Revista TI (NE) - 19ª Edição (Set/2014)

Download Revista TI (NE) - 19ª Edição (Set/2014)

Post on 04-Apr-2016

222 views

Category:

Documents

7 download

DESCRIPTION

Nesta edio, descubra como a tecnologia est se tornando uma aliada da sade no Nordeste e entenda qual o papel do profissional de TI nesta transformao!

TRANSCRIPT

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    4

    s u m r i o

    10 LanamentosConfira o que muda com a chegada do iPhone 6

    14 teLecomOi investe em servios de telefonia no Maranho

    16 mobiLe OneDrive agora permite upload de 10GB em nuvem

    18 segurana Andrei Junqueira explica a importncia de um consultor de segurana

    startupsEngenharia e Medicina aliadas contra o Mal de Parkinson

    25 cidades Confira as cidades do Nordeste que mais compram pela internet

    26 reportagem Transformao tecnolgica em hospital baiano

    38 educaoDigita Alagoas alcana 12 mil participantes

    42 eVentosPalestra da IBM rene 600 pessoas no Porto Digital em Recife

    08 on-Line 12 artigo20 goVerno24 inVestimento28 conVidado36 entreVista44 coffee break45 imagem46 tendncias48 agenda54 Humor nerd

    inoVao Foguete brasileiro com etanol lanado com sucesso

    30

    3940

    tecnoLogia e sade Investimento em equipamentos, infraestrutura e servios ajudam a resolver os problemas de sade na regio

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    6

    e d i to r i a l

    A sade no Brasil um caos. Sade p-blica, planos de sade e usurios. Uma equao que ningum consegue resol-ver. Falta UTI, falta hospital, falta estrutura. No obstante, a Medicina continua evoluindo e a expec-tativa de vida do brasileiro cada vez maior. Em 1960, a expectativa de vida no Brasil era de pouco mais que 54 anos e hoje ultrapassa os 73 anos. No fosse o alto nmero de homicdios, que nos coloca com ndices piores do que pases em guer-ra, essa expectativa seria ainda mais elevada. E a maior aliada da Medicina tem sido a tecnologia. atravs dela que evolumos, desde prteses den-trias, at no tratamento de cncer. A TI Nordeste foi atrs dessa revoluo que est acontecendo EquipE Ti NordEsTE

    e x p e d i e n t e

    conselho editorialJos Augusto Galvo BarrettoAna Paula PaixoSheila Vasconcelos

    gerente executivaVanessa Rodrigues

    JornalismoJoana LopoPriscila MachadoVinicius Scopel

    redes e mdias sociaisEvelin Laureane

    colunistasAugusto BarrettoMaria ngela OrlandoBruno GizhoniAndrei Junqueira

    colaboradoresAna Paula PaixoFelipe Arcoverde

    revisoAna Manguinho

    representante so pauloPriscila Cabral

    assessoria JurdicaMaria Amlia Lins

    Projeto Grfico e diagramaoPerson Design

    portalwww.tinordeste.com

    para anunciarcontato@tinordeste.com

    para assinarassinatura@tinordeste.com

    na rea mdica, focando a reportagem, como sempre, em nossa regio, mostrando o que h de melhor, no somente em termos de equipamentos, mas tambm detalhando o que os profissionais de TI tm feito para melhorar a infraestrutura e os processos de apoio aos mdicos, em hospitais e clnicas. Isso fica ainda mais evidente na segun-da reportagem que mostra a transformao que um hospital na Bahia passou, especialmente em sua infraestrutura de TI. Nosso intuito sempre divulgar o que est sendo feito para o bem, para melhorar, para servir de exemplo. Essa edio est recheada deles. No percam!

  • 2012 HID Global Corporation/ASSA ABLOY AB. All rights reserved. HID, HID Global, the HID logo and the Handshake logo are trademarks or registered trademark of HID Global Corporation/ASSA ABLOY AB in the United States and in other countries.

    Uma soluo nica de controle de acesso e impresso para todo tipo de empresa.

    Seja para imprimir cartes de acesso ou qualquer outro tipo de credencial, FARGO C50 a impressora de

    cartes para todos os tipos de empresas devido sua praticidade, qualidade e acessibilidade.

    Sua empresa merece o melhor, sua empresa merece HID. www.hidglobal.com.br

    Conhea a nova FARGO C50, a impressora de cartes pronta para uso. A C50 pode criar cartes personalizados em questo de minutos.

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    8

    o n - l i n e

    www.tinordeste.com

    Baixe a TI (NE) em seu tablet

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    10

    l a n a m e n to s

    A OKI, empresa de solues em impresso, anunciou recentemente o lanamento da impressora C911 MDI, que oferece economia e qualidade para as mais variadas necessidades de impresso do ambiente mdico-hospitalar. Dentre as qualidades da C911 MDI, uma delas permitir a impresso diretamente a partir do seu equipamento mdico, sem a utilizao de software de converso ou de servidores de impresso externos, o que reduz os gastos do Hospital. O equipamento conecta-se diretamente aos conversores de imagem DICOM e aos sistemas tradicionais HIS (Sistema de Infor-maes Hospitalares). indicado para impresso de diversos exames em formatos at A3+, como ressonncia magntica, tomografia computadorizada, raio-X e reconstrues.

    J que as lentes Fisheye, a famosa Olho de Peixe, a mesma utilizada pela GoPro, esto na moda, por que no aderi-las aos smartphones com An-droid?! Depois de serem lanadas para iPhone, a Olloclip volta ao mercado para lanar as lentes acoplveis para os dispositivos: Samsung Galaxy S4 e S5. O acessrio contm um sistema com quatro lentes (olho de peixe, grade angular e duas macros: 10x e 15x) com peso inferior a 28 gramas, o kit prtico pode ser levado no bolso e a troca de lentes ocorre sem dificuldades. Por en-quanto, o produto est em pr-venda no site da Olloclip por US$ 70. Segundo a empresa, a pr--venda do kit com quatro lentes estar disponvel at o final deste ms de setembro.

    OKI lana ImpressOra especfIca para rea mdIca

    lentes acOplveIs OllOclIp chega para aparelhOs andrOId

    Equipamento oferece maior nitidez e qualidade

    na impresso devido tecnologia HD Color

    Pr-venda no site da Olloclip por US$ 70 (R$ 160)

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    11

    Embora o Android seja o OS (sistema operacional) mais utilizado nos gadgets de 7 a 10 polega-das, a Toshiba aposta no crescimento da Microsoft. Por isso, lanou, recentemente, o Encore Mini WT7-C16, com o Windows 8.1, e um ano do Pacote Office 365 j incluso. Confira as configuraes do dispositivo: Processador Intel Atom Processor Z3735G de at 1,87 Ghz (Quad-core); Tela de 7 LED (1024x600 pixels); Memria RAM de 1 GB; Armazenamento interno: 16 GB (aceita carto SD de at 128 GB); Cmera traseira e frontal: 2 MP 0.3 MP; Suporte a Wi-Fi Wireless networking (802.11b/g/n) + Bluetooth v 4.0. O Tablet est disponvel para pr-venda no site norte-americano da Toshiba, por US$ 119 (R$ 265).

    Setembro o ms em que os gigantes da tecnologia apro-veitam a maior feira internacional de tecnologia, o IFA 2014, para anunciarem seus to esperados dispositivos. Mas a Ap-ple, em um evento individual em Cupertino, na Califrnia, anunciou seus novos smartphones top de linha, o iPhone 6 e o iPhone 6 Plus, que chegaram juntamente com o Apple Watch (relgio inteligente da companhia). Confira abaixo o que mudou no novo gadget da empresa da ma. A mudan-a mais significativa fica pelo tamanho da tela, que antes era de 4 polegadas agora passa a ser 4,7 LED polegadas, um processador Apple A8 (64bits) Dual Core superior ao anterior A7, e uma resoluo de 1334x750 pixels maior que a do 5S (1136x 640). E o novo gadget recebe a atualizao do sistema operacional agora o iOS 8. No mais, as configu-raes permaneceram sem sofrer alteraes significativas. Tanto o iPhone 6 quanto o iPhone 6 Plus chegam ao merca-do norte-americano no dia 19 setembro, mas as pr-vendas j comearam desde o dia 12 de setembro. Por enquanto, s h informaes sobre os preos cobrados pelas verses com contratos: o aparelho mais bsico (iPhone 6 de 16 GB) ser vendido por US$ 199.

    tOshIba lana encOre mInI cOm WIndOWs 8.1

    lanadO O tO esperadO IphOne 6, mas e a? O que ele tem de nOvO?

    iPhone 6 ter preo a partir de US$ 199 (R$ 455,39).

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    12

    a rt i g o por augusto barretto

    Enquanto escrevo essa coluna, escuto California (There Is No End to Love), terceira faixa do lbum Songs Of Innocence, que ganhei de presente da Ap-ple, baixando gratuitamente no itunes. Alis, no s eu, mas todos os usurios de iOS. Leia-se, quem tem Ipad, Iphone, Ipod, Mac ou qualquer usurio com conta no itunes, tambm foram agraciados, bastando acessar sua conta itunes e baixar o lbum, que est disponvel gratuitamente at o dia 13 de Outubro. Como f da Apple e do U2, gostei da iniciativa de ambas as partes. Mas meu esprito marqueteiro me deixou desconfiado antes mesmo de fazer o downlo-ad. Afinal, no estamos acostumados a ganhar nada de presente das grandes empresas. E nesse caso, a Apple e o U2 estariam dando um presente para 500 milhes de pessoas, que o nmero de usurios do itunes. Confesso que fiquei desconfiado. Primeira-mente achei que fosse uma estratgia da Apple para vender espao de armazenamento no icloud, uma vez que, no meu caso, por exemplo, s consegui baixar o lbum depois de comprar mais espao no icloud, uma vez que vinha recebendo a mensagem que estava sem espao por l e imagino que por isso, no conseguia baixar o arquivo, j que o download s poderia ser feito a partir do icloud. Mas, logo em seguida, consultei o maior especialista do mundo em marketing, o todo poderoso Mr. Google, que me contou que as estimativas do mercado dizem que a Apple pagou 100 milhes de dlares banda irlande-sa pela suposta caridade. Ento tudo no passou de mais uma estratgia de marketing inovadora da Ap-ple, para alardear o lanamento do iphone 6 e iphone 6 plus. Voc pode assistir ao vdeo da promoo da Apple em http://youtu.be/nXJz3C12bWs

    Que ideia fantstica! O U2 fatura o equivalente venda de quase 10 milhes de cpias do novo lbum, no primeiro dia de vendas, mesmo que, na primeira semana, apenas 2 milhes de usurios tenham baixado o lbum. E ambos (Apple e U2) ganham a simpatia de seus usurios e ocupam muito mais espao na mdia mundial, incluindo a compartilhamentos no Facebook e nas mdias sociais, que foi como fiquei sabendo da promoo. E a inveja de quem tem Android e no ga-nhou? Estratgia de marketing genial! Como ningum pensou nisso antes? o famoso negcio em que todos ganham: Apple, U2 e clientes.

