salas de aulas nas escolas infantis e o uso de brinquedos

Download salas de aulas nas escolas infantis e o uso de brinquedos

Post on 07-Jan-2017

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

SALAS DE AULAS NAS ESCOLAS INFANTIS E O USO DE BRINQUEDOS

E MATERIAIS PEDAGGICOS

Tizuko Morchida Kishimoto

Objetivo:

A pesquisa1 implementada como parte do projeto capes/cofecub buscou

identificar a disponibilidade de brinquedos e materiais pedaggicos, seus usos e

significaes nas Escolas Infantis do Municpio de So Paulo(EMEI) freqentadas

pelas crianas de 4 a 6 anos. No presente texto ser analisado o espao fsico da sala

de aula e a presena de brinquedos e materiais pedaggicos.

Caracterizao do universo da pesquisa

A rede municipal infantil dispunha, em 1996, de 375 unidades infantis,

distribudas em faixas etrias homogneas de 4, 5 e 6 anos, 7.114 professores,

diretores e coordenadores pedaggicos, funcionando em trs turnos: 7h00 s 11h00;

11h00 s 15h00 e 15h00 s 19h00. Do total sorteado, houve a participao efetiva de 68

escolas, com 495 questionrios preenchidos. A pesquisa foi realizada no perodo de

agosto de 1996 a agosto de 1998.

Referencial Terico (sntese)

Pesquisadores de pases como o Brasil ( Kishimoto, 1993,1995, 1998;

Canholato, 1990, Rubiano & Ali, 1994, Wajskop, 1990 e 1995), Frana ( Brougre,

1993, 1995a), Canad(Thriault & Ali, 1987, 1992) e EUA (Christie & Ali, 1992) tm

demonstrado que as condies materiais e ambientais so componentes fundamentais

para o desenvolvimento de uma educao infantil de qualidade. A organizao da sala

de aula e a presena de certos objetos e materiais educativos parecem influenciar

1 O projeto integra um trabalho coletivo entre a Faculdade de Educao e a Universidade Paris XIII. Trata-se de um acordo efetuado ao longo de 4 anos ( 1996-2000), destinado a desenvolver pesquisas e formar pesquisadores. O programa foi aprovado pela Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior ( Capes) e financiado pela Capes/Cofecub ( Programa de Cooperao Internacional entre Frana e Brasil) com o nmero 197/96, sob o ttulo: Recursos e Materiais educativos disponveis no sistema formal de educao no Brasil e na Frana: usos e significaes em uma perspectiva comparativa. Considerado proposta excelente, envolveu 12 pesquisadores brasileiros e 4 franceses.

2

direta ou simbolicamente seus usurios determin ando, em parte, a maneira como

adultos e crianas sentem , pensam e interagem neste espao. O impacto dos materiais

e sua organizao no espao incide tanto nas interaes infantis como nas relaes

que se estabelecem entre crianas e adultos definindo formas diversas de socializao

e apropriao da cultura.

Toda escola ao desenvolver seu projeto pedaggico faz opes, seleciona

valores, prticas veiculadas pela sociedade.

Autores como Forquin (1996) e Apple (1982, 1979), ressaltam que a escola

dispe de uma cultura prpria, resultado de foras polticas presentes no contexto e

que refletem valores da cultura mais ampla. Nesse sentido, pretende-se investigar as

manifestaes culturais presentes nas escolas, que justificam a escolha de brinquedos

e materiais pedaggicos, seus usos e significaes.

No contexto atual da educao infantil os brinquedos apresentam dois usos

com significaes distintas: 1. os que valorizam a socializao da criana e, portanto,

adotam o brincar libre e 2. os que adotam a escolarizao e os brinquedos educativos

destinados aquisio de contedos escolares.

O conceito de brinquedo utilizado neste trabalho o de objeto, suporte da

brincadeira e o brincar, que est na base da ao ldica entendido como ao

iniciada e motivada da criana, favorecendo, a socializao da criana. (

Brougre,19955a,1995b, Kishimoto, 1998).

Metodologia

A metodologia privilegiou instrumentos quantitativos (questionrio) e

qualitativos(observaes nas escolas, vdeos, fotografias e entrevistas com

professores).

O questionrio (em anexo), utilizado em pesquisa similar nas escolas

maternais francesas, foi adaptado, aps pr-teste, contendo oito categorias: 1.

Brinquedos para atividades simblicas; 2. Brinquedos, materiais de agrupamento,

reconstituio de imagens; 3. Brinquedos, materiais para atividades de construo; 4.

3

Brinquedos, materiais para atividades de manipulao. 5. Jogos de regras; 6. Materiais

pedaggicos de matemtica, histria, geografia, linguagem, cincias; 7. Materiais

comunicacional e 8. Material de motricidade e educao fsica. O instrumento prev,

ainda, categorias para analisar o uso: no uso, uso um dia da semana , uso de 2 a 4

dias da semana e uso em ocasies especiais. Tendo em vista especificidades da

educao brasileira foi acrescentado o item relacionado aos materiais pedaggicos.

