resumo sobre recursos processo civil

Download Resumo Sobre Recursos Processo Civil

Post on 11-Jul-2015

11.217 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

RECURSOS PROCESSO CIVILTEORIA GERAL DOS RECURSOS ................................................................................................... 2 JUZO DE ADMISSIBILIDADE X JUZO DE MRITO: ............................................................................ 3 EFEITOS DOS RECURSOS ......................................................................................................................... 6 RECURSOS EM ESPCIE ................................................................................................................. 9 APELAO ..................................................................................................................................................... 9 AGRAVO ........................................................................................................................................................ 15 EMBARGOS DE DECLARAO .............................................................................................................. 22 EMBARGOS INFRINGENTES.................................................................................................................... 26 RECURSO ORDINRIO CONSTITUCIONAL.......................................................................................... 32 RECURSOS EXTRAORDINRIOS ........................................................................................................... 33 RECURSO ESPECIAL ............................................................................................................................ 36 RECURSO EXTRAORDINRIO ............................................................................................................ 36 EMBARGOS DE DIVERGNCIA ............................................................................................................... 38 AO RESCISRIA .................................................................................................................................... 39 RECLAMAO................................................................................................................................. 42

TEORIA GERAL DOS RECURSOSConceitoRecurso o remdio voluntrio idneo a ensejar, dentro do mesmo processo, a reforma, a invalidao, o esclarecimento ou a integrao de deciso judicial que se impugna. Jos Carlos Barbosa Moreira

O RECURSO NO SISTEMA DOS MEIOS DE IMPUGNAO DA DECISO JUDICIAL O Sistema de impugnao da deciso judicial composto dos seguintes instrumentos: A) RECURSOS B) AES AUTNOMAS DE IMPUGNAO C) SUCEDNEOS RECURSAIS A) O RECURSO o meio de impugnao dentro do mesmo processo em que proferida. Pelo recurso, prolonga-se o curso (a litispendncia) do processo. B) A AO AUTNOMA DE IMPUGNAO o instrumento de impugnao da deciso judicial, pelo qual se d origem a um processo novo, cujo objetivo o de atacar/interferir em deciso judicial. Distingue-se do recurso exatamente porque no se veiculada no mesmo processo em que a deciso recorrida fora proferida Ex: Ao rescisria, querela nullitatis, os embargos de terceiro, o MS e o HC contra ato judicial e a reclamao constitucional. C) SUCEDNEO RECURSAL todo meio de impugnao de deciso judicial que nem recurso nem ao autnoma de impugnao. Trata-se de categoria que engloba todas as outras formas de impugnao da deciso. So exemplos: pedido de reconsiderao, pedido de suspenso de segurana, a remessa necessria e a correio parcial. OBS: A expresso sucedneos recursais, introduzida por Frederico Marques, ora utilizada para identificar o conjunto de meios norecursais de impugnao (e a estariam includas as aes autnomas de impugnao), ora utilizada em acepo restrita, para referir apenas aos meios de impugnao que nem so recurso nem so aes autnomas.

DESISTNCIA DO RECURSO O recurso uma demanda e, nessa qualidade, pode ser revogada pelo recorrente. A revogao do recurso chama-se desistncia. A desistncia do recurso pode ser parcial ou total, e pode ocorrer at o incio do julgamento (at a prolao do voto). Desistncia do Processo - Extingue o processo sem resoluo do mrito (art. 267, VIII, CPC) Desistncia do recurso - Pode implicar extino do processo com julgamento do mrito ou sem julgamento do mrito; pode no implicar a extino do processo, como no caso de uma desistncia de um agravo de instrumento; - precisa ser homologada pelo magistrado (art. 158, par. n., CPC) - depende do consentimento do ru, se j houve resposta (art. 267, 4, do CPC) - Requer poder especial do advogado - Independe de anuncia do recorrido (Art. 501 do CPC) - Tambm requer poder especial, quando implicar a extino do processo; mas o poder especial ser de disposio de direito material (renncia ou reconhecimento), quando houver extino do processo com anlise do mrito. - Dispensa homologao (art. 501 do CPC)

RENNCIA AO DIREITO DE RECORRER E AQUIESCNCIA DECISOA renncia ao direito de recorrer o ato pelo qual uma pessoa manifesta a vontade de no interpor o recurso de que poderia valer-se contra determinada deciso. Independe de aceitao da outra parte. No se admite renncia a termo ou condio

JUZO DE ADMISSIBILIDADE X JUZO DE MRITO:As questes que envolvem o juzo de admissibilidade podem ser conhecidas de ofcio (presena de determinados requisitos). necessariamente preliminar ao juzo de mrito. O primeiro exame cabe ao juzo a quo.

