revista 03 - sbot-es - out/nov/dez 2008

Download Revista 03 - SBOT-ES - out/nov/dez 2008

Post on 23-Mar-2016

240 views

Category:

Documents

15 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição número 03 da revista da SBOT-ES

TRANSCRIPT

  • Entrevista

    Sara ValentimA experiente pediatra discute o modelo da Medicina Baseada em Evidncias.

    4 Matria especial Residncia MdicaEm pouco mais de um ano, o Esprito Santo ganhou dois cursos de Ortopedia e Traumatologia.

    10

    Carta do Presidente

    Artigo

    Social

    Dicas SBOT-ES

    Raio X

    Vida Leve

    SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA - REGIONAL ESPRITO SANTO

    Informativo

    03 2008

    out / nov / dez

    2

    3

    8

    12

    13

    14

  • residir a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Esprito Santo (SBOT-ES), ao longo de 2008, deu-me a

    oportunidade de atestar que os princpios orientadores da nossa luta - tica, trans-parncia e fora de trabalho para o de-senvolvimento da especialidade em nosso Estado - so desafios que precisam ser en-frentados diariamente.

    Por compreender que para vencer es-tes desafios era necessrio o envolvimen-to de todos que trabalhamos ao longo do ano para uma maior insero social, acadmica e poltica de nossos membros. A resposta que tivemos foi positiva.

    O envolvimento e a participao de nossos colegas puderam ser comprovados nos eventos da Sociedade, com destaque para os workshops realizados no inte-rior do Esprito Santo. bem verdade que privilegiamos primeiramente dois grandes centros no norte do Estado (Lin-hares e Colatina), mas tudo foi feito den-tro de um planejamento que extra-polar a atual gesto.

    Para 2009, o processo de integrao

    dos especialistas capixabas segue firme e, desta vez, rumo ao sul do Estado. Aos cole-gas da regio metropolitana no faltaro eventos que promovero reciclagem, ca-pacitao profissional e incluso social e poltica, assim como no faltou em 2008. Entre cursos e jornadas cientficas, tive-mos o prazer de promover um congresso estadual que contou com a participao de especialistas de renome nacional e in-ternacional.

    Neste contexto, cabe agradecer o apoio incondicional da SBOT nacional, de em-presas de material cirrgico, da indstria farmacutica, cooperativas, entre outros parceiros que estiveram nesta caminhada. Sem o apoio deles, muito pouco do que ne-cessitvamos fazer poderia ser feito.

    O fortalecimento de qualquer so-ciedade estabelece a possibilidade de sonhar coisas impossveis e de caminhar livremente em direo a elas. O fortaleci-mento da SBOT-ES um desafio cotidiano, volto a dizer. Desafio de garantir os nveis elevados de resultados daqueles que nos precederam e daqueles que nos substi-tuiro.

    P

    Anderson De Nadai Presidente da SBOT-ES

    DiretoriaPresidente Dr. Anderson De NadaiPrimeiro Vice-presidente Dr. Joo Carlos de M. TeixeiraSegundo Vice-presidenteDr. Alceuleir Cardoso de SouzaPrimeiro Secretrio Dr.Adelmo Rezende F. da CostaSegundo Secretrio Dr. Joo Carlos de M. TeixeiraPrimeiro Tesoureiro Dr. Ronaldo RoncettiSegundo Tesoureiro Dr. Glucio Beninca Coelho

    Conselho FiscalDr. Edmar Simes da Silva JuniorDr. Antnio TamaniniDr. Ruy Rocha Gusman Dr. Jos Maria CavatteDr. Thiago Moreira MattosDr. Carlos Henrique O. de Carvalho

    DelegadosDr. Clark Masakazu YazakiDr. Rodrigo Souza SoaresDr. Lauro Evaristo Bueno

    Comisso ExecutivaDr. Anderson De Nadai

    Dr. Jorge Luiz KrigerDr. Clark Masakazu YazakiDr. Joo Carlos de M. TeixeiraDr. Adelmo Rezende F. da CostaDr. Marcelo Nogueira Silva

    Comisso de Ensino e TreinamentoDr. Adelmo Rezende F. da CostaDr. Nelson EliasDr. Luiz Augusto B. Campin-hosDr. Adriano SouzaDr. Marcelo dos Santos CostaDr. Paulo Henrique PaladiniDr. Danilo Lobo

    Comisso de tica, Defesa Profissional e Honorrios MdicosDr. Vladimir de AlmeidaDr. Marcelo Nogueira SilvaDr. Valbert de Moraes PereiraDr. Sebastio A. M. de MacedoDr. Emdio Perim Junior

    Comisso de Estatuto e RegimentoDr. Anderson De NadaiDr. Joo Carlos de M. TeixeiraDr. Alceuleir Cardoso de SouzaDr. Geraldo Lopes da Silveira

    Comisso de Campanhas Pblicas e Aes SociaisDr. Alceuleir Cardoso de SouzaDr. Francisley Gomes BarradasDr. Hlio Barroso dos ReisDr. Akel Nicolau Akel Jnior

    Comisso de PresidentesDr. Pedro Nelson PrettiDr. Roberto Casotti LoraDr. Jos Fernando DuarteDr. Eduardo Antnio Bertachi UvoDr. Geraldo Lopes da SilveiraDr. Hlio Barroso dos ReisDr. Jorge Luiz KrigerDr. Jos Lorenzo SolinoDr. Akel Nicolau Akel JniorDr. Clark Masakazu Yazaki

    Comisso de Publicao, Divulgao e MarketingDr. Leandro A. de FigueiredoDr. Bruno Barreira CampagnoliDr. Edmar Simes da Silva JniorDr. Thanguy Gomes Frio

