficientes. Para que essa necessidade se cumpra, as aves possuem um sistema respiratrio com componentes altamente especializados (KUMAR, 1994).

Sacos areos, membranas de parede fina, com pouca vascularizao, transparente. Constitui-se de 80% de volume total do sistema respiratrio. H nove sacos areos, sendo quatros agrupados em pares, so eles: torcico, cranial, torcico caudal, cervicais e abdominais. O saco areo que no agrupado em par o interclavicular (COLVILLE, 2010; NELSON, 2015; GUILERMO, 2015).

Figura 1: Diagrama do sistema respiratrio das aves. A,

vista lateral. B Vista ventral (NELSON et al., 2015).

A maioria dos papagaios de vida livre so generalistas quanto a dieta, consumindo grande variedade de espcies e itens vegetais diretamente nas copas das rvores ou at mesmo do solo. De modo geral, a dieta de Psittaciformes envolve sementes, brotos, castanhas, coquinhos,

frutas, flores, outros vegetais e frutos verdes que contm grande quantidade de taninos potencialmente txicos (CUBAS, 2014).

Em cativeiro, a maioria dos papagaios so alimentados de forma inadequada. Como consequncia desta prtica, os distrbios nutricionais representam um dos problemas de sade mais frequentes na clnica de aves de companhia. No Brasil, em razo de aspectos culturais, muitas aves recebem dietas compostas basicamente por sementes, as quais proporcionam altos nveis de energia, mas necessitam de nutrientes essenciais (FREITAS, 2011).

Trs fatores so observados sobre a dieta dos papagaios em cativeiro em relao as sementes de girassol que indicam sua contraindicao como alimentao para aves em cativeiro. So eles: valor nutricional, contaminao por aflatoxinas e excesso de gordura, pois a semente deficiente em vitaminas, minerais, aminocidos, fibras dentre outros elementos. o principal agente para ocasionar o lipossarcoma em papagaios em cativeiros, pois o seu valor nutricional baseia-se em alta quantidade de lipdeos, em 30g de sementes de girassol, observa-se 15,4g de lipdeos e 176 kcal de energia (HARRISON, 2006).

Os nutrientes da semente de girassol podem provocar leso no fgado dos papagaios que podem apresentar sintomas de acordo com a quantidade que ingerirem (HARRISON, 2006).

Desses fatores o que apresenta uma probabilidade de lipossarcoma em papagaios a grande quantidade de gordura na sua constituio da semente de girassol, esse excesso de gordura no ser utilizado pelo organismo da ave, levando a um armazenamento excessivo no fgado e ocasionando os tumores (LIGHTFOOT, 2006).

Por causa do excesso de gordura nas sementes de girassis e a falta de protenas, o fgado do papagaio fica sobrecarregado com o acmulo de gordura o que ocasiona uma menor metabolizao da protenas e sntese das protenas do plasma. Com isso o fgado da ave sofre grande acmulo de gordura acarretando esteatose heptica podendo atingir graus I, II, III e consequentemente cirrose que pode levar ao lipossarcoma (HARRISON, 2006).

O liposssarcoma ocorrer em clulas de gordura em qualquer parte do corpo, ocorre com maior frequncia em adultos mais envelhecidos, embora possa ocorrer em qualquer idade (REAVIL, 2004).

3 NEOPLASIA Neoplasia o crescimento celular anormal,

descontrolado e progressivo de um tecido. Os papagaios podem desenvolver diversos tipos de

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1432

neoplasias em diferentes rgos e tecidos. A medida que aumenta a idade mdia das aves, aumenta tambm a incidncia de neoplasia. As neoplasias em aves assemelham-se s que ocorrem em outros animais de companhia, pela sua localizao e classificao, variando em relao a distribuio e morbidade (CUBAS etal, 2014; LATIMER, 1994).

