Revista Crescendo Juntos [19ª Edição]

Download Revista Crescendo Juntos [19ª Edição]

Post on 07-Mar-2016

230 views

Category:

Documents

7 download

DESCRIPTION

Revista Crescendo Juntos [19 Edio]

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Dezembro/2011 - Edio n 19 - Ano VI</p><p>FTT - 1. Lugar do ABC Termomecanica:Conquista em dobroCEFSA - A concretizao </p><p>de um sonho</p></li><li><p>Caro leitor:</p><p>Crescendo JuntosUma publicao do Setor de Comunicao do </p><p>Centro Educacional da Fundao Salvador Arena Tiragem: 2.500 exemplares</p><p>COLABORADORES DA EDIO N 19Reprteres e fotgrafos: Beatriz de Alcntara Arajo, de PG 2Karina Bonilha Roque, da 1 Srie ESilvio Sousa Cabral, de ADS 2Thas de Jesus Batista, da 3 Srie G</p><p>Diagramao: Helena CristinaCapa: Cesar Passaretti Verso online: Fernanda HyodoFotos: arquivos do CEFSA/SXC/GoogleRedao: Srgio MartinsReviso: Nilza Banhato Dimambro e Srgio MartinsResponsveis: Luiz Henrique Pion Vieira e Helena Cristina</p><p>CENTRO EDUCACIONAL DA FUNDAO SALVADOR ARENAEstrada dos Alvarenga, 4.001 - Bairro Alvarenga - CEP 09850-550 So Bernardo do Campo - SP Tel: (11) 4359-6565 - Fax: (11) 4359-6577</p><p>www.cefsa.org.br www.fundacaosalvadorarena.org.br crescendojuntos@cefsa.org.br</p><p>2 :: Crescendo Juntos :: DEZEMBRO/2011 ::</p><p>EDITORIAL</p><p> Chamou a ateno de um jornalista norteamericano uma frase estampada num cartaz, logo na entrada de uma academia: Tudo, menos car parado! (Anything, but stand still!) Foi a inspirao que ele </p><p>precisava, para escrever um artigo sobre a necessidade de continuarmos </p><p>evoluindo incessantemente, em todos os sentidos.</p><p> Pois bem, nossa revista Crescendo Juntos, segue esse preceito. Comeou, anos atrs, como um simples jornal mural, que era colocado nos quadros de avisos e nas salas de aula. Tempos depois, passou a ser um jornalzinho, de pequeno formato, mas que j era distribudo a todos os alunos. Em seguida, transformou-se numa revista colorida, tambm distribuda a todos os que fazem parte do nosso Centro Educacional. E agora, alm de continuar sendo editada em papel, transformou-se </p><p>tambm em revista online, ou seja, qualquer pessoa que tenha acesso Internet pode ler suas matrias, da edio atual ou de anteriores. Basta clicar em www.cefsa.org.br/crescendojuntos/. Nesta edio, a ltima de 2011, procuramos manter o mesmo </p><p>padro de qualidade j consagrado por nossa revista, sempre com o propsito de transmitir a nossos leitores tudo o que acontece de mais </p><p>importante no Centro Educacional da Fundao Salvador Arena. De forma didtica e instrutiva, como deve ser um instrumento de comunica-o de uma instituio educacional. O leitor ter oportunidade de saber </p><p>sobre os eventos realizados no CEFSA e sobre os projetos desenvolvidos no Colgio Termomecanica e na Faculdade de Tecnologia Termomeca-nica; aumentar seus conhecimentos sobre nutrio, sade, Histria, Lngua Portuguesa e outros assuntos; enm, car a par dos aconte-cimentos que dizem respeito nossa realidade e conquistar mais conhecimento e sabedoria, algo que a boa leitura (em papel ou online) pode proporcionar. Como estamos no nal de mais um ano, s nos resta desejar a todos </p><p>os nossos leitores boas festas e um ano novo repleto de perspectivas e </p><p>realizaes. Tudo de bom para todos. Tudo, menos car parados!</p><p>Bom divertimento a todos.</p><p>Srgio Martins</p><p>A primeira edio da Revista susTMtabilidade conta com a colaborao dos alunos do Colgio Termomecanica e com a orientao dos professores.A revista tem como objetivo discutir sobre um tpico de destaque na atualidade: a Sustentabilidade Ambiental.