revista abinee 62

Download Revista Abinee 62

Post on 14-Mar-2016

234 views

Category:

Documents

15 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Está disponível a versão eletrônica da Edição 62 da Revista ABINEE, que destaca na capa matéria sobre a realização da Copa do Mundo no Brasil em 2014, que, após ser considerada uma possibilidade de alavanca para a promoção de melhorias na infraestrutura do país, torna-se a cada dia um motivo de preocupação, devido aos atrasos em obras, aos orçamentos inflados e à utilização de dinheiro público. Exemplos para estas preocupações estão na Grécia e em Portugal, que contraíram dívidas com a realização da Olimpíada de Atenas e da Eurocopa de 2004, respectivamente, o que exacerbou o processo de deterioração da economia dos dois países. A revista destaca, também, entrevista com o agente fiscal de rendas Otávio Fineis Júnior sobre os impactos da guerra fiscal no setor industrial. O economista Antonio Corrêa de Lacerda analisa a política cambial brasileira na coluna Livre Opinião.

TRANSCRIPT

  • Associao Brasileira daIndstria Eltrica e EletrnicaAno XIII - No 62 - julho/2011

    2014Um Jogo Arriscado

    entrevista: Otvio Fineis Jnior

    Guerra fiscal pode sucatear indstria

    Editorial | Ousar para mudar | Pag. 8

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 2

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 3

    Publicao bimestral da associao brasileira da indstria eltrica e eletrnica - abinee

    Julho de 2011 - nmero 62

    ndice

    Conselho editorialhumberto barbato

    drio bamPaFabin Yaksic

    carlos cavalcanti

    editorJos carlos de oliveira - mtb 12.723

    zecarlos@abinee.org.br

    redaoJean carlo martins - mtb 48.950

    revisorosngela dariva

    Fotosarquivo abinee

    Produo GrFiCamorganti Publicidadetel.: 11 2083.6770

    www.morganti.com.br

    imPresso e CtPduograF

    tiraGem 7.000 exemPlares

    as corresPondncias Para a revista devem ser encaminhadas redao via correio ou e-mail. ao editor reservado o direito de Publicao de Parte ou ntegra da carta.

    autorizada a reProduo dos textos Publicados nesta edio desde que citada a Fonte ou autoria. as oPinies exPressas nas matrias so de inteira resPonsabilidade de seus autores.

    assoCiao Brasileirada indstria eltriCa e eletrniCa

    av. Paulista, 1313 - 7 andar - 01311-923Pabx: 55 11 2175.0000 - Fax: 55 11 2175.0090

    www.abinee.org.br

    editorialOusar para mudar

    Pgina 8

    entrevistaOtvio Fineis JniorGuerra fiscal pode sucatear indstriaPgina 10

    livre opinioAntonio Corra de Lacerda Como sair da armadilha cambial brasileiraPgina 41

    meio ambienteImpactos do Cdigo Florestal na indstria eltrica e eletrnica

    Pgina 26

    portaria 371 Regulamentao para eletrodomsticosPgina 24

    reunio plenria2014: Um Jogo

    ArriscadoPgina 14

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 4

    em foco

    Opresidente da Abinee, Humberto Barbato, recebeu, no dia 6 de julho, o recm-empossado vice-presiden-te Snior da NEC Corporation, Takayuki Morita, encarregado dos negcios da em-presa fora do Japo.

    Dentre os tpicos da reunio, o exe-cutivo falou sobre os projetos da empre-sa de redes eltricas inteligentes - smart energy - e de armazenamento de energia em baterias de on de ltio.

    Empresa apresenta projeto de redes eltricas inteligentes

    das redes. Da mesma maneira, avanos no desenvolvimento de geradores baseados em energias renovveis (elica, solar, geotrmi-ca, ondas/oceanos etc) j colaboram para uma malha de energia mais limpa, princi-palmente em pases desenvolvidos. Mas o grande desafio ainda est em conciliar os benefcios diretos e indiretos gerados pelas inovaes tecnolgicas a um modelo de ne-gcio sustentvel, capaz de absorver e re-tornar o investimento em um prazo vivel financeiramente, disse.

    O executivo informou que, baseados na escala e inovao das baterias de on de Ltio chega-se a uma rea importante para as redes eltricas inteligentes, o armaze-namento eficiente de energia. Atualmen-te, demanda e consumo devem caminhar juntos e a concessionria, desde a gera-o, estabelece o quanto ser produzido em funo dos gastos previstos para aque-le momento, afirmou. Segundo ele, com sistemas de armazenamento de energia, alm de absorver um excedente da produ-o eltrica, as baterias ainda podem atuar de forma a devolver energia para a rede quando necessrio, alm de contribuir na melhoria da qualidade do fornecimento de energia realizando entre outros, supresso de picos e regulao da frequncia.

    Distribudos por toda rede, desde a ge-rao at o consumo, passando pela trans-misso e distribuio, esses sistemas de armazenamento eltrico podem alimen-tar residncias, comrcios e indstrias em caso de falhas na rede eltrica, concluiu.

    Segundo Morita, quando se fala de redes eltricas inteligentes, tenta-se enderear, atravs da tecnologia, muitos dos proble-mas enfrentados pelas concessionrias el-tricas. Contudo, tecnologia da Informao, h muito tempo permeia o setor eltrico no sentido de aumentar o controle e eficincia

    http://twitter.com/abineeAcompanhe a Abinee pelo twitter

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 5

    Em 12 de julho, a Abinee recebeu mem-bros do ITI - Information Technology Industry Council -, entidade sediada nos Estados Unidos que atua na discusso ampla da organizao e desenvolvimento do setor de tecnologia da informao em todo o mundo.