    Rua Abiail do Amaral Carneiro, 191, Ed. Arbica, Sala 607

    Enseada do Su. Vitria-ES. CEP 29055-220 | Telefone: 3325-3183

    www.sbotes.org.br | sbotes@sbotes.org.br

    Gesto 2008

    Jornalista reponsvelWallace Capucho

    MTB 1934/ES

    RedaoEditor Wallace Capucho Reprter Luiz Alberto Rasseli Diretor de Arte Felipe Gama Diagramao Thiago GreggoryArte Carlos Dalcolmo Reviso Luiz Alberto RasseliProduo GrficaChico Ribeiro

    jornalismo@balaiodesign.com.br

    ColaboradoresTexto Dr. Marcelo Nogueira

    Ilustrao

    Carlos Dalcolmo

    Balaio Comunicao e Designwww.balaiodesign.com.br

    PublicidadeSBOT-ES

    (27) 3325-3183

    Impresso e acabamento

    Grfica Grafitusa. Esta revista foi

    impressa em papel couch fosco

    115g/m

    Tiragem 8.000

    Periodicidade Trimestral

    Distribuio CP Distribuio e

    Logstica

    As matrias e anncios publi-citrios, bem como todo o seu contedo de texto e imagens, so aqui publicadas sob dire-ito de liberdade de expresso, sendo total e exclusiva responsa-bilidade de seus autores/anunci-antes. expressamente proibida a reproduo integral ou parcial desta publicao ou de qualquer um de seus componentes (texto, imagens, etc.), sem a prvia e ex-pressa autorizao da SBOT-ES.

    Carta do Presidente

  • Artigo

    entre todas as alteraes osteoar-

    ticulares dos pacientes portado-

    res de Artrite Reumatide (AR), as

    deformidades dos ps esto entre as mais

    freqentes e negligenciadas. Quinze por

    cento dos casos de AR envolvem inicial-

    mente os ps, e praticamente todos os casos

    de AR com mais de dez anos apresentam

    deformidades nos mesmos. Mesmo assim,

    comum o desconhecimento da evoluo,

    das repercusses clnicas e do tratamento

    dessas deformidades.

    O objetivo do tratamento, tanto clnico

    quanto cirrgico, prevenir, adiar e, se pos-

    svel, corrigir as deformidades e suas limita-

    es funcionais e, conseqentemente, me-

    lhorar a qualidade de vida dos pacientes.

    Os casos iniciais com deformidades

    leves so passveis de tratamento conserva-

    dor com rteses de descarga ou palmilhas

    corretivas. J as deformidades de retrop

    flexveis podem ser conduzidas com rteses

    semi-rgidas tipo AFO. No entanto, com a

    evoluo da doena, a maioria das defor-

    midades torna-se rgida e no ortetizvel.

    Nesses casos, considera-se o tratamento

    cirrgico.

    As deformidades do antep so duas

    vezes mais freqentes que as do retrop.

    Usualmente, essas deformidades incluem

    um grave valgismo do hlux (hlux valgo)

    e a luxao dorsal das articulaes metatar-

    sofalngicas associadas com garras rgidas

    dos pododctilos. A garra dos dedos leva

    ao deslocamento distal do coxim plantar

    e ao rebaixamento das cabeas dos meta-

    tarsais, levando o paciente a apoiar carga

    sobre as mesmas, com formao de calosi-

    dades muito dolorosas, alm da incapaci-

    dade de usarem calados normais. Essas

    calosidades podem tornar-se lceras que

    por sua vez podem levar osteomielite de

    cabeas metatarsianas e perda do respec-

    tivo raio.

    Freqentemente ocorre de forma si-

    multnea a artrite do retrop, causando

    deformidade em valgo grave, alm da

    queda do arco longitudinal medial (p

    plano valgo grave). Essa deformidade em

    p plano valgo adquirido pode ser causada

    tanto pela tenossinovite e disfuno do

    tibial posterior quanto pela artrite da ar-

    ticulao subtalar.

    Com menos frequncia ocorrem as

    deformidades em hlux varo com desvio

    simultneo dos dedos menores em varo, e

    a deformidade em varo do p e tornozelo,

    com maiores repercusses funcionais.

    Todas as deformidades do retrop

    so passveis de correo cirrgica, com

    artrodeses, associadas ou no a osteoto-

    mias, normalmente com bons resultados,

    considerando que esses pacientes j apre-

    sentam restries funcionais. Nas graves

    deformidades em valgo dos ps, sugere-se

    uma abordagem medial para evitar trao

    da pele lateral ao corrigir a deformidade.

    As artrodeses so realizadas de forma mais

    estvel com parafusos canulados ou at

    placas e parafusos. A utilizao de hastes

    intramedulares retrgradas de p e tor-

    nozelo facilitam a artrodese conjunta da

    tibiotrsica e subtalar e aumenta significa-

    tivamente a rigidez da montagem em um

    osso extremamente osteopnico.

    A correo do antep reumatide

    geralmente realizada em um s tempo

    cirrgico. Para os raios laterais, utiliza-se

    a tcnica de Hoffmann ou similares, com

    resseco das cabeas metatarsais ao nvel

    do colo, mantendo a frmula metatarsal.

    Para os dedos menores realiza-se a artro-

    plastia de resseco de DuVries das IFPs

    para a correo das garras rgidas, e fixa-

    o dos artelhos com fios de Kirshner in-

    tramedulares, por 4 semanas.

    Como alternativa pode ser feita a os-

    teoclasia ou liberao manual das garras

    - com menor poder de correo. A via de

    acesso pode ser plantar transversa, com

    ou sem resseco de parte da pele plantar,

    ou dorsal - longitudinal ou transversa - de

    acordo com a prefe