Segundo Berenblum (1970), definindo que as neoplasias ocorrem quando um tecido com proliferao ativa e clulas originrias de um tecido normal, experimenta um processo de diferenciao anormal e irreversvel. As neoplasias ocorrem quando um grupo de clulas se liberta dos mecanismos normais de controle do crescimento, cresce independente dos aspectos estruturais e funcionais normais de um tecido ou rgo. O novo crescimento compromete a funo do rgo no qual ocorre, ou de rgos adjacentes, atravs de presso ou substituio do tecido normal (THOMSOM, 1983). Diz-se das clulas neoplsticas que elas so transformadas; elas continuam a se replicar, aparentemente abstradas das influncias regulatrias que controlam o crescimento celular normal. Sua autonomia, contudo, no completa, pois dependem criticamente do hospedeiro para sua nutrio (KUMAR, 1994).

A diferenciao entre tumores benignos e malignos pode ser feita atravs de critrios clnicos e anatmicos. Normalmente, tomam-se por base a classificao: diferenciao e anaplasia, velocidade de crescimento, invaso local e metstase (KUMAR,1994; BERENBLUM, 1970), como indicado na tabela abaixo:

Caractersticas

Benignos Malignos

Diferenciao/anaplasia

Bem diferenciados/pouca anaplasia

Pouco diferenciado/ grande anaplasia

Velocidade de crescimento

Geralmente progressivo e lento

Irregular, podendo ser lento ou rpido.

Invaso local Ausncia ou pouca invaso/bem delimitados

Presena de infiltrao progressiva

Metstase Ausentes Alta possibilidade

Tabela 2: Diferenciao entre tumores benignos e malignos (adaptado de KUMAR et al. ,1994).

A clnica de aves recente se comparada a de pequenos animais, entretanto esta realidade est mudando com a popularizao das aves como animais de companhia. A procura por melhores condies de sade demanda melhores

meios diagnsticos, prognsticos e opes de terapia. As doenas neoplsicas se tornam uma realidade (LIGHTFOOT, 2006; FLETCHER, 1994).

A neoplasia em papagaios muito comum. Sua causa normalmente est relacionada em grande parte a erros nutricionais constante (alimentos muito gordurosos ou oleosos), favorecendo com isto seu aparecimento (HARRISON, 2006; CUBAS et al., 2014).

3.1 LIPOSSARCOMA

So neoplasias malignas compostas de lipoblastos e adipcitos imaturos, apresentando-se firmes palpao, pobremente encapsuladas, altamente vascularizadas, invasivas com potencial para metstases. So encontrados em aves podendo apresentar-se como mltiplos ndulos localmente agressivos de colorao amarelada e acinzentada ocorrem geralmente em animais adultos ou velhos e so vistas quase sempre em locais onde existe acmulo de tecido adiposo, porm metstases podem ser encontradas no fgado (DOSTER et al., 1987; REAVIL,2004; ROBBINS, 1975).

Em alguns casos, os lipossarcoma tendem a ser localmente invasivos, porm possuem capacidade metasttica baixa. (MC CARTHY et al., 1996). Segundo Kransdorf (1993), Leitch (1993), Priolli (2003) essas neoplasmas so classificadas conforme o grau e diferenciao celular:

Grau Diferenci ao

Grau I bem diferenciado

Grau II mixoide

Grau III pleomrfico

Grau IV com clulas arredondadas

Grau V tipo fibroblstico

Tabela 3: Grau de diferenciao clulas lipossarcoma (adaptado de MC CARTHY et al., 1996).

Histologicamente, no lipossarcoma melhor diferenciado, observam-se clulas adiposas de aspecto fisiolgico misturadas com grandes clulas anaplsicas com citoplasma abundante quase sempre tem vacolos, grandes ncleos atpicos. Nas formas, mais agressivas, as clulas tendem a produzir os fibroblastos anaplsicos (ROBBINS, 1975; BRASILEIRO, 1993).

3.1.1 ANAMNESE E EXAME FSICO

A maioria dos papagaios com lipossarcoma apresenta uma massa indolor, a no ser que algum tipo de trauma tenha ocorrido. Dependendo do local de acometimento, os lipossarcomas podem atingir uma extenso maior. Ao exame fsico de palpao, a massa pode apresentar-se macia e carnosa, ou extremamente endurecida, isto ir depender quanto o tumor se

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1433

assemelha ao tecido adiposo maduro, ou seja, ao grau de diferenciao do tumor. Fatores que podem sugerir malignidade so (BLACMORE, 1966, KUMAR, 1994):

1) massas > 5 cm de tamanho.

2) Localizao profunda da leso.

