ruptura materia superhiper set2011

Download RUPTURA Materia Superhiper Set2011

Post on 16-Aug-2015

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

rutpturas

TRANSCRIPT

64 Setembro 2011CapaO problemadaruptura,afaltadeprodutos nasgndolasdossupermercados,no exclusividade deste ou daquele agente da cadeia de abastecimento, mas de todos os envolvidos varejistasefornecedores,poisastemidas rupturas causam estragos que nem sempre so avistados a olho nu, muito menos mensurados e resolvidos. Acabar com as rupturas tarefa rdua, pois elas ocorrem pelos mais variados motivos, que sero destacados no decorrer desta reportagem. Mas se o problema receber a devida ateno, a reduo signicativa certa e os danos sero amenizados. A questo que o shopper (pessoa queestnalojacomprando)queprocuraum itemenooencontranagndolatemcomo primeirareaoainsatisfaoepodechegar ao extremo de abandonar seu carrinho e trocar de loja. O varejista vai perder muito mais que a venda, a m experincia de compra inuenciar na delidade do cliente, dependendo da situao e do que ele procura. Na hiptese mais favor-velparaosupermercadista,oclientepoder comprar outra marca. Mas, de qualquer forma, algum sair perdendo.Voc sabia que o ndice de Ruptura no setor de 10,2% e o de Estoque Virtual, de 5,6%? Neste cenrio certamente muitas vendas foram perdidas; por isso, as causas e possveis solues precisam de especial atenoRuptura: Loja sem posicionamento denido inuencia na formao do seu sortimento No ter planejamento da retaguarda e da compra Falta de treinamento dos funcionrios, problema com reposio (produto no estoque e no na gndola) Estoque virtual Falhas nos controles e nos inventrios Campanhas promocionais mal planejadas Falta de Cadastro nico Organizao No prever consumo institucional Logstica que interfere nos prazos de entrega dos produtosinimigo invisvel das vendasAlguns motivos que levam rupturaPor Marlucy Lukianocenko65 Setembro 2011Opiordissoquemuitasvezessupermer-cadistas e fornecedores no se atentam sobre quantoarupturaestafetandoasvendas,o negciodecadaum.Atporcontadodesco-nhecimento,ascausaseperdassemantero. Acadeiadesuprimentoscompostaporum emaranhado de vrias estruturas e componen-tes, e seu grande desao fazer com que todos se articulem e interajam para reduzir ou eliminar as rupturas, arma o coordenador do comit de preveno de perdas da Abras, Marcelo Tavares.Segundoele,reverterasituaocausada pelarupturaumprocessomuitocomplexo. Devemos levar em conta que qualquer proble-maocorridoemalgumdoselosdessacadeia repercutir nos outros, destaca.Noporacaso,osespecialistasnotema sugeremqueoprimeiropassosejamensurar o impacto da ruptura e depois identicar onde estooserros,mudarprocessosebuscaras devidas solues. Parece at simples, mas de-pende de algo mais.Infelizmente, boa parcela dos supermerca-distas no conhece o tamanho da ruptura em sua loja. Essa ausncia de medida acaba por gerar interpretaes equivocadas, que podem afetar umatomadadedeciso.Criarferramentase mediraamplitudedasrupturasemcadauma das unidades de negcio o primeiro passo para reduzi-las ou elimin-las. A partir da, um amplo econtnuoprojeto dereduodeveser implantado,identi-candocadaumadas causasesuasres-pectivasaespara equacion-las, com-plementa Tavares.Estudo Recent ement e, a Nielseninicioulevan-tamentoperidico, bimestral,paramedir o ndice de Ruptura e do Estoque Virtual (EV), que to grave quanto o primeiro e interfere diretamente na gesto da loja e na tomada de deciso. SuperHiper passa a public-los com exclusividade a partir desta edio. A primeira medio, que apontou 10,2% de ndice de ruptura no setor e de 5,6% no esto-que virtual, foi realizada nos meses de maio e junhodesteanoemmaisde1,4millojasem Tavares, do Comit de Perdas: Cadeia composta por vrias estruturas. Desao fazer com que todos se articulem66 Setembro 2011CapatodoBrasil,contemplando54% dofaturamentodoautosservio. Foramanalisadas30categorias de produtos de grande peso para o setor e a indstria do segmento alimentar.Essendiceserum norteparavarejistasefabrican-testomaremcomorefernciae avaliaremcomoestoseuneg-cio.As30categoriasanalisadas eapresentadascontemplamas principaiscategoriasdovarejoe dos principais fabricantes, desta-ca o coordenador de produtos da Nielsen, Eduardo Velloso, que conduziu o estudo.A ferramenta utilizada para chegar aos resul-tados foi a Retail Direct Data Solution RDDS. Segundo Velloso, um servio que oferece in-formaes dirias por meio de um software web quepermitegerenciaroPDVporfabricantes evarejistas,comfoconaanlisedeRuptura, Estoque Virtual e Promoes, entre outras, em nvel mnimo loja/dia/sku.Para o coordenador do Comit de Perdas, a importncia de se ter indicadores de ruptura e estoque virtual que eles servem como balizado-res ou referenciais na busca individual em cada loja, para que esses ndices se sobreponham linha do zero. Meta extremamente arrojada e que deve ser perseguida constantemente, no devendohavernenhumconformismosepor-ventura o ndice aferido na loja for menor que o divulgado pelo estudo, orienta.Motivos Adiante,osdemaisdadosdoestudosero analisados. Antes, para