    Recebidos por diretores, gerentes e assessores da Abinee, os visitantes, lide-rados pela Diretora de Polticas Globais do ITI, Maria Medrano Alonzo, puderam conhecer pontos da atuao da entidade na defesa dos pleitos de suas associadas.

    O destaque ficou por conta do inte-resse dos membros do ITI em conhecer as atividades da Abinee em relao s discusses da Poltica Nacional de Resdu-os Slidos (PNRS), e, em particular, sobre a Logstica Reversa e Destinao Final dos produtos eletroeletrnicos.

    Abinee apresenta status da PNRS a membros do ITI

    Os representantes da Abinee esclare-ceram que, aps a entrada em vigor da PNRS, no ano passado, teve incio uma s-rie de debates e reunies, objetivando sua regulamentao e envolvendo o governo, a indstria, o comrcio e os recicladores.

    Esclareceu-se que, neste momento os grupos de trabalho (GTT), entre eles o do setor eletroeletrnico, do qual a Abinee a relatora, esto elaborando seus modelos de recolhimento e destinao, e que esses modelos sero entregues ao governo para elaborao do documento nico, que de-ver estar pronto at o final deste ano.

    Outro tema de interesse do ITI foi o re-lacionamento da Abinee com a ANATEL e com o INMETRO. Neste item os represen-tes da Abinee deixaram claro o bom trn-sito com os dois rgos, o que tem facili-tado a defesa dos pleitos do setor.

    Ovice-presidente da Abinee, Antonio Hugo Valrio, recebeu, no dia 17 de junho, a visita do presidente da Korea Electrical Manufacturers Association (KOEMA), Sechang Chang, e do diretor da rea de negcios da entidade, Byung Park.

    O motivo da reunio foi estreitar rela-es entre as duas associaes representa-tivas da indstria, como parte do acordo de cooperao mtuo assinado em 2006.

    Na oportunidade, Hugo Valrio apre-sentou aos visitantes a atual situao do setor eltrico no contexto do mercado bra-sileiro, mostrando o interesse do Brasil em atrair investimentos produtivos.

    Por sua vez, o presidente da KOEMA dei-xou o convite para associadas da Abinee

    Abinee e KOEMA atualizam acordo de cooperao

    visitarem a Seoul International Electric Fair 2011, que acontece de 28 de setembro a 1 de outubro deste ano.

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 6

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 7

    Odiretor da rea de Responsabilidade Socioambiental da Abinee, Andr Lus Saraiva, recebeu, em 14 de ju-lho, o diretor da Apemeta - Associao Por-tuguesa de Empresas de Tecnologias Am-bientais -, Jos Costa, e Raquel Verssimo, do Departamento de Projetos da entidade, para troca de experincias sobre os proces-sos de logstica reversa e destinao final de resduos slidos nos dois pases.

    Saraiva apresentou detalhes do atual estgio e o posicionamento da indstria eltrica e eletrnica perante a Poltica Na-cional de Resduos Slidos (PNRS), que se encontra em fase de regulamentao.

    Por sua vez, Jos Costa, apontou o ob-jetivo principal da Apemeta, de apoiar a atividade empresarial no setor ambiental, promovendo aes e disponibilizando con-sultoria, informao tcnica, formao pro-fissional aos seus associados.

    Ao final do encontro, que contou com

    Associao portuguesa de tecnologias ambientais prope parceria

    a presena dos membros da Eletros, Luiz Alberto Zanardi e Angelo Wagner Merlo, as entidades decidiram preparar um pro-tocolo de colaborao mtua, a ser assina-do em breve, prevendo a continuidade de troca de experincias, com a realizao de workshops nos dois pases.

    Luiz Alberto Zanardi, Angelo Wagner Merlo, Andr Saraiva, Raquel Verssimo e Jos Costa

    em foco

    Ofaturamento da indstria eletroe-letrnica em 2011 dever ser de R$ 134,5 bilhes, 8% acima de 2010, segundo dados da Abinee. A expecta-tiva anterior da entidade era de cresci-mento de 11%, com faturamento de R$ 138,6 bilhes. Com exceo da rea de Material Eltrico de Instalao, que de-ver se manter estvel, as demais re-as esperam crescimento que variam de 2% (Utilidades Domsticas) a 14% (Tele-comunicaes). No entanto, continua a preocupao com a valorizao do Real, cujos efeitos sobre a indstria tm sido perversos.

    Abinee rev previso de faturamento do setor

    O mercado interno dever continuar como o elemento dinmico para a atividade do setor uma vez que as exportaes no devero reagir nos prximos meses diante da perspectiva de manuteno da poltica cambial. Por sua vez, as importaes deve-ro manter a trajetria de crescimento ga-nhando espao no mercado interno.

    De acordo com as empresas, entre os principais fatores que preocupam esto a elevao das taxas de juros, a valorizao do Real frente ao Dlar, o aumento da infla-o, a concorrncia com produtos importa-dos - principalmente chineses - e incertezas quanto ao rumo da economia mundial.

  • Revista Abinee n 62 | julho/11 | 8

    Humberto Barbato, presidente da Abinee

    editorial

    Ousar para mudarAo completar sete meses de man-dato, o governo da presidente Dil-ma Rousseff se v num emaranha-do de velhas questes - muitas de-las herdadas do governo anterior -, ao mes-mo tempo em que novos desafios surgem espreita.

    No aspecto poltico, o que temos assisti-do, que o pas continua claudicando, con-vivendo com as turbulncias que marcaram o passado recente. Este quadro desgastante e repetitivo - incluindo os mesmos persona-gens de outrora - gera grande perda de tem-po e de esforos, enquanto questes impor-tantes para o desenvolvimento do pas ficam relegadas ao segundo plano.

    S para citar uma situao de descaso, neste momento