revista "preven§£o s©nior"

Download Revista "Preven§£o S©nior"

Post on 11-May-2015

4.075 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1.rmandos do CursoEFA Agente em GeriatriaRevista elaborada pelos Fo Preveno SniorPreveno Snior Preveno SniorvPre enoSnior Preveno Snior Preveno Snior Preveno SniorPreveno SniorPreveno Snior Preveno Snior Preveno SniorPreveno Snior Preveno Snior PrevenoSnior Preveno Snior Preveno SniorPreveno SniorPreveno Snior Preveno SniorPreveno Snior Preveno Snior Snior Preveno SniorPreveno Preveno SniorPreveno SniorPreveno Snior no mbito do Tema de Vida Pre veno Snior Preveno do isolamento do idoso A importncia daMatemtica na 3 idade INQURITO: Preveno Snior A nossa sociedade: respostas sociais para a3 idade Promover a sade doidoso

2. Preveno SniorPREVENO DO ISOLAMENTO Editorial A Preveno Snior , nosdos idosos uma forma ldica e cria- dias de hoje, um tema da actualidade, tiva de explorar e desenvolver as suas pois caminhamos num percurso lentocapacidades mentais. realizado um para o envelhecimento da populaoalerta para a preveno de acidentes mundial.rodovirios e quedas que possamAssim, os formandos queacontecer no dia-a-dia, provocadas frequentam o curso de Agente em por fragilidades e outras causas. Faze- Geriatria, como futuros profissionais mos tambm questo de falar sobre desta rea, entenderam, juntamentesituaes de risco, tal como as burlas, com a entidade promotora Psico-assaltos e roubos. viana Consultores Lda, abordar o Nela esto contidos os resul- assunto como tema de vida e deix-lotados e tratamento estatstico da in- aqui modestamente publicado.formao de um inqurito, aplicadoA revista Preveno Snior,na Vila de Alvares Viana do Caste- como forma de ajudar a populaolo, a 150 pessoas maiores de 65 anos, Parece indiscutvel o percurso para o envelhecimento da populao mun- idosa do nosso concelho, foca temas de modo a que se possa conhecer adial. Considera-se que o envelhecimento da populao principalmente devido como: a preveno do isolamento norealidade das nossas vilas sobre a pre-s baixas taxas de fecundidade, reforado pelo declnio nos nveis de mortalidade, idoso, as causas e consequncias desteveno snior. em todas as idades. Este declnio da mortalidade deve-se reduo da mortalida- isolamento, sendo muito importanteO primordial objectivo dade infantil, baseado no maior controlo das doenas infecciosas e ao aumento da a insero do idoso em instituies,revista e dos formandos do curso ,longevidade dos indivduos. por forma a que se mantenha vigiado para alm da ajuda na promoo da A situao portuguesa no muito contrastante daquela que apresentada e junto de pessoas que o podem pro- qualidade de vida da populao s- a nvel mundial. De acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional teger em situaes mais desagradveis nior, sugerir que uma nova vida co-de Estatstica (INE, 2007), assistimos a um aumento da proporo da populao e at complicadas da vida, que j de si mea com a aposentao, permitindo idosa na populao total, que era de 17,1% em 2005 (1 810 100 indivduos). A no nada fcil. A promoo da sa-assim realizar novos projectos que esperana mdia de vida nascena, em 2005, atingiu os valores de 74,9 anos para de nesta faixa etria tambm um dos no foram realizados durante o seu os homens e de 81,4 anos para as mulheres. assuntos referidos nesta edio.normal percurso de vida.O envelhecimento populacional mais notrio nas mulheres, cuja pro-Por outro lado, abordamos poro se elevou a 19,3%, face a 14,8% nos homens. Este facto reflecte a maior aqui uma nova realidade, o idoso vol- Deixamos ficar aqui um lema: longevidade do sexo feminino. tado para novas reas de interesse, tal Cuidar Prevenir e prevenir cuidar.As projeces efectuadas pelo INE (2007) at ao ano 2050, revelam uma como a matemtica, que recorrendotendncia para o acentuar do envelhecimento da populao, onde contribuem os s experincias e actividades dirias OsFormandos nveis de fecundidade abaixo do limiar de substituio de geraes, um contnuoaumento da esperana mdia de vida nascena e um saldo migratrio positivomas moderado. Entre a populao idosa, a percentagem de indivduos com 85 emais anos tambm continuar a aumentar, destacando-se uma vez mais a maiorlongevidade das mulheres.2 3. Preveno Snior NO IDOSOA nossa sociedade confunde facilmente aO Homem um ser social e necessita de co-Os idosos podem apresentar alguma dificul- imagem de envelhecer e da velhice, caracterizandomunicar. A comunicao essencial para a sua sobre-dade em relacionar-se com as outras pessoas e com a terceira idade como uma fase da vida em declnio,vivncia, em especial para o idoso, com vista manu- o seu meio ambiente e este facto pode ser atribudo, tanto humano quanto social. Para muitas pessoas, a teno das suas relaes sociais, evitando a carncia em parte, s alteraes decorrentes do prprio pro- velhice comea a ser percebida como uma fase dolo- emocional e afectiva. A comunicao importante ecesso de envelhecimento e agravado por processos rosa da vida, sem perspectivas, marcada pela presenafacilita a interaco entre as