seguro agrcola no brasil: desafios e rural, crdito, sustentabilidade, financeirizao, renda. ......

Download Seguro Agrcola no Brasil: desafios e rural, crdito, sustentabilidade, financeirizao, renda. ... Agricultural insurance in Brazil: challenges and potentialities Antnio Mrcio Buainain

Post on 18-May-2018

217 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • R. Bras. Risco e Seg., Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 39-68, abr./set. 2011 39

    Seguro Agrcola no Brasil: desafios e potencialidadesAntnio Mrcio BuainainProfessor Livre Docente do Instituto de Economia da Unicampbuainain@eco.unicamp.br

    Pedro Abel VieiraPesquisador Doutor em Agronomia da Embrapa, Escritrio de Negcio de Campinaspedro@campinas.snt.embrapa.br

    Resumo

    A agricultura desempenha papel estratgico e cada vez mais importante na atual sociedade. Alm da produo de alimentos e de matria-prima, este setor econmico hoje chamado a produzir energia limpa e a contribuir na reduo dos efeitos negativos das mudanas climticas. Assim, pode-se dizer que atualmente a agricultura tem funes ambientais, econmicas, sociais e de segurana alimentar, porm, o prprio desenvolvimento eleva os riscos da produo agrcola, quer seja da produo, por conta das mudanas climticas, quer seja da comercializao, por conta das polticas econmicas, a exemplo do cmbio, quer seja social, a exemplo das regras sobre segurana dos alimentos. Essa realidade enseja o desenvolvimento de modelos integrados de gesto do risco agrcola (MIGRA).

    Palavras-Chave

    Seguro rural, crdito, sustentabilidade, financeirizao, renda.

    Sumrio

    1. Introduo. 2. Antecedentes. 3. Experincia do Proagro. 4. Experincia da Cosesp. 5. Experincia de Seguros Mtuos. 6. O Programa de Subveno do Seguro Rural. 7. Crdito e Seguro em Ambiente de Recursos Abundantes. 8. A Financeirizao da Agricultura. 9. Especificidades do Seguro Agrcola. 10. O Programa de Subveno ao Seguro Rural no Brasil. 11. Guisa de Concluso: Temas em Debate. 12. Referncias Bibliogrficas.

  • 40 R. Bras. Risco e Seg., Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 39-68, abr./set. 2011

    Seguro Agrcola no Brasil: desafios e potencialidades

    Abstract

    Agricultural insurance in Brazil: challenges and potentialities

    Antnio Mrcio BuainainProfessor at the Economics Institute at Unicamp buainain@eco.unicamp.br

    Pedro Abel VieiraPhD researcher in Agronomy at Embrapa, Business Office in Campinas pedro@campinas.snt.embrapa.br

    Summary

    Agriculture plays a strategic and increasingly important role in todays society. Besides the production of food and raw materials, this economic sector is now expected to produce clean energy and contribute towards reducing the negative effects of climate change. Thus, it can be said that, nowadays, agriculture has functions related to environmental, economic and social issues, as well as to food safety. However, development itself increases risk in agricultural production, due either to climate change or commercialization, or because of economic policies such as the variation in the exchange rate, or even sometimes as a result of social aspects, as in the case of food safety regulation. This reality gives rise to the development of integrated models for agricultural risk management (MIGRA).

    Key Words

    Agricultural insurance, credit, sustainability, financialization, income.

    Contents

    1. Introduction. 2. Background. 3. Experience of Proagro. 4. Experience of Cosesp. 5. Experience in Mutual Insurance. 6. The Agricultural Insurance Subvention Program. 7. Credit and Insurance in an Environment of Abundant Resources. 8. Financialization of Agriculture. 9. Specifics of Agricultural Insurance. 10. The Agricultural Insurance Subvention Program in Brazil. 11. To Conclude: Topics for Discussion. 12. Bibliographical References.

  • R. Bras. Risco e Seg., Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 39-68, abr./set. 2011 41

    Antnio Mrcio Buainain e Pedro Abel Vieira

    Sinopsis

    El seguro agrcola en Brasil: desafos y oportunidades

    Antnio Mrcio BuainainProfesor Titular del Instituto de Economa de la Unicampbuainain@eco.unicamp.br

    Pedro Abel VieiraInvestigador Doctor en Agronoma de la Embrapa, Oficina de Negocios en Campinaspedro@campinas.snt.embrapa.br

    Resumen

    La agricultura desempea un papel estratgico cada vez ms importante en la sociedad actual. Adems de la produccin de alimentos y de materias primas, se espera del sector econmico la produccin de energa limpia y la ayuda en la reduccin de los efectos negativos de los cambios climticos. Por lo tanto, se puede decir que la agricultura en la actualidad posee funciones ambientales, econmicas, social y de seguridad alimentaria. Sin embargo, el propio desarrollo aumenta los riesgos de la produccin agrcola, ya sea en la produccin, debido a los cambios climticos, ya sea en la comercializacin, por cuenta de las polticas econmicas, tales como la variacin del tipo de cambio, ya sea en el rea social, como las normas sobre la seguridad de los alimentos. Esta realidad da lugar al desarrollo de modelos integrados de gestin de los riesgos agrcolas (MIGRA).