compreender o que se passa com as categorias, interessante que se entenda porque as rupturas acontecem. Motivosnofaltam.Aindstriaofereceao varejo de 300 mil a 400 mil itens. Somente em 2010 foram lanados mais de 15 mil itens, segun-do a Nielsen. Vingaram pouco mais de trs mil e preciso saber o que fazer com eles tambm, pois a gndola no elstica. O pequeno varejo expe de 5 mil a 6 mil itens e o primeiro desao para ele e os demais supermerca-dos se perguntar: Qual e como formado o meu sortimento? OcoordenadordoComi t ECR,ClaudioCzapski,dizquea coerncia a resposta. Uma loja precisa denir seu propsito para formar o sortimento. imposs-vel oferecer tudo, mas se o foco forofereceralimentos,quem frequenta a loja dever encontrar sortimentoevariedadedessa categoria.Outrositens,como higieneelimpeza,seroparaa convenincia do cliente, explica. O mesmo se aplica a lojas com outros focos, porexemplo,asdeabastecimento.Deve-se saber quais so os principais itens no abaste-cimento e trabalh-los com empenho. O foco da loja deve ser de tornar-se imbatvel no papel a que se destina, completa Czapski.ReposioMuitos dos problemas que levam ruptura so operacionais.Ovice-presidentedevendasda Procter & Gamble (P&G) para a Amrica Latina, CyroGazola,falouaSuperHipersobreesse tema, que est sempre em voga na companhia. Inclusive, em 2004, a P&G realizou importante pesquisa. Para ele, as rupturas esto relaciona-das ao fundo da loja. Ou seja, o varejista pode ter o produto em estoque, mas ele no est no Cestas NielsenRupturaEstoque VirtualBebidas Alcolicas20,210,8Alimentos Perecveis13,55,1Bebidas Nao Alcolicas11,97,3Limpeza9,45,6Mercearia Doce9,25,5Mercearia Salgada8,85,7Higiene, Saude E Beleza8,04,5ndices por cestas*Velloso, da Nielsen: s ndices de ruptura e EV serviro de referncia para avaliao e tomada de decises*Fonte Nielsen - Baseado em 30 categorias68 Setembro 2011Capapontodevenda,diantedoconsumidor.Pro-dutoforadagndolaruptura,poisnoser vendido, arma. Czapski,doECR,concorda.Estabelecer critrios de acompanha-mentoessencialpara combateraruptura. Como saber que no h mais itens na prateleira? Almdossistemase softwares,funcionrios tm que ter uma rotina para vericar o que est em falta. s vezes a ro-tina repor duas vezes ao dia, mas se o cliente procurar o produto e ele no estiver l, o mal est feito, diz. preciso considerar, tambm, que apesar de determinados produtos estarem em estoque, s vezes no esto na rea de vendas porque h repositores mal treinados e tambm os que at agem de m-fpara prejudicar o concorrente, alertaCzapski.svezes,adesorganizaona retaguarda com caixas abertas e dispostasna lo-calizao errada atrapalham muito a reposio.Oestoquedeprateleiradeveriasersu-cienteparaatenderatareposioseguinte. Quanto menor for o espao na rea de vendas, mais frequente deve ser a reposio, arma. Estoque VirtualOestudodaNielsentambmmedeoEstoque Virtual, fator que causa a ruptura e exige mais treinamentodosfuncionriosparareduzi-lo, lembra o diretor da GS1 Brasil, Roberto Matsu-bayashi. Grosso modo, Estoque Virtual signica que relatrios apontam que o produto est l, mas ele efetivamente no est. Isso geralmen-te acontece por falta de controle interno e por errosdeoperadores.Porexemplo,ocliente passa seis diferentes fragrncias de sabonete da mesma marca pelo check-out, mas o operador registra todos como uma nica verso. Pronto, a confuso comea a. O comprador que vai se ba-sear na planilha comprar mais itens da verso registrada.Porm,naprtica,haverexcesso desse produto e vo faltar as verses que no foram contabilizadas. Em algum momento vai dar ruptura, lembra Velloso, da Nielsen. SegundoMat s u-bayashi,hredesva-rej i stasqueadotam medidasradicaiseno maispermitemqueo operador multiplique as quantidades.Poroutro lado,bomtreinamento faz com que os funcion-rios entendam os proble-masquedeterminadas atitudes podem causar. ParceriaA no utilizao de um Cadastro nico no Pas outro problema que tambm foge ao controle dos softwares, interfere nosrelatrioseresulta emrupturas.Esteano, GS1,AbraseCarrefour apresentaram o projeto-piloto do GDSN Global DataSynchronization Network,cujoobjetivo fornecer informaes maisprecisas,agilizar processoseeliminar erros que causam trans-tornoscomoatrasode entregasdeprodutos, confusesporcdigos no atualizados, etc.DeacordocomMatsubayashi,necessrio que varejo e indstria implantem o GDSN. medida que os grandes varejistas adota-remessaferramenta,acabaroinuenciando todo o varejo, porque eles so referncia, tm projetos de ecincia e incentivam os demais. O Carrefour j faz parte do piloto, at porque sua operao internacional j adotou esse cadas-tro em alguns pases. O Walmart, que j trabalha com GDSN nos Estados Unidos e no Mxico, est Matsubayashi, da GS1: A utilizao de um cadastro nico vital para qualidade da operao 70 Setembro 2011Capaem fase de conversao no Brasil, assim como oGrupoPodeAcar.Estesvarejistastm grande fora diante dos fornecedores, segundo oexecutivodaGS1.Dequalquerforma,uma dica que pode auxiliar na reduo da ruptura queaatenodeverestardirecionadaparaa qualidade do cadastro, da operao e da infor-mao