Classificao de Barbosa Moreira:REQUISITOS INTRNSECOS REQUISITOS EXTRNSECOS

CABIMENTO: considerando-se os princpio TEMPESTIVIDADE: prazos peremptrios. Art. Da fungibilidade, unicidade e taxatividade. LEGITIMAO: parte, 3 prejudicado, MP. 188 prazos diferenciados. REGULARIDADE FORMAL: forma escrita e oral nos JEC e agravo retido. INEXISTENCIA DE FATO IMPEDITIVO OU PREPARO: pagamento prvio das despesas do EXTINTIVO DO PODER DE RECORRER: recurso. renncia e aceitao. Art. 511 deve ser comprovado no momento da interposio. S poder ser posterior nos JEC, at 48 horas depois.

OBS: so dispensados do preparo: MP, Unio, Estados, Municpios, DF e suas autarquias. O agravo retido, embargos de declarao, recursos do ECA e agravo do art. 544, tambm o dispensam. Preparo insuficiente art. 511, 2. O juzo de admissibilidade declaratrio (ex tunc). a regra, pois se o recurso no for conhecido por ser intempestivo, esta deciso retroage ao dies ad quem do prazo para interposio do recurso, comeando no dia seguinte o prazo da rescisria. Efeitos do juzo de admissibilidade: 1. Positivo acesso ao rgo ad quem; passa-se ao exame do mrito; se conhecido tambm pelo ad quem. 2. Negativo tranca-se a via recursal, mas pode-se recorrer desta deciso; se proferido pelo ad quem no conhece do recurso. Juzo de mrito: mrito do recurso a pretenso recursal. A causa de pedir recursal pode ser por error in procedendo (vcio formal de atividade, requer a invalidade da deciso) ou error in judicando (vcio substancial, de contedo, m apreciao das questes, pedindo-se reforma da deciso). OBS: S h possibilidade de cumulao destes se eventual/ subsidiria, pois incompatveis entre si. Normalmente analisa-se primeiro o error in procedendo* e depois o error in judicando (julgamento substituto).

* a invalidao da deciso dar ensejo a um novo julgamento pelo rgo prolator da deciso. Em algumas situaes o prprio rgo ad quem sanar o vcio. Ex: apelao contra sentena extra ou ultra petita, basta apagar o excesso. PRINCPIOS CORRELATOS AO ESTUDO DO CABIMENTO

1. Princpio da TaxatividadeArt. 496. So cabveis os seguintes recursos: I - apelao; II - agravo; III - embargos infringentes; IV - embargos de declarao; V - recurso ordinrio; VI - recurso especial; VII - recurso extraordinrio. Vl - recurso especial; Vll - recurso extraordinrio; VIII - embargos de divergncia em recurso especial e em recurso extraordinrio Alm destes, podem ser lembrados: A) recurso inominado nos juizados Especiais B) Embargos infringentes de alada da lei de Execuo Fiscal C) Agravos internos previstos para o incidente de suspenso de segurana

2. Princpio da unirrecorribilidade (ou unicidade ou singularidade)Para cada espcie de ato judicial a ser recorrido, deve ser cabvel um nico recurso. O art. 498 no se configura como uma exceo propriamente dita a este princpio pois percebe-se que para cada finalidade existe uma espcie de recurso (MARINONI). Art. 498. Quando o dispositivo do acrdo contiver julgamento por maioria de votos e julgamento unnime, e forem interpostos embargos infringentes, o prazo para recurso extraordinrio ou recurso especial, relativamente ao julgamento unnime, ficar sobrestado at a intimao da deciso nos embargos. Alm deste caso, a doutrina, embora com certa divergncia, admite a interposio simultnea de embargos de declarao e outro recurso contra a deciso.

3. Princpio da fungibilidade

REQUISITOS: 1. Presena de dvida objetiva a respeito do recurso cabvel, que pode derivar: da lei processual atcnica discusso doutrinria ou jurisprudencial do fato de ser proferido um ato judicial por outro, chamando-se (e dando forma) de sentena a uma deciso interlocutria ou vice-versa. 2. Inexistncia de erro grosseiro na interposio do recurso 3. Prazo adequado para o recurso correto

Princpio da proibio da reformatio in pejusVEDAO AO BENEFCIO COMUM DO RECURSO O benefcio comum (communio rimedii; beneficium commune) da apelao era uma caracterstica desse recurso na tradio do direito luso-brasileiro. A apelao interposta por uma das partes servia outra, o que permitia ao tribunal reformar a sentena como bem quisesse, ainda que contra aquele que, sozinho, o interpusera.

EFEITOS DOS RECURSOS1. IMPEDIMENTO AO TRNSITO EM JULGADO A interposio do recurso impede o trnsito em julgado da deciso. O recurso prolonga a litispendncia, agora em nova instncia. Para BARBOSA MOREIRA, apenas o recurso que for conhecido poderia impedir o trnsito em julgado; recurso no-conhecido no impede o trnsito em julgado, de acordo com esse entendimento. Por outro lado a jurisprudncia ora entende que todo recurso produz efeitos, ora entende que o intempestivo ou