sessÃo plenÁria nº 2015 (ordinÁria) de 13 de .maioria l1 e poucos tinham acesso aos gnss l1/l2;

Download SESSÃO PLENÁRIA Nº 2015 (ORDINÁRIA) DE 13 DE .maioria L1 e poucos tinham acesso aos GNSS L1/L2;

Post on 09-Nov-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • SERVIO PBLICO FEDERAL

    CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA

    DO ESTADO DE SO PAULO CREA-SP

    SESSO PLENRIA N 2015 (ORDINRIA) DE 13 DE OUTUBRO DE 2016 Item IV. Discusso e aprovao da Ata da Sesso Plenria n 2013 (Ordinria) de 11 de agosto de 2016.

    PAUTA N: 1

    PROCESSO: Interessado: Crea-SP

    Assunto: Discusso e aprovao da Ata da Sesso Plenria n 2013 (Ordinria) de 11 de agosto de 2016

    CAPUT: REGIMENTO - art. 21 - inciso IV

    Proposta: 1-Aprovar

    Origem: Relator:

    CONSIDERANDOS:

    VOTO: Aprovar a Ata da Sesso Plenria n 2013 (Ordinria) de 11 de agosto de 2016.

    Item VII. Ordem do dia Item 1 Julgamento dos processos constantes na pauta Item 1.1 Processos de Vista

    PAUTA N: 2

    PROCESSO: PR-394/2014 Interessado: Vagner Pereira do Nascimento

    Assunto: Certido de Inteiro Teor para Georreferenciamento

    CAPUT: LF 5.194/66 - art. 46 - alnea "d" - PL-1347/08 - INSTR 2522

    Proposta: 2-Indeferir

    Origem: CEEA e CEA Relator: Luiz Carlos de Freitas Jnior

    CONSIDERANDOS: que o presente processo refere solicitao do Tcnico em Agropecuria e Engenheiro Civil Vagner Pereira do Nascimento buscando a anotao de ttulo referente concluso do Curso de Especializao Tcnica de Nvel Mdio em Geoprocessamento, realizado na Fundao Educacional de Fernandpolis, com carga horria de 490 horas, no perodo entre maro de 2010 e dezembro de 2011; considerando o histrico escolar e certificado de concluso apresentados; considerando que o interessado solicita tambm acrscimo de atribuies visando

  • SERVIO PBLICO FEDERAL

    CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA

    DO ESTADO DE SO PAULO CREA-SP assuno de responsabilidade tcnica pela atividade referida, encaminhado pelas Cmaras Especializadas de Engenharia de Agrimensura e de Agronomia, nos termos do artigo 9 inciso XI do Regimento, bem como no disposto na PL-1347/08, do Confea; considerando que o interessado est registrado neste Conselho com atribuies do artigo 7 da Resoluo n 218/73, do Confea (Eng. Civil) e com atribuies do artigo 5 da Resoluo n 278/83, do Confea (Tc. em Agropecuria), sem prejuzo das atribuies previstas no Decreto Federal 23.196/33; considerando os documentos apresentados em atendimento Lei Federal 5.194/66, Resolues n 1.007/03, n 1.010/05, n 1.040/12, n 1.051/13, n 1.062/14 e n 1.073/16, do Confea, e Ato 47/86, do Crea-SP; considerando a documentao presente nos autos,

    VOTO: pelo deferimento da anotao do Curso de Especializao Tcnica de Nvel Mdio em Geoprocessamento no registro do profissional, sem que haja a ampliao de atribuies profissionais, conforme artigo 25 da Resoluo n 218/73 e Resoluo n 1.073/16, ambas do Confea. VISTA: Ivanete Marchiorato CONSIDERANDOS: que o interessado, Engenheiro Civil e Tcnico em Agropecuria Vagner Pereira do Nascimento, registrado no CREA-SP sob n 5060909037, portador das atribuies do artigo 7 da Resoluo n 218/73 e do artigo 5 da Resoluo n 278/83, ambas do CONFEA, requer a anotao do curso de Ps-Graduao (Lato Sensu)em Geoprocessamento, bem como acrscimo de atribuies, face o curso de Especializao Tcnica realizado no perodo de maro de 2010 a dezembro de 2011, pela Fundao Educacional de Fernandpolis (FEF); considerando cpia do Histrico Escolar, contendo os ttulos das disciplinas cursadas e as respectivas cargas horrias parciais, perfazendo um total de 490 horas, alm das notas, conceitos e docentes, com suas respectivas titulaes; considerando encaminhamento do processo Cmara Especializada de Agrimensura, para anlise; considerando a Certido n CI 941726/2014 (fl. 22); considerando que s fls. 27/28, esto apresentados o Histrico, Parecer e Voto do digno Conselheiro Eng Agrim. Civ. e Seg. do Trab. Joo Luiz Braguini que, considerando o disposto nos artigos 27 e 46 da Lei Federal n 5.194/66, a suspenso da aplicabilidade da Resoluo 1.010/2004 nos exerccios de 2.014 e 2.015, respectivamente, pelas Resolues 1.051/2.013 e 1.062/2.014, todas do Confea, o artigo n 25 da Resoluo 218/73, a Resoluo n 278/83 ambas do Confea, em vigor, e os artigos 45 e 47 da Resoluo n 1.007/2.003, tambm do Confea, manifestou-se favorvel Anotao do Curso de Especializao em Geoprocessamento, requerimento do Tcnico em Agropecuria e Engenheiro Civil Vagner Pereira do Nascimento CREA-SP 5060909037, sendo vedada porm, Anotao e/ou Acrscimo de Atribuies (Deciso CEEA n 35/2015, s fl. 29); considerando informao dos dignos Assistentes Tcnicos Arquiteto Urbanista Ricardo de Melo da CEEAGRI e o Engenheiro Agrnomo Luiz Arnaud Brito de Castro da CEA s fls. 14 e 15, fls. 24 e 25 e fls. 31 a 33, ponderando com propriedade a legislao

