retrata†ƒo da injria: agrava†ƒo da ofensa? .se as ofensas tratassem de...

Download RETRATA‡ƒO DA INJRIA: AGRAVA‡ƒO DA OFENSA? .Se as ofensas tratassem de problemas temporais

Post on 13-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO

    PROGRAMA DE PS GRADUAO EM CINCIAS CRIMINAIS

    EDSON CARDOSO DE OLIVEIRA FILHO

    RETRATAO DA INJRIA: AGRAVAO DA OFENSA?

    Salvador - Bahia

    2012

  • 2

    EDSON CARDOSO DE OLIVEIRA FILHO

    RETRATAO DA INJRIA: AGRAVAO DA OFENSA?

    Trabalho monogrfico apresentado no Curso de Especializao em Cincias Criminais da Fundao Faculdade de Direito da UFBA, como requisito parcial para a sua concluso.

    Salvador - Bahia 2012

  • 3

    EDSON CARDOSO DE OLIVEIRA FILHO

    RETRATAO DA INJRIA: AGRAVAO DA OFENSA?

    Trabalho monogrfico de concluso de curso apresentado Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obteno de certificado de concluso do curso de Especializao em Cincias Criminais.

    COMISSO EXAMINADORA

    ____________________________________ Prof. Orientador: ____________________________________ Prof. ____________________________________ Prof.

  • 4

    DEDICATRIA

    A Toda minha famlia, que de muitas formas me incentivou e ajudou para que fosse possvel a concretizao deste trabalho.

  • 5

    AGRADECIMENTOS

    Agradeo primeiramente a Deus por, mesmo eu tendo me afastado Dele na maior

    parte de minha faculdade, Ele no ter se afastado de mim.

    Agradeo ao meu pai, por absolutamente tudo. Cada um de seus atos foi uma

    oportunidade que eu tive para crescer e me tornar o que sou. A toda minha famlia,

    pelo apoio e amor incondicional e que felizmente posso dizer ser recproco.

    Aos meus queridos amigos, agradeo pelos grandes momentos de alegria e tambm

    os de tristeza que compartilhamos.

    s minhas novas amizades concebidas na faculdade. Que elas durem tanto quanto

    foram intensas.

  • 6

    RESUMO

    A retratao da injria e sua eventual admissibilidade tema ainda pouco explorado entre os penalistas brasileiros e pelos manuais que tratam de justificar a impreviso legal ao argumento da natureza do bem jurdico tutelado e da suposta agravao da ofensa. Por outro lado, a submisso do tema a uma abordagem apurada pela fixao de premissas principiolgicas e pela aderncia a uma interpretao sistmica autoriza a explorao de lacunas e a inaugurao de questionamentos que prometem rediscutir a soberania dos postulados discursivos sobre o assunto. O presente trabalho inicia o seu desenvolvimento com um breve estudo acerca da evoluo histrica dos crimes contra honra, analisando o processo de criminalizao do insulto desde a poca do direito romano at os dias atuais. Em seguida, discorre sobre os princpios da interveno mnima, lesividade e proporcionalidade em sentido amplo (e suas trs acepes ou mximas: proporcionalidade-adequao, proporcionalidade-necessidade e proporcionalidade em sentido estrito), bem assim seus principais fundamentos, abordando tambm o conceito e as nuances do bem jurdico tutelado, bem como a tradicional classificao entre honra subjetiva e honra objetiva. Aps, so analisados o conceito, a forma, a eficcia e a natureza jurdica da retratao, bem assim o papel do magistrado no controle de eficcia da retratao. abordada tambm a previso da retratao da injria em outros ordenamentos jurdicos, citando-se o cdigo penal argentino e espanhol. Finalmente, examinado o tratamento da retratao conferido pela revogada Lei de Imprensa, quando ficam mais aparentes as antinomias e a inadequao terica a qual o tema foi submetido. Palavras-chaves: Retratao. Injria. Crimes Contra Honra.

    RESUMEN La retractacin de injuria e su eventual admisin es tema an poco explotado entre los penalistas brasileos e por los manuales que tratan de justificar la imprevisin legal al argumento de la naturaleza del bien jurdico protegido e de la supuesta agravacin del ofensa. Por otro lado, la sumisin del tema a una abordagen conscienciosa por la determinacin de principios e por la adhesin a una amplia interpretacin autoriza la explotacin de brechas en la inauguracin de cuestionamientos que prometen rediscutir la soberana de los discursos acerca del asunto. El presente trabajo inicia su desenvolvimiento con un breve estudio acerca da evolucin histrica de los crmenes contra el honor, analizando el proceso de criminalizacin de lo insulto desde la poca del derecho romano ate los das actuales. En seguida, discurre sobre los principios de la mnima intervencin, lesividad e proporcionalidad en sentido amplio (e sus tres acepciones o mximas: proporcionalidad-adecuacin, proporcionalidad-necesidad e proporcionalidad en sentido estricto), bien as sus principiis fundamentos, abordando tambin el concepto e lo alcance de lo bien jurdico tutelado, bien como la tradicional clasificacin entre honor objetiva e honor subjetiva. Despus, san analizados los conceptos, la forma, la eficacia de la naturaleza jurdica de la retractacin, bien como