    Essa estratgia me fez lembrar que, praticamente no existem mais locadoras de vdeo, nem lojas de CD. A indstria do entretenimento passou de vez para o meio digital. E estratgias inovadoras como esta

    dobradinha U2-Apple vo continuar a nos surpre-ender. Tambm observamos isso nas campanhas publicitrias em vdeo, que podem ter um tempo maior quando distribudas na internet. o caso da propaganda do shampoo anti caspa Head & Shoulders no vdeo Maria sem Caspa (http://you-tu.be/i-Gu7WvgWDU), com Rodrigo Faro, Sabrina Sato e o impagvel Joel Santana falando ingls ou algo parecido. Funcionou muito bem na internet, com mais de dois minutos de durao e quase 10 milhes de visualizaes no Youtube. J na TV, o comercial foi abreviado para o tradicional formato de 30 segundos, e o resultado totalmente sem graa. Simplesmente no funciona! Cada vez mais as empresas comeam a pensar suas estratgias de marketing fora da caixa. Espao ocupado em mdia custa dinheiro. E num mundo aonde as pessoas as-sistem TV e teclam em outro dispositivo ao mesmo tempo, o mundo digital comea a levar uma vanta-gem imensa sobre as tradicionais mdias impressas, outdoors e televiso. mais rpido, mais barato e mais cool. Valeu, Apple! Valeu, U2!

    augusto barretto administrador de empresas, ps graduado em marketing, conselheiro da Revista TI (NE), presidente do Conselho do Instituto de Co-responsabilidade Social (INCORES), business advisory network member do NEsST e scio-proprietrio da Saleservice consultoria associativa. E-mail: augusto@tinordeste.com

    O U2 e a apple

  • SWH Spectrum

    SWH Spectrum

    www.swhouse.com2014 Tyco Security Products

    D a Ty c o S e c u r i t y P r o d u c t s

    vamos longe, juntos.

    Com uma equipe de aproximadamente 2.400 pessoas, o Hospital Queen Elizabeth em Barbados considerado a instituio mdica mais importante de toda ilha. Quando escolheram atualizar sua

    segurana para um Sistema de Controle de Acesso e Vigilncia integrado, eles confiaram na experincia da Software House para gui-los e no poder e escalabilidade do CCure 9000 para alcan-lo. Uma vez

    comprovada a sua confiana, o CCURE 9000 tem ajudado a criar um hospital mais seguro e saudvel para o futuro. Para esta e outras histrias de sucesso da Software House ao

    redor do mundo visite http://www.tycosecurityproducts.com/HCS_queens_hosp.aspx

    Para o

    Hospital Queen Elizabeth

    o melhor tratamento

    para um sistema de

    segurana mais forte e

    saudvel comeou

    bem aqui.

    O mundo confia no CCURE 9000 da Software House.

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    14

    t e l eco m

    A Telefnica/Vivo est aumentando a cobertura de terceira gerao em aproximadamente 40 muni-cpios isolados no Norte e Nordeste. O grande desafio de levar o 3G a essas regies ser superado com o backhaul, linha que interliga os ncleos das redes com as subredes perifricas. Ele ser implantando via satlite com o incentivo do Regime Especial de Tributao da Banda Larga (REPN-BL). Ao todo, o projeto compreende recursos da ordem de R$ 30 milhes. Na primeira semana de setembro foram aprovados R$ 14,4 milhes. Basicamente, a Vivo est colocando os gateways, pon-te de interligao de redes, nas capitais dos estados e levando as antenas em banda C s cidades atendidas do interior. Assim, o sinal captado pelas Estaes Rdio Base (ERBs) sobe at satlite e desce para os gateways onde se conecta rede terrestre da operadora. Os estados contemplados so: Par, Amazonas, Maranho, Pernambuco, Cear e Roraima.

    Com uma cobertura mvel presente em 145 municpios Maranhenses, a Oi j investiu R$ 32 milhes no Estado, apenas no primeiro semestre. A meta da empresa expandir os servios de telefonia e internet para todas as regies maranhenses. Na telefonia fixa, a cobertura j alcana os 217 muni-cpios do Estado. De acordo com levantamentos da empresa, no perodo de janeiro a julho de 2014, j foram implantados 81 novos sites 3G e 4G e mais 55 sites 3G ampliados. Os sites correspondem aos locais onde esto instaladas as antenas que permitem a transmisso do sinal do telefone celular. A Oi tambm vem ampliando a rede Wi-Fi. Atualmente, h mais de 800 mil pontos de acesso desta operadora em todo o Pas. Somente no Maranho, o crescimento foi de 94% desde o comeo do ano.

    vIvO expande cObertura 3g para munIcpIOs IsOladOs nO nOrte e nOrdeste

    par, amazOnas, maranhO, pernambucOe cear sO Os estadOs cOntempladOs

    Par, Amazonas, Maranho, Pernambuco

    e Cear so os estados contemplados

    Desde o comeo do ano houve uma

    expanso de 94% da rede Wi-Fi no estado

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    15

    TI-Nordeste.indd 3 29/07/2014 13:15:27

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    16

    m o b i l e

    autOdesK lana aplIcatIvO que cOnverte suas fOtOs em 3d

    OnedrIve agOra permIte uplOad de 10gb em nuvem

    O 123D Catch, novo app da Autodesk, permite que voc crie modelos 3D de objetos reais usando a cmera do seu smartphone. O processo um pouco trabalhoso e exige entre 20 e 40 fotos do que voc quer transformar em imagem 3D, mas um guia bem prtico ajuda nesta tarefa, e o resultado bem impressionante. O aplicativo est disponvel gratuitamente nas plataformas: iOS, Android, Windows PC, e pode ser usado online pelo browser do navegador.

    Para quem no deseja ocupar a memria interna do smartphone, uma boa sada o armazenamento em nuvem que vem se tornando muito til atualmente. Pensando nisso a Microsoft anunciou recentemente que agora possvel, fazer upload de ar-quivos no OneDrive com tamanho de at 10GB, sem restrio. Com isso, a platafor-ma tambm suporta o armazenamento de vdeos em resoluo 4K e oferece, inclusive, a visualizao de uma prvia da gravao. Alm disso, a ferramenta aumentou o su-porte quantidade de downloads e uploads de nmero de arquivos e pastas que o usu-rio pode fazer simultaneamente. A iniciati-va, claro, deve seguir a tendncia de en-contrarmos (ou produzirmos) arquivos cada vez mais pesados por exemplo, com a dis-ponibilidade de smartphones com cmeras cada vez mais sofisticadas, possvel fazer vdeos em alta qualidade que passe a ter alguns gigabytes de tamanho.

    Foto: Divulgao

    8 fotos com ngulos diferentes a quantidade mnima possvel para criar modelos em terceira dimenso

    A novidade est presente tanto na plataforma acessada pelo navegador quanto instalada no PC

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    17

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    18

    s eg u r a n a

    E scolher uma soluo de videomonitoramento fcil, e existem centenas de opes. Mas escolher uma soluo eficaz de videomonitoramento diferente. A dificuldade se deve busca por eficcia, ou seja, ao atendimento de todas as necessidades e potencialidades do cliente que, muitas vezes no conhece as tecnologias que esto sua disposio, ou as implicaes a longo prazo de suas escolhas. Bombardeado por informaes de fontes enviesadas, o cliente tende a ficar merc dos interesses sua volta, ou decide pelo preo. Na ausncia de uma consultoria, o investimento pode terminar sendo aplicado numa soluo inadequada ou aqum do ideal para aquele caso especfico. E acaba-se descobrindo que escolher o melhor sistema no uma tarefa nada simples.

    Ao contrrio do que se pensa, ningum deve instalar cmeras com a mera inteno de monitorar um espao. Elas devem ser instaladas para esclarecerem episdios, otimizarem processos e facilitarem a gesto, porque essa a verdadeira demanda. E, para identificar e viabilizar essa demanda, existe o consultor um agente imparcial a quem cabe indicar as solues disponveis no mercado mais afins com o interesse do cliente, para que a escolha seja feita com mxima liberdade e, ao mesmo tempo, delimitada por normas tcnicas, legisla-o e aspectos de interesse do cliente, como a adoo de um sistema escalvel e resistente ao futuro.

    L fora, a importncia do consultor mais reconhe-cida. Das 225 maiores empresas globais de consultoria para projetos, 83 so americanas e 63 so europeias, segundo estudo divulgado no final de julho pelo site especializado ENR. Em 2013, essas 225 maiores fatu-raram apenas US$ 5,687 milhes na Amrica Latina e Caribe. S no Canad, por exemplo, foram mais de US$ 9 milhes no mesmo perodo.

    O mesmo estudo aponta que Chile e Peru tm--se mostrado mercados promissores, e no somente devido aos setores relacionados a recursos naturais. O principal desafio para aproveitar esse potencial , sem dvidas, a conscientizao. Sem um agente neutro que possa acompanhar o projeto desde o entendimen-to das necessidades, passando pelo projeto da soluo e at da verificao do que foi instalado, o cliente pode acabar sendo induzido a acreditar, por exemplo, que, quanto mais megapixels as cmeras tiverem, melhor. Ou que o simples fato de uma cmera PTZ ter infra-

    COnsUltOr: a segUranaem prOjetOs de segUrana

    vermelho uma boa opo para monitoramento noturno. Essas informaes, sem a devida anlise, podem ludibriar at mesmo os gerentes de segu-rana e de TI mais bem-informados.

    Para complicar ainda mais, alguns fabricantes anunciam caractersticas tcnicas que no cor-respondem quelas entregues por seus produtos. Cmeras idnticas no papel, frequentemente, apresentam desempenhos dspares. Nesses casos, a experincia do consultor, que realiza periodica-mente testes internos para comparar produtos e conduz provas para diversos clientes, fundamen-tal para evitar decepes. Por ter acompanhado o desenrolar de muitos projetos com diversas marcas, ele possui conhecimento acumulado sobre outros aspectos importantes para o cliente, como impacto dos equipamentos no consumo de banda e de energia, e necessidade de manuteno.

    Os prejuzos para a empresa que comprou o sistema podem ser grandes. Mas, quando a decepo ocorre em projetos para o Governo, como em cidades que instalam cmeras para monitoramento urbano, o problema ganha outra dimenso. Quando uma licitao pblica prev, em sua especificao tcnica, a participao de um consultor independente, pode-se contar com uma opinio isenta, baseada em critrios tcnicos que, combinados busca pelo menor custo, resultaro na escolha mais adequada populao. Para os gestores pblicos, um respaldo com profundo conhecimento tcnico; para os contribuintes, um atestado de idoneidade.

    Em comparao com os Estados Unidos e a Alemanha, por exemplo, onde a participao de consultores j considerada indispensvel para projetos de videomonitoramento de mdia e alta complexidade, toda a Amrica do Sul ainda apresenta um forte potencial de crescimento para esse mercado. Somando as Amricas do Norte e Central, a Axis Communications possui 1.261 consultores participando de seu programa de Ar-quitetura & Engenharia (A&E). Em toda a Amrica do Sul, so 69 consultores. Enquanto isso, os clientes se deparam com cmeras que parecem idnticas, tanto no visual quanto em sua descri-o tcnica. Na dvida, e sobretudo na certeza, deve-se recorrer a um consultor. TI

    POR AnDREi jUnqUEiRA

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    19

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    20

    g ov e r n o

    O governo de Pernambuco aprovou o pedido de incentivos fiscais de 35 empresas que desejam implantar ou ampliar unidades industriais naquele estado. Com a medida, Pernambuco ir receber um investimento de R$ 894,5 milhes, sendo R$ R$ 646,8 milhes para o interior e R$ 247,6 milhes para a Regio Metro-politana de Recife (RMR). Ao todo, 25 indstrias - nove importadoras e uma central de distribuio - sero instaladas em 17 cidades, dez delas no interior. A projeo gerar 7.232 postos de trabalho, dos quais 6.652 no interior do Estado e 580 na RMR. Os projetos foram aprovados em reunio promovida pelo Con-selho Estadual de Polticas Industrial, Comercial e de Servios (Condic), na terceira semana de agosto. As trs maiores empregadoras so a Arborem Agroflorestal e Participaes S.A, que levar 6.105 empregos Petrolina; a MA de Moraes Artefatos Cermicos, cujo nmero de postos de trabalho em So Caetano ser 212; e a Fortlev Nordeste Indstria e Comrcio de Plstico, responsvel pela gerao de 133 empregos.

