revista 72

Download Revista 72

Post on 28-Mar-2016

237 views

Category:

Documents

17 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 2 3Revista Mdico Ed. EpecialNovembro / Dezembro 2009

    MEDICINA DO ESPORTE PROGRAMA MEDICINA ORTOMOLECULAR

    BRASLIA-DF

    1 TURMA EM BRASLIA, 20 TURMA NO BRASIL

    25 e 26/04/09, prevalecendo posteriormente sempre o 4 fim de semana de cada ms.

    1 TURMA EM BRASLIA, 17 TURMA NO BRASIL

    25 e 26/04/09, prevalecendo posteriormente sempre o 4 fim de semana de cada ms.

  • 2 3Revista Mdico Ed. EpecialNovembro / Dezembro 2009

    Editorial

    O Sindicato dos Mdicos completa nesta edio, 30 anos de um intenso convvio com a classe mdica, transformando, neste perodo, os destinos da Medicina de Braslia. Em trs dcadas, a capital federal construiu uma reputao de destaque no cenrio nacional, ao mesmo tempo em que o SindMdico/DF se consolidou como o maior sindicato mdico do pas em efetividade. Coincidncia? Seguramente no. Tanto que ao longo dessa trajetria, enumeramos 30 bons motivos que fazem do compromisso mdico-sindicato, uma relao de sucesso e resultado.

    30 anos de bons motivos para comemorar

    1. Praticar intensamente o lema de representar e defender o mdico2. Ter conquistado o Plano de Carreira, Cargos e Salrios para a classe mdica no servio pblico.3. Estabelecer junto ao sindicato patronal, o piso salarial no setor privado por meio de conveno coletiva.4. Ter adquirido uma sede prpria bem localizada e com servios aos mdicos sindicalizados.5. Implantar um modelo administrativo focado no mdico e distante da poltica partidria.6. Defender incansavelmente a bandeira de unio das entidades mdicas.7. Ter conquistado o pagamento do precatrio 449/94, que muitos no acreditavam mais.8. Oferecer uma assessoria jurdica completa para os mdicos sindicalizados.9. Ser ousado em realizar pela primeira vez um frum para discutir a representatividade dos mdicos nas casas polticas.10. Ser a mola propulsora de aes de mobilizao na classe mdica a exemplo dos movimentos Acorda Dou-tor e Alerta Braslia11. Instituir a maior forma de reconhecimento do trabalho mdico por meio do Prmio SindMdico, que entre-gue todos os anos.12. Oferecer uma carteira ampla de convnios que vo desde benefcios em sade, como descontos em educao.13. Ter criado o Painel da Sade para o mdico registrar, em tempo real, sua reclamao com relao as condi-es de trabalho.14. Presentear todos os anos os mdicos com uma agenda para anotar seus compromissos.15. Trabalhar sob uma poltica de transparncia e de participao em seus atos administrativos e contbeis.16. Oferecer o Balco da Contabilidade para que os mdicos tambm mantenham suas contas sempre organiza-das.17. Disponibilizar um auditrio completo e com todo o conforto para iniciativas vinculadas a atividade mdica.18. Manter a diretoria a disposio dos mdicos sindicalizados por meio da Diretoria On-Line19. Publicar periodicamente uma revista com informaes de interesse dos mdicos.20. Desenvolver sempre modelos novos e modernos de interao que utilizem os mais diversos canais como e-mail, internet, impressos, etc.21. Se manter presente como interlocutor da classe nos mais diversos meios de deciso. Sejam eles polticos, exe-cutivos ou miditicos.22. Oferecer gratuitamente ao mdico servio de UTI Vida, Seguro Decessos e Aplice de Vida.23. Ter uma equipe sempre bem preparada para acolher e receber bem o mdico nas suas mais diversas solicita-es.24. Procurar nas suas iniciativas, valorizar o mdico sindicalizado diante dos demais.25. Dispr de diversas carteiras com planos e seguros sade.26. Ter assegurado reajustes salariais para o prximo ano que reponham as perdas da inflao27. Ter conquistado as opes de carreiras de 20 e 40 horas para os mdicos.28. Se inserir na responsabilidade social corporativa e respeito ao meio ambiente.29. Ter conquistado a Carreira Mdica na estrutura da sade pblica do DF. 30. Ser incansvel na busca de novos desafios e conquistas para o mdico e para a instituio sindical.

  • 5Revista Mdico Ed. Epecial 5Revista Mdico Ed. EpecialNovembro / Dezembro 2009

    Vivo de bem com a vida,

    Sinto no vento, meu acalanto,

    Na fugaz estrela cadente,

    Escreve-se o fio que a vida dagente,

    Nos faz lhe dar mais encanto.

    Sorrio das mgoas da vida,

    minha maneira forte de enfrent-la.

    Pois a todo instante ela bela,

    E o nosso destino dela,

    Vamos pois ento am-la.

    Diariamente agradeo a vida,

    Pelo po, pela voz, pelo amor.

    S no agradeo no antes t-la,

    Agradeo no mais perd-la,

    Agradeo no tornar-me um sofredor.

    Admiro a beleza da vida,

    Que vejo atravs dos olhos teus,

    Da rvore secular ao oceano de puro verde,

    Tal qual pura fonte me matas a sede,

    Me tornando feliz e amante a Deus.

    Sei porm os problemas da vida,

    Tenho os meus e os teus, t tens.

    Mas tua fora imensa,

    Suportas-tes desatinos com f a crena

    Sede feliz, e pros meus braos vens.

    Quero que a minha seja a sua vida,

    Quero v-la feliz, sorrindo sem dor.

    Quero dar-te todos os meus carinhos,

    Unificar at um dia nossos caminhos

    Sentir em mim, teu lindo olhar de amor.