</p><p>Acesse o link abaixo para visualizar a 1 edio online:www.cefsa.org.br/sustmtabilidade</p></li><li><p>Crescendo Juntos :: DEZEMBRO/2011 :: 3</p><p>BIBLIOTECA</p><p>Colaborao: Maria Carolina Leite Navarro (Infoeducadora)</p><p>Colaborao: professoras do Nvel V e 1 Ano</p><p>Colaborao: Maria Carolina Leite Navarro (Infoeducadora) e Andra, Ana Lcia, Margarete e Elizabeth (professoras do 1 Ano)</p><p> Vinte e um de setembro uma data muito especial no calendrio brasileiro: em todo o Pas comemora-se o Dia da rvore. A data foi escolhida por ser prxima do incio da primavera, a estao em que os vegetais reorescem e as ores aparecem em maior quantidade. Essenciais para a vida, as rvores no s embelezam o planeta; elas tambm fornecem o oxignio que respiramos, do sombra e frutos, mantm a umidade do ar, servem de abrigo para os animais e oferecem a madeira para nossas necessidades. Pensando na importncia dessa data, as bibliotecas do CEFSA realizaram diversas atividades relacionadas ao tema. Os alunos da EI e do 1 Ano realizaram uma visita ao bosque, onde tiveram a oportunidade de ouvir histrias, debaixo da sombra fresca de uma rvore. Nas bibliotecas do EF I, EF II e EM/FTT, foram expostos alguns materiais sobre o Dia da rvore, para que os alunos pudessem analisar e aprofundar ainda mais seus conhecimentos sobre o tema.</p><p> A alimentao saudvel uma grande aliada nossa, permitindo que </p><p>vivamos mais e melhor. Quem tem preocupao com a sade, no pode deixar de escolher cuidadosamente seus alimentos. Atualmente, vivenciamos um perodo de grande transio alimentar: deixamos de consumir alimentos naturais e passamos a dar preferncia aos industrializados, com conservantes, aromatizantes, agrotxicos etc., princi-palmente por causa da correria da vida moderna e das propagandas. Mas anal, quem que no gosta de comer? Sem dvida, comer muito </p><p> O que a criana mais gosta de fazer se envolver em brincadeiras e jogos. sua forma de representar e conhecer o mundo. Brincar algo que se ensina, ou seja, uma aprendizagem social, uma maneira que as crianas tm de produzir cultura. Em suma, a forma de expresso da infncia por excelncia. Por isso, os alunos, especialmente os da Educao Infantil, precisam ter horas destinadas ao ato de brincar, durante o perodo em que cam na escola. Na semana da criana, no poderia ser diferente! Os alunos tiveram a oportunidade </p><p>21 de Setembro, Dia da rvore</p><p>Laboratrio de Alimentos</p><p>bom, mas precisamos fazer uso de alimentos saudveis. Por isso, o tema alimentao est presente em todas as etapas da formao escolar e parte essencial na formao de hbitos e atitudes saudveis.</p><p> Foi com esse objetivo que as </p><p>professoras apresentaram aos alunos do 1 Ano do EF I a pirmide alimentar, que mostra quais alimentos devem ser ingeridos em maior ou menor quantidade, lembrando que quanto mais </p><p>colorido o nosso cardpio ou nosso prato, mais rico em vitaminas e nutrientes ele ser.</p><p>Visita ao </p><p>de participar de momentos especiais, dedicados e planejados com muito carinho por toda a equipe do colgio. Vrias atividades ldicas e culturais zeram parte dessa comemorao, que procurou integrar nossos alunos com atividades interativas, tais como brincadeiras na piscina, caa ao tesouro, apresentao musical com o grupo Batucantantes e lanches especiais. Os alunos se divertiram pra valer, brincaram o tempo todo, enm, zeram aquilo que todas as crianas deveriam ter direito de fazer, no dia dedicado a elas.</p><p>No existe na criana uma brincadeira natural; a brincadeira um processo de relaes inter-</p><p>individuais, portanto, de cultura (Gilles Brougre).</p></li><li><p>Colaborao: Milena Medeiros de Andrade e Ins Tezoni Pellegrino</p><p>Colaborao: Ins Tezoni Pellegrino</p><p>4 :: Crescendo Juntos :: DEZEMBRO/2011 ::</p><p>A Industrializao da Regio Sudeste e a Participao da Termomecanica</p><p>CDMR</p><p>BIBLIOTECA</p><p> Durante as aulas de Geograa, supervisionadas pelo professor </p><p>Mrio, os alunos do 7 Ano do EF II realizaram uma pesquisa sobre a </p><p>industrializao da Regio Sudeste do nosso Pas e a participao da </p><p>Termomecanica S. A. nesse processo, como parte do contedo do 3 </p><p>trimestre.