revista sindloc-sp

Download Revista Sindloc-SP

Post on 13-Mar-2016

224 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Uma publicação do Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores do Estado de São Paulo (Sindloc-SP).

TRANSCRIPT

  • REVISTA

    Ano XVII Edio 143 maro 2013

    Sindicato das Empresas Locadoras de Veculos Automotores do Estado de So Paulo

    Ano XVII Edio 143 maro 2013

    SINDLOCPLATAFORMA DE

    SEGUROS SOB MEDIDA

    Portaria estabelece desconto de 50% no IPVA para os carros de locadoras de SP

    Com foco na profissionalizao, o Sindloc-SP promove treinamento sobre leasing e CDC

    O Sindloc-SP passa a oferecer consultoria e produtos de seguro para os seus associados

  • revista s indloc 3

    A Revista Sindloc SP uma publicao do Sindicato das Empresas Locadoras de Veculos Automotores do Estado de So Paulo, distribuda gratuitamente a empresas do setor, indstria automobilstica, indstria do turismo, executivos financeiros e jornalistas.

    Com a elevao de 2% para 3,5% da alquota do IPI, o mercado de locao deveria estar preparado para o aquecimento dos usados e seminovos. Mas o poder pblico faz questo de lanar jatos de gua fria. No incio de maro, o Banco Central divulgava nmeros descendentes da oferta de crdito para a aquisio de veculos. Na comparao entre janeiro deste ano e dezembro de 2012, a concesso de crdito para pessoas fsicas caiu 8,3%, de R$ 8,40 milhes para R$ 7,70 milhes. A queda para pessoas jurdicas foi ainda mais acentuada de R$ 1,80 milho para R$ 1,27 milho, reduo de 29,4%.

    Juros reduzidos, mais financiamentos, aumento da inadimplncia e bancos mais exigentes na acei-tao de crdito. Essa sequncia cria um verdadeiro impasse para as locadoras, para as quais incre-mentar sua frota de seminovos torna-se impraticvel, e estimular o consumidor a investir no modelo usado tarefa inglria. Sero necessrios muita criatividade e planejamento para desencalhar um es-toque de usados cada dia mais desvalorizado. Segundo o estudo AutoInforme/Molicar, o preo mdio dessa categoria de veculos registrou diminuio drstica de 41,3% nos ltimos cinco anos.

    Essa srie de indicadores pode levar o leitor a vislumbrar um cenrio nebuloso pela frente. No, esse discurso no derrotista. Como veremos nesta edio, estamos incentivando os empresrios e execu-tivos do setor a trocar ideias e oportunidades, alm de reforarmos os vnculos com os associados. O trabalho continua, ainda mais intenso. Mas desalentador constatar a ausncia de um planejamento pblico de longo prazo.

    No somos vtimas do IPI zero tampouco do fevereiro mais curto neste ano, em razo do Carnaval. Os obstculos so mais slidos e permanentes. Nos ltimos anos, as decises para estimular a econo-mia passam sempre pela desonerao de um lado da moeda em detrimento do outro. A distribuio dos ovos pelas cestas muda constantemente, mas o nmero de ovos permanece o mesmo, graas a um modelo imediatista que estimula o consumidor sem educar e reduz tributo como se apenas ele fosse o vilo da vez.

    A cada carro novo vendido no pas, outros trs usados so comercializados. Esse segmento estra-tgico para melhorar o desempenho das locadoras, que geram empregos e arcam com altos custos de manuteno e mo de obra. Mas, lamentavelmente, h quem ainda tape os olhos para nossa atividade. A ns, resta unirmos esforos e conhecimentos, e estamos nesse caminho. Atenta a esse cenrio, a dire-toria do Sindloc-SP est estudando alternativas para auxiliar os associados na venda de seus seminovos.

    Alberto de Camargo VidigalPresidente do Sindloc-SP

    A hora dos usados, mas o governo chegou atrasado

    ExPEdiEntE

    Editorial

    Presidente: Alberto de Camargo VidigalVice-Presidente: Eladio Paniagua Juniordiretor Financeiro: Luiz Carlos de Carvalho Pinto Langdiretor Secretrio: Paulo Miguel Jr.Consultor de Gesto: Luiz Antonio CabralConselho Fiscal: Eliane Baida, Paulo Gaba Jr. e Paulo Hermas Bonilha JuniorProduo Editorial: Scritta www.scritta.com.brCoordenao: Eduardo GraboskiRedao: Eduardo Graboski e Ktia Simes diagramao: Cris Tassi - contato@cristassi.com.brReviso: Jlio Yamamoto e Leandro Luize

    Jornalista Responsvel: Paulo Piratininga - MTPS 17.095 - piratininga@scritta.com.brimpresso: Grfica Revelaotiragem: 5 mil exemplaresCirculao: distribuio eletrnica para 7 mil leitores cadastradosEndereo: Praa Ramos de Azevedo, 209 cjs. 22 e 23telefone: (11) 3123-3131E-mail: secretaria@sindlocsp.com.br

    permitida a reproduo total ou parcial das reportagens, desde que citada a fonte.

  • 4 revista s indloc

    05 EM BAixAAo contrrio do que as montadoras esperavam, maro comeou com movimento fraco na venda de veculos novos.

    07 JURdiCOO advogado Marcelo Jos Arajo fala sobre a traduo juramentada da CNH de estrangeiros que desejam dirigir no Brasil.

    13 GEStOO consultor do Sebrae-SP, Haroldo Eiji Matsumoto, d dicas de como criar uma central de atendimento ao cliente em PMEs.

