Revista Crescendo Juntos [32ª Edição]

Download Revista Crescendo Juntos [32ª Edição]

Post on 26-Jul-2016

215 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista Crescendo Juntos [32 Edio]

TRANSCRIPT

  • Uma publicao do Setor de Comunicao do Centro Educacional da Fundao Salvador Arena Tiragem: 2.500 exemplares

    Alunos reprteres e fotgrafos:Caio RentscherErika Brassel OrellanaEverton Martins de SousaFellipe SenaGabriel GradinGiovanna GalindoIngrid TrindadeKarina MotodaLucas YamauchiThais de Godoy Rabelo

    Colaborao (reportagem e fotografia):Fbio SouzaFernanda Hitomi HyodoHelena Cristina SantosLaura Stocco Felicio Wendel Oliveira

    EXPEDIENTEProjeto Grfico: Comunicao - CEFSADiagramao: Wendel OliveiraVerso on-line: Fernanda HyodoFotos: Arquivos do CEFSARedao e Reviso: Srgio MartinsResponsveis: Luiz Henrique Pion Vieira e Helena Cristina

    CENTRO EDUCACIONAL DAFUNDAO SALVADOR ARENA

    Estrada dos Alvarengas, 4.001 Bairro Alvarenga CEP 09850-550So Bernardo do Campo - SP Tel.: (11) 4359-6565www.cefsa.org.brwww.fundacaosalvadorarena.org.br

    Chegamos ao ms de dezembro e estamos prestes a concluir mais uma jornada: o ano de 2015! Porm, an-tes de iniciarmos os preparativos para as comemoraes e para a chegada de um novo ano, extremamente importante que faamos uma avaliao de tudo o que aconteceu ao longo desse perodo que ora se encerra.Se isso verdade no campo pessoal, torna-se ainda mais significativo para instituies de ensino. Para o Colgio Termomecanica e a Faculdade de Tecnologia Termomecanica, unidades educacionais do CEFSA, 2015 foi um perodo extremamente proveitoso, repleto de eventos, realizaes e conquistas, tanto para os profissionais de ensino como para os alunos e familiares. Esta edio da Crescendo Juntos traz uma pequena amostra de tudo o que aconteceu nesse perodo, contemplando os fatos que mais se destacaram neste segundo semestre: a visita do escritor Jlio Emlio Braz a uma de nossas bibliotecas; o megaespetculo Branca de Neve e os Sete Anes, que abrilhantou o palco do Teatro Eng. Salvador Arena, emocionando mais de 18.000 pessoas das mais diversas idades; os shows musicais da Banda Som da Casa, que encantou alunos, funcionrios e familiares; as palestras sobre os mais diferentes temas, dirigidas a alunos do Colgio e da Faculdade; o Torneio de Robtica, que conquistou os alunos do Ensino Fundamental, e muito mais.Vale a pena tomarmos conhecimento de tudo o que de melhor aconteceu em nosso Centro Educacional neste ano. Afinal, para que tenhamos um 2016 com mais realizaes e sucesso, precisamos ter o mximo de informaes sobre este ano que se finda. Essa a proposta de nossa revista.

    Boa leitura.

    EDITORIALColaborao: Srgio Martins

    2 Crescendo Juntos

  • DICAS CULTURAIS

    A Noiva CadverAluna: Giovanna MombelliCurso/turma: 2 Srie do EM - VespertinoDireo: Tim BurtonGnero: animaoSinopse: a animao narra a histria de Victor, um rapaz franzino e um tanto tmido, que s vs-peras de seu casamento decide ensaiar seus votos matrimoniais em uma floresta afastada; acaba, acidentalmente, casando-se com Emily, a noiva cadver. Victor conhece ento o mundo dos mortos e precisa decidir-se entre sua verdadeira noiva, Victoria, ou Emily.

    Exposio Frida Kahlo - Conexes entre mulheres surrealistas no MxicoAluno: Everton Martins de Sousa Curso/turma: PG 5Instituto Tomie OhtakeEndereo: R. Corops, 88 - Pinheiros, So Paulo - SP, 05426-010Telefone: (11) 2245-1900 Horrio de funcionamento: de tera a domingo, das 11h s 20hPreo: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia) e s teras-feiras a entrada franca.Sinopse: a exposio da pintora surrealista Frida Kahlo, que est no Instituto Tomie Ohtake, mostra diversas obras da artista, nas quais ela retrata seus sofrimentos, paixes, emoes e temores. O acervo conta com diversas pinturas de todos os tamanhos da famosa pintora mexicana, exibindo tambm obras de outras pintoras surrealistas daquele pas, que retratam igualmente suas crticas, desejos e sentimentos nas suas obras. Alm dessas atraes, a exposio apresenta amostras das roupas tpicas usadas por Frida, bem como fotos, jornais e diversos itens da histria da pintora.Um passeio cultural muito interessante para ir com amigos nas horas livres! Recomendo!