  • 7

    lo papel del juez en lo controle de eficacia de la retractacin. Es abordado tambin la previsin de la retractacin de injuria en otros ordenamientos jurdicos, citando-se el cdigo penal argentino e espaol. Finalmente, es examinado el tratamiento de la retractacin conferido pela revocada Le de Imprenta, cuando tornan ms aparentes las antinomias e la inadecuacin terica la cual el tema fue sometido. Palabras-clave: Retractacin Injuria Delito contra el honor

  • 8

    SUMRIO

    1 INTRODUO ............................................................................................. 09 2 BREVE HISTRICO DA CRIMINALIZAO DO INSULTO ................... 11 3 PRINCPIOS PENAIS .................................................................................. 15 3.1 NOES GERAIS ..................................................................................... 15 3.2 INTERVENO MNIMA ............................................................................ 17 3.3 LESIVIDADE .............................................................................................. 20 3.3 PROPORCIONALIDADE ............................................................................ 24 3.3.1 Subprincpios ou Mximas da Proporcionalidade .......................... 27 4 O BEM JURDICO HONRA .......................................................................... 32 4.1 NOES GERAIS ..................................................................................... 32 4.2 CLASSIFICAO ....................................................................................... 35 4.3 REDEFININDO A TUTELA DA HONRA SUBJETIVA ................................ 37 5 A RETRATAO E O ARGUMENTO DA AGRAVAO DA OFENSA ..... 45 5.1 CONCEITO, FORMA E EFICCIA ............................................................. 46 5.2 A UTILIDADE DA RETRATAO .............................................................. 51 5.3 A NATUREZA JURDICA DA RETRATAO ............................................ 53 6 O PAPEL DO MAGISTRADO E AS ENTRELINHAS DA RETRATAO .. 61 7 O TRATAMENTO DA RETRATAO NA ANTIGA LEI DE IMPRENSA ... 65 8 CONCLUSO .............................................................................................. 69 9 REFERNCIAS ............................................................................................ 71

  • 9

    1 INTRODUO

    O direito penal, em sua rbita positivista, tem sido submetido incisiva busca

    de aperfeioamento e adequao de seus postulados, o que no destoa do seu

    peculiar propsito de pacificao social a justificar o contnuo processo de releitura.

    Deste panorama no escapa a discusso em torno da tutela conferida aos

    crimes contra a honra, notadamente ao delito de injria que se destaca por assumir

    tratamento diferenciado pelo legislador infraconstitucional.

    A despeito da identidade compartilhada com as demais espcies, a injria foi

    concebida em literal desacerto com o instituto da retratao da ofensa, circunstncia

    que, pelo aumento das ocorrncias em registros criminais ou pelo carter

    fragmentrio do direito penal, estimula a anlise por uma alternativa alheia

    repetio sistemtica e irrefletida de preceitos normativos.

    Nada obstante opo legislativa, o emprstimo da eficcia extintiva da

    retratao ao delito de injria encontra resistncia por considerada parcela da

    comunidade jurdica, cuja desconfiana dogmtica exige, afortunadamente, um

    criterioso estudo em torno de um tema marcado pela complexidade e pela lacuna de

    uma anlise mais percuciente.

    Insta advertir que o objetivo do presente trabalho no o de defender ou

    reafirmar a retratao enquanto causa extintiva da punibilidade, at porque a sua

    natureza jurdica desejo legal. O objetivo primordial o de investigar as razes e

    os motivos para a excluso do referido efeito no crime de injria, revisitando os

    argumentos doutrinrios que, usualmente, repousam sobre a tradicional

    classificao do bem jurdico tutelado e sobre as consequncias advindas da

    retratao no caso concreto.

    Nos captulos de desenvolvimento, os referidos argumentos doutrinrios

    sero submetidos a um exame mais detido e pormenorizado, orientado no apenas

    pelo necessrio enfrentamento da matria sob a tica emprica, mas sobretudo pela

    considerao aos posicionamentos tericos que emanam de algumas vozes

    altamente gabaritadas e que, invariavelmente, ecoam de forma unssona entre as

    demais.

  • 10

    O alcance dos princpios informadores do direito penal (interveno mnima,

    lesividade e proporcionalidade) ser abordado de modo a subsidiar a militncia pela

    alterao legislativa, ademais do enfrentamento do valor jurdico da retratao e dos

    principais argumentos de sua impreviso ao crime de injria, com o propsito

    permanente de evidenciar as contradie

View more