romantismo (1836). marco inicial: “suspiros poéticos e saudades – gonçalves de magalhães....

Download Romantismo (1836). MARCO INICIAL: “Suspiros Poéticos e Saudades – Gonçalves de Magalhães. MARCO INICIAL: “Suspiros Poéticos e Saudades – Gonçalves de

Post on 21-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Romantismo (1836)
  • Slide 2
  • MARCO INICIAL: Suspiros Poticos e Saudades Gonalves de Magalhes. MARCO INICIAL: Suspiros Poticos e Saudades Gonalves de Magalhes. CONTEXTO HISTRICO: CONTEXTO HISTRICO: Europa: Europa: Revoluo Francesa; Revoluo Francesa; Revoluo Industrial. Revoluo Industrial. Brasil: Brasil: Vinda da famlia real; Vinda da famlia real; Abertura dos portos; Abertura dos portos; Fundao do Banco do Brasil; Fundao do Banco do Brasil; Mudanas sociais, econmicas e polticas; Mudanas sociais, econmicas e polticas; Sentimento anticolonialista. Sentimento anticolonialista. Independncia do Pas. Independncia do Pas.
  • Slide 3
  • Caractersticas Gerais: Sentimentalismo; Individualismo; Subjetivismo; Evaso: no espao, no tempo, na morte; Imaginao e fantasia; Liberdade de criao.
  • Slide 4
  • Caractersticas do Romantismo no Brasil: Procura de uma lngua brasileira; Procura de uma lngua brasileira; Nacionalismo; Nacionalismo; Indianismo Indianismo Subjetivismo Subjetivismo Idealizao do: Idealizao do:.Amor.Amor.Mulher.Mulher *O ROMANTISMO DIVIDE-SE EM: POESIA E PROSA POESIA E PROSA No te rias de mim, meu anjo lindo! Por ti as noites eu velei chorando, Por ti nos sonhos morrerei sorrindo! (lvares de Azevedo)
  • Slide 5
  • Poesia Romntica: A poesia romntica est dividida em trs geraes. A poesia romntica est dividida em trs geraes. Primeira Gerao Nacionalista ou Indianista. Primeira Gerao Nacionalista ou Indianista. Gonalves de Magalhes Suspiros Poticos e Saudades. Introduz o Romantismo no Brasil. Gonalves de Magalhes Suspiros Poticos e Saudades. Introduz o Romantismo no Brasil. Gonalves Dias I Juca Pirama, Cano do Exlio (patritico). Gonalves Dias I Juca Pirama, Cano do Exlio (patritico).
  • Slide 6
  • I-JUCA PIRAMA No meio das tabas de amenos verdores, No meio das tabas de amenos verdores, Cercados de troncos, cobertos de flores, Cercados de troncos, cobertos de flores, Alteiam-se os tetos daltiva nao; Alteiam-se os tetos daltiva nao; So muitos seus filhos, nos nimos fortes, So muitos seus filhos, nos nimos fortes, Temveis na guerra, que em densas coortes Temveis na guerra, que em densas coortes Assombram das matas a imensa extenso. Assombram das matas a imensa extenso. So rudos, severos, sedentos de glria, So rudos, severos, sedentos de glria, j prlios incitam, j cantam vitria, j prlios incitam, j cantam vitria, J meigos atendem voz do cantor: J meigos atendem voz do cantor: So todos Timbiras, guerreiros valentes! So todos Timbiras, guerreiros valentes! Seu nome l voa na boca das gentes, Seu nome l voa na boca das gentes, Condo de prodgios, de glria e terror! Condo de prodgios, de glria e terror!
  • Slide 7
  • [...] [...] CANTO VIII CANTO VIII Tu choraste em presena da morte? Tu choraste em presena da morte? Na presena de estranhos choraste? Na presena de estranhos choraste? No descende o cobarde do forte; No descende o cobarde do forte; Pois choraste, meu filho no s! Pois choraste, meu filho no s! Possas tu, descendente maldito Possas tu, descendente maldito De uma tribo de nobres guerreiros, De uma tribo de nobres guerreiros, Implorando cruis forasteiros, Implorando cruis forasteiros, Seres presa de vis Aimors. Seres presa de vis Aimors. Possas tu, isolado na terra, Possas tu, isolado na terra, Sem arrimo e sem ptria vagando Sem arrimo e sem ptria vagando Rejeitado da morte na guerra, Rejeitado da morte na guerra, Rejeitado dos homens na paz, Rejeitado dos homens na paz, Ser das gentes o espectro execrado; Ser das gentes o espectro execrado; No encontres amor nas mulheres, No encontres amor nas mulheres, Teus amigos, se amigos tiveres, Teus amigos, se amigos tiveres, Tenham alma inconstante e falaz! Tenham alma inconstante e falaz!
  • Slide 8
  • Segunda Gerao: Ultra-Romntica, Mal-do-Sculo, Byroniana. lvares de Azevedo Lira dos Vinte Anos; Noite na Taverna. Caract.: Medo do amor, pessimismo, dvida, tdio. Tdio; Morte; Amor Idealizado.
  • Slide 9
  • Casimiro de Abreu Meus Oito Anos, Primaveras. Casimiro de Abreu Meus Oito Anos, Primaveras. Caract.: Inquietaes amorosas adolescentes, amor negaceado, infncia e ptria vistas com saudosismo. Fagundes Varela Cntico do Calvrio. Caract.: Oscilao entre o mal-do-sculo e a temtica social. Junqueira Freire Inspiraes do Claustro. (Valor autobiogrfico inadaptao vida sacerdotal)
  • Slide 10
  • Terceira Gerao: Condoreira: poesia poltico-social. Terceira Gerao: Condoreira: poesia poltico-social. Castro Alves O Navio Negreiro, Espumas Flutuantes. Castro Alves O Navio Negreiro, Espumas Flutuantes. Caract.: Poesia condoreira, humanitria, defesa de causas sociais e abolicionistas, amor ertico, realizado.
