revista porturia - anurio 2015

Download Revista Porturia - Anurio 2015

Post on 21-Jul-2016

220 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista Portuária - Anuário 2015. A força econômica da região sul.

TRANSCRIPT

  • Itaja est entre as cidades que mais crescem no Brasil e tem sua ascen-so refletida no momento atual. Pela primeira vez na histria, tem o maior Produto Interno Bruto (PIB) de Santa Catarina: mais de 19 bilhes e 7 milhes de reais. Esse um marco que reflete a postura do municpio nos ltimos anos. Itaja est deixando de ser lembrada apenas pelo porto, para se tornar uma cidade polivalente, que extrai novas possibilidades de sua ca-racterstica costeira em prol do cresci-mento. Afinal, pelo mar que se chega

    a qualquer lugar do mundo.As caractersticas geogrficas im-

    pulsionam nossa vida e economia local para o mar. Graas a esse engajamento, por exemplo, que Itaja reconhecida como a capital brasileira da pesca. So 250 armadores e uma frota de aproxi-madamente 500 barcos que respon-dem por 20% da produo brasileira de pescados. Em torno de 15 mil pessoas atuam direta ou indiretamente nesse ramo.

    , tambm, pelo mar que o Porto de Itaja escoa a maior parte da produ-

    ANURIO 2015 4

    Itaja, porta martima do Sul do Brasil

    Por JANDIR BELLINI, Prefeito de Itaja

    Nelson Robledo

    Nelson Robledo/PMI

    ARTIGO

  • o agropecuria da regio Oeste de Santa Catarina. Nosso complexo portu-rio o segundo maior no pas em mo-vimentao de contineres e o maior exportador de carnes e derivados con-gelados do Brasil. Essas so marcas que sero superadas em alguns anos. Isso, porque o Governo de Santa Catarina enxerga Itaja, realmente, como uma potncia econmica nacional.

    Reflexo dessa percepo para a vocao da cidade a obra recm-lan-ada da Bacia de Evoluo a partir de um investimento estadual de R$ 104

    milhes. A execuo do projeto ser responsvel por aumentar o calado do Rio Itaja-au e permitir que navios de at 335 metros de comprimento e com 48 metros de boca tenham acesso aos beros porturios. Hoje, o complexo est limitado a operaes com navios com o comprimento mximo de 306 metros.

    , novamente, por conta do mar, que milhares de turistas so atrados para visitar a cidade ao longo do ano. Eles chegam pelas principais rodo-vias que cortam a regio, pelos ae-

    ANURIO 2015 5

    roportos internacionais de Florianpolis e Navegantes, ou pelas dezenas de transa-tlnticos que aportam na ci-dade durante a temporada de cruzeiros. Em breve, tambm, podero chegar com suas prprias embarcaes e atra-carem na primeira marina da cidade, que est em fase de construo.

    Ainda voltados para o mar, recebemos duas das mais importantes competies de vela do planeta, consagrando Itaja como polo nutico bra-sileiro. A passagem da maior regata de volta ao mundo, a Volvo Ocean Race, e da maior travessia vela do oceano Atlntico, a regata francesa Transat Jacques Vabre, gera um impacto que vai muito alm do esporte nutico em si. Envolve a participao de toda a regio da Foz do Rio Itaja-au e suas consequn-cias econmicas, sociais e tu-rsticas refletem dentro e fora de Santa Catarina.

    Diante desse contexto, a cidade com o maior PIB de Santa Catarina se projeta para os prximos anos e, sobretu-do, busca a expanso dessas novas potencialidades. Mais do que ter um mercado sli-do na tradio do porto e da pesca, aproveitamos o maior recurso natural que temos para recriar novas possibilida-des de desenvolvimento.

  • ANURIO 2015 6

    O presidente da BMW no Brasil, Gerald Degen, rece-beu em sesso solene realizada em Araquari (SC), o ttulo de cidado catarinense. O ato promo-vido pela Assembleia Legislativa do Estado, por meio da aprovao pelos deputados do projeto de lei parlamentar com a indicao do agraciado. O governador Raimundo Colombo prestigiou a solenidade e destacou a importn-cia de Santa Catarina ser sede de uma empresa do grupo: " uma conquista que faz o nosso Estado mais forte, mais desenvolvido e valorizado no contexto nacional e inter-nacional". "Gerald, com toda a experincia na montagem de fbricas, acostumado com nmeros e medidas, ago-ra vive o momento de calcular a emoo com a home-nagem que expressa a gratido e o reconhecimento dos catarinenses", acrescenta o governador.

    Gerald Degen disse estar feliz e realmente emocio-nado com o ttulo de cidado catarinense. O executivo relembrou a trajetria de contatos e avanos no processo de instalao da fbrica da BMW em Santa Catarina, falou da qualidade empregada na linha de produo e elogiou no s o Estado, mas a equipe de trabalho comandada por ele, em Araquari.

    De acordo com Gerald, atualmente a fbrica con-ta com 530 funcionrios, dos quais, 60% so de Santa Catarina. "A partir de agora, comigo, seremos 60,2% de catarinenses trabalhando juntos", considera.

    O executivo, tem 44 anos e trabalha no grupo h 16.

    Em janeiro de 2013, veio para o Brasil com a responsabili-dade da implantao e operao da nova fbrica da BMW, construda em Araquari, no Norte do Estado.