3) Massas endurecidas e aderidas estrutura adjacente (SIM, 1994).

3.1.2 DIAGNSTICO

O diagnstico inicial obtido com a anamnese e exame fsico, histopatolgico por citologia e coleta, a retirada de parte ou total da massa de forma cirrgica, e sua anlise. Assim o faz por que a massa se apresenta de forma caseosa o que impossibilita a aspirao por agulha. (CUBAS et al., 2014).

3.1.3 EXAMES LABORATORIAIS

A coleta adequada de uma amostra de sangue fundamental para avaliao hematolgica, bioqumica ou para exames biomoleculares. Em papagaios, a coleta de sangue pode ser realizada pela veia jugular direita, preferencialmente em espcies pequenas, e pelas veias dos membros torcicos e plvicos (CUBAS, et al., 2014; COLVILLE, 2010).

A histologia (isto , a aparncia que tem o tumor ao ser examinado com o microscpio) fornece as primeiras pistas sobre o seu comportamento (CUBAS, 2014; COLVILLE, 2010).

Para a conduo de um caso clnico a citologia um mtodo confivel de exame muito importante para o diagnstico e planejamento da conduo do caso uma vez que no possvel avaliar a arquitetura tecidual, o resultado pode nem sempre ser conclusivo por isso importante o no substituir o exame histopatolgico atravs da coleta de material e preparao da lmina, fornecendo um histrico detalhado e confiabilidade do diagnstico (CARNEIRO, 2013; HORTA, 2013).

O diagnstico definitivo de neoplasias ocorre principalmente pela avaliao histopatolgica de dois quesitos principais, como: caractersticas de malignidade e origem/histognese do tecido neoplsico (REAVIL, 2004).

3.1.4 CIRURGIA

Como nos mamferos, a tcnica cirrgica em aves deve ser assptica e o cirurgio deve estar familiarizado com os procedimentos e a anatomia do papagaio. Os procedimentos cirrgicos devem ser realizados com maior delicadeza e rapidez, se comparados com mamferos, devido as diferenas anatmicas e fisiolgicas entre estas duas classes de animais. Anteriormente a interveno cirrgica

a ave deve ser submetida a avaliao fsica e realizados exames complementares se indicados. A avaliao pr-cirrgica criteriosa, a monitorao intra-operatria e os cuidados ps-operatrios so decisivos para o sucesso teraputico (CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

Na preparao do paciente para a operao deve-se respeitar o perodo de jejum de 2 horas, para que o trato gastrointestinal se esvazie. Nos casos emergenciais o inglvio pode ser esvaziado, a intubao realizada em posio ereta e o esfago obstrudo com uma sonda ou gaze para prevenir o refluxo alimentar (RUPLEY, 1999; BOWLES et al., 2006).

Se h indicao de antibioticoterapia, esta deve ser iniciada uma a duas horas antes da cirurgia e mantida no mnimo 8 a 12 horas no ps-operatrio (RUPLEY, 1999; KEITH, 2012).

O tamanho pequeno dos papagaios requer uma ateno cuidadosa. A cirurgia uma modalidade que solicita experincia em virtude do pequeno tamanho corpreo e alta taxa metablica das aves, a operao nesta classe de animais requer perfeio (ALTMAN, 1997).

Na exciso cirrgica em papagaios dois aspectos so importantes e requer muita ateno, so eles: a hemostasia e perda de calor. O papagaio pelo seu tamanho reduzido no pode deixar margem para sangramentos e perda de calor (COLES, 1985).

No preparativo da rea operatria devero seguir alguns procedimentos: retirar as penas de forma delicada e o suficiente para a realizao da cirurgia, pois penas arrancadas em excesso resultam na diminuio do isolamento trmico; posicionamento do papagaio recomendado o decbito ventral ou lateral; inclinao do corpo com a parte cranial em 30 a 40 graus para evitar retorno de fludos esofgicos nos pulmes; antissepsia da rea recomendado o uso de clorexidine; uso de panos de campos leves; os instrumentais e mos do cirurgio devem fixar numa posio que no dificulte a respirao do papagaio; caso seja necessrio utilizar bisturi de radiofrequncia para realizao de cirurgias em papagaios; material de microcirurgia por causa do porte pequeno das aves (COLES, 1985; CUBAS, et al., 2014).