Entrevistas com professores e observaes das prticas pedaggicas colhidas

em vdeos e fotografias durante o perodo de agosto de 1997 a novembro de 1998

so fontes para anlise de usos e significaes. Participaram da coleta de dados

pesquisadores subsidiados pelos organismos financiadores de pesquisa.

Resultados

A tabela 1, em anexo, sintetiza a situao do uso de brinquedos e materiais

pedaggicos nas diversas categorias pesquisadas.

A anlise incidir nas categorias de brinquedos e materiais que apresentam

pelo menos 50% de disponibilidade nas escolas. Entre eles temos: brinquedos e

materiais para atividades de agrupamento, reconstituio de imagens ( 54,66%);

materiais para manipulao: experincias sensoriais e de motricidade fina ( 73,82%);

materiais de msica para experincias sensoriais, estticas (52,41%); materiais de

Artes Visuais/Plsticas para experincias sensoriais, estticas ( 91,48%); materiais-

suporte para veiculao sonora, visual, audiovisual,l informatizada ( 71,25%);

materiais de comunicaao via veculos visuais, sonoros, audiovisuais, informticos (

58,53%); materiais organizadores de ambientes e instalaes fixas para atividades

motoras e de educao fsica ( 72,98%) e materiais de manipulao, locomoo e

equilbrio para atividades motoras e de educao fsica ( 55,42%).

Os brinquedos e materiais mais citados pertencem ao campo do jogo

educativo destinado aquisio de contedos e desenvolvimento de habilidades, s

artes grficas, que justificam o desenho, a escrita e clculo, ao desenvolvimento da

motricidade fina e manipulao, aos materiais e equipamentos audiovisuais e de

comunicao e aos materiais e equipamentos de educao fsica. Para dar suporte

4

prtica de linguagem os materiais audiovisuais e informatizados servem como

auxiliares.

Entre os itens menos citados encontram-se os brinquedos destinados s

atividades simblica em escala infantil ( 35,74%); materiais para fantasias,

dramatizaes, danas ( 22,05%); marionetes, bonecos para fices, dramatizaes (

20,42%); brinquedos em miniatura reproduzindo o mundo (30,76%); brinquedos,

materiais para atividades de construo, superposio ou justaposio (27,02%);

brinquedos e materiais com sistema de encaixes ( 29,44%); brinquedos, materiais para

agrupamentos com peas de juno ( parafusos, etc.) (4,42%); jogos de regras com

predomnio para aprendizagem de matemtica ( 45,04%); jogos de regas com

predomnio para aprendizagem em Lngua Materna ( 39,38%); jogos de regras com

predomnio para aprendizagem de outros conhecimentos ( 10,45%); jogos de regras

com predomnio em socializao, parceria em grupos ( 17,25%).

Desse conjunto depreende-se que brinquedos e materiais destinados s

atividades simblicas, de construo e socializao da criana so os menos

privilegiados, ficando com percentuais que vo de 4% a 35%. Entre os jogos de regras

destinados aquisio de conhecimentos, destacam-se com maior ndice de presena

os de matemtica, seguidos de lngua materna, tendo presena pouco significativa os

materiais pedaggicos destinados s vrias reas do conhecimento.

Se assumirmos o pressuposto de Nvoa(1992) de que a anlise da estrutura

fsica e material revela valores assumidos pela organizao escolar, podemos inferir

que a funo simblica , a criatividade e a socializao da criana so pouco

relevantes dada a pequena participao de brinquedos e materiais dessas categorias

no acervo das unidades. Predominam brinquedos e materiais destinados expresso

grfica, ao desenvolvimento da motricidade fina e aos jogos que estimulam a

aquisio de contedos escolares, ou seja a cultura da escolarizao da criana

pequena que parece prevalecer.

O que leva diferentes sistemas educacionais a propor estruturas fsicas de

atendimento criana de 0 a 6 anos com caractersticas distintas? Quais as razes

subjacentes escolha da modalidade de sala de aula com mesas e cadeiras e

5

atividades dirigidas e que concepes de educao justificam a escolha e o uso de

brinquedos e materiais pedaggicos?

Neste momento em que o Brasil vive os primeiros passos rumo organizao

de seu prprio sistema de educao infantil, que busca integrar crianas de 3 meses

aos 6 anos em instituies infantis orientadas por programas educativos similares, que

discute seus referenciais curriculares, parece oportuno investigar as formas de

organizao do espao fsico: a sala de aula/atividade e a escolha de brinquedos e

materiais.

A tradio pedaggica brasileira, presente