    Palabras-Clave

    Seguro agrcola, crdito, sostenibilidad, financiarizacin, ingresos.

    Sumario

    1. Introduccin. 2. Antecedentes. 3. La Experiencia del Proagro. 4. La Experiencia de la Cosesp. 5. La Experiencia de los Seguros Mutuos. 6. El Programa de Subvencin del Seguro Agrcola. 7. El Crdito y los Seguros en un Entorno de Recursos Abundantes. 8. La Financiarizacin de la Agricultura. 9. Las Especificidades del Seguro Agrcola. 10. El Programa de Subvencin a los Seguros Agrcolas en Brasil. 11. En Conclusin: los Temas de Discusin. 12. Referencias Bibliogrficas.

  • 42 R. Bras. Risco e Seg., Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 39-68, abr./set. 2011

    Seguro Agrcola no Brasil: desafios e potencialidades

    1. Introduo Pode parecer paradoxal, mas a agricultura desempenha papel estratgico e cada vez mais importante na sociedade denominada ps-industrial. Tal importncia reconhecida por polticos, empresrios, pelo pblico em geral e pela prpria sociedade. Hoje, o papel da agricultura no se resume a produzir alimentos e matrias-primas a baixo custo; a sociedade exige que os produtos de origem agropecuria sejam seguros para consumo e de elevada qualidade, que os produtores rurais protejam o ambiente, salvaguardem os recursos agroecolgicos, preservem as paisagens e contribuam para o desenvolvimento socioeconmico das reas rurais, incluindo a criao de emprego. Ademais, a agricultura hoje chamada a produzir energia limpa e a contribuir para reduzir os efeitos do aquecimento global, que j deixou de ser um problema do futuro como h poucos anos era tratado. Assim, pode dizer-se que, na atualidade, a agricultura tem funes ambientais, econmicas, sociais e de segurana alimentar.

    O exerccio da agricultura, incluindo a pecuria e a silvicultura, tem consequncias importantes para o ambiente, incluindo as guas superficiais e subterrneas, a atmosfera e a biodiversidade, alm da regenerao natural dos recursos. Assim, se no passado a elevao da produtividade e a expanso da produo eram os principais objetivos dos produtores e da poltica pblica, no presente, tanto os objetivos micro como macro esto mediatizados por questes ambientais como a produo de gua e a mitigao de gases do efeito estufa, os quais afetam diretamente as mudanas climticas globais com implicaes sobre questes sociais e de segurana dos alimentos.

    Em um mundo cada vez mais globalizado, e supostamente mais liberal, produzir e inovar na agricultura tornou-se algo mais complexo, um ato subordinado a um grande nmero de protocolos, regras, regulamentaes e tratados com relativa eficcia e aplicabilidade. Essa dinmica uma constatao, e no uma avaliao ou juzo de valor.

    Em muitos pases, e mesmo em alguns ditos industrializados como o Brasil, a agricultura representa uma fonte relevante de crescimento da economia como um todo, devido aos efeitos que a atividade produz, tanto a montante como a jusante, no meio rural e urbano.

    Historicamente, os mercados agropecurios so mercados polticos. A politizao das polticas agrcolas tem consequncias, algumas vezes positivas e outras, negativas, porm, sempre importantes para sustentabilidade do desenvolvimento. No caso do Brasil, as aes da bancada ruralista so emblemticas: se de um lado esta consegue impor ao poder Executivo renegociaes das dvidas dos produtores rurais em parte acumuladas por aes e omisses do prprio setor pblico , por outro lado bloqueia reformas polticas importantes que poderiam promover ainda mais os interesses dos produtores em geral. Outro exemplo de politizao do mercado agrcola foi a paralisao da regulamentao dos organismos geneticamente modificados, os embargos aos transgnicos e a regulamentao sanitria, que geram insegurana institucional e tecnolgica em prejuzo de toda a sociedade.

    Todos esses aspectos ilustram o carter multifuncional da agricultura na sociedade contempornea. Assim, o desafio para o futuro estabelecer

  • R. Bras. Risco e Seg., Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 39-68, abr./set. 2011 43

    Antnio Mrcio Buainain e Pedro Abel Vieira

    uma combinao tima para reduzir os impactos negativos como a poluio, a eroso do solo e a perda de biodiversidade, sem, no entanto, comprometer a funo maior de abastecer e alimentar a populao mundial que no para de crescer e que consome cada vez mais alimentos medida que supera a pobreza e se urbaniza.

    A atividade agrcola sempre carregou considervel risco associado forte dependncia da natureza, mas, no presente, produzir na agricultura tornou-se, alm de mais complexo, ainda mais arriscado. Existe, por exemplo, a rigidez do processo produtivo dificultando respostas imediatas s flutuaes dos mercados seja para ampliar a oferta e aproveitar uma conjuntura favorvel, seja para reduzi-la em momentos de crise e de preos baixos e pouco compensadores. Tambm difcil ajustar os custos para enfrentar a concorrncia e mudanas nos preos macro e de insumos. De outro lado, a produo flutua de acordo com variaes da oferta ambiental, seja aquela associada qualidade da terra, seja a associada ao regime de chuvas e/ou temperaturas.

    No passado, em economias fechadas, o merc

Recommended

View more >