O lipossarcoma em papagaios comumente tratado com a exciso cirrgica da massa neoplsica, se sua localizao assim o permitir, ou com a amputao de membros acometidos. O tratamento consiste na remoo cirrgica, quando possvel. Objetivo principal do procedimento cirrgico remover completamente o tumor e prevenir recidivas. O maior problema em aves pequenas conseguir a margem de segurana preconizada em funo da recidiva inevitvel

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1434

(CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

3.1.5 BIPSIA

Uma vez realizada a cirurgia e retirada do tumor, a bipsia precisa ser realizada para determinar o diagnstico definitivo do lipossarcoma (CUBAS et al., 2014; COLVILLE, 2010).

A realizao da bipsia decisiva, j que a maneira pela qual o tecido adquirido para se fazer o diagnstico definitivo. A histologia fornece as primeiras pistas sobre o seu comportamento. Atravs de mtodos de bipsia de inciso aberto ou excisional. A bipsia aberta caracteriza-se como um procedimento cirrgico e realizada em bloco cirrgico (CUBAS et al., 2014; COLVILLE, 2010).

3.1.3 TRATAMENTO

As opes de tratamento para os papagaios com lipossarcoma sempre cirrgica (NELSON et al., 2015; HARRISON, 2006; LIGHTFOOT, 2006).

A radioterapia um tratamento que objetiva erradicar um tumor localmente invasivo com baixo potencial de metstase, isso em mamferos de pequeno porte (co e gato). no indicada para papagaios, pois a radiao pode atingir as reas alm do lipossarcoma ocasionando perda de penas, fadigas e estresse a ave (CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

Por outro lado, a quimioterapia no constitui em um tratamento curativo, apesar de ser obtida a amenizao da doena em mamferos de pequeno porte (co e gato). no indicada para papagaios, os frmacos so muito agressivos, por ser uma espcie pequena, no aguentaria (CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

3.1.3.1 QUIMIOTERAPIA

O tratamento quimioterpico normalmente no utilizado, sendo a cirurgia mais indicado (CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

Uma vez que o tumor tenha sido retirado na cirurgia necessrio um seguimento continuado da ave a fim da deteco precoce de qualquer evidncia de recidiva local ou metstase distncia. Este processo de seguimento envolve um exame fsico cuidadoso (CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

Este seguimento continuar, com algumas modificaes, durante o resto da vida da ave. Em caso de deteco e recidiva ou metstase, se aplicar o tratamento direcionado para esta situao (CUBAS et al., 2014; NELSON et al., 2015).

4 DISCUSSO Para melhor discutir, argumentar e

compreender o lipossarcoma a partir da reviso literria anteriormente descrita, toda a discusso est embasada em um caso clnico ocorrido na aula prtica de clnica de silvestres no qual consta na figura 2. Onde um papagaio com um tumor em seu bico est sendo impedido de comer por causa da hiptese de ser um lipossarcoma.

Figura 2: Suspeita de lipossarcoma. Fonte: Arquivo pessoal de aulas no laboratrio

Esse papagaio de cativeiro com dieta exclusivamente de semente de girassol por um longo perodo de sua vida. Vivia em um ambiente com pouca mobilidade para voos, havendo pouca perda de energia, ou seja, com um ndice de alta probabilidade de lipossarcoma por causa da semente e pelo ambiente no ser caracterstico de sua fauna.

Depois da anamnese, exame fsico e pela impossibilidade de alimentao por esse papagaio a deciso foi pela resseco cirrgica que de acordo com a reviso literria a modalidade teraputica mais usual pois outros tratamentos no tem o mesmo efeito desejado.

A quimioterapia em papagaios no recomendvel, pois os dois principais efeitos colaterais relacionados so: toxicidade gastrointestinal e mielosupresso (diminuio da medula ssea que resulta uma baixa no nmero das plaquetas, dos glbulos brancos e dos glbulos vermelhos) devidos ao auto metabolismo das aves causando toxicidades imediatas (GARNER, 2006).

Radioterapia, um tratamento local eficaz para muitos tumores no co e no gato. Em papagaios no indicada, pois a radiao pode atingir as reas alm do lipossarcoma ocasionando perda de penas, fadigas e estresse a ave. (GARNER, 2006).

