revista rock meeting #12

Download Revista Rock Meeting #12

Post on 01-Mar-2016

217 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição nº 12: Misantropia, World Metal, MetalHeads , Hellcife Attack, Adrenaline DarkTale, Retrospectiva RM, Perfil RM com Saulo Lessa (Mia Dolce Vendetta), Eu estava lá – Manifesto Pró Arte.

TRANSCRIPT

  • Expediente

    Direo GeralPei Fang Fon

    FotografiaDaniel LimaPei Fang Fon

    Yzza Albuquerque

    RevisoPei Fang Fon

    Yzza Albuquerque

    CapaLucas MarquesPei Fang Fon

    EquipeDaniel Lima

    Jonas SutareliLucas MarquesPei Fang Fon

    Renato TiengoYzza Albuquerque

    AgradecimentoJonathan Canuto

    ContatoEmail: contato@rockmeeting.net

    Orkut: Revista Rock MeetingTwitter: http://twitter.com/rockmeeting

    Veja os nossos outros links:www.meadiciona.com/rockmeeting

    Editorial

    Um ano. So exatamente doze meses, trezentos e sessenta e cinco dias, cinquenta e duas semanas. 12. Este nmero pode representar muita coisa para algum: aniversrio; dia dos namorados; doze apstolos bblicos... Mas o que significa para ns, enquanto disseminadores da informao, um tempo que passou muito rpido. Sabe aquele ditado, Parece que foi ontem? Pois bem, este o sentimento que invade as mentes de todos da Equipe da Rock Meeting, quando pensamos sobre o incio, a mudana de postura, comportamento. Foi ousado, ao mesmo tempo que foi necessrio. Tudo tem seu tempo. E foi no tempo certo, ou no (depende da viso individual), que um meio de comunicao deu um novo gs para a cena local. No prepotncia afirmar que fizemos isso. Se pararmos para analisar os fatos, da implantao da revista at o atual ms, muitos eventos aconteceram. Dois a nvel internacional, sem mencionar a ampliao dos eventos locais. Muitos destes eventos estiveram registrados em nossas pginas, para que tenham a plena certeza que algo mudou. Ainda h muito que fazer, mas, para um comeo, j est sendo o suficiente. Este gs que precisava j foi impulsionado, basta continuar... Continuar o maior problema para qualquer desafio. Mas estamos enfrentando os obstculos na certeza de que algo melhor est por vir. Um ano. Doze meses. Cinquenta e duas semanas. E muitas descobertas. Assim tem sido a nossa rotina. Muito obrigado!

  • Hellcife Attack - 05MetalHeads - 07World Metal - 09Misantropia - 11DarkTale - 17Adrenaline - 22Restropectiva RM - 27Perfil RM - 31Eu estava l- 33

    ndice17

    31

    05

    11

  • Por Lucas Marques

    Na cena underground nordestina, a interatividade e cooperao entre as bandas o que faz haver uma mobilidade nela. Os intercmbios interestaduais so meios que proporcionam uma propagao maior da cena, uma forma de fazer com que as bandas saiam de seus ambientes comuns e se mostrem para outras pessoas, outros pblicos. Esses eventos costumam dar certo, pois alm de ajudar as bandas, satisfaz o pblico que busca algo novo. Um bom exemplo de sucesso desse tipo de evento foi o Hellcife Attack, realizado no dia 7 de agosto no Banga Bar, localizado no bairro histrico de Jaragu. O show foi um intercmbio organizado por bandas alagoanas, que trabalharam forte e trouxeram boas bandas pernambucanas para realizar uma bela festa, recheada de Hardcore, em nosso solo. O show comeou com atrasos, algo j tradicional por aqui, mas nada que fizesse diminuir o nimo da galera que compareceu. Outra coisa que chamou a ateno foi a frustrao de alguns menores de idade, que tiveram de voltar para casa aps saberem que era um show para maiores. A organizao do evento j havia informado sobre isso em todas as suas divulgaes, o que certamente no foi visto pelos que foram barrados na portaria. A primeira atrao da noite foi a banda Side HC, que levou um repertrio cheio de clssicos do Punk Rock nacional. A banda demorou um pouco

    para comear o show. Ajustes dos instrumentos e o pouco pblico na hora causaram certo atraso, pois a banda esperava a chegada de mais gente para dar incio festa. Apesar de haver um pequeno pblico no espao designado, havia muita gente do lado de fora da casa, j que era permitido o livre acesso e a sada das pessoas que teriam comprado os ingressos e portassem a pulseira do evento. Enquanto pouco Punks preenchiam o vazio da pista, a maioria dos que portavam as pulseiras de acesso lotava as escadarias do prdio histrico da Associao Comercial de Alagoas, que fica em frente ao Banga. Passado o atraso inicial, a banda sacou de seu repertrio covers que iriam de Garotos Podres at Dead Fish. O grupo se destacou pelo seu som cru, deixando claras suas influncias em suas msicas prprias, que puderam ser escutadas pelos poucos presentes. A segunda banda a se apresentar foi a recifense Vulvas em Transe, um grupo formado totalmente por garotas. As meninas da Vulvas em Transe mostraram que garotas tambm sabem fazer Rock and Roll muito bem. Seu som poderia ser definido como um Hardcore meldico que dialoga com algo mais pesado, um som trabalhado que, certamente, surpreendeu a muita gente que estava presente, deixando muito marmanjo boquiaberto. A Vulvas em Transe representou muito bem o seu estado, e com certeza no ser esquecida pelo pblico alagoano.