    IndstrIas vO InvestIr cerca de r$ 900 mIlhes em pernambucO

    Aplicao ser possvel graas aprovao de incentivos fiscais de 35 projetos pelo Governo

    O investimento do Estado ser de R$ 15 milhes e as obras devem ser concludas em 2015

    Na primeira semana de setembro ocor-reu o lanamento da pedra fundamen-tal, cerimnia que deu incio s obras do mais novo Polo de Tecnologia de Macei, localizado no bairro de Jara-gu. A solenidade ainda contou com a inaugurao da nova sede da secret-ria de Estado de Cincia, da Tecnologia e da Inovao (Secti), situada tambm no mesmo bairro, configurando, assim, esta regio como um ambiente de tec-nologia da informao. O investimento que ser feito pelo Estado para a cons-truo do polo segundo a agncia Alagoas de R$ 15 milhes e tem concluso de obra prevista para 2015. O Tics segundo a agncia Alagoas dever atuar como intermediador de parcerias entre governo, universidade e mercado, em busca de solues para melhorar o desempenho das empresas instaladas no Estado, tornando-as cada vez mais competitivas e inovadoras.

    gOvernO InIcIa Obras para O pOlO tecnOlgIcO em maceI

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    21

    ISO 9001

    Recife: 81 3225.8550 | Fortaleza: 85 3246.0357 | Salvador: 71 3285.0533 | Natal: 84 3231.8273

    DISTRIBUIDOR AUTORIZADO FURUKAWA, NICO NO NORDESTE QUE COMERCIALIZA A SOLUO LASERWAY.DISTRIBUIDOR AUTORIZADO FURUKAWA, NICO NO NORDESTE QUE COMERCIALIZA A SOLUO LASERWAY.

    AGENDE UMA VISITA CONOSCO PARA DEMONSTRAO TCNICA

    Soluo baseada em tecnologia GPON, para conectividade IP Convergente para os diversos ambientes de cabeamento estruturado, com os seguintes benefcios:

    Soluo pticaPassiva para LAN.

    Salas tcnicas mais simples, menor nmero de ativos de rede no canal, sistemas de ar condicionados, e um consumo de energia reduzidos. simples.

    Equipamentos que funcionam em pares (OLT e ONTs) e permitem plenocontrole de todos os pontos atendidos. Todo controle centralizado, qualquer ponto pode ser gerenciado a partir da OLT. fcil.

    Menos ativos, menor quantidade de pontos de falha, rede mais limpa e simples.Equipamentos de altssima conabilidade e canal 100% passivo, com controle total e centralizado. rpido.

    anos

  • As pessoas esperam mais da tecnologia de hoje - ou em outras palavras, menos. Menos cabos, menos equipamentos, menos problemas. Por que a videovigilncia seria diferente?

    AXIS Camera Companion permite oferecer um sistema de vdeo em rede de ponta para clientes com pequenas instalaes - dando-lhes as opes avanadas que eles esto procurando hoje. AXIS Camera Companion grava vdeo diretamente no SD-card da cada cmera, criao de uma soluo extremamente simples.

    Com excelente qualidade de imagem HDTV e visualizao remota, um acfalo para os seus clientes. E com a sua fcil instalao, baixa manuteno e preo competitivo, um sonho tornado realidade para voc.

    www.axiscameracompanion.com

    Liberte-se.O modo mais fcil para se conseguir vigilncia por vdeo em rede AXIS Camera Companion.

    axis_ad_acc-dump_ti-nordeste_420x275_br_1409.indd 1 2/09/2014 1:08:33 PM

  • As pessoas esperam mais da tecnologia de hoje - ou em outras palavras, menos. Menos cabos, menos equipamentos, menos problemas. Por que a videovigilncia seria diferente?

    AXIS Camera Companion permite oferecer um sistema de vdeo em rede de ponta para clientes com pequenas instalaes - dando-lhes as opes avanadas que eles esto procurando hoje. AXIS Camera Companion grava vdeo diretamente no SD-card da cada cmera, criao de uma soluo extremamente simples.

    Com excelente qualidade de imagem HDTV e visualizao remota, um acfalo para os seus clientes. E com a sua fcil instalao, baixa manuteno e preo competitivo, um sonho tornado realidade para voc.

    www.axiscameracompanion.com

    Liberte-se.O modo mais fcil para se conseguir vigilncia por vdeo em rede AXIS Camera Companion.

    axis_ad_acc-dump_ti-nordeste_420x275_br_1409.indd 1 2/09/2014 1:08:33 PM

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    24

    i n v e s t i m e n to

    Visto como principal mercado em expanso para a indstria nacional, a Regio Nordeste agora o novo foco de atuao do segmento de feiras seto-riais, movimentando, em mdia, cerca de R$ 200 milhes por evento. Somente a Reed Exhibitions Alcntara Machado, uma das maiores empresas do ramo, j realiza nove grandes eventos anuais na regio, em pouco mais de dois anos da insta-lao de um escritrio em Pernambuco. A diretora da empresa, Tatiana Menezes, conta que as gran-des feiras eram basicamente concentradas no Sudeste, sobretudo em So Paulo. Entretanto, o momento de acompanhar o foco de atenes da indstria, hoje direcionado para o Nordeste. Ela ressalta que, alm dos cerca de R$ 200 milhes de negcios ligados ao tema da feira, os eventos ainda movimentam a economia local, sobretudo o segmento de hotelaria e turismo.

    Considerado o primeiro centro de compras do municpio, o Boulevard Shopping Camaari foi lanado oficialmente na segunda semana de setembro, na Avenida Jorge Amado, onde o empreendimento ser construdo, a trs quilmetros de Salvador (BA). A expectativa de que o empreendimento todo tenha um investimento total, entre valor geral de vendas e investimentos, da ordem de R$ 800 milhes. Durante as obras, 250 empregos diretos sero gerados. Quando entrar em operao, a ex-pectativa a gerao de 1,5 mil empregos diretos e 2,5 mil indiretos. Segundo o diretor da Alliance, empresa que ir administrar a operao, Ewerton Visco, 70% das lojas j foram comercializadas. O prdio ser construdo em uma rea de mais de 20 mil metros quadrados, e ter 130 lojas, cinemas, praa de alimentao e 800 vagas de estacionamento. A previso a de que o Boulevard Shopping seja inaugurado em outubro de 2015.

    feIras setOrIaIs mOvImentam cerca de r$ 200 mIlhes pOr eventO nO nOrdeste

    empresrIOs Investem r$ 800 mIlhes em cOnstruO de shOppIng em camaarI (ba)

    Evento reuniu seis mil compradores e arquitetos em 2013

    Empreendimento vai gerar 4 mil

    empregos diretos e indiretos quando

    entrar em operao

    Foto: Divulgao

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    25

    Trs capitais do Nordeste figuram entre as 30 cidades que mais utilizam o comrcio eletrnico no Brasil. Segundo recente levantamento da Conversion, empresa de SEO (Search Engine Optimiza-tion), Salvador, Fortaleza e Recife ocuparam o 5, 10 e 11 lugar, respectivamente. A pesquisa avaliou o ticket mdio (total de vendas dividido pela quantidade de consumidores), o tempo de permanncia no site e estimativa de compras at o final deste ano. De acordo com o levantamento, at dezembro de 2014, Salvador gastar, em mdia, R$ 865 milhes no e-commerce; Fortaleza, R$ 434 milhes e Recife, R$ 417 milhes. Os soteropolitanos fizeram 2,5 milhes de pedidos. Fortaleza e Recife registraram 1,2 milho e 1,3 milho, respectivamente. O ticket mdio de Salvador R$ 382,81, o de Fortaleza R$370,18 e o de Recife, R$318,02. O tempo mdio de visita das trs cidades nos sites de pouco mais de trs minutos. So Paulo a capital que lidera o ranking, seguida pelo Rio de Janeiro. Os smartphones e tablets so responsveis por uma fatia significativa no acesso ao e-commerce. O estudo revela que um em cada cinco visitantes no comrcio eletrnico j utiliza um dispositivo mvel e 10% das vendas feitas pela internet so realizadas por mobile.

    salvadOr, fOrtaleza e recIfe estO entre as12 cIdades que maIs cOmpram pela Internet

    c i da d e s

    SemforoS para deficienteS viSuaiS So teStadoS em Salvador

    As sinaleiras de Salvador ganharo dispositivos sonoros para auxiliar deficientes visuais. Com eles, os semforos vo emitir avisos sobre o momento certo de atravessar a rua. A Superin-tendncia de Trnsito e Transporte (Transalva-dor) da cidade realiza testes internos no rgo, simulando o funcionamento dos equipamen-tos, que devem ser instalados entre novembro e dezembro deste ano. A previso de que os equipamentos sejam colocados nos semforos do Barbalho, em frente ao Instituto dos Cegos da Bahia; Largo de Nazar, em frente ao Hos-pital Santa Izabel; Avenida Joana Anglica, em frente ao Colgio Central da Bahia e entrada da Estao da Lapa; e na Rua Padre Feij, em Frente ao Hospital das Clnicas.

    Foto: Divulgao

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    26

    r e p o rtag e m

    Q uando o grupo pernambucano ML Menezes assumiu a direo do Jaar Andrade, em outubro de 2013, surpreendeu-se com a

    estrutura de TI que encontrou no hospital baiano. Cabos de internet emaranhados no cho da recepo, computadores velhos e central de processamento de dados desorganizada compunham o cenrio do local.

    A informatizao da empresa foi a primeira ao tomada pelo diretor administrativo financeiro do grupo, Thiago Cavalcanti. Em maio deste ano, a nova direo contratou um gerente de projetos de TI e iniciou uma repaginada no parque tecnolgico do hospital. Inicial-mente, 50 novos computadores foram comprados, o que reduziu o tempo de atendimento aos pacientes.

    A rede WI-FI tambm foi implantada de forma profissional, o que melhorou a comunicao entre os cinco prdios da rede hospitalar. O supervisor de TI e gerente de projetos do hospital Emerson Ximenes conta que, anteriormente, os links de internet distri-buam IP (Protocolo de Internet) para a central, mas nenhum se conversava. Atualmente, toda infra-es-trutura de TI integrada, pontua.

    rEEsTruTurao dE Ti TraNsforma aTENdimENTo Em hospiTal baiaNoPOR PRiSCilA MACHADO

    A infraestrutura da rede foi organizada. A internet dos anexos era transmitida por meio de cabos de conexo que passavam de for-ma desprotegida de um teto para outro e por locais midos, no cho. O rack tambm passou por mudanas: foram comprados um servidor, switchs profissionais e patch panels. O grupo investiu R$ 300 mil apenas na reestruturao do Parque Tecnolgico. Ao todo, a reforma do hospi-tal j contou com um aporte de R$ 4 milhes.