    ExtraordinrioAluna: Fernanda Letcia da Silva Santos Curso/turma: 9 Ano C EF IIAutora: R. J. PalacioGnero: infanto-juvenilSinopse: O livro conta a histria de um garoto que sofre de uma doena rara, que deixa sua face distorcida. O enredo mostra as dificuldades e desafios do menino para se socializar com os colegas da sala de aula. O mais interessante que a autora foca em vrios aspectos, principalmente na vida dos parentes mais prximos, quando se deparam com algo diferente como essa sndrome. O desfecho da histria, no entanto, acaba por ser encorajador e revigorante.

    FILME

    LOCAL

    LIVRO

    3Crescendo Juntos

  • 4 Crescendo Juntos

    A prtica de esportes tem ocupado cada vez mais espao nas pautas pedaggicas, quando o assunto o desenvolvimento fsico e intelectual dos alunos. Isso porque, alm de contribuir para a melhoria da sa-de das crianas, trazendo inmeros benefcios j conhecidos pela prtica de atividades fsicas, o esporte na es-cola auxilia tambm no desenvolvi-mento individual e social do aluno. Em grupo ou individualmente, cada modalidade esportiva desenvolve no aluno valores distintos: praticando esportes em grupo, como vlei, bas-quete e futebol, as crianas aperfei-oam o esprito de unio, de respon-sabilidade para com as expectativas dos outros, alm de criar a percep-o do valor individual de cada inte-grante para o bom entrosamento da equipe. J nos esportes individuais, como tnis de mesa, natao e atle-tismo, os alunos desenvolvem valo-res como a independncia, a discipli-na, o foco e a percepo da fora do prprio empenho. No Colgio Termomecanica, os es-portes sempre tiveram destaque na formao dos alunos. Alm de ofe-recer aulas no contraturno de vlei, basquete, futsal, futebol de campo, tnis de mesa e atletismo, o colgio disponibiliza aos alunos toda a infra-estrutura necessria para incentiv--los a treinar com afinco: o comple-xo esportivo em suas dependncias conta com quatro quadras de espor-tes, duas cobertas e duas ao ar livre, campo de futebol com dimenses

    Esportes & Escola Colaborao: Fernanda Hitomi Hyodo

    oficiais, alm de duas piscinas, sen-do uma delas semiolmpica. Neste ano, sob a orientao dos professores Wilson Rescigno, Mar-celo Felix, Edneia Bassoli, Gustavo Scarite e Jos de Paulo Lara, nos-sos alunos trouxeram para casa um total de 10 medalhas, sendo 6 de ouro, 2 de prata e 2 de bronze, con-quistadas no Campeonato Circuito Escolar e no Torneio da Federao Paulista de Volleyball.Apesar dos excelentes resultados, as medalhas so apenas uma parte da conquista. Os alunos que partici-pam das equipes esportivas treinam arduamente, aps o horrio de aula,

    durante todo o ano letivo. Alm dos trabalhos escolares e das provas, eles se dedicam tambm ao time e aos treinos, tornando-se campees no dia a dia, na dedicao constan-te nas quadras e nas salas de aula.No existe uma frmula certa para alcanar grandes resultados nos es-portes, mas, com toda a certeza, o Colgio Termomecanica possui os melhores ingredientes: uma boa infraestrutura, alunos dedicados e grandes profissionais.Parabns a todos os alunos e pro-fessores, por toda a dedicao e empenho neste ano repleto de conquistas!