    RM05

  • Em seguida, entrou a Dejetos, tambm de Pernambuco. A banda veio com seu Hardcore seco. Como a primeira banda, a Side HC, eles tocaram verdadeiros clssicos do Punk Rock tupiniquim, como Anarquia OI! e Papai Noel, dos j sitados Garotos Podres. Seu som carrega em suas letras um teor de protesto libertrio, como uma verdadeira banda Punk deve ser. A Dejetos no deixou nada a desejar, e tambm representou muito bem a cena pernambucana.Aps a Dejetos, quem marcou presena foi a banda alagoana nfase. A nfase faz um Hardcore meldico para ningum botar defeito. Mandaram sons irados e uns covers bem conhecidos da galera, como da banda de Fortaleza Switch Stance. Certamente, nfase foi uma das bandas que mais agitaram a noite do Hellcife Attack. O pblico j estava bem presente a essa altura do show.Assim que terminou o show da nfase, boa parte do pblico se deslocou para fora do estabelecimento, voltando a ocupar as escadarias do prdio da Associao Comercial. Nesse momento, quem se apresentava era a banda alagoana Nookie, que tinha um repertrio bem diversificado. Rolou at uma Jam com a galera presente. Eles tocaram Pitty, e fizeram at duas execues de Roots Bloody Roots, do Sepultura, um momento bem dinmico entre a banda e o pblico.Dando sequncia noite, a banda maceioense Reverter chegou cheia de energia, com suas letras que falam de coisas do cotidiano, da tica, de respeito e de amor. Com vocais rasgados um tanto peculiares e seus riffs marcantes, a Reverter tocou para um pblico um tanto reduzido, porm o mais ativo da noite, porque a energia que a banda transmitia para a galera presente foi algo nico. Quem se apresentou depois foi a banda pernambucana Political Comedy. Nesse momento do show, havia menos de 15 pessoas para prestigiar a banda pernambucana. Mas isso no significou desnimo; a banda tocou como se a casa estivesse lotada. Quem estava presente, viu uma grande apresentao de uma grande banda, que levou entre muitas msicas, covers de grandes bandas do underground brasileiro, como Nitrominds.Quando a banda Dia 5 fechou a madrugada, infelizmente quase no havia mais pblico. O cansao era aparente depois de muito trabalho, mas os msicos da Dia 5 tocaram para as ltimas 10 pessoas presentes, e quando fizeram a sua tradicional cover de Jason, alguns ainda tinham energia para iniciar micro ciclepits. Ainda rolou msica com participao especial do DJ Wysko, que tocou durante toda a noite entre uma banda e outra. O dia j tinha clareado quando o show acabou.O Hellcife Attack foi um bom exemplo de que a cooperao entre bandas um bom negcio. Esperamos por mais shows assim.

  • RM07

    A noite do MetalheadDaniel Lima

    O Metalheads aconteceu no dia 15 de agosto, e, como j se tornou costume, foi num domingo. Bandas que fazem covers invadiram novamente o Kfofo, e dessa vez, algumas bandas homenageadas foram o Black Sabbath, o Metallica e o Iron Maiden de pocas diferentes. Outro fato que j se tornou costume nos shows aqui em Macei o atraso para comear o evento. Mas dessa vez a culpa no foi da organizao, foi da parte tcnica do evento. Depois de mais de uma hora de atraso e ainda com um pequeno pblico, a banda Raiser subiu ao palco do Kfofo para iniciar as apresentaes. Tocando covers que iam de Testament a Slayer e Ozzy Osbourne, Vitor detonou nos vocais, sempre chamando o pblico para cantar junto. Com o passar do show as pessoas foram chegando e enchendo o Kfofo. S para sentir o clima, Raiser tocou Raining Blood (Slayer), Mr. Crowley (Ozzy Osbourne) e Alone in the Dark (Testament), alm de duas msicas prprias. Um timo show que, infelizmente, teve seu tempo reduzido, por causa do atraso. A segunda banda a se apresentar foi a IMDY Project, que toca msicas do Iron Maiden na fase de Paul DiAnno, o primeiro vocalista da Donzela. Com Daniel no vocal, a banda tocou clssicos que compem os dois lbuns gravados com Paul frente do Maiden. Algumas das msicas que fizeram o pblico cantar e agitar at o fim da apresentao foram Remember Tomorrow, Prowler, Wrathchild e Killers. Essas foram algumas das msicas que fizeram o pblico cantar e agitar at o fim da apresentao. A galera que frequenta os shows de Metal em Macei gostam de Maiden e respondem as expectativas da banda. Esta foi apenas a primeira a fazer um tributo ao Iron Maiden naquela noite. Em seguida, veio a Powerslave, tambm tocando Iron Maiden. Mas dessa vez, Renato cantaria as msicas que ficaram imortalizadas no vocal de Bruce. Quem conhece o DVD do Iron Maiden no Rock in Rio, de 2001, sabe muito bem como a primeira msica que a Donzela toca. Da mesma maneira fez a Powerslave. O coral comea a cantar e cria-se um clima de suspense at que comea a introduo de The Wicker Man, e o pblico delira. Da para frente, clssicos como The Evil that Man Do, The Trooper, e at a famosa baladinha intitulada Wasting Love fizeram parte do repertrio. Maiden Manacos cantavam todas as msicas como uma grande famlia, envolvidos em torno de uma nica causa: o Iron Maiden. Para encerrar, tocaram a clssica Hallowed Be Thy Name. Um timo show que, assim como os anteriores e os que viriam, teve de ser reduzido por causa da falta