    Dr. Eloadir David Galvo

    Sumrio Os artigos assinados so de responsabilidade de seus autores

    22

    Vida MdicaVida no CampoMdicos fazendeiros

    14

    CapaAumento asseguradoDeputados aprovam reajuste mdico

    10

    JurdicoAes em cursoAcompanhe o resumo

    06

    Entrevista Paulo Argollo Presidente da Fenam

    Presidente

    Dr. Csar de Arajo Galvo

    Dr. Marcos Gutemberg Fialho da CostaVice-Presidente

    Secretrio GeralDr. Rafael de Aguiar Barbosa

    Dr. Gustavo de Arantes Pereira.2 Secretrio

    Dr. Gil Fbio de Oliveira FreitasTesoureiro

    Dr. Luiz Gonzaga da Motta2 Tesoureiro

    Dr. Antnio Jos Francisco P. dos SantosDiretor Jurdico

    Dr. Jos Antnio Ribeiro FilhoDiretor de Inativos

    Dr. Olga Messias Alves de OliveiraDiretor de Ao Social

    Dr. Jomar Amorim FernandesDiretor de Relaes Intersindicais

    Dr. Lineu da Costa Arajo FilhoDiretor de Assuntos Acadmicos

    Dr. Adriana Domingues GrazianoDiretora de Imprensa e Divulgao

    Dr. Jair Evangelista da RochaDiretor Cultural

    Dr. Adriana Graziano, Dr. Antnio Jos, Dr. Csar Galvo, Dr. Francisco Rossi, Dr. Gil

    Fbio Freitas, Dr. Gutemberg Fialho, Dr. Gus-tavo Arantes, Dr. Diogo Mendes, Dr. Osrio

    Rangel e Dr. Jos Antnio Ribeiro Filho.

    Conselho Editorial

    Alexandre Bandeira - RP: DF 01679JPEditor Executivo

    Elisabel Ferriche - RP: 686/05/36/DFJornalista

    Bruno Cassiano - Estagirio

    Jorge Henrique R. T. da SilvaDiagramao e Capa

    Strattegia Marketing - ConsultoriaProjeto Grfico e Editorao

    (61) 3447.9000Anncios

    6.000 exemplaresTiragem

    Alpha grficaGrfica

    Gustavo Lima e divulgaoFotos

    Centro Clnico MetrpolisSGAS 607, Cobertura 01, CEP: 70.200-670

    Tel.: (61) 3244.1998 Fax: (61) 3244.7772sindmedico@sindmedico.com.br

    www.sindmedico.com.br

    SindMdico/DF

    Dr. Antnio Geraldo, Dr. Cantdio, Dr. Cezar Neves, Dr. Dimas, Dr. Diogo Mendes, Dr.

    Martinho, Dr. Olavo, Dr. Osrio, Dr. Tamura, Dr. Vicente, Dr. Tiago Neiva

    Diretores Adjuntos

    Novembro / Dezembro 20094

    OutrasPalavras

    Voc e a vida

  • 5Revista Mdico Ed. Epecial 5Revista Mdico Ed. EpecialNovembro / Dezembro 2009

    Opinio

    O sucateamento da mquina do Distrito Federal. Uma lgica de governo?

    Dr. Gutemberg Fialho Vice-Presidente do SindMdico-DF

    Aexcelncia do servio de sade do Distrito Federal, que j foi referncia no Brasil, tem decado nos ltimos anos para um quadro de precarizao sem precedentes com a total ausncia de investimentos em recursos humanos e em expanso do seu parque hos-pitalar. Esse descaso se reflete na falta de mdicos e para-mdicos e de infra-estrutura que vo desde a ausncia de um simples reagente para realizao de um hemograma at aparelhos mais complexos para realizao de eletro-cardiograma e ressonncia magntica. Faltam mdicos, enfermeiros, auxi-liares de enfermagem, farmacuticos, fisioterapeutas, e outros profissionais de sade e sobram aparelhos quebrados de raios-X, macas, respiradores e tomgrafos, entre outros. No se internam pacientes por falta de leitos, de mdicos e de pessoal de enfermagem para assistir os enfermos.

    No setor administrativo a precariedade a mesma: faltam servi-dores para dar andamento a um simples processo administrativo, que fica meses parado aguardando encaminhamento, h ainda erros na confeco da

    folha de pagamento, seja por excesso de trabalho, seja por falta de servidor capacitado. A isso se soma a demisso inconseqente em massa de mais de 13 mil servidores terceirizados, sem vnculo

    empregatcio, que mantinham a mquina estatal funcionando e, sem a devida reposio, levando a um quadro sucu-piriano". Na rea da sade, a substituio das horas-extras por profissionais concursados salutar e sempre foi uma reivindicao do SindMdico/DF, mas apenas isso no suficiente para acabar com a carncia de mdicos uma vez que, substituir as horas-extras por novos profissionais no supre a deficincia de profissionais. o mesmo que substituir seis por meia dzia, a questo matemtica.

    Infelizmente essa deteriorao contaminou outros setores da mquina pblica do Distrito Federal, como as Ad-ministraes Regionais, as inspetorias de sade que no tm funcionrios para protocolar um simples requerimento.

    A falta de investimentos no atinge apenas a sade, como tambm a Companhia Eltrica de Braslia, CEB, cujo presidente, em recente entrevista ao Correio Braziliense admitiu que os recentes apages aconteceram por falta de in-vestimentos no setor. Na rea de segurana pblica a situao no diferente: as Delegacias de Polcia no tm agentes suficientes para atender as ocorrncias, e os poucos policiais esto como os mdicos: escolhendo as ocorrncias mais graves para serem atendidas.

    Na rea da educao, a precarizao do servio pblico est a