Na figura 3 e 4, o papagaio foi submetido a cirurgia de remoo do tumor com suspeita de lipossarcoma.

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1435

Figura3: Cirurgia lipossarcoma papagaio Fonte: arquivo pessoal

Figura4: Cirurgia lipossarcoma papagaio Fonte: arquivo Pessoal

De acordo com estudo pr-estabelecido por esse trabalho est evidente que a cirurgia na maioria dos casos deve ser escolhida, entretanto deve-se ressaltar a preocupao com a margem de segurana, cujo o procedimento evite a recidiva do lipossarcoma como mostra na figura 5

Figura 5: Margem de segurana Fonte: https://www.researchgate.net/publication/271910311_Oncologia_em_Pequenos_Animais

No caso mencionado existe uma impossibilidade de utilizar essa margem, portanto a probabilidade da recidiva alta por no conseguir retirar o tumor dentro da rea priorizada.

A problemtica dessa ave, foi que houve a recidiva do tumor, culminando em sua morte. No foi feita a microscopia para que pudesse relatar o

caso como lipossarcoma, mas de acordo com o estudo muito evidenciado os vestgios desse tipo de tumor.

O prognstico do lipossarcoma mostra que ele tem uma reincidncia elevada quando no usada a margem de segurana, portanto uma dieta diversificada pode evitar a ascenso do tumor.

Importante diferenciar xantoma pois sua caracterstica macroscpica muito semelhante ao lipossarcoma. O termo xantoma significa massa amarela composta por gordura no considerado como uma neoplasia verdadeira, mas um aumento de volume inflamatria resultante do acmulo e macrfagos com lipdeos em seu interior, clulas gigantes, colesterol livre e diversos graus de fibrose. O prognstico do xantoma favorvel sendo que ao retirar a dieta hipercalrica, pode ocorrer a recidiva (LATIMER,1994).

Na alimentao cabe ressaltar que a causa provvel do lipossarcoma de fundo nutricional motivada pelo ser humano, diferente de outros tumores, pode ser evitado, oferecendo uma alimentao variada, um local mais amplo, que o animal possa gastar energia, tendo essas condies, previne que o animal tenha lipossarcoma (CUBAS et al., 2014; REECE, 1999).

Os papagaios de vida livre tm uma dieta bastante generalista, se alimentando de sementes, frutas, uma riqueza muito grande de alimentos (CUBAS et al., 2014; FREITAS, 2011).

Os papagaios de cativeiros so alimentados de forma errada por dietas muito calricas, como so animais restritos ao espao no tem gasto energtico, por isso a possibilidade do lipossarcoma muito grande (DILLBERGER et al., 1986; CUBAS et al., 2014; AGUILAR et al., 2006).

Leva-se em considerao tambm a idade do animal quanto mais velho a chance de ocorre esses tumores muito grande, ento associa-se uma dieta calrica num tempo muito prolongado, por ter uma longa idade e um desconhecimento das pessoas em relao a dieta do papagaio (CUBAS, et al. 2014; FREITAS, 2011; EVANS, 1982).

Deve-se considerar uma dieta multi diversificada que acontece na natureza. No ambiente natural no costuma ocorrer esse tipo de tumor, porque os papagaios comem de forma variada e gastam sua energia (CUBAS et al., 2014; FREITAS, 2011).

5 CONCLUSO E CONSIDERAES FINAIS A exciso cirrgica agressiva o tratamento

de escolha para o lipossarcoma, j que os tumores so localmente invasivos.

importante lembrar que excises

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1436

incompletas nem sempre iro resultar em recorrncia do tumor e que determinadas neoplasias podem recidivar, como o caso do lipossarcoma, mesmo em pacientes cuja exciso cirrgica foi completa pelo desprendimento de clulas neoplsicas no ambiente cirrgico.

O tratamento de escolha a cirurgia leva-se em considerao outros tratamentos (quimioterapia, eletroquimioterapia, imunoterapia, terapias alvo-molecular e radioterapia), porm ainda no utilizados em aves em funo da fragilidade desses animais. H de se considerar tambm a malignidade e margem de segurana que nas maiorias das vezes no alcanada.

