revista u #01 set/out 2013

Download Revista U #01 Set/Out 2013

Post on 25-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • Revista

    N 1 set / out 2013

    MrcioMesquita serva

    Para reitor da unimar,

    qualidade

    o grande desafio do

    ensino superior no

    Brasil

    dietas da Modaum perigo para sade

    sade FsicaPraticar exerccios fsicos sem orientao profissional podeser perigoso.

    + maiseconomia

    direitosade

    veterinriameio ambiente

  • Editora Abril reconhece qualidade e Unimar recebe 45 estrelas no Guia do Estudante

    sabido que quem conclui o Ensino Superior em Instituies de qualidade possui mais chances de crescer profissionalmente, seja por conquistar novo emprego, por alcanar a promoo to desejada ou ainda por tornar-se refern-cia no mercado. este cenrio que os formandos da Universidade de Marlia (Unimar) esto encontrando aps a colao de grau e no a toa que a Universi-dade no para de receber boas avaliaes do Ministrio da Educao e outros rgos de referncia.

    Nesta semana a Editora Abril publicou a mais nova verso do Guia do Estudante (GE) destinando 45 estrelas para a Unimar. A conquista vem ao encontro do timo desempenho de todos os cursos da Universidade nas avaliaes do Minis-trio da Educao, comprovando a excelncia na formao profissional dos acadmicos.

    Para o coordenador do curso de Fisioterapia Prof. Me. Mauro Audi, que recebeu 4 estrelas no Guia do Estudante, a quantidade de estrelas recebidas revela a qualidade do corpo docente e da estrutura do curso utilizada pelos alunos. Todos sabem que o Guia do Estudante uma avaliao de referncia nacional e que inspira muitos jovens. Estamos muito felizes, principalmente por saber que os cursos de toda a Universidade esto bem avaliados, comenta.

    A mesma opinio compartilhada pela coordenadora do curso de Educao Fsica, Profa. Ma. Rosalina Queiroz. um orgulho muito grande, temperado com a emoo do reconhecimento do trabalho em equipe. Contamos com o apoio da mantenedora e pr-reitorias para manter o nosso trabalho alicerado nos pilares ensino, pesquisa e extenso, finaliza.

    Entre quatro e trs estrelas, o Guia tambm apontou a qualidade dos cursos de Administrao, Engenharia Agronmica, Biomedicina, Cincias Contbeis, Direito, Enfermagem, Engenharia Civil, Farmcia, Medicina Veterinria, Nutrio, Psicologia e Publicidade e Propaganda.

  • ndice

    Expediente

    Diretor Geral: Leonardo Marques

    Redao: Rodrigo Vides e

    Izabel Dias

    Administrao: Ademir Marques

    Diretor de Arte: Leonardo Marques

    Foto de Capa: Fausto Roim

    Fotografia: Leonardo Marques,

    Fausto Roim e divulgao

    Reviso: Regina Serva

    Fale Conosco

    E-mail: contatorevistau@gmail.com

    Unimar

    Fone: (14) 2105-4000

    E-mail: falecom@unimar.br

    04 ColunaEIRELI: Uma nova proposta empresarial

    06 ColunaO Ensino Superiore a sua avaliao

    07 EngEnhariaUnimar Investe em Tecnologia

    08 PsiCologiaOrientao vocacional ajuda abrircaminho para carreira profissional

    14 VEstibularUma multido de sonhos para se construir

    16 JustiaCEJUSCCentro de conciliao garanteatendimento jurdico populao

    18 nutrioDietas da modaUm perigo para sade

    20 MEio aMbiEntEArborizao urbana Um desafio para as cidades

    22 soCialUnimar destaque noProjeto Rondon h 12 anos

    26 sadEAutomedicaoUm perigo ao alcance das mos

    28 sadEAmpliao do Hospital Universitrio vai criar mais200 leitos

    30 sadEM postura principal causa das dores nas costas

    34 dirEitoJulgamento de ctedra Universitrios analisam casos de grande repercusso e a influncia da mdia

    36 adMinistraoEconomia que no pesa nooramento

    38 VEtErinria A porta de entrada para as Agrrias

    10

    CapaMrCio Mesquita Serva

    24 SadeSade Fsicapraticar exerccios fsicos sem orientao de profissional pode ser perigoso.

  • 4 | revista u

    Lei n 10.406, de 10 de janeiro de 2002, tambm conhecida como Novo Cdigo Civil Brasileiro, foi alterada pela Lei 12.441, de 11 de julho de 2011, para permitir a criao de um novo tipo empresarial chamado EIRELI, que Empresa Individual de Responsabilidade Limitada.

    A nova lei passou a valer a partir de 08.01.2012 e, aps a sua validade, ficou autorizada a constituio de empresa por uma nica pessoa e com responsabi-lidade limitada, restringindo-se a responsabilidade do seu titular ao patrimnio empresarial, em proteo ao patrimnio da pessoa natural. Para sua constitui-o, basta a pessoa ser capaz (18 anos ou ter adquirido a emancipao para fins de constituio de empresa, bem como estar em pleno gozo de suas faculdades mentais) que, aps integralizar o capital da empresa vista, no inferior a 100 salrios mnimos vigentes no Pas, e efetivar o registro da empresa na Junta Co-mercial da respectiva cidade onde estiver locado o estabelecimento da empresa (sede), gozar de todos os direitos previstos na legislao vigente.