    A dvida comum entre os funcionrios das empresas que contratamos para a mo-dernizao era: como essa estrutura funcio-nou durante tanto tempo?, diz Ximenes. A reforma foi dividida em duas etapas. A pri-meira que inclui a recepo da emergncia e do centro mdico, o Call Center (Central de atendimento), o Centro de Processamento de Dados, a sala de Recursos Humanos, de Se-gurana do Trabalho e do Servio de Controle de Infeco Hospitalar ser concluda em outubro. A segunda, que prev a estrutura-

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    27

    o dos demais setores, est prevista para o prximo ano. At dezembro, o grupo prev implantar o prontu-rio eletrnico, o que vai permitir acesso informatizado ao histrico dos pacientes.

    BenefciosOs benefcios j so notados pelos pacientes. Eu j cheguei a aguardar meia hora para fazer a ficha por-que o sistema caiu. Agora o atendimento bem mais rpido, conta Maria das Dores Souza, 37, paciente da unidade h cinco anos.

    Funcionrios contam que tinham dificuldades para lidar com o sistema. Era lento e os pacientes reclama-vam. s vezes precisvamos ter acesso informao de outro setor, mas no conseguamos porque o sistema era diferente, diz uma das recepcionistas.

    O link mais veloz, de 50 MB, melhorou o acesso aos sites dos planos de sade. Os sistemas desorganizados e a utilizao de equipamentos domsticos provoca-vam constantes quedas de sistema, o que atrapalhava o atendimento. Para um mdulo, havia 10 verses diferentes, o que dificultava a comunicao interna. Atualmente, todos os funcionrios trabalham com a mesma verso.

    Para marcar a nova fase, o hospital foi batizado de Prohop, em substituio ao antigo Jaar Andrade. A unidade fica em Cajazeiras, um dos bairros mais populosos de Salvador.

    call centerOutra mudana significativa aps a reestruturao dos sistemas de TI foi a reforma do Call Center. O nmero de atendentes foi ampliado de quatro para 15. Diaria-mente, a central recebe entre 300 a 400 ligaes.

    O coordenador de operaes do setor, Diogo Monteiro, conta que o atendimento era feito em uma bancada improvisada, o que desrespeitava a Norma Regulamentadora do trabalho em tele atendimento, a NR 17. A diretoria do hospital providenciou uma sala exclusiva para a central, comprou um sistema de Call Center, encomendou bancadas adequadas e computadores novos.

    Recepo ganhou novos computadores com novos links

    Computadores antigos e sistemas desorganizados atrasavam o atendimento

    O nmero de abandono de chamada, que j foi de 20% foi reduzido para 3%. E a qualidade do atendimento est, agora, acima de 70%. Antes no era possvel acompanhar o atendimento. Recebamos muitas reclama-es, porque as ligaes caam constante-mente, diz Diogo.

    A reforma permitiu a utilizao de um servio novo, a confirmao de consulta. O quadro de funcionrios era insuficiente. A contratao de novos atendentes permitiu que a confirmao de consulta fosse realiza-da diariamente. Os pacientes notaram a dife-rena, muitos ligam para c para agradecer e elogiar a mudana, conta o coordenador.

    Mo de oBraA mo de obra do Call Center no foi a nica a ser ampliada. O novo grupo contratou um analista snior e alguns tcnicos para darem suporte rede. Segundo Ximenes, no havia profissionais de TI disponveis para solucionar a demanda de problemas. A manuteno era feita por profissionais da engenharia mdica que, mesmo com bom conhecimento sobre a rea, no faziam parte da equipe de TI.

    Os sistemas tambm passaram a ter mais segurana. Foram comprados um antivrus e uma ferramenta de firewall para filtrar os acessos web e bloquear as tenta-tivas de invaso. Toda a mudana propor-cionou uma reduo de 70% no nmero de chamados de suporte.

    O diretor administrativo financeiro, Thiago Cavalcanti, diz que a experincia com as empresas informatizadas foi deci-siva para a transformao. Os gestores do grupo tm uma viso mais atualizada quanto necessidade de investimentos em TI. Sabemos que teremos como retorno informaes consistentes sobre o funciona-mento da empresa, finaliza. TI

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    28

    a rt i g o por bruno ghizoni

    Atualmente, muito se fala sobre investimento anjo, fundos de investimentos, empresas de participa-es, club deals/investiment club, entre outros diversos tipos de investimentos. Com tantas opes disponveis no Brasil, fica difcil escolher qual a ideal para o seu negcio. Muito vai depender do estgio que sua empresa se encontra, mas algu-mas informaes importantes devem ser apuradas na hora de identificar quem o parceiro investidor certo para o seu negcio. Confira o perfil de alguns dos principais tipos de investimentos que podem ajudar a alavancar a sua empresa:

    investidor-anjo De modo geral, esse investidor aporta seus recursos no momento da validao do negcio ou no ps-validao. O estgio de validao quando o empreendedor ainda no testou ou desen-volveu seu produto inovador e coloca os recursos para viabilizar, para que seja construdo seu MVP (Produto Mnimo Vivel) e teste-o no mercado. O ps-validao quando o empreendedor j desenvolveu seu produto e est comeando a vender ou est disponvel para iniciar as vendas em curto prazo. Os aportes variam de R$ 100 mil a R$ 500 mil.

    fundos de investiMentos Fundos de Seed/Early Stage investem em empresas que j contam com uma tecnologia desenvolvida ou com um mo-delo de negcio validado. Est validao mensu-rada, na maioria das vezes, pela venda conhe-cida como validao por mercado. importante destacar que, no Brasil, o conceito de early stage engloba empresas que possuem do faturamento de zero a R$ 3,6 milhes.

    Nessas situaes, o Fundo mais flexvel e podem aportar de R$ 1 milho a R$ 6 milhes. Esse tipo de investimento feito em partes (tranches), que so liberadas quando o empreendedor atinge metas pr--acordadas e estabelecidas em contrato.

    eMpresas de participaes H muitas em-presas com esse perfil, mas ainda so poucas as que destinam seus recursos para startups. As empresas de participaes assimilam-se mais aos Fundos Seed/Early Stage, e, a grande diferena que elas investem

    IdentIfIqUe qUe tIpO de InvestIdOr sUa empresa preCIsa

    bruno ghizoni especialista em investimento em inovao, scio da portbank capitaL s.a., onde atua como um dos coordenadores do fundo aeroespacial. tem titulao pela escola superior de guerra e mba em conhecimento, tecnologia & inovao pela fia-usp. criador do concurso acelera startup, desde 2010 coordena o ciin comit de investimento em inovao do cJe-fiesp

    recursos prprios, enquanto os fundos investem recursos dos cotistas. possvel identificar que as empresas de participaes no Brasil com foco em startups aportam de R$ 500 mil a R$ 4 milhes.

    cluB deals/investMent cluBs O termo tem origem norte-americana e pode ser tra-duzido como uma vaquinha entre amigos. Geralmente, quem organiza um club deal um investidor lder. Ele aciona sua rede de rela-cionamento com uma oportunidade especfica geralmente contatos de 1 e 2 graus, e um investidor valida e referencia o outro.

    Quando o club deal organizado pelo empre-endedor, alguns investidores podem ter certas dvidas. Muitos questionam: vou ser scio de mais quem? Quem mais ele est chamando para este investimento?. Se voc tem um investi-dor interessado no seu negcio, mas o aporte financeiro est alto para ele arcar sozinho, sugira um modelo de Club Deal. Com certeza voc ter bons resultados. Como varia de caso para caso, no existe um montante de investimento espe-cfico nesse tipo de negcio. Mas, normalmente, os aportes so superiores a R$ 500 mil caso contrrio, no justifica o esforo de captao.

    Para fazer a escolha certa, as informaes gerais aqui apresentadas vo contribuir na caminhada do empreendedor, em busca de um investidor. Mas importante pesquisar bastante e testar todas as alternativas, antes de tomar uma deciso. E bons negcios!

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    29

    CONHEA OUTROS MDULOS E

    RECURSOS DO DIGIFORT:

    mscommidia.com.br.

    DIGIFORT INSIGHTCAPTURA INTEGRADA DE TELAS DO SISTEMA

    IP Surveillance System

    Recurso para captura de telas em estaes desktops. Opera em computadores com o

    sistema operacional Windows, possibilitando exibir telas no mosaico do Digifort,

    simulando um Video Wall, entre outras solues de controle e tomada de deciso.

    Consulte nossos consultores e conhea muito mais!

    O DH EL SU ERG

    R B

    O R A

    ST IR LEO

    IF RI OGI !D

    Integrao Google Glass | Mobile Cmera |

    Anal t icos Intel igentes de Vdeo | Mesa

    Controladora | Leitor Biomtrico | Digifort Mobile |

    iDigifort | Mdulos de I/O | LPR | Evidence | Design

    Tool | Recursos OCR | Gravao de udio (ao vivo,

    bidirecional e setorizado) | Integrao com lentes

    360 graus panomrcas | Servidor RTSP (integrao

    broadcasting de vdeo) | Mais de 4000 novos

    modelos de cmeras integradas | Diversas

    facilidades operacionais e administrativas.

    - CAPTURA, VISUALIZAO JPEG, MPEG-4 E H264 COM CONTROLE REMOTO DA ESTAO -

    RO ESH L FE E

    IM R S A

    A S N D

    OE

    U S

    Q E

    A T

    T OS RE !D

    do mundo integrado ao

    Google Glass!

    1 Software

    VMS

    1SOFTWARE

    BRASILEIRODE MONITORAMENTO IP

    Conhea nossos distribuidores, equipamentos homologados e notcias:

    www.digifort.com.br | www.digifort.com.br/blog

    Disponvel nas verses: Explorer | Standard | Professional | Enterprise.

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    30

    teCnOlOgIa d maIs ImpUlsO rea de sade e revOlUCIOna a medICIna

    c a pa

    POR jOAnA lOPO

    P lanos de sade, hospitais e universida-des esto a cada ano investindo mais e melhor em recursos tecnolgicos a fim de dar agilidade ao atendimento, assim como a eficincia aos procedimentos de sade. Um desses exemplos o da Camed, operadora de plano de sade criada em 1979.

    Com o objetivo de prestar um eficiente aten-dimento mdico-hospitalar e odontolgico aos funcionrios do Banco do Nordeste do Brasil S.A. (BNB), e a seus familiares, a operadora investe frequentemente na modernizao tecnolgica. Para isto, reestruturou toda a sala de servidores para ser o site backup, j que o grupo contratou o Datacenter para suportar os ativos de rede e comunicao da empresa.

    equipamentos e aparelhos mais precisos prometem transformar o futuro dos tratamentos

    Alm da Camed, o grupo empresarial possui mais trs empresas: uma corretora de seguros, uma operadora de planos de sade de mercado e uma creche. De acordo com o superintendente da operadora, David Galiza, o atendimento em Sade requer agilidade, desde a recepo da solicitao, passando pelo processo de autorizao e auditoria mdica, at o retorno ao beneficirio, que preci-sam ocorrer no menor espao de tempo possvel. neste ponto que temos investido em tecnologia para garantir que o nosso cliente tenha respostas geis ao buscar utilizar qualquer servio. Alm disso, precisamos garantir que o prestador envie a sua produo e a mesma seja analisada e enviada para pagamento, seguindo os prazos e o processo fiscal de cada regio do Pas, disse Galiza.