</p><p> Com esse trabalho, eles tiveram oportunidade de conhecer </p><p>melhor a empresa Termomecanica So Paulo S. A., a histria do seu </p><p>fundador, Eng Salvador Arena, e as aes sociais da Fundao </p><p>Salvador Arena. As pesquisas foram feitas em livros, artigos de </p><p>revistas, vdeos e materiais de divulgao da instituio, disponveis </p><p>no CDMR. </p><p> Salvador Arena era um homem de viso e cheio de ideias novas sobre possveis mudanas no ensino do Brasil. Com este pensamento, plantou, em 1989, a semente do Projeto Escola Termomeca-nica, comeando com apenas 140 alunos num pequeno espao, na Av. Caminho do Mar. Investiu pesado desde o incio, porque sabia que o futuro se encarregaria de proporcionar os frutos de seu ideal. O Projeto Escola evoluiu, tornou-se um Centro Educacional, ocupando um espao de 131.000 m, com 2.427 alunos da Educao Infantil ao Ensino Superior, e contando com um ensino de excelncia, que se destaca em mbito nacional. Parabns ao Centro Educacional da Fundao Salvador Arena, pelos 22 anos de conquistas e crescimento contnuo.</p></li><li><p>Crescendo Juntos :: DEZEMBRO/2011 :: 5</p><p>TERMOMECANICA</p><p>Colaborao: Luiz Henrique Pion Vieira</p><p>MEIO AMBIENTE</p><p> As crianas de hoje podem ser muito espertas em informtica, mas </p><p>muitas delas sabem pouco sobre a origem daquilo que comem e das roupas que vestem. Muitas vezes, elas no aceitam bem os alimentos </p><p>do dia-a-dia oferecidos pelos pais ou, na hora de comer, cam </p><p>separando no prato o que encontram de verduras e legumes. Assim sendo, as mes precisam usar a criatividade para disfarar alguns </p><p>alimentos e, muitas vezes, recorrem aos industrializados (sucos, </p><p>iogurtes, hambrgueres, nuggets, sopas, biscoitos etc.) que geralmente trazem na embalagem a seguinte informao: ricos em </p><p>vitaminas e sais minerais. Ento perguntamos: ser que vale a pena </p><p>oferecer esse tipo de alimento?</p><p> Ao terem a oportunidade de apropriar-se de conhecimentos bsicos sobre a agricultura, importante que os alunos saibam que a </p><p>produo agrcola no se restringe a oferecer apenas vegetais, carne e </p><p>leite. O cultivo do solo, por parte dos diversos segmentos do setor </p><p>agrcola, tambm pode produzir matrias-primas para a indstria de </p><p>alimentos, de vesturio e de calados, entre outras.</p><p> Neste semestre, durante as aulas de Agricultura, os nossos alunos </p><p>do 3 ao 5 Ano do EF I tiveram a oportunidade de frequentar o </p><p>Laboratrio de Alimentos, para tomar conhecimento das etapas de </p><p>processamento dos derivados do leite, da produo de doce de leite e </p><p>da industrializao do suco de laranja. Entre outros objetivos, ressalta-mos a importncia de se conhecer os procedimentos prticos </p><p>necessrios industrializao dos alimentos, bem como estimular o </p><p>hbito e a valorizao dos alimentos saudveis, evitando o consumo </p><p>excessivo de produtos industrializados. Com orientaes dos tcnicos de laboratrio Leonardo e Claudei, </p><p>os alunos puderam compartilhar momentos de socializao, de desco-bertas e de aprendizagem, que certamente caro guardados em suas </p><p>memrias para sempre. </p><p>A Agricultura e a Indstria de Alimentos Colaborao:professor Gilberto Ribeiro e professora Mrcia Lima</p></li><li><p>6 :: Crescendo Juntos :: DEZEMBRO/2011 ::</p><p>ESPORTE</p><p> Seu nome Andr Luiz Ferreira Jnior. Ele aluno do Colgio Termomecanica, estuda na 3 Srie do Ensino Mdio, tem 17 anos de idade e um timo aluno. At aqui, nenhuma novidade! S que nosso </p><p>Andr tambm um campeo num esporte que se torna cada dia mais </p><p>popular em nosso Pas: o vlei.</p><p> Numa conversa descontrada, que tivemos com ele, Andr nos </p><p>contou que, desde pequeno, j demonstrava gosto por esse esporte: </p><p>na sala de sua casa, usando cadeiras, como se fossem rede, e balo de festa, ele disputava partidas de vlei com seu irmo. Mas foi nos </p><p>treinos de educao fsica do Colgio, que os professores Everton e </p><p>Marcelo despertaram seu interesse pelo vlei. Ele menciona principal-mente o apoio que recebeu do professor Marcelo, o qual, embora </p><p>fosse muito exigente, ensinou-lhe muita coisa e contribuiu decisiva-mente para que ele se destacasse como atleta. </p><p> Andr no deixa de reconhecer, tambm, o importante apoio que </p><p>recebe de sua famlia, que sempre investiu nele e nunca deixou que </p><p>nada lhe faltasse. No entanto, algumas pessoas duvidaram de sua </p><p>capacidade e impuseram-lhe barreiras, com citaes e comentrios </p><p>nada construtivos. Porm, nosso garoto de ouro nunca se deixou </p><p>vencer por isso e arma que esses obstculos, ao invs de derrub-lo, </p><p>serviram como incentivo para melhorar cada vez mais.