pessoas. como o sedentarismo e a depresso. Esta dificulda- de doenas e perdas. Perda de trabalho, perda de fa-A comunicao pode ser verbal e no verbal.de de relacionamento, associada inactividade pode mlia, de estatuto social, . O impacto causado pelo Esta ltima ocorre atravs das expresses faciais, dospropiciar um aumento do isolamento social, entre os envelhecimento tem alterado os hbitos e o quotidia- movimentos das mos, braos, cabea, sinais, smbo- mais velhos. no das pessoas idosas na sociedade, seja o seu papel los e gestos. A comunicao verbal a mais utilizada na sua comunidade, famlia ou nas instituies.e permite um rpido conhecimento das vontades eA diminuio das actividades pode ser consi-motivaes do outro, numa linguagem que ambos derada uma das maiores perdas do idoso, pois a sua dominam. A comunicao uma troca de ideias e in-CAUSAS E CONSEQUNCIAS DO falta pode levar ao aparecimento de doenas fsicas eformaes. Ela mais do que uma simples troca de ISOLAMENTO NO IDOSO mentais, auto-desvalorizao, declnio da auto-estima, palavra. Inclui todas as facetas das nossas actividadesSo variadas as situaes que podem levar desmotivao e solido. Quando falamos de perdas,do quotidiano e das nossas relaes pessoais. ao isolamento do idoso. Podemos encontrar causas inclumos, em especial, as perdas a nvel biolgico Que o Homem tem de envelhecer e por lti-biolgicas, de sade, ambientais, econmicas, de se- que ocorrem no indivduo medida que envelhece, mo h-de um dia morrer, constitui uma das realidadesgurana, etc. sem levar em linha de conta os hbitos alimentares, as bsicas da vida. No ter com quem comunicar, o es- Em alguns casos podemos encontrar uma condies de residncia, o emprego, a sade, a condi-tar desintegrado socialmente, no ver as pessoas, no conjugao de diversos factores propiciadores o que o econmica, que normalmente interferem com apartilhar afectos so, entre outras, algumas das fontes vem agravar a sua resoluo, com vista integrao qualidade de vida do idoso.de desnimo que o isolamento social produz. da pessoa idosa no meio social que a rodeia.3 4. Preveno Snior As causas do isolamento social acarreta consequncias negativas para mais elevado, obrigando a um olharPode e deve manter uma convivncia do idoso so:o prprio, familiares e sociedade emmais atento por parte da comunidade,s, respeitando o espao dos outros e - a viuvez,geral.fazendo uma leitura dos sinais dadosdesenvolvendo novas amizades, me- - a depresso,O desinteresse, desnimo e a pelos prprios, evitando a sua consu- dida que as antigas vo desaparecendo. - a reforma, apatia consequentes, levam o idoso amao e orientando o idoso na procuraSair de casa, ter objectivos para - a sada de casa dos filhos,alimentar-se mal, a no cuidar da ima-de alternativas viveis resoluo dos o dia-a-dia, frequentar instituies, - a distncia geogrfica de fami-gem pessoal, a ter mais dificuldade naproblemas que esto na gnese do seucomo centros de dia e convvio, univer- liares,auto-administrao da sua medicao problema. sidade snior, programas de ginstica - as doenas, nomeadamente ase a sair menos do seu domiclio, au- Esta deve ser vista como uma destinados a esta populao, aces de incapacitantes que limitam a mobilida- mentando a atrofia muscular, o agra-obrigao da sociedade em geral e no voluntariado, potenciam o desenvol- de,vamento de patologias pr-existentes eapenas das entidades competentes. vimento de novas relaes, aumenta a - as alteraes de equilbrio, por as dificuldades de locomoo. A falta Sinalizar, alertar, dar visibilidade aosactividade fsica e mental, melhoram a diminuio de sensibilidade postural,de contactos e relacionamentos sociaiscasos mais graves de isolamento e deauto-estima e do sentido vida. - a perda de viso,aumenta o risco de depresso no idoso risco social, deve ser uma responsabi- Avelhice, perodocarac- - o uso de medicamentos, comosendo que, no diagnosticada e tratada, lidade partilhada por todos na nossaterizado por perdas, como do(a) tranquilizantes e sedativos, pode apresentar consequncias muito comunidade. companheiro(a) de toda a vida, do em- - o medo das quedas e fracturas, nefastas para o indivduo.prego em consequncia da reforma e - a incontinncia urinria, O suicdio a expresso maisoutras, no deve ser encarada como a - as estaes do ano, em espe- grave do isolamento social. O AlentejoEVITAR O ISOLAMENTO recta final mas antes como uma opor- cial o Outono e o Inverno, uma das zonas do pas que apresenta DO IDOSOtunidade de recomeo e concretizao - as barreiras arquitectnicas,mais casos de suicdio em idosos, ex-Os idosos devem manter umde projectos at ento postos em se- - a insegurana, plicado pelo isolamento em que muitos relacionamento prximo e constantegundo plano. - a perda de relaes de vizi- vivem, dada a desertificao das zonascom familiares e amigos, seja por con- nhana,rurais e o abandono a que muitas pes- tactos pessoais, seja utilizando o tele- - a perda de capacidade econ- soas so votadas. Nos homens comfone e, mais recentemente, a internet.UM PROJECTO INOVA- mica.idade superior a 75 anos e que viv

View more