  • SERVIO PBLICO FEDERAL

    CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA

    DO ESTADO DE SO PAULO CREA-SP vigente pertinente solicitao; considerando que o processo foi encaminhado Cmara Especializada de Agronomia, uma vez que o profissional pertence a esta modalidade; considerando que s fls. 35 a 38, consta relato emitido pelo Cons Eng Agr Fabio Olivieri de Nobile, cujo voto aprovado pela anotao do Curso de Especializao em Geoprocessamento, requerimento do Tcnico em Agropecuria e Engenheiro Civil Vagner Pereira do Nascimento, inclusive anotao e/ou acrscimo de atribuies (Deciso CEA/SP n 192/2015, s fls. 39 a 43); considerando a divergncia de posicionamento entre as Cmaras Especializadas, o processo foi ao Plenrio, em 2 instncia para dirimir a questo, sendo encaminhado ao Cons Eng. Eletricista Luiz Carlos de Freitas, onde verifica-se constar a fl. 51, relato do mesmo; considerando pedido de vista por parte desta Conselheira, que passa a expor suas observaes; considerando que a execuo do Georreferenciamento/Geoprocessamento obriga o profissional seguir com cautela todos os passos contidos nas Normas do INCRA, que no momento est na 3 Edio e o Sistema de Gesto Fundiria SIGEF, sistema desenvolvido pelo INCRA/MDA para gesto de informaes fundirias do meio rural brasileiro; considerando que por ele so efetuadas a recepo, validao, organizao, regularizao e disponibilizao das informaes georreferenciadas de limites de imveis rurais, promovendo agilidade e transparncia ao processo de certificao, substituindo de vez os processos em papel, anteriormente abertos nas superintendncias do INCRA; considerando que os tcnicos credenciados responsveis pelo servio de georreferenciamento/geoprocessamento acessam o SIGEF (via internet) e enviam o arquivo digital com os dados cartogrficos dos imveis e, se no houver inconsistncias ou sobreposies, anlise feita pelo prprio sistema, a certificao obtida, com a gerao da planta e do memorial descritivo das reas de forma automtica; considerando que os documentos, assinados digitalmente, podem ser impressos e levados ao registro de imveis; considerando que, no caso de haver inconsistncias, o sistema transmite uma notificao ao interessado, que poder san-las e inserir novamente os dados no SIGEF, que tem capacidade operacional de 20 mil processos analisados mensalmente; considerando que o sistema tambm est preparado para acesso dos cartrios de registro de imveis, que podem informar os dados de domnio; considerando que o IBGE investiu e disponibilizou uma grande infraestrutura para poder apoiar a regulao fundiria; considerando que, dentre outros projetos, h o PPP (Posicionamento por Ponto Preciso), para o transporte da coordenada do ponto de apoio imediato e, da para frente Topografia normal, desenho, relatrio etc.; considerando que, quanto aos clculos do PPP, o IBGE se responsabiliza e o sistema identifica se o arquivo encaminhado est ou no dentro dos procedimentos preconizados; considerando que, quanto s disciplinas que do a formao ao profissional para executar o Georreferenciamento de Imveis Rurais e Urbanos, so as j mencionadas nas PLs do CONFEA; considerando que vale ressaltar que o Georreferenciamento se trata de uma tcnica de demarcao e no uma nova disciplina ou cincia dentro das Cincias da Terra; considerando que por ser uma rea

  • SERVIO PBLICO FEDERAL

    CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA

    DO ESTADO DE SO PAULO CREA-SP na qual os Engenheiros Agrnomos, Engenheiros Florestais, Tcnicos em Agropecuria tambm podem ser responsveis, o Georreferenciamento precisa ser visualizado como um elo importante da Cadeia do Agronegcio; considerando que destaca-se tambm que a legislao bsica para a retificao de um ttulo de propriedade no distingue procedimentos para imveis urbanos e rural, tendo-se hoje, por exemplo, a Lei me que a 6.015/73 nos artigos 212 e 213 que visam as correes dos elementos tcnicos o que o objetivo da Lei de Georreferenciamento (Lei 10.267/01), e que aps essa veio outra, a Lei 10.931/04 que definiu a retificao administrativa, ou seja, diretamente com o oficial do registro de imveis; considerando que se qualquer profissional, seja ele Engenheiro Agrnomo, Engenheiro Civil e profissionais que concluram os cursos tcnicos de segundo grau, tais como Tcnico Agrcola, Tcnico em Agrimensura, entre outros, e todos se valem da Lei 10.931/04, executam e assinam normalmente qualquer tipo de retificao de ttulo de propriedade, seja ela urbana ou rural; considerando que na prtica o que est ocorrendo normalmente, esses profissionais, sejam de curso superior ou segundo grau, se utilizam dos mesmos equipamentos, procedimentos e conhecimentos para realizao da atividade; considerando que hoje nos registros de imveis a cada 10 solicitaes de retificao de ttulos de propriedade (retificao de rea), nove so elaboradas segundo as diretrizes da Lei 10.931/04, seguindo o provimento 02/05 da CGJ-SP, que no faz distino entre profissionais ou equipamentos que foram utilizados para tal fim; considerando que no passado se exigia mais ateno nos procedimentos do Georreferenciamento, na preciso da posio no transporte de coordenadas do apoio imediato, amarrada rede geodsica do IBGE, onde se exigia para esse transporte aos profissionais que no t

Recommended

View more >