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    31

    Segundo ele, o que h de mais atual e inovador, e que revolucionou o atendimento e prestao de servio ao cliente a conectivida-de com os prestadores de servio, a ampliao dos servios no portal do cliente e do prestador, o Site Mobile e a implantao de um sistema de callcenter integrado ao ERP-SADE. Tudo sendo feito em busca de uma resposta gil s solicitaes dos clientes e prestadores. Por isso, a empresa investiu fortemente nos ltimos anos em conformidade regulatria, conectividade com prestadores, ERP, contratao de Data Center, reforma de sala de servidores e central de atendimento. Para os prximos anos ainda teremos muito investimento em conformidade regulatria, central telefnica, atualizao de parque de mquinas e servidores e melhorias de processo, garante Galiza.

    equipaMentos Mdicos Quando a tecnologia adentra os hospitais, o principal recurso ou produto tecnolgico a se buscar so os equipamentos mdicos que auxi-liam nos procedimentos, atuam no diagnstico e na cura de doenas. No Hospital Portugus, situado na cidade de Salvador, Bahia, para alcanar a qualidade no atendimento e maior preciso no diagnstico por imagem, foi preciso

    investir na compra de equipamentos de ltima ge-rao, a exemplo da ressonncia, do tomgrafo, do ultrassom e RX, todos interligados em rede de alta performance para transferncia e armazenamentos de imagens (PACS).

    Deste modo, segundo o supervisor de TI do Hos-pital Portugus, Leonardo Conceio, foi possvel alcanar no apenas a eficincia no diagnstico, pois o mdico visualiza a imagem em alta definio, como tambm maior agilidade e segurana nesse processo. A rea de Radioterapia (tratamento para destruir clulas tumorais, em que se emprega feixe de radiaes ionizantes), com o Acelerador Linear e o sistema Mosaiq, que considerado o sistema de planejamento mais preciso e moderno dos dias atuais, consegue, com maior direcionamento e pre-ciso, definir qual a rea a ser tratada com a aplica-o da radiao, preservando as clulas saudveis ao redor do tumor.

    Alm disso, o HP possui um Sistema de Prontu-rio Eletrnico que utilizado por 100% dos mdicos e demais profissionais de sade. Com isso, todo o processo de prescrio, evoluo e descrio cirrgi-ca, por exemplo, so feitos por meio de um sistema, que faz com que a rea assistencial seja totalmen-te eletrnica. Isso diminui drasticamente o uso do papel, pois a necessidade de impresso ocorre

    Para o superintendente da Camed, David Galiza, o atendimento em Sade requer agilidade, por isso que o uso da tecnologia imprescindvel

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    32

    c a pa

    apenas para atender as exigncias relacionadas ao faturamento das contas. Hoje, essa soluo j integrada aos equipamentos de Laboratrio, o que permite maior agilidade e confiana no processo de exames, bem como maior conforto para o paciente e profissional de sade. Inclu-sive, projeto do Hospital integrar aos demais equipamentos mdicos, como os de imagem, as bombas infusoras, observa Leonardo.

    Ele ainda constata que h uma relao de grande afinidade entre a tecnologia e a Medicina: Os mdicos do Hospital no s gostam, como geram demandas ao setor de TI. Nesse sentido, comum ver os coordenadores mdicos sentarem--se com os analistas para propor melhorias no sistema, demandar tecnologias novas e querer integrar solues. Da, os impactos das tecnolo-gias implementadas acabam por ser positivo, j que interfere na relao entre as imagens digitais e as de alta resoluo, cada vez mais precisas, o que d mais confiana no momento do diagns-tico dado pelos mdicos, nos exames. Tambm proporciona agilidade em todo o processo, assim como conforto ao cidado a ser trato. As tecno-logias de ltima gerao tm contribudo e muito na reduo do tempo de espera do cliente, e a perfeita integrao entre software e hardware tem auxiliado o corpo clnico no melhor diagnstico, bem como na cura e ateno ao paciente, diz Leonardo, que aponta o equipamento Reveladora Dry e a Ressonncia Magntica boil-off como os produtos de ponta, ambos j implementados o Hospital Portugus.

    Para completar, Leonardo conta que o HP tem um projeto de modernizao do seu Sistema de Pronturio Eletrnico, que permitir que o mes-mo seja acessado de qualquer plataforma web. Isso permitir o uso de tecnologias mveis mais atuais como celulares e tablets. Hoje j utiliza-mos os Palms para algumas atividades relaciona-das s equipes de enfermagem e farmcia.

    Entre os investimentos em tecnologia, no HP, est o sistema de supresso de incndio Stat-X, que uma tecnologia nova, eficiente e eficaz no combate ao incndio, e que utiliza o sistema de cilindros de aerosol para atuar no foco do incn-dio. Por ser um sistema simples, a elaborao do projeto tambm passa a no ter a comple-xidade que os sistemas convencionais exigem, reduzindo assim os custos e esforos tcnicos, que permite s pequenas e mdias empresas aplicarem controles de segurana de incndio em seus negcios. Nesse caso, a principal vantagem da soluo a financeira, embora existam outras vantagens, como a ausncia de necessidade de obra civil para instalao de tubulaes de dis-

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    33

    tribuio de CO2, a simplicidade do projeto, a fcil substituio do cilindro de aerossol (quando utiliza-do) e a validade do produto.

    Essa tecnologia est se consolidando e expandin-do por meio de grandes projetos e estruturas, como estdios de futebol, por exemplo. Para o datacenter em fase de constuo no hospital, ser feito o uso desta tecnologia, pois alm das vantagens j cita-das, o produto no danifica os equipamentos. Assim, caso haja um princpio de incndio, o gs aerosol ser ativado pelo sistema de deteco de fumaa e, com isso, os demais equipamentos do datacenter no sero danificados e continuaro em uso.

    H, ainda, a tecnologia de canaleta de alumnio, que no permite a proliferao de bactrias e fungos e utilizada pelo hospital j h alguns anos, sobre-tudo nos projetos de lgica e eltrica, nas reas ou unidades assistenciais, como emergncias e UTIs. Mas essa tecnologia, segundo questes estruturais e civis h necessidade de se utilizar estrutura apa-rente que fazemos uso desta soluo, pois alm da caracterstica que o torna ideal para hospitais a esttica tambm no sofre impacto negativo.

    odontologiaNo foi apenas na Medicina que a tecnologia chegou para revolucionar. A odontologia tambm alcanou muitas conquistas por meio dos recursos de pon-ta com os equipamentos de imagem odontolgicos como o RVG (Marca EVA - USA). Este equipamento consiste em um sensor digital que produz imagens de altssima resoluo em radiografias periapicais (aquelas radiografias pequenas dos dentes que co-mumente so usadas para diagnsticos rpidos pelos dentistas), hoje usadas em Salvador, no Instituto Renaissance, que funciona no Hospital da Bahia, em Salvador. O sensor do tamanho de uma pelcula convencional e digital, no precisa de revelao, o que acarreta em uma economia direta de produtos qumicos para este fim; no precisa de filme radio-grfico, j que a exposio direta; e, melhor, pre-cisa de uma dose de radiao de cinco a seis vezes menor do que as pelculas convencionais.

    Alm disso, o Instituto possui um aparelho de RX porttil digital, ou seja , o equipamento pode ser operado manualmente e permite rpidas exposies com um mnimo de radiao, alm de contar com a praticidade de ir a qualquer lugar da clnica por ser um mdulo que no precisa estar preso em paredes ou em pedestais.

    Temos tambm um RX panormico digital de ltima gerao. Na prtica, esses aparelhos pos-suem todos os benefcios citados anteriormente, mas fazem Rxs maiores da boca inteira, da face, de frente e de perfil, produzindo imagens de altssima qualidade e resoluo. Vantagens: os pacientes no

    precisam ir a centros radiolgicos para terem seus planejamentos e planos de tratamentos realizados, concentrando tudo no mesmo lugar (excetuando casos em que so precisos laudos tcnicos feitos por radiologistas) e podem ser tratados de maneira interdisciplinar sem haver deslocamentos para outras unidades, conta Luis Rogrio, um dos responsveis pelo instituto.

    Segundo ele, o sistema CEREC CAD/CAM, um dos mais modernos e revolucionrios, que funcio-na como um laboratrio de prtese virtual, possui uma impressora 3D que transforma projetos virtuais. Isto , no tratamento convencional pro-ttico, o dentista molda o paciente, constri um modelo de gesso, envia-o ao laboratrio e ento se seguem os passos tradicionais de construo da prtese que ser entregue ao paciente em cerca de 30 dias. No sistema CEREC, entretanto, a moldagem desaparece e entra uma sofisticads-sima cmera que escaneia o dente preparado do paciente e transforma a aquisio num modelo virtual na tela de um computador. O dentista define os parmetros da prtese no software com exatido nanomtrica e depois fresa um bloco monoltico de cermica adquirido diretamente de fbricas de alta preciso, eliminando falhas como bolhas ou imperfeies. O processo de fresagem leva 12 minutos e o dente est pronto para ser provado em boca. Aps os ajustes finos, o den-tista leva a pea ao forno de cermica dando aca-bamento final e vitrificando a prtese. Conforme Rogrio, este processo pode ser ainda maquiado com substncias especficas dando cores natu-rais de acordo com o resto da arcada dentria. O resultado o seguinte: um dente feito numa mes-ma sesso de 2 horas, pronto para ser instalado, com altssima resistncia, adaptao e esttica, com controle total do processo por um operador apenas, no caso, o prprio dentista.

    Esta tecnologia cara para aquisio (cerca de R$ 300 mil), mas resulta em uma economia de tempo muito grande em relao ao sistema convencional com laboratrio de prtese. Do ponto de vista da clnica, no aumentamos absoluta-mente nada dos valores em relao ao tratamento convencional. O retorno do investimento est rela-cionado ao que economizamos com a terceirizao do servio, alm do aumento notvel da produ-tividade, que j podemos atestar depois de seis meses de adquirido o sistema. O tempo de retorno foi inicialmente calculado para cinco anos, mas j baixou para trs anos e meio, com perspectivas de um tempo ainda menor, revela Rogrio.

    por isso que ele afirma ter sido um grade negcio apostar em tecnologia. Transformamos o Instituto Renaissance num polo tecnolgico

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    34

    c a pa

    para melhoria dos servios. Acreditamos que este um processo sem volta, j que desde 2006 abraa-mos a tecnologia como diferencial padro da clnica, disse. No Instituto existem 12 computadores Apple Macintosh ligados em rede, com todos os benefcios que acompanham a opo como SMSs gratuitos e documentao 100% digital, o que evita acmulo de papis e perda de material. Temos que ter um aten-dimento de excelncia com produtividade, sem per-der a humanizao. Na nossa clnica continuaremos investindo em tecnologia que trazem benefcios dire-tos ao paciente como menor tempo de tratamento, menos exposio radiao, economia de tempo e, alm disso tudo, contribumos com opes ecolgi-cas, o que deve ser premissas respeitadas por todos os setores da nossa economia hoje em dia.

    teleMedicinaA prtica de telemedicina um conceito muito atual, j que usa a combinao das tecnologias de informtica, telecomunicaes e robtica com a proficincia mdica, provendo condies de enviar e receber informaes e de realizar procedimentos, todos de forma remota. Certamente, muitas institui-es de sade aplicam ou j aplicaram a telemedi-cina, seja para procedimentos mdicos, avaliaes ou laudos de exames. No Hospital Portugus, por exemplo, o conceito de telemedicina est sendo amadurecido h alguns anos e existem projetos em andamento, principalmente para as reas relaciona-das aos servios de imagem e Radioterapia.