    MODALIDADE

    VEJA A CLASSIFICAO DE NOSSAS EQUIPES:CAMPEONATO CIRCUITO ESCOLAR

    Confira as fotos do campeonato em: www.cefsa.org.br/esportes2015

    FEDERAO PAULISTA DE VOLLEYBALL

    MODALIDADE

    Basquete sub 12 masculino

    Sub 14 feminino

    Basquete sub 14 masculino

    Sub 15 masculino

    Basquete sub 17 masculino

    Futebol Society sub 12 masculino

    Futsal sub 14 masculino

    Tnis de mesa

    Vlei sub 12 feminino

    Vlei sub 17 feminino

    Vlei sub 17 masculino

    CLASSIFICAO

    CLASSIFICAO

    3 lugar (Srie Ouro)

    3 lugar (Srie Ouro)

    Campeo (Srie Ouro)

    Campeo (Srie Prata)

    Vice-Campeo (Srie Prata)

    Campeo (Srie Ouro)

    Vice-Campeo (Srie Ouro)

    4 lugar na classificao geral

    Campeo (Srie Prata)

    Campeo (Srie Ouro)

    Campeo (Srie Ouro)

  • Jlio Emlio BrazVisita Nossa Biblioteca

    Colaborao: Laura Stocco Felicio

    Livro: Pretinha eu?de Jlio Emlio Braz

    Uma biblioteca no pode ser feita s de livros. Sua alma constituda por gente: os profissionais que nela trabalham, os consulentes (ou seja, aqueles que consultam no CEFSA so os alunos, professores e funcionrios) e, por que no? os autores dos livros. Por isso, nossas bibliotecas esto sempre recebendo escritores, como foi o caso do autor Jlio Emlio Braz que, no dia 16 de setembro, visitou a Biblioteca do Ensino Fundamental II para conversar com os alunos dos 6os anos a respeito do livro Pretinha, eu?.

    Em entrevista Crescendo Juntos, Jlio destacou a importncia do contato do au-tor com o leitor: Eu gosto desse conta-to, sem sombra de dvidas! O que me chama ateno o seguinte: apesar do sculo XXI, das tecnologias avanadas, o autor ainda tem um certo fascnio sobre as pessoas (...) Como o autor ainda exer-ce esse fascnio no pblico, esse fascnio pode ser utilizado como uma maneira de incentivar a leitura.Nesse sentido, a biblioteca, inserida no meio educacional, tem o papel funda-mental de mediar esse contato como for-ma no apenas de auxiliar no processo de ensino-aprendizagem, mas de estabelecer um eixo cultural que conecta os leitores a discusses externas ao ambiente escolar. A apropriao do saber se torna, dessa ma-neira, estritamente vinculada ao estmulo do senso crtico. Um exemplo disso foi a atividade planeja-da pela coordenao pedaggica do CEFSA em parceria com a biblioteca, colocando a questo do preconceito racial como pauta da discusso, contedo vinculado ao plane-jamento de Lngua Portuguesa e aos temas transversais (Parmetros Curriculares Nacio-nais). Em conversa com os alunos, o autor de Pretinha, eu? revelou os motivos que o fizeram escrever o livro e destacou: Eu falei com eles que uma coisa triste que esse livro no novo; ele tem mais de 20 anos e o preconceito ainda um assunto atual. Segundo ele, h um recrudescimen-to do preconceito racial e religioso, alm do

    crescimento da intolerncia.Ao final da conversa, Jlio ressal-tou que a leitura uma forma de adquirir autoestima e estabelecer conquistas; o contato do autor com os alunos seria uma alterna-tiva para transformar a educao no Brasil. A verdadeira revoluo se faz pela educao!, finaliza.Com certeza, aps esse contato com o autor, os alunos tiveram uma viso bem mais ampla e aprofundada do livro que leram e das ideias nele contidas.

    5Crescendo Juntos

    Jlio Emlio Brazem um bate-papo com os alunos do CEFSA

  • Mais de 18 mil espectadores assis-tiram ao espetculo musical Bran-ca de Neve e os Sete Anes no Teatro Engenheiro Salvador Arena, durante o ms de setembro. Foram 30 sesses gratuitas apresentadas a um pblico formado por alunos e colaboradores do Centro Educa-cional da Fundao Salvador Are-na, da empresa Termomecanica So Paulo S. A., participantes de entidades sem fins lucrativos par-ceiras da Fundao Salvador Arena e estudantes da rede municipal de ensino da cidade de So Bernardo do Campo. A iniciativa, que faz parte de um projeto da FSA visan-do promoo do acesso cul-tura e educao de qualidade na regio, integrou as comemoraes do centenrio de nascimento do Engenheiro Salvador Arena.Branca de Neve um dos contos de fadas mais conhecidos no mun-do todo. A maioria das crianas - e adultos tambm - j leu, ouviu fa-lar ou assistiu singela histria da bela e inocente princesa que per-seguida pela cruel e invejosa rai-nha. Mistrio, magia e encanto so os elementos bsicos do conto. E quando essa histria encenada por um elenco de primeira apoiado