    Para a formao do nome empresarial dever ser utilizada firma (nomes dos scios) ou denominao social (nome fantasia) acrescida, ao final, da expresso EIRELI. A nova lei restringiu a participao de uma mesma pessoa natural em mais de uma EIRELI.

    A novidade maior veio com a autorizao para que a sociedade (aquela que possui dois ou mais scios) se transformasse em EIRELI, bastando concentrar todas as suas quotas num nico scio, sem qualquer justificativa ou motivao, e registrar o ato na junta comercial. Essa permisso favorece a mantena da empresa e a excluso de scio, no caso de venda de quotas ou at em decorrncia de bito.

    Conforme visto, a EIRELI difere das demais sociedades em razo da ine-xistncia de scios, o que certamente facilita o emprego da gesto. O interes-sado em explorar a EIRELI passa a ter ao seu dispor um tipo empresarial que restringe, via de regra, a sua responsabilidade integralizao do capital social, protegendo seus bens pessoais das investidas de credores, que somente podero buscar os bens empresariais para a satisfao do crdito decorrente da explora-o da atividade. Com isso tambm afasta a figura indesejada do scio que se vinculou sociedade apenas para compor o mnimo exigido para a sua consti-tuio (duas pessoas).

    Professor Jefferson lus Mazzini

    Mestre e titular da cadeira de direito empresarial

    uNiMar universidade de Marlia

    Coluna

    EirEliuma nova proposta empresarial

  • 6 | revista u

    O sistema institucionalizado de avaliao tem impulsio-nado mudanas significa-tivas no funcionamento da educao superior, imposto s instituies de ensino superior que fazem parte do sistema federal de ensino. Anterior-mente no havia um direcionamento governamental que conseguisse uni-ficar o trabalho nos cursos de nvel superior em busca de um padro na-cional por curso, ou ainda, no havia critrios, to claros como h hoje, a respeito do conceito de qualidade para instituies ou cursos superiores.

    Em 2004, com a lei 10.861 (BRA-SIL, 2004) ficou institudo o Sistema Nacional de Avaliao da Educao Superior (SINAES), implantando um processo nacional de avaliao de instituies, de cursos de graduao e de estudantes. A mesma lei instituiu tambm a CONAES, no mbito do Ministrio da Educao, vinculada ao Gabinete do Ministro de Estado (rgo colegiado de coordenao e su-perviso do SINAES).

    Assim, a partir da nova definio da avaliao da educao superior, os resultados obtidos passaram a servir de referencial para os processos de regulao e superviso, tais como cre-denciamento e recredenciamento de instituies de educao superior e a autorizao, o reconhecimento e a re-novao de reconhecimento de cursos de graduao.

    A partir da implantao do SINA-ES houve intensificao das discus-ses a respeito da qualidade do ensino e dos cursos. Alm disso, possibilitou populao acesso aos conceitos ob-tidos que, aps publicao no Dirio Oficial da Unio, ficam disponibiliza-dos em pgina eletrnica do Minist-rio da Educao.

    Para a realizao de avaliao ins-titucional passaram a ser considera-das tambm autoavaliaes, que so realizadas pela Comisso Prpria de Avaliao (CPA) e tambm avaliaes externas realizadas por meio de visi-tas in loco. Para o desenvolvimento de tais avaliaes internas ou externas, foram estabelecidas pelo SINAES dez dimenses que abrangem: a misso e o plano de desenvolvimento institucio-nal; polticas para o ensino, pesquisa, ps-graduao, extenso e normas de operacionalizao; responsabilidade social da instituio; comunicao com a sociedade; polticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e tc-

    nico-administrativo; organizao e gesto da instituio; infraestrutura fsica; planejamento e avaliao, es-pecialmente os processos, resultados e eficcia da autoavaliao institucional; polticas de atendimento a estudantes egressos e, por fim, sustentabilidade financeira.

    A avaliao do desempenho dos estudantes dos cursos de graduao, com a aplicao do Exame Nacio-nal de Desempenho dos Estudantes (ENADE), leva em considerao o perfil nacional do profissional de cada curso, assim como as competncias e habilidades necessrias para o exerc-cio de cada profisso, apresentados nas Diretrizes Curriculares Nacionais.

    Ao avaliar os estudantes de um cur-so, por meio do ENADE, implicita-mente se avaliam os docentes do mes-mo. Avalia-se o fazer pedaggico, que proporcionou ou no a aprendizagem necessria; avalia-se o conhecimen-to a respeito das diretrizes curricula-res nacionais do curso e a capacidade pedaggica do docente em preparar atividades que desenvolvam as com-petncias e habilidades nelas descritas.

    Assim, a avaliao realizada pelo SINAES pode e deve ser utilizada pelas instituies de ensino superior como um instrumento de estmulo ao desenvolvimento de aes que condu-zam qualidade!

    Coluna

    o Ensino superiore a sua avaliao

    Dr Andria Cristina Fregate Baraldi LABEGALINI

    coord. do curso de especializao em docncia do ensino universitrio

  • revista u | 7

    A Universidade de Marlia (Unimar) adquiriu recente-mente impressoras 3D que devero beneficiar