</p><p> Um fator de extrema importncia para ele a convivncia com os </p><p>outros atletas, pois com eles aprendeu, alm das tcnicas do esporte, a importncia da fora de vontade, da competitividade e da coopera-o mtua. E a estrutura da escola ajudou muito, principalmente </p><p>porque o vlei ocupa lugar de destaque na instituio e todos os </p><p>recursos so oferecidos aos alunos. Entre os trofus e medalhas conquistadas, Andr destaca os </p><p>seguintes: 1 lugar na Copa Vivax e 1 e 3 lugares na Federao </p><p>Paulista de Vlei, em 2005; 1 lugar na Copa Vivax e 1 e 3 lugares na </p><p>Federao, em 2006; 2 lugar no Campeonato Pr-Olmpico de Vlei e </p><p>1 lugar no Colegial So Paulo, em 2007; 1 lugar no Festival Salesianos </p><p>e nos Jogos da Cidade e 3 lugar na Federao Paulista, em 2008; 1 </p><p>lugar na Liga Paulista de Vlei e no Campeonato Municipal de So </p><p>Paulo e 4 lugar na Federao Paulista, em 2009; 1 lugar no Circuito </p><p>Escolar e nos Jogos da Primavera, 2 lugar no Campeonato Municipal </p><p>de So Paulo e na APV, e 4 lugar no Pr-Olmpico de Voleibol, em </p><p>2010; e neste ano de 2011, 1 lugar nos Jogos Regionais, categoria </p><p>adulto, e no Campeonato Brasileiro de Selees, 2 lugar nos Jogos </p><p>Abertos da Juventude e 8 lugar na Copa Revelao. No pouca coisa </p><p>para um jovem de apenas 17 anos, que tem uma vida toda pela frente.</p><p>Nas quadras ou na sala de Aula,</p><p>Campeo Campeo!Colaborao: Srgio Martins</p><p> Quanto ao futuro, nosso campeo arma que pretende manter </p><p>o esporte como um dos focos de prosso para sua vida, mas sabe </p><p>que, para isso, deve se esforar ainda mais, evoluindo sempre. Ele </p><p>acrescenta que j pensou em desistir, mas quando olha as conquis-tas que obteve, conclui que um futuro de surpresas pode estar </p><p>sua espera e, por isso, continua jogando vlei, como hobby e </p><p>objetivo de vida.</p><p> Para concluir, Andr nos deixa uma frase que ele mesmo criou: Con-ana, ousadia e raa, sempre! Se no presente voc no tiver a ousadia de </p><p>tentar, como no futuro ter a sensao de ser um vencedor?</p></li><li><p>Crescendo Juntos :: DEZEMBRO/2011 :: 7</p><p>ARTE E CULTURA</p><p> Durante o ms de outubro, o Teatro Eng Salvador Arena teve a honra de apresentar em seu palco o espetculo Peter Pan, uma mega produo que divertiu, surpreendeu e emocionou a todos </p><p>com as imagens em 3D, o cenrio impecvel e os recursos de levitao, que levaram as crianas ao delrio, ao fazer com que os personagens voassem de verdade. O espetculo tem mais de 180 gurinos, quatro cenrios giratrios principais e 15 </p><p>trocas de palco. Em cena, 27 atores se revezam para dar vida a 40 personagens. Os dilogos e as msicas, que so apresentadas ao vivo, foram </p><p>CJ Como vocs se identicam com as suas respectivas personagens? Vocs concordam com a losoa de vida do Peter Pan, de que ns devemos ser crianas eternamente, independentemente da idade?Ivan Parente Eu gosto muito da histria, ela incrvel. Acho que devemos realmente guardar um pouco da criana em ns, porque crescemos, crescemos, amadurecemos muito e crescem tambm as responsabilidades. Mas no fundo, eu penso que devemos guardar essa essncia de criana, que simples, verdadeira!</p><p>CJ E voc, Matheus, se identica com o Michael? Voc se parece com ele?Matheus Pareo. Eu tenho a cara dele! (risadas).</p><p>CJ O que vocs tiram de experincia para a prpria vida, principalmente para a carreira?Luana Martins muito gostoso ser o heri; voc v todo mundo torcendo pra voc, contra o Gancho, gritando, o mais legal; ser o heri, centro d...</p></li></ul>