    Texto: Fbio SouzaEntrevistas: Karina Motoda e Giovanna Galindo

    pelos mais modernos recursos au-diovisuais, ela se torna ainda mais emocionante. Foi por isso que a crianada que assistiu a esse espe-tculo se envolveu completamen-te, assim como muitos idosos que chegaram a chorar de emoo, ao ver uma pea de teatro to bem montada pela primeira vez. Branca de Neve foi, sem dvida, uma das mais espetaculares apre-sentaes j vistas no Teatro En-genheiro Salvador Arena. Tudo foi

    grandioso: o cenrio, o figurino, as msicas, os efeitos especiais (inclu-sive com neve e bolhas de sabo), enfim, uma superproduo que certamente ficar na memria das crianas, jovens e adultos que na plateia se entusiasmaram com o antigo, mas inesquecvel conto de fadas.Reinaldo Nunes, educador do Corpo de Patrulheiros Mirins da cidade de Santo Andr, acompanhou um gru-po de mais de 200 crianas durante o

    Eu no imaginava que fosse me divertir tanto. Deu vontade

    de subir no palco e voltar outras vezes.

    6 Crescendo Juntos

  • espetculo e, ao final, fez o seguin-te relato: Vi meus alunos vibrarem na plateia e no tem sensao me-lhor que essa, principalmente por-que a gente sabe que nem todos tm esse tipo de oportunidade e podem passar a vida sem ir ao te-atro.A aposentada Terezinha Buzo, atendida pela Casa dos Velhinhos Dona Adelaide, de So Bernardo do Campo, conta como foi a ex-perincia de assistir a uma pea de teatro pela primeira vez, aos 75 anos. Eu no imaginava que fosse me divertir tanto. Deu vontade de subir no palco e de voltar outras vezes. Fico muito agradecida pela oportunidade oferecida a mim e aos meus colegas, disse logo aps assistir a uma das sesses da pea.A atriz Vanessa Ruiz, que interpre-tou a protagonista da histria, a personagem Branca de Neve, fala da importncia do incentivo ao teatro, principalmente no perodo escolar: Esse tipo de iniciativa aju-da a contar os desafios do teatro.

    Os interessados na rea precisam saber que a vida de um artista no s no palco, que precisa de muito estudo e dedicao. Quando soli-citada a falar sobre os desafios de apresentar uma pea infantil, Va-nessa respondeu que as crianas entram na histria desde o incio e isso tambm ajuda a dar ainda mais vida ao personagem. Os adul-tos precisam ser conquistados aos poucos, mas tambm se rendem fico. O teatro isso: uma troca entre o elenco e a plateia.O espetculo Branca de Neve en-trou para a histria da Fundao Salvador Arena, que procura pro-mover atividades culturais sema-nalmente para o pblico atendido pelo Centro Educacional e/ou para a comunidade local. uma opor-tunidade para os alunos, que tm uma formao mais completa, j que proporciona inmeras ativida-des extracurriculares, e para a co-munidade local, que tem acesso cultura de qualidade e no precisa pagar nada por isso.

    7Crescendo Juntos

    Cenas do espetculo teatral Branca de Neve e os Sete Anos, no Teatro

    Eng. Salvador Arena

  • Para os historiadores, 1915 no representa nenhum marco histrico relevante. Nesse ano, o mundo, es-pecialmente a Europa, experimen-tava os mais tenebrosos horrores da I Guerra Mundial; Albert Einstein publicava sua teoria da relatividade geral, e no Brasil, sob o governo de Venceslau Brs, era sancionado o primeiro Cdigo Civil.

    Mas, para ns, um fato aparente-mente banal adquire uma importn-cia histrica imensa: o nascimento de um menino na Lbia, na poca, colnia italiana, no dia 12 de janeiro. Seu nome: Salvador Arena. Acom-panhando seus pais, que emigram para o Brasil, esse menino cresce, forma-se engenheiro, inicia sua prpria empresa e se transforma num dos maiores empreendedores da histria econmica de nosso pas.

    8 Crescendo Juntos

    Colaborao: Ingrid Trindade Mendes, Caio Hernan...