Um fator importante para evitar o

lipossarcoma em papagaios uma alimentao adequada de forma semelhante ao que o animal poderia encontrar na natureza, atravs de uma alimentao diversificada e rica, contendo frutas, verduras, sementes especiais para os papagaios, tendo essas condies nutricionais possvel que o animal no tenha lipossarcoma, conciliado com um ambiente amplo para que o papagaio viva como estivesse na natureza.

Agradecimentos:

Agradeo a Deus, por me dar sabedoria, e ao meu esposo Glauco. Agradeo meu Orientador Rafael Prange Bonorino por me orientar nesse trabalho.

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1437

Referncias:

AGUILAR R., HERNNDEZ-DIVERS J. & HERNNDEZ-DIVERS S.M. 2006. Atlas de Medicina,

Teraputica e Patologia de Animais Exticos. Editora Inter - boock, So Caetano do Sul, p.213-229.

ALTIMAN, R. B. et al. Avian Medicine and sugery. Philadelphia: W. B. Saunder, 1997.

BERENBLUM, D. K. The study of tumors in animals : In: FLOREY, H. W. General Pathology. Philadfia:

W.B. Saundersm 1970. P. 645-744.

BLACMORE, D. K. The clinical approach to tumours in cage birds I. The pathology and incidence of

neoplasia in cage birds. Journal of Small Animal Practice, v.7, n. 3, p.217-223, 1966.

BOWLES, H. L.; ODBERG, E.; HARRISON, G. J.; KOTTWITZ, J. J. Surgical resolution of soft tissue

disorders . IN: HARRISON, G. J.; LIGHTFOOT, T. L. Clinical avian medicine . Florida: SPIX, 2006. V. 2, P.

775-829.

BRASILEIRO FILHO, G.; GUIMARES, R. C.; BOGLIOLO, L. Distrbios do crescimento e da

diferenciao cellular. In: BRASILEIRO FILHO, G.; PERREIRA, F. E. L.; PITTELLA, J. E. H.; BAMBIRRA,

E. A.; BARBOSA, A. J. A. Patologia geral . Rio de Janeiro: Guanabara Koogam, 1993. p. 144 185.

COLES, B. H. Avian medicine and surgery. Oxford: Blackwell Publishing, 1985. 288 P.

COLVILLE, T. P. Anatomia e fisiologia clnica para medicina veterin ria / Thomas P. Colville, Joana M.

Bassert; [traduo Vernica Barreto Novais et al.]. Rio de Janeiro: Elisier, 2010.

CUBAS, Z. S.; SILVA, J. C., CATO-DIAS, J. L. Tratado de Animais Selvagens, Medicina Veterinria ,

Volumes 1 e 2. 2 Edio. ROCA, So Paulo, 2014. p. 614 a 656.

DILLBERGER, J.E.; CITINO, S. B.; ALTMAN, N. H. Four case of neoplasia in captive wild birds. Avian

Diseases, v 31, n. 1, p. 206-2013, 1986.

DOSTER, R. D.; JOHNSON, G. E.; BARGAR, T. W.; NASON, G. Lipo ssarcoma in a Canada Goose

(Branta canadensis). Avian Diseases . V. 31, N. 4, P. 918-920, 1987.

EVANS, R. H. Anatomy of the budgerigar. In. PETRAK, M. L. Diseases of cage and aviary birds . 2ed.

Philadelphia: Lea & Febiger, 1982.

FEDUCCIA A. 1986. Osteologia das aves , p.1680-1690 In: Getty R. (Ed.), Anatomia dos Animais

Domsticos. Vol.2. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro.

FLETCHER, O. J.; Foreword. In: RITCHIE, B. W.; HARRIZON, G. J.; HARRISON, L. R. Avian medici ne:

principles and application. Florida: Wingers, 1994. P.13.

FREITAS CIA. Animais Silvestres: manejo, Comportamento, Noes d e Clinica e Terapeutica .

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1438

UFERSA.2011v1.p.174 a 197.

GABAN-Lima R. Anlise Filogentica de Psittaciformes (Aves) com Base em Ca racteres

Morfolgicos Siringeais e Osteolgicos [dissertao ]. Institulo de Biocincias da Universidade de So

Paulo; 2007.