  • Slide 11
  • NAVIO NEGREIRO Senhor!Deus dos desgraados! Dizei-me vs, Senhor Deus! Se loucura...se verdade Tanto horror perante os cus... mar! Por que no apagas Coa esponja de tuas vagas De teu manto este borro?... Astros!Noites!Tempestades! Rolai das imensidades! Varrei os mares, tufo!...
  • Slide 12
  • So os filhos do deserto So os filhos do deserto Onde a terra esposa a luz Onde a terra esposa a luz Onde voa em campo aberto, Onde voa em campo aberto, A tribo dos homens nus A tribo dos homens nus So os guerreiros ousados, So os guerreiros ousados, Que com os tigres mosqueados Que com os tigres mosqueados Combatem na solido... Combatem na solido... Homens simples, fortes, bravos... Homens simples, fortes, bravos... Hoje mseros escravos Hoje mseros escravos Sem ar, sem luz, sem razo... Sem ar, sem luz, sem razo...
  • Slide 13
  • [...] Ontem a Serra Leoa, Ontem a Serra Leoa, A guerra, a caa ao leo, A guerra, a caa ao leo, O sono dormido toa O sono dormido toa Sob as tendas damplido... Sob as tendas damplido... Hoje...o poro negro, fundo, Hoje...o poro negro, fundo, Infecto, apertado, imundo, Infecto, apertado, imundo, Tendo a peste por jaguar... Tendo a peste por jaguar... E o sono sempre cortado E o sono sempre cortado Pelo arranco de um finado, Pelo arranco de um finado, E o baque de um corpo ao mar... E o baque de um corpo ao mar... ALVES, Castro. ALVES, Castro.
  • Slide 14
  • A Prosa Romntica A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, publicado em 1844 considerado o primeiro romance romntico brasileiro. A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, publicado em 1844 considerado o primeiro romance romntico brasileiro.
  • Slide 15
  • Na tentativa de criar uma literatura que traduzisse a realidade brasileira, nossos escritores produziram quatro espcies de romances: Na tentativa de criar uma literatura que traduzisse a realidade brasileira, nossos escritores produziram quatro espcies de romances: ROMANCES URBANOS retratam a vida dos centros urbanos da poca. ROMANCES URBANOS retratam a vida dos centros urbanos da poca. ROMANCES INDIANISTAS refletem o nacionalismo. ROMANCES INDIANISTAS refletem o nacionalismo. ROMANCES REGIONALISTAS mostram peculiaridades do todo que era constitudo o Brasil. ROMANCES REGIONALISTAS mostram peculiaridades do todo que era constitudo o Brasil. ROMANCES HISTRICOS retratam fatos histricos importantes na formao do nosso pas. ROMANCES HISTRICOS retratam fatos histricos importantes na formao do nosso pas.
  • Slide 16
  • Autores e Obras: Joaquim Manuel de Macedo A Moreninha Primeiro romance brasileiro, narrativa urbana, estrutura de folhetim, superficialidade. Jos de Alencar Senhora, Lucola, A pata da gazela (urbanos), Iracema, O Guarani, Ubirajara (indianistas),O tronco do Ip (regionalista), Minas de Prata (histrico). Projeto nacionalista, estrutura romntica, idealizao da realidade, valorizao da natureza. Projeto nacionalista, estrutura romntica, idealizao da realidade, valorizao da natureza.
  • Slide 17
  • Iracema O Guarani
  • Slide 18
  • Bernardo de Guimares A escrava Isaura. Estrutura de folhetim, temtica abolicionista pretexto para tpica histria romntica. Visconde de Taunay A retirada de Laguna, Inocncia. Descritivismo de detalhes e paisagens, romance sertanista com acessrios realistas. Descritivismo de detalhes e paisagens, romance sertanista com acessrios realistas. Manuel Antnio de Almeida Memria de um sargento de milcias. Narrativa de costumes, obra pr-realista, humor, enfoque s camadas populares. Narrativa de costumes, obra pr-realista, humor, enfoque s camadas populares.
  • Slide 19
  • Realismo (1881) Ao verme, que primeiro roeu as frias carnes do meu cadver, dedico como saudosa lembrana Estas memrias pstumas. (Machado de Assis Memrias Pstumas de Brs Cubas)
  • Slide 20
  • MARCO INICIAL: Memrias Pstumas de Brs Cubas Machado de Assis-1881. CONTEXTO HISTRICO: Segunda fase da Revoluo Industrial; Avano tecnolgico, progresso cientfico; Marx e Engels lanam o Manifesto Comunista; Darwin publica A Origem das Espcies; Teorias filosfico-materialista Positivismo, de Augusto Comte.
  • Slide 21
  • Caractersticas: Objetivismo; Objetivismo; Impessoalidade; Impessoalidade; Anlise psicolgica; Anlise psicolgica; Contemporaneidade; Contemporaneidade; Verossimilhana; Verossimilhana; Preferncia por perodos curtos; Preferncia por perodos curtos; Detalhismo (lentido na narrativa); Detalhismo (lentido na narrativa); Pessimismo. Pessimismo.
  • Slide 22
  • Autor: MACHADO DE ASSIS Implacvel crtico do ser humano. MACHADO DE ASSIS Implacvel crtico do ser humano. CARACTERSTICAS DA SUA OBRA: CARACTERSTICAS DA SUA OBRA: Pessimismo; Pessimismo; Conscincia de que o ser humano vive em funo das aparncias