    Em Sergipe, na Universidade Federal de Ser-gipe (UFS), foi iniciado em maro deste ano, com o apoio do Professor, o mdico regional Rogrio Carvalho, um inovador projeto de Medicina, que resultado de uma parceria entre a Universidade e a Companhia Cisco Inc.. A partir disso, a equipe passou a analisar os impactos do uso das tecnolo-gias da informao e da comunicao na reduo de custos para o poder pblico e para as famlias, alm de buscar mensurar impactos na qualidade de vida das crianas e de suas famlias.

    Com isso, o projeto de Telemedicina da UFS/Cisco coloca disposio da Universidade e do Sistema nico de Sade uma forma diferenciada de reduzir distncias entre os especialistas e seus pacientes, permitindo, assim, a reduo de custo com deslocamentos, alm de garantir maior con-forto para os pacientes e seus familiares. Tambm permite a realizao de aes educacionais que conseguem alcanar profissionais de sade nos mais diferentes locais do Pas e do mundo. O que temos notado, principalmente, a reduo dos custos para pacientes e para o poder pblico, alm da potencializao das aes educacionais volta-das para alunos da UFS e para a comunidade. Es-

    sas so as grandes vatagens, disse o professor da UFS, Mrio Adriano dos Santos.

    Conforme ele, alm desta, outras tecnologias esto sendo implementadas como ferramentas de telediagnstico. As mesmas tecnologias que permitem a reduo das distncias entre mdi-cos e pacientes, notadamente a telepresena, com consultas colaborativas, tambm permitem a aproximao entre as diversas unidades da Universidade Federal de Sergipe, permitindo in-terao em tempo real com imagem e som entre alunos de campi situados na capital e no inte-rior. Com isso, podemos realizar conferncias e at mesmo Grand Rounds com especialistas, professores e alunos da instituio. Os alunos tambm participam, realizando palestras e aes de educao em sade que podem ser acom-panhadas pelos pacientes em clnicas de sade da famlia do Estado, complementando aes de educao e acolhimento voltadas para pacientes e para os problemas de relevncia na comunida-de, conta o professor.

    Nesse momento do projeto, por iniciativa do Reitor Angelo Roberto Antoniolli, a equipe tem integrado iniciativas vinculadas ao Hospital Uni-versitrio de Sergipe e ao Governo do Estado de Sergipe com o Ncleo de Desenvolvimento em Telemedicina da UFS, que ancora o projeto de Telemedicina UFS/Cisco.

    Quanto aos aparatos tecnolgicos, o conjun-to de equipamentos recebidos na parceria UFS/Cisco constitudo de uma estrutura de suporte instalada no data center da UFS, que permite produo, armazenamento e compartilhamento de contedos educacionais para todo o sistema de sade (Show and Share); estrutura de suporte para salas de videoconferncias/telepresena; dispositivos localizados junto aos usurios, como terminais para consultrios com cmeras de alta resoluo (EX 90), que permitem visualizao entre mdico e paciente e envio de resultados de exames com imagens de alta resoluo; terminais de display duplo localizados em grandes salas, per-mitindo realismo na telepresena (Dual Profile), conferencias, aulas, defesas de teses, e que esto localizados no Hospital Universitrio, no Campus de Lagarto da UFS e em Clnicas de Sade da Fa-mlia. Todo esse arcabouo, segundo Mrio, est disposio do ensino de graduao no apenas de Medicina, mas para todo o conjunto de cursos da sade, alm de aes para formao em rede.

    Acreditamos que a incorporao de novas tec-nologias como o Extended Care, poder poten-cializar aes de ateno em sade e o nmero de unidades envolvidas no Projeto de Telemedicina da UFS/Cisco. De forma especfica, o uso das tecnolo-

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    35

    gias importante para o ensino da Medici-na, como tambm em todo um processo de construo no qual as tecnologias nos ajudam a resolver os problemas de sade de nosso estado, completa ele.

    supercoMputadorNo comeo deste ano, a gigante de tec-nologia IBM anunciou parceria com um projeto de Medicina Gentica, por meio do seu supercomputador Watson. Esse recurso ajudar no tratamento personali-zado do paciente com cncer. Trata-se do programa do Centro de Genoma de Nova York (NYGC), que vai permitir aos m-dicos adaptarem o tratamento de sade ao perfil gentico de cada paciente. No primeiro momento do projeto, pacien-tes com glioblastoma sero priorizados, especialmente os com tumor no crebro, doena responsvel por matar 13 mil pessoas ao ano nos Estados Unidos.

    Com isso, o supercomputador Wat-son vai buscar estudos e dados clnicos nas revistas de Medicina e vincul-los s mutaes genticas dos pacientes. H mais de 10 anos, quando se descobriu a sequncia do genoma humano, o desafio dos mdicos de se proverem de dados para transformar as informaes em tra-tamentos eficazes no combate ao cn-cer. Esse supercomputador, no entanto, no uma novidade to recente, ele foi divulgado a partir do ano de 2010, de-pois de vencer dois campees humanos no jogo de perguntas Jeopardy!, tradi-cional programa da televiso americana, segundo dados do site da IBM.

    Todos esses avanos, em consonn-cia com a evoluo tecnolgica, chegam em um momento em que a Medicina precisa se reciclar. De acordo com a mdica pneumologista maranhense Maria de Ftima Cardoso, os aparelhos de alta preciso, como os de radiologia, por exemplo, so fundamentais para o diagnstico preciso e, consequentemen-te, a prescrio de tratamento pontual e eficaz. A rea de sade precisa acom-panhar a revoluo tecnolgica. Hoje temos que colocar a tecnologia a ser-vio da sade para podermos ter mais preciso no diagnstico e, com isso, tratar das doenas com maior habili-dade, sem comprometer a sade geral dos pacientes, analisa. TI

    Sala de espera do instituto Renaissance, clnica especializada em Reabilitao Oral e implantodontia, que foi toda informatiza

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    36

    e n t r e v i s ta

    A Medicina, rea do conhecimento volta-da para a manuteno e restaurao da sade, tambm foi beneficiada com os avanos da tecnologia. Melhor, a rea sofreu um impacto extremamente positivo no que se refere aos aparatos que chegaram ao mercado para tornar as prticas de sade cada vez mais precisas e menos invasivas. Em entrevista Revista Ti Nordeste, o diretor da Escola de Cincias da Sade da UNIFACS - Universidade Salvador, Laureate International Universities, Paulo Jesuino, fala como est o cenrio da sade em meio s revolues tecnolgicas.

    ti nordeste - de que forma a tecnologia contribuiu para os avanos na medicina?paulo Jesuino - A Medicina est ligada sade e o conceito de sade atual muito amplo, o que nos permite afirmar que toda a tecnologia incorporada na vida contempornea que tenha resultado em melhores condies de vida no planeta contribuiu para os avanos nessa rea.

    Em pesquisa recente encomendada pelo Se-brae, foi constatado que a participao das micro e pequenas empresas j so responsveis por 27% do PIB do Brasil, isso reflexo da revoluo tecnolgica. Vale ressaltar que as barreiras variam de acordo com a indstria, mas, de forma geral, o mercado est mais competitivo.

    TI (NE) - Quais avanos mais significantes, conquistados nos ltimos anos?pJ - O avano mais significante conquistado nos ltimos anos foi a possibilidade de vivermos mais e com mais sade.

    AvAnOS nA MEDiCinA: HOjE PODEMOS vivER MAiS E COM MAiS SADEPOR jOAnA lOPO

    ti (ne) - o que h de inovador e moderno, hoje, na medicina?pJ - So muitas as inovaes nos diversos cam-pos da Medicina que vo desde o estabelecimen-to do que consideramos hbitos saudveis para a promoo da sade, at a utilizao da robtica para cirurgias distncia, passando pela des-coberta de inmeras drogas, pelos avanos no campo da imagem para diagnstico, etc.

    Acredito que a transformao na educa-o de profissionais de sade no mundo atual, trazendo os conceitos de integrao de saberes, interprofissionalismo e prticas colaborativas, segurana do paciente e do profissional, apro-ximao desde cedo com o mundo do trabalho atravs das prticas profissionalizantes e do uso da simulao realstica sejam o que h de mais inovador e moderno na Medicina e na sade.

    ti (ne) - Qual especialidade mais beneficiada com os avanos tecnolgicos? por qu?pJ - Difcil afirmar, mas acreditamos que a radiologia e as especialidades cirrgicas so as mais beneficiadas atualmente pelos avanos tecnolgicos.

    ti (ne) - Qual o impacto da tecnologia na medicina? como isso afeta a populao?pJ - O impacto mais mensurvel e geral o aumento gradual da longevidade da espcie humana. A populao afetada na medida em que tem que se adequar convivncia com os idosos e suas necessidades.

    com paulo Jesuino

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    37

    ti (ne) - Videoconferncia, telemedicina, procedimentos cada vez menos invasivos... Voc poderia comentar sobre a influncia desses recursos na medicina?pJ - A influncia desses recursos na Medicina est diretamente ligada possibilidade de globalizao do conhecimento e de otimizao de recursos, fazendo com que a informao de ponta se torne acessvel para todos ou quase todos.

    ti (ne) - Qual a maior carncia da medicina, no brasil, no que se refere tecnologia?pJ - Ainda somos um pas consumidor de tecnologia externa. A nossa maior carncia est na inovao e no empreendedorismo.

    No temos ainda a cultura de que somos capazes de resolver os nossos problemas. Isso tem que ser incentivado desde cedo na formao do indivduo.

    ti (ne) - o pas est avanando no sentido de fabricar seus prprios aparatos tecnolgicos para atender rea mdica?pJ - Estamos melhores do que antes, mas ainda no somos capazes de suprir a nossa prpria demanda. TI

    No temos ainda a cultura de que somos capazes de resolver os nossos problemas. Isso tem que ser incentivado desde cedo na formao do indivduo

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    38

    e d u c a o

    aplIcatIvO dIspe de guIa cOmpletO para O enem e vestIbulares

    O Exame Nacional do Ensino Mdio (ENEM) se aproxima, e, para fazer uma boa prova, fundamental realizar testes, simulados e aulas que estimulem o aprendizado, bem como a reviso de contedo. Uma das ferramentas que podem ajudar os candidatos o ENEM e Vestibulares: Simulados. O aplicativo gra-tuito rene dicas para organizar o estudo e vdeos com os principais contedos das matrias. Disponvel para iOS e Android, a ferramenta conta com diversos simulados feitos a partir de questes de provas passadas. Alm disso, possvel programar as atividades por meio de um alarme, e acompanhar notcias relacionadas ao Enem e ao vestibular.