    Graduado e PHD em Engenharia Mecnica pela Universidade Tcnica de Munique, o executivo iniciou a carreira como engenheiro de qualidade na fbrica BMW de Munique, na Alemanha. Depois, trabalhou como lder de projeto na equipe de lanamento de uma nova estru-tura em Leipzig, tambm na Alemanha, e como diretor de montagem final. De 2007 a 2010, foi vice presidente da fbrica BMW em Shenyang, na China.

    A BMW em Santa CatarinaCom uma rea construda de aproximadamente 500

    mil metros quadrados e investimentos de R$ 600 milhes, a fbrica da BMW em Santa Catarina a nica do grupo na Amrica Latina e a 29 unidade fabril da empresa no mundo. A infraestrutura da unidade produtiva contempla as atividades de montagem, soldagem, sistemas de pin-tura e logstica, alm de prdios administrativos e auxilia-res. Da fbrica catarinense, podero sair at 32 mil carros por ano, quantidade que pode ser aumentada no futuro, conforme a evoluo do mercado.

    O projeto prev a contratao de 1,3 mil profissio-nais at o fim de 2015 e a gerao de cerca de 2,5 mil va-gas indiretas, incluindo fornecedores, parceiros de neg-cios e novos concessionrios.

    Julio Cavalheiro/Secom

    Gerald Degen recebeu a

    homenagem do governador

    Raimundo Colombo

    Presidente da BMW no Brasil recebe ttulo de cidado catarinense

  • ANURIO 2015 8

    A regio Sul representa uma das cin-co regies brasileiras estabelecidas pela regionalizao do pas or-ganizada pela Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica, o IBGE. a menor entre as regies brasileiras, com uma rea de 576.409 km e apenas trs estados: Paran, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

    A populao da regio Sul, segundo es-timativas do IBGE de 28.795.762 habitantes, o que totaliza uma densidade demogrfica de quase 50 habitantes para cada quilmetro quadrado. Assim, mesmo sendo a menor re-gio em rea territorial, a terceira maior do pas em nmero de habitantes e a segunda em densidade populacional, atrs somente da regio Sudeste.

    No campo da economia, a regio Sul caracteriza-se pela grande atividade em vrias reas: no setor primrio, sobretudo na agricul-tura, responde por mais da metade da produ-o de gros do Brasil; no setor secundrio, predomina a indstria txtil e de automveis; j o setor tercirio responde pela maior parte da gerao de renda e emprego na regio.

    O relevo da regio Sul quase que total-mente constitudo por planaltos e depresses, alm de uma pequena rea correspondente Plancie da Lagoa dos Patos, no extremo sul. Os planaltos Sul-Rio-Grandense, da Bacia do

    Paran e do Atlntico ocupam uma vasta rea e, entre eles, posiciona-se a depresso inter-planltica da Borda Leste da Bacia do Paran.

    Conhecida por ser a regio mais fria do pas graas aos efeitos da latitude (a regio po-siciona-se abaixo do Trpico de Capricrnio), o clima predominante o subtropical, exceto no norte do Paran, onde o clima o tropical. As estaes so bem definidas e as chuvas atin-gem todo o territrio de forma bem distribu-da ao longo do ano, exceto nas faixas mais ao norte da regio, onde as chuvas concentram-se no vero.

    As limitaes em termos de tamanho de rea territorial no impedem a diversidade sobre os tipos de vegetao no sul do Brasil. A regio conta com as Araucrias e o Pampa, alm de alguns resqucios da Mata Atlntica. na Mata de Araucria, que j foi quase toda devastada, que se encontram algumas rvores tpicas da regio, como o pinheiro-do-paran e a erva-mate. A vegetao litornea conta com a presena de mangues e reas de restinga.

    Na reportagem especial do Anurio 2015 voc poder conferir informaes mais detalhadas e precisas sobre a regio Sul, en-volvendo principalmente os aspectos econ-micos, alm das caractersticas especficas de cada uma das unidades federativas.

    Boa leitura!

    Rua Anita Garibaldi, 425 | Centro | Itaja Santa Catarina | CEP 88303-020 Fone: 47 3344.8600

    DiretorCarlos Bittencourt direcao@bteditora.com.br

    Jornalista responsvel: Anderson Silva DRT SC 2208 JP

    Diagramao:Solange Alves solange@bteditora.com.br

    Contato ComercialRosane Piardi - 47 8405.8776 comercial@revistaportuaria.com.br

    Contato Comercial (agncias)Junior Zaguini - 47 8415.7782

    junior@bteditora.com.br

    CapaArte: Leandro Francisca

    ImpressoImpressul Indstria GrficaTiragem: 30 mil exemplaresA Revista Porturia no se responsabiliza por conceitos emitidos nos artigos assinados, que so de inteira responsabilidade de seus autores.www.revistaportuaria.com.br

    EditorialA fora da regio Sul do Brasil

    Expe

    dien

    te

    Edio Especial Anurio 2015

  • ANURIO 2015 9

    NDICE

    A fora da regio Sul do Brasil

    38

    Santa Catarina polo da construo naval

    Marina de Itaja

    ser um dos destaques

    na rea nutica no Sul do pas

    46

    48

    Complexo Porturio de Itaja

    vai receber investimentos

    de R$ 103 milhes em obras de ampliao

    50

    Santa Catarina

    aposta em polos de

    inovao para fomentar a economia

    54

    44

    Santa Catarina deve se tornar o maior