GARNER, M. M. Overview of tumors: section II. A retrospective study of case submissions to a specialty diagnostic servisse. In: HARRISON, G. J.; LIGHTFOOT, T. L. Clinical avian medicine. Florida: Spix, 2006, v.2, p. 566-571.

HARRISON, G. J. Lightfoot, T L. Clinical avian Medicine . Florida: Spix, 2006. 1008p.

ICMBIO, Instituto Chico Mendes. Sumrio Executivo do Plano de Ao Naciona l para a Conservao

dos Papagaios da Mata Atlntica. Braslia/DF, 2011.

KRANSDORF, M.; MEIS, J. M.; JELINEK, J. S. Dedifferentiated liposarcoma of the extremities: im aging

findings in four patients. American Journal Roentge nology, v . 1, N. 161, P. 127-131, 1993.

KEITH A. Hnilica. Demartologia de Pequenos Animais, Atlas colorido e Guia Terapeutico. 3 edio. .

Rio de Janeiro, 2012.

KUMAR, V.; COTRAN, R. S.; ROBBINS, S. L. Patologia bsica . Rio de janeiro; Guanabara Koogan, 1994.

P. 140-176.

LATIMER, K. S. Oncology. In: RITCHIE, B. W.; HARRIZON, G. J.; HARRISON, L. R. Avian medicine:

principles and application. Florida: Wingers, 1994. P. 640-669.

LEITCH, A. Sarcomas and lymphomas: an overview. Selected R eadings in General Surgery , V. 20,

P. 1-5, 1993.

LIGHTFOOT, T. L. Vision. In: HARRISON, G. J.; LIGHTFOOT, T. L. Clinica avian medicine . Florida: Spix,

2006. V1, pIX.

MCCARTHY, P. E.; HEDLUND, C. S.; VEAZY , R. S.; PRESCOTT-METHEWS, J.; CHO, D. Y. Liposarcoma

associated with a glass foreign body in a dog. Journal American Veterinary Medical Association ,

V. 209, N. 3, P. 612-614, 1996.

NELSON, Richard W. GUIHERMO, C. Medicina interna de pequenos animais; traduo Cintia Raquel

Bombardierei, Marcela Melo Silva. 5 edio. Rio de Janeiro, Elsevier, 2015.

PRIOLLI, D. G.; MARTINEZ, C. A. R.; CAMPIONE, F.; ARAJO, J. G. L.; WAISBERG, J.; MAGRINI, E.

Lipossarcoma gigante da vulva. Revista Brasileira d e Ginecologia e Obstetrcia, v. 25, N. 2, P. 131-

135, 2003.

REAVIL, D. R. Tumors of pet birds. Ve terinary Clinics Exotic Animal Practice , v. 7, p. 537-560, 2004.

SIMP.TCC/Sem.IC. 2018(14);1430-1439 FACULDADE ICESP / ISSN: 2595-4210

1439

REECE, R. L. Observations on naturally occuring neoplasms in birds in the state of Victoria,

Austratlia. Avian Patology, v.36, n.1, p.43-44, 1999.

RIBEIRO, J. M. Revista Negcio Pet [site na internet]. Picitacdeos Como Aves de Estimao ..

https://revistanegociospet.com.br/materias-aves/. Julia Maria Ribeiro mdica-veterinria graduada pela

Unesp de Jaboticabal, especialista em Medicina de Animais Selvagens pela Unesp de Jaboticabal e

atualmente integra corpo clnico da Clnica Veterinria SOS Animal em Barretos-SP.Acesso: 19/08/2018.

ROBBINS, S. L. Patologia estrutural e functional . 3ed. Rio de Janeiro. Interamericana, 1975. P. 97-131.

RUPLEY, A. E. Cirurgia . Manual de clnica aviria . So Paulo: Roca, 1999. P. 459-491.

SIM, FH; FRASSICA F.J.; FRASSICA D. A. Soft tissue tumors: diagnosis evaluation and manage ment .

J Am Acad Orthop Surg 1994; 2: pp 202-211.

THOMSON, R. G.: Patologia geral veterinria . Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 1983. p. 287-361.

WILLIS, R. A. The spread of tumours in the human body . London: Butterworth,1952. p97.

Recommended

View more >