    Em um ano de execuo, o Programa Digita Alagoas alcanou o nmero de 12 mil alagoanos atendidos ou capacitados. O acesso internet um dos principais servios oferecidos pelas unidades, alm dos cursos bsicos de informtica. A expectativa entregar mais 15 unidades at o final de 2014, totalizando 70 te-lecentros no Alagoas. Atualmente, h 55, espalhados pelo estado. Segundo a coordenao do programa, a instalao dessas unidades nas comunidades ajuda na insero de pessoas no mercado de trabalho. O povoado quilombola Caj dos Negros (a 195 km de Macei), localizado na Zona Rural de Batalha, um dos beneficiados. A comunidade de cerca de 500 habitantes, que vivia de forma pacata, agora interage com o mundo atravs da internet. As crianas que nunca tinham visto um computador tambm esto se familiarizando com o uso do equipamento. O Digita Alagoas resultado de uma parceria entre o Estado e o Ministrio das Comunicaes. Todos os telecentros foram selecionados por edital. A nica exigncia a de que alguma associao, ONG, fundao ou entidade local disponibilize um espao climatizado para efetivar as atividades. Depois de selecionados, os telecentros recebem um kit com onze computadores, uma impressora, um data show e mveis. O monitor bolsista e o coordenador do local so escolhidos pela Secretaria de Estado de Cincia e Tecnologia (Secti).

    prOgrama dIgIta alagOas alcana 12 mIl partIcIpantes

    Estado j conta com

    55 telecentros e pretende

    completar 70 at o final do ano

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    39

    i n ova o

    S e for para ir a Marte, que seja em uma nave espacial com combustvel renovvel. Parece brincadeira, mas, se depender da Orbital Engenharia empresa brasileira que atua no setor aeroespacial e do Instituto de Aeronutica e Espao (IAE), do Departamento de Cincia e Tecnologia Aeroespacial do Brasil, essa faanha ser alcanada em breve. Na primeira semana de setembro, o primeiro foguete brasileiro com motor a propelente lquido foi lanado no Centro de Lanamento de Alcntara, no Maranho.

    O experimento funcionou durante o perodo previsto de 90 segundos. A carga til embarcada, denominada Estgio Propulsivo a Propelente Lquido, consiste em um motor que utiliza etanol e oxignio lquido. Todos os requisitos tcnicos de sucesso da misso foram atingidos, segundo o IAE.

    O lanamento do foguete ocorreu s 23h02, do dia primeiro de setembro. Durante o teste, houve a coleta de dados para estudos de um sistema de posicionamento global (GPS) de aplicao espa-cial, desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, e de um dispositivo de segu-rana para veculos espaciais, desenvolvido pelo Instituto de Aeronutica.

    O bom desempenho do motor possibilitar a re-tomada de lanamento dos foguetes brasileiros, por parte da Agncia Espacial Alem, a partir da Europa. Os alemes participaram da operao com trabalho de coleta de dados em voo, por meio de uma esta-o mvel de telemetria. TI

    primEiro foguETE brasilEiro com ETaNol laNado com sucEsso Em alcNTara

    Foto: Divulgao

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    40

    s ta rt u p s

    U ma startup criada por trs amigos engenheiros, na Bahia, pretende transformar o acompanhamento da doena de Parkinson no mundo. Os pesquisadores Victory Fernandes, Murilo Plnio, e Daniel Almeida (este ltimo tambm mdico) que desenvolviam projetos de robtica at 2009, resolveram utilizar o conhecimento em engenharia para criar solues para a sade. Em 2011, eles fundaram a Brunian, empresa incubada no Parque Tecnolgico da Bahia, e fizeram dois aparelhos para ajudar a compreender e lidar melhor com a doena.

    Crnica, degenerativa e ainda sem cura, mas com tratamento, a enfermidade foi identificada no sculo XIX. A estimativa internacional de que, a cada 100 mil habitantes, 100 ou 200 pessoas so portadores do Mal de Parkinson. Os pacientes apresentam, entre outras ca-ractersticas, rigidez muscular, distrbios na deglutio, tremores involuntrios e lentido de locomoo.

    O primeiro aparelho criado pelo trio, o Multide-glutgrafo (MDG), busca reduzir e evitar infeces respiratrias, uma das principais causas de morte dos parkinsonianos. O engenheiro e mestrando em Medicina e Sade, Victory Fernandes, explica que o paciente com Parkinson perde gradativamente o controle das estru-turas envolvidas na ingesto do alimento. Por isso, comum que alimentos e lquidos entrem nas vias respi-ratrias do paciente, levando-o a ter pneumonia, diz.

    O MDG comeou a ser projetado em 2009, antes mesmo da fundao da startup. Consiste em uma associao entre aparelhos de medio e softwares. A medio avalia o padro de deglutio (ingesto do alimento) e respirao do paciente. Por meio dela, possvel monitorar sons, tempos, e respira-o durante a deglutio. Com o uso de um soft-

    sTarTup baiaNa dEsENvolvE produTos para ajudar pEssoas com doENa dE parkiNsoNPOR PRiSCilA MACHADO

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    41

    ware, os resultados dos dados coletados so registrados em grficos e exibidos na tela de um computador para anlise posterior.

    Atualmente, a investigao da deglutio do paciente feita por meio de exames clnicos e da ana-mnese (as entrevistas entre o mdico e o paciente), alm de um exame instrumental chamado de video-fluoroscopia, considerado padro ouro pelos pesquisa-dores. Com o mtodo das entrevistas, h possibilidade de impreciso do diagnstico, j que a anlise subje-tiva e feita a partir das informaes do paciente.

    J a videofluoroscopia um exame caro e pouco disponvel na rede hospitalar. Alm disso, requer equipamento, estrutura fsica e mo de obra alta-mente especializada. O MDG pode ser utilizado para fazer triagens e prtico. Dispensa o uso de ambiente especfico e de profissionais altamente treinados, e pode ser utilizado no paciente por um perodo maior, por no usar radiao. Por tudo isso, o custo tambm reduzido, afirma Victory.

    O segundo aparelho criado pelos pesquisado-res foi o Parkiglove PG (uma associao entre as iniciais do nome da doena e o substantivo luva em ingls). Tambm porttil, o equipamento permite compreender a natureza dos tremores nos braos e nas mos dos indivduos doentes. A proposta avaliar o comprometimento motor e fornecer dados quantitativos que permitam ao profissional da sa-de realizar, de forma objetiva, o acompanhamento da doena e avaliar a resposta aos tratamentos.

    O PG fixado no membro superior do paciente. Circuitos eletrnicos embutidos transmitem e ar-mazenam informaes em um carto de memria para, posteriormente, serem exibidas em grficos no computador. Semelhante a um mapa de presso, o aparelho pode aferir com preciso a intensidade dos tremores e dispor de informaes teis e comple-mentares para ajuste da medicao. A dosagem cor-reta dos medicamentos, por sua vez, reduz custos e aumenta a qualidade de vida do paciente. O aparelho tornou-se objeto de pesquisa do mestrado de Victory e ser testado durante o doutorado.

    O Parkiglove conquistou o primeiro lugar na cate-goria Mestrandos, do Concurso Ideias Inovadoras, pro-movido pela Fundao de Amparo Pesquisa da Bahia (Fapesb), em 2010. O aparelho recebeu aporte de 400 mil Reais aps ser submetido a edital de financiamento da Fapesp, o que permitiu o avano das pesquisas. J o Multideglutgrafo tambm ficou em primeiro lugar na edio 2009 do mesmo concurso, e recebeu financia-mento de pesquisa na ordem de 100 mil reais.

    Victory conta que j solicitou a patente dos dois aparelhos e aguarda o resultado. Demos o primeiro passo. Esperamos que a nossa ideia seja adotada no futuro por alguma empresa do ramo e transforme o cenrio da doena, opina o engenheiro. TI

    Demos o primeiro passo. Esperamos que a nossa ideia seja adotada no futuro por alguma empresa do ramo e transforme o cenrio da doena

    Multideglutografo. Aparelho para avaliar deglutio do paciente

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    42

    e v e n to s

    O Porto Digital promoveu um evento nos dias 18 e 19 de agosto para abordar a computao em nuvem. A IBM foi convidada a realizar palestras e treinamentos sobre o mercado de cloud, que ser 211% maior at 2015, de acor-do com informaes da Brasscom. No primeiro dia, os palestrantes Marcio Barbosa, Thiago Videira, Sergio Gama e Silvia Regina Matsuora falaram sobre como empreender na nuvem, por que utilizar esta tecnologia, e sobre o alcance da IBM SoftLayer, a base de infraestrutura em cloud computing da companhia. No dia 19, os mesmos palestrantes falaram sobre o Bluemix, a nova plataforma como servio (PaaS) da IBM, que permite criar aplicaes em menor tempo, tambm rodando em SoftLayer. O evento reu-niu 60 pessoas por dia.

    Mais de 500 pessoas participaram do seminrio Mobile & Games Day, que abriu o InfoBrasil 2014, realizado no dia 26 de agosto, no Cear. Os palestrantes abordaram o desenvolvimento de aplicativos Android e iOS e o mercado de games no Brasil. Para debater o tema, Gerson de Sousa, Gerente Executivo da Abragames, Bruno Saraiva, da Aperta Start, e Ricardo Wagner, da Faculdade Farias Brito, juntaram-se a Moacyr Alves, presidente da Associao Comercial e Industrial dos Jogos Eletrnicos no Brasil. Os palestrantes falaram sobre capaci-tao na rea, e recomendaram ter iniciativa para tirar o projeto do papel. Em seguida, ressaltaram a necessidade de fazer um bom plano de negcios, focado num nicho especfico do mercado. As startups cearenses Vitrola, Alfabeto 3D, Gerenciador Financeiro Mobillis, Easy Beer e Fashion85 participaram do painel Startup Mobile: apresentao de negcios com foco em apps mveis. O InfoBrasil 2014 contou ainda com cinco workshops gratuitos para 350 participantes, alm de mesas-redondas, painis e palestras. As discusses ocorreram na Assembleia Legislativa do Cear.

    palestras da IBm reUnIram 60 pessOas nO pOrtO dIgItal

    semInrIO sOBre merCadO de aplICatIvOs mveIs e jOgOs dIgItaIs aBre InfOBrasIl 2014

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    43

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    44

    co f f e e b r e a k por maria ngela Orlando

    Neste ms, vou participar de um ciclo de palestras abordando as psicopatologias da vida cotidiana. Os temas escolhidos so memria, autoestima e ateno. Em meio enxurrada de informaes disparadas pelos mais variados canais de comuni-cao, como reter, fixar e evocar o que realmente relevante para cada um de ns? O crebro um territrio gorduroso e eltrico, prdigo e perigoso, composto por uma rede de neurnios que executam sinapses a todo momento. H quem escolha o bem e h quem prefira deliberadamente o mal. Ai!! D at um arrepio. Mas essa uma outra conversa, tarefa para os doutores da mente.

    O fato que existem muitas disfunes em jogo atualmente. Ansiedade, depresso, insnia, irritao, distrao, desconcentrao, arritmia, gas-trite, obesidade e por ai vai. Determinadas pessoas vo entrando num ritmo (cigarro e lcool inclu-dos) e num grau de cobrana ou exigncia consigo mesmas, que, s vezes no percebem que esto se transformando em algo que elas no eram em um passado recente. Vi um filme com a Juliette Binoche, certa vez, que abordava exatamente esse tema. O nome era: A vida de outra mulher. Ela simplesmente acorda num dia sem saber quem , o que faz, onde est. Apago completo!! J pensou?

    O tema autoestima inclui visitas ao narcisismo, exposio nas redes sociais, necessidade de apro-

    sIntOmas mOdernOs

    maria ngela orlando formada em Informtica pela UERJ com passagem profissional pela Anixter, Adobe e Avaya. Atuou tambm na rea de treinamento corporativo, no Grupo Ibmec e na Fundao Getlio Vargas. Atualmente consultora em coaching comercial e criadora do blog zoomcotidiano.wordpress.com para publicao de crnicas.

    vao e exibies variadas. Esse assunto d pano para manga, concordam? Depois, o item de encerramento abordar a importncia de saber ouvir, compreender e assegurar o recebimento da mensagem corretamente. Quantas questes sobre mal-entendidos poderiam ser evitadas se as mensagens fossem captadas com ateno...