    14 EVEntOO Sindloc-SP promove um treinamento exclusivo para os seus associados sobre leasing e CDC, em abril, na sede da Fecomercio.

    sumrio

    SEtORDisposto a oferecer no s consultoria, mas produtos de seguro sob medida para as locadoras, o Sindloc-SP lana uma plataforma de seguros.

    MOntAdORASO presidente da Fenabrave, Flavio Meneghetti, revela quais so os desafios do setor e analisa o impacto da parceria com o segmento de locao.

    09 18

  • revista s indloc 5

    Ao contrrio do que as montadoras esperavam, o ms de maro comeou com movimento fraco na venda de veculos novos. o que mostra o balano da primeira quinzena do ms divulgado pela Fenabrave. No perodo, foram emplacados 132.911 veculos novos.

    O mercado esperava um incio de ms mais animador, j que a partir de abril o IPI dever sofrer reajustes. Para os modelos 1.0, a alquota passar de 2% para 3,5% e, para os veculos at 2.0, de 7% para 9% (flex) e de 8% para 10% (gasolina). Entretanto, os consumidores parecem estar mais cautelosos.

    No balano acumulado, a Fenabrave contabiliza 621.370 modelos, incluindo comerciais leves. A expecta-tiva que as vendas cresam a partir da ltima semana do ms, quando os consumidores tomaro conscincia de que os valores sero reajustados j a partir do dia 1.

    EM BAIXA Maro comeou com quase 133 mil carros emplacados

    RESSARCIMENTOFazenda de SP devolve R$ 17,8 mi para motoristas vtimas de roubo

    Os proprietrios de veculos roubados ou furtados em 2012 no estado de So Paulo, incluindo as locadoras, se-ro ressarcidos a partir deste ms. A informao da Se-cretaria da Fazenda, que calcula o reembolso total em R$ 17.863.979,48. O pagamento refere-se restituio propor-cional do IPVA. Os motoristas que pagaram a taxa quando ocorreu o crime sero beneficiados.

    Ao todo, as ocorrncias relacionam 52.616 carros. O pro-prietrio de veculo que tiver direito devoluo do IPVA no precisa fazer nenhuma solicitao. O reembolso auto-mtico. Os valores sero disponibilizados no Banco do Brasil durante dois anos. Para consultar valores e outras informa-es, basta acessar www.fazenda.sp.gov.br.

    iNFormaEs tEis

    INflAO do carro sobe 1,89% no anoComposta de despesas como abastecimento e manuteno de peas

    do veculo, a inflao do carro subiu 0,57% no ms passado, de acordo com aferio da Agncia AutoInforme. A alta acumulada neste incio de ano, portanto, de 1,89%.

    Os preos dos combustveis foram os responsveis por essa acelerao. No perodo analisado, por exemplo, a gasolina passou de 2,42% para 4,31%, enquanto o etanol subiu de 0,25% em fevereiro e 5,15% nos dois primeiros meses do ano. A segunda maior alta foi a de lona de freio, que ficou 1,31% mais cara. Na sequncia vem correia dentada (0,99%).

    Assim como em outros produtos, a inflao do carro pode ter reflexo no valor de venda de modelos zero-quilmetro.

  • 6 revista s indloc

    A Consolidao das Leis do Trabalho (CLT) dispe, no arti-go 473, sobre as hipteses em que o empregado pode deixar de comparecer ao trabalho sem prejuzo de seu salrio e/ou repouso semanal remunerado. No entanto, cumpre ressaltar que todas as faltas devem estar devidamente justificadas pe-los empregados, de modo que as empresas possam ter cin-cia do real motivo do afastamento. A falta injustificada acar-reta o desconto do dia em que faltou ao trabalho e do dia de seu repouso semanal remunerado.

    Alm da Conveno Coletiva de Trabalho da Categoria, a Lei 605/49, que trata da remunerao do repouso sema-nal, tambm prev que: a) os previstos no artigo 473 e seu pargrafo nico da Consolidao das Leis do Trabalho; b) a ausncia do empregado devidamente justificada, a critrio da administrao do estabelecimento; c) a paralisao do servio nos dias em que, por convenincia do empregador, no tenha havido trabalho; d) a ausncia do empregado, at trs dias consecutivos, em virtude do seu casamento; e) a falta ao servio com fundamento na lei sobre acidente do trabalho; f) a doena do empregado, devidamente compro-vada.

    Observe-se que a alnea f aduz que o afastamento por doena incapacitante, devidamente comprovada por ates-tado mdico, tambm constitui justificativa legal para a au-sncia no trabalho. Cabe empresa remunerar as horas no trabalhadas at os primeiros quinze dias de afastamento do empregado, conforme a Lei 8.213/91, em seu art. 60, 3.

    O que muito se tem notcia a apresentao de atestados mdicos falsos para justificar ausncias em casos de doen-a. As empresas tm diligenciado e, em muitos casos, com-provado rasuras nos atestados ou assinatura de profissional desconhecido na rede mdica ou o no comparecimento do empregado no local no dia do atestado.

    Comprovados tais fatos, o empregado poder ser dispen-sado por justa causa, por configurado ato de deslealdade. As-sim, recomenda-se que a empresa analise a correta indicao no atestado mdico, do CID da doena ou mesmo da do-

    Ausncias justificadas por problemas de sade

    tRABAlhiStA

    ena diagnosticada, horrio de chegada e sada do estabele-cimento mdico/hospitalar. Nesses casos, quando o assunto submetido apreciao do Judicirio Trabalhista, este tem entendido que atestados mdicos assinados por pro