    Adoro esses debates e principalmente o caris-ma e a competncia de quem fala. O palestrante mdico psiquiatra, tem experincia com crian-as e adultos e ainda entende muito de histria e filosofia. Confesso que fiquei atordoada com tanta informao, mas como eu adoro aprender coisas novas, sa da sala com vrios assuntos para aprofundar: a sndrome da plvora molha-da, o empirismo de Locke, traumas e afetos na construo e obstruo da memria, etc. Como diria uma amiga, s-e-n-s-a-c-i-o-n-a-l.

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    45

    i m ag e m

    A Apple Campus 2, futura sede da Apple, est sendo construida em Cupertino, cidade da Califrnia, nos Estados Unidos. O complexo ter 260 mil metros quadrados e espao para

    abrigar mais de 12 mil funcionrios. As obras comearam h alguns meses, e tem previso de concluso para 2016. O Custo total do projeto est estimado em US$ 5 bilhes

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    46

    r H d i g i ta l t e n d n c i a s

    Whatsappdo futuro?

    cientistas criam forma de enviar mensagens por pensamentos entre si uma distncia de 8 mil km

    E les poderiam ser considerados alunos do Professor Charles Xavier personagem do X-man nas histrias em quadrinhos, mas so trs jovens cientistas de instituies filiadas Faculdade de Medicina de Havard, em Boston nos Estados Unidos, que tm dado os primeiros passos para o desenvolvimento de um projeto de cincia para transformar a telepatia em algo factvel.

    Foram realizados testes bem sucedidos de transmisso de mensagens entre os crebros de pessoas distantes entre si a mais de 8 mil qui-lmetros. Afirma Alvaro Pascual Leone, um dos cientistas: Queramos saber se algum poderia se comunicar diretamente com outras pessoas lendo a atividade cerebral da primeira e injetando essa atividade no crebro de uma segunda pessoa. Ao mesmo tempo, a experincia deveria ser realizada

    em grandes distncias fsicas, aproveitando os meios de comunicao existentes.

    E foi exatamente o que a equipe conseguiu. O experimento indito usou uma combinao de eletroencefalograma conectado Internet e assistido por rob, junto a um estmulo magn-tico transcraniano guiado por imagem para fa-zer a leitura das mensagens transferidas entre as cobaias. A pessoa utilizada como fonte da mensagem estava localizada na ndia, enquan-to outras trs pessoas receberam a informao decodificada na Frana.

    Em testes realizados com cobaias humanas, foram mostradas palavras como ciao (cumpri-mento em italiano) e hola (cumprimento em espanhol) em cdigo binrio (sequncias de 0 e 1) primeira pessoa. A cada zero, a mes-

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    47

    A pessoa utilizada como fonte da mensagem estava localizada na ndia, enquanto outras trs pessoas receberam a informao decodificada na Frana

    ma deveria fazer algum movimento, como levantar as mos. O mesmo valia para cada nmero um, desde que fosse um mo-vimento diferente, como mexer as pernas. Os comandos gera-ram ondas cerebrais captadas, decodificadas e transmitidas via Internet para os crebros dos trs destinatrios na Frana. Como as informaes foram inseridas diretamente no crtex visual dos indivduos, eles foram capazes de ler as palavras em seu campo de viso, depois de elas terem sido traduzidas pelo computador conectado. Isso sim, seria o melhor mensageiro, colocando os demais no cho. E voc leitor o que acha?

    certo que o projeto ainda est em fase inicial, e que o uso de teclado e mouse ainda necessrio, mas no futuro, com o avano da tecnologia, ser possvel eliminar o teclado e o microfone do compu-tador pessoal para se comunicar pela web a partir de qualquer lugar do mundo, sem precisar se mover. TI

    Eletroencefalograma

    conectado web foi usado para captar

    pensamentos

    emissor da mensagem

    0,1,1,0,0...

    internet

    receptor da mensagem

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    48

    ag e n da

    a terceira semana de Informtica (semInfo), em Itabaiana-se, vai discutir e apresentar as novidades da

    rea cientfica e tecnolgica, por meio de palestras, minicursos e apresentao de trabalhos. qualquer

    pessoa que tenha interesse nos referidos temas poder participar. as palestras sero ministradas por

    pesquisadores e profissionais experientes, como o administrador de sistema do tribunal de Justia de

    sergipe hugo dorea, e o mestre em anlise e desenvolvimento de sistemas andrs menndez. O local ser

    oportuno para ampliar a rede de contatos e trocar conhecimentos.

    daTa: 5 a 8 de novembro

    horrio: de 7h30 s 17h30, exceto dia 5, quando o evento inicia s 12h

    local: campus universitrio prof. alberto carvalho, na universidade federal de sergipe

    ENdErEo: av. vereador Olmpio grande, Itabaiana-se

    valor: entre r$ 30 e r$ 40,00

    iNscriEs: http://seminfo2013.itatechjr.com.br

    3 semana de InfOrmtICa ITABAIANA (SE)

    O congresso Internacional marco civil, organizado pela escola brasileira de estudos constitucionais,

    vai discutir e problematizar o contedo do marco civil, com vistas aplicao na legislao brasileira.

    O pblico contar com palestras do cientista do mIt (Instituto de tecnologia de massachusetts) e

    criador da World Wide Web, tim bernerslee; do vice-presidente da google, vint cerf e do ministro

    da Justia, Jos eduardo cardoso. a programao inclui, ainda, palestras ministradas por um time de

    mestres e doutores em direito, alm de material didtico.

    daTa: 25, 26 e 27 de setembro

    local: hotel armao

    ENdErEo: rua dos baobs, Ipojucape

    iNvEsTimENTo: de r$ 130,00 a r$ 428,00

    iNscriEs: at o dia 24/09 no site: http://www.congressosebec.com.br

    COngressO InternaCIOnal marCO CIvIlporTo DE gAlINhAS (pE)

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    49

  • g u i a d e c a n a i s

    ampLa integrao

    Perfil: Empresa integradora de solues de voz, dados e vdeo com notria especializao em cabeamento, CFTV IP e telefonia IP.

    CertifiCaes: Panduit e Uniprise (cabeamento estruturado), Avaya e 3Com (switches e centrais telefnicas de pequeno e grande porte), Pelco, Axis e Sony (CFTV IP) e Alvarion (rdios outdoor).

    (71) 3276-0159 / www.amplaintegracaoo.com.br

    sistemas tecnoLogia Ltda

    Perfil: Especializado em duas reas distintas: TELECOM, com foco em redes de dados sem fio, CFTV, controle de acesso, cabeamento estruturado, automao predial, e Preveno e combate a incndio.

    CertifiCaes: Cambium Networks, Axis, Digifort, Pandwit, Ortronics/Legrand, GLobalFIre.

    (71) 3357-1444 / www.sistemastecnologia.com.br

    Logic engenHaria

    Perfil: Empresa integradora de solues de voz, dados e vdeo com notria especializao em infraestrutura de redes, segurana lgica e CFTV.

    CertifiCaes: Systimax, Furukawa e Uniprise (cabeaemento estruturado), Avaya, Extreme e Cisco (switches e centrais telefnicas IP) e Axis (CFTV IP).

    (71) 3352-5200 / www.logicengenharia.com.br

    HankeLL

    Perfil: Empresa especializada em radiocomunicao, sistemas fixos e mveis, fabricao de antenas Colinear, Log, Telcel e Yagi, construo de torres. Projetos e consultoria em transmisso de dados, voz e imagem.

    CertifiCaes: Motorola, Radwin e Ubiquiti.

    (71) 3172-8900 / www.hankell.com.br

    Salvador - BA

  • Wimaxi

    Perfil: Empresa integradora de solues para cidades digitais com notria especializao em rdios, acesso a internet, monitoramento urbano e cidades digitais.

    CertifiCaes: Alvarion (rdios outdoor), Axis (CFTV IP) e Aker (Security solution).

    (75) 3225-6972 / www.wimaxi.com.br

    Feira de Santana - BA

    pLeimec soLution

    Perfil: Empresa altamente especializada em videoconferncia, solues de ensino a distncia e solues de telefonia IP.

    CertifiCaes: Polycom (vdeoconferncia) e Avaya (telefonia IP).

    (85) 3459-8000 / www.pleimec.com.br

    Fortaleza - CE

    fonmart

    Perfil: Empresa integradora de solues de infraestrutura, networking, datacenters, integrao de voz, dados e vdeo, servidor de rede, outsourcing e cidades digitais.

    CertifiCaes: Systimax, Uniprise e Furukawa, Bosch e Axis, Alvarion, Avaya, Emerson, Barco e Telespazio.

    (98) 2109-5500 / www.fonmart.com.br

    rdois it serVices

    Perfil: Atua com um alto nvel de excelncia nos segmentos de Networking, Suporte de TI, Outsourcing e Segurana da Informao. Tem como parceiras de atuao a HP, Alcatel-Lucent, Furukawa, Trend Micro, APC dentre outras.

    CertifiCaes: HPN, Axis, Furukawa, Riverbed, Trend Micro.

    (85) 3459-4222 / www.rdoisitservices.com.br

    So luis - MA

  • nixcomm

    Perfil: Empresa integradora em tecnologias de voz, dados, imagens e automao para solues de comunicao unificada e sistemas de inteligncia predial.

    CertifiCaes: AMP, Siemon, Prysmian, Avaya, Extreme, Brocade, Axis, Pelco, Kodo, Samsung, Genetec, HID e Motorola (RFID).

    (81) 3222-7300 / www.nixcomm.com.br

    triade

    Perfil: Empresa integradora de solues de infraestrutura, networking, integrao de voz, dados e vdeo, servidores de rede.

    CertifiCaes: Furukawa (cabeamento estruturado), Axis (CFTV IP), Digifort (software de monitoramento), Avaya (telefonia IP e switches), Microsoft e Kaspersky (software) e Dell (servidores)

    (83) 3243-3153 / www.triade-net.com.br

    Recife - PE

    joo Pessoa - PB

    escritoriaL informtica

    Perfil: Empresa especializada em videoconferncia, telefonia IP e servidores.

    CertifiCaes: Dell (servidores), Avaya (Telefonia IP) e Polycom (Videoconferncia).

    (79) 3234-4000 / www.escritorial.com.br

    QuaLitek

    Perfil: Especializada em Servios de Segurana da Informao, atua com Anlise de Vulnerabilidades e Pentest, Servios Gerenciados de Segurana, Fornecimento de solues e Treinamentos. Atua tambm com Infraestrutura e Redes Sem Fio para ambientes corporativos.

    CertifiCaes: Kaspersky Platinum Partner e Sonicwall Gold MSP Partner.

    (84) 4008-9454 / www.qualitek.com.br

    Aracaju - SE

    natal - Rn

    g u i a d e c a n a i s

  • Revista

    TI

    (NE

    ) a

    go

    st

    o 2

    014

    54

    H u m o r n e r d

  • Cad o Cara do Site?

    Seu site rpido, com qualidade e segurana

    w w w . s a i t e r i a . c o m . b r

    Atendimento Diferenciado

    Equipe Especializada

    Centenas de Clientes Satisfeitos

    Autonomia na Gesto do Site

    Website | Loja Virtual | Hotsite | Blog | E-Mail Marketing | Sistema Web

    (71) 3015-2200Av. ACM, 3213, Edf. Golden Plaza, Salas 1109/10, Parque Bela Vista, Salvador - Bahia

    www.saiteria.com.br / facebook.com/saiteria

    Site ou Loja Virtual a partir de

    R$ 2.250,00 em 15 dias uteis.