resumo processo civil

Download Resumo Processo Civil

Post on 19-Jul-2015

219 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Processo Civil

Princpios1 Processo e Direitos Fundamentais Estamos vivendo uma poca, nos estudos de direito constitucional, chamada de neoconstitucionalismo: 1- consolida-se a teoria dos direitos fundamentais (marco do direito constitucional contemporneo); 2 fora normativa da constituio (norma com fora normativa no uma carta de intenes); e 3 expanso da jurisdio constitucional. Esse movimento, chamado de neoconstitucionalismo, repercutiu em diversos ramos do direito. Hoje o estudo do processo tem de ser feito a partir destas novas premissas metodolgicas - Essa fase atual do direito processual chamada de neoprocessualismo. No Rio Grande do Sul, na UFRGS, fase do formalismo-valorativo. QUAL ENTO A RELAO ENTRE O PROCESSO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS? 1) Na pauta dos direitos fundamentais h diversos direitos fundamentais processuais, ou seja, de contedo processual (contraditrio, ampla defesa, proibio de prova ilcita...). 2) Os direitos fundamentais tm duas dimenses: a) Subjetiva os direitos fundamentais so direitos que as pessoas so titulares. b) Objetiva - os direitos fundamentais so normas que orientam a produo de toda a legislao infraconstitucional. Toda legislao infraconstitucional deve respeitar estes direitos. Assim, os direitos fundamentais so direitos em sua dimenso subjetiva (d minsculo) e so normas (Direito) na sua acepo objetiva. Processo tem que ser um bom instrumento para a tutela dos direitos fundamentais (dimenso subjetiva) e estar de acordo com estes (dimenso objetiva). 2 Princpios processuais em espcie, que so tambm direitos fundamentais: Devido Processo Legal - Due Process of law (rigorosamente law no lei Direito com D mausculo). Devido Processo Legal devido de acordo com constituio, com a lei etc. uma expresso que existe no direito ingls h oitocentos anos, tendo os EUA herdado. Em oitocentos anos de histria, foi a jurisprudncia estadunidense, inglesa, que

1

disse o que devido. A partir deste texto due process of law- construmos todas as garantias e outras viro. O que o devido processo legal? uma clusula geral, um enunciado normativo aberto, cujo contedo definido pelo juiz de acordo com as circunstncias histricoculturais do momento da deciso. O que se pode saber o contedo mnimo do que seja devido processo legal, ou seja, aquilo que est consolidado. Hoje, devido processo legal um conjunto de garantias j consagradas, mas tbm uma clusula que se permite que se extraiam outras garantias. clusula geral, de contedo aberto, no obstante se tenha consagrado muitas coisas nos 800 anos. O que se entende por processo na clusula devido processo legal? Processo a significa mtodo ou meio de criao de normas jurdicas. O processo o meio pelo qual o direito se cria. O direito se cria processualmente, as normas jurdicas se criam processualmente. A todos garantido um devido processo legal legislativo, administrativo e jurisdicional. Nesta aula, vamos estudar o devido processo legal jurisdicional. Hoje h o devido processo legal privado (aplicado no mbito privado). Mesmo no mbito privado, por ex, a pessoa tem de ser ouvida antes de ser punida (condomnio aplicao de multa). Aplicao de direitos fundamentais ao mbito privado chamada de eficcia horizontal dos direitos fundamentais. A eficcia dos direitos fundamentais no mbito horizontal a eficcia no mbito privado. A eficcia vertical dos direitos fundamentais, que a eficcia nas relaes entre Estado e cidados. Dimenses do devido processo legal a) Formal ou processual - conjunto de garantias processuais que ns conhecemos (contraditrio, ampla defesa, proibio de prova ilcita). b) Substantiva, material, substancial Questo: Preencher apenas o devido processo legal processual no basta. preciso que a deciso seja devida, ou seja, razovel, equilibrada. preciso controlar o abuso do poder. O cidado deve ser protegido do ponto de vista processual, mas tambm substancial. Americanos ento dividiram em duas dimenses, instrumento para controlar o abuso do poder. O legislador no pode tudo, quem pode, no pode tudo, ou seja, pode dentro do razovel, de maneira equilibrada. O devido processo legal garante tbm que as decises devem ser equilibradas, razoveis. Diferenciar o princpio da proporcionalidade do devido processo legal substancial: O p. da proporcionalidade tem origem germnica. O devido processo legal substancial tem origem nos EUA, Inglaterra. Foi a resposta que estes povos deram necessidade de controlar o abuso de poder. H quem distinga. Todavia, eles chegam ao mesmo resultado. STF: O Estado no pode legislar abusivamente, eis que todas as normas emanadas do Poder Pblico devem ajustar-se clusula que consagra, em sua dimenso material, o princpio do "substantive due process of law" (CF, art. 5, LIV). O postulado da proporcionalidade qualifica-se 2

como parmetro de aferio da prpria constitucionalidade material dos atos estatais. Hiptese em que a legislao tributria reveste-se do necessrio coeficiente de razoabilidade. Princpio da Efetividade, Princpio da Adequao, Princpio da Durao Razovel do processo e Princpio da Lealdade: PROCESSO DEVIDO PROCESSO EFETIVO, ADEQUADO, TEMPESTIVO E LEAL. Princpio da Efetividade No est consagrado em texto expresso (corolrio do Devido Processo Legal). um direito de efetivar os seus direitos (direito fundamental a que seus direitos sejam efetivados). Hoje, se h um conflito entre efetividade e dignidade do devedor no h preponderncia entre os direitos fundamentais preciso ponderar no caso concreto. Princpio da Adequao (no tem previso expressa. um corolrio do devido processo legal). As regras processuais tm de ser adequadas. Trs critrios para se saber: 1) Critrio Objetivo de adequao de uma regra processual o processo tem de ser adequado ao direito que por ele tem de ser tutelado. No posso ter o mesmo processo para resolver problemas diferentes. Por isso temos processo penal, adequado s lides penais, e um processo civil, adequado s lides civis; 2) Critrio da Adequao subjetiva. O processo tem de ser adequado aos sujeitos que deles se valero, aos sujeitos do processo (tempo de um idoso diferente - prioridade aos processos que os envolvam); 3) Critrio da adequao teleolgica. O Processo tem de ser adequado em relao aos seus fins (garantir, executar, pequeno valor etc). A viso tradicional do princpio da adequao diz que cabe ao legislador criar regras processuais adequadas. Surgiu um aprimoramento do princpio, falando-se no princpio da adequao do processo jurisdicional. Cabe ao juiz do caso concreto, ao se deparar com uma regra inadequada, criar uma regra adequada. Abstrato e concreto (s se a primeira no der). Essa adequao jurisdicional do processo chamada por alguns doutrinadores de princpio da adaptabilidade do processo. Princpio da durao razovel do processo No princpio da rapidez (processo rpido). Processo rpido processo autoritrio, tirano. No vamos abrir mo de 800 anos de histria para que o processo seja rpido. importante para garantia de deciso mais correta possvel (direito ao contraditrio, produo de provas, aos recursos). Entretanto, a demora tem de ser razovel, fazendo com que se criasse este direito, corolrio do devido processo legal. A questo saber o que um processo com tempo razovel. Durao razovel um conceito aberto. Critrios para aferir se a durao razovel: a complexidade da causa. Demora razovel ou no a partir da complexidade da causa. b estrutura do rgo jurisdicional. 3

c comportamento do juiz. d comportamento das partes. preciso ver se as partes no fizeram com que o processo demorasse. Verificada que a durao irrazovel, o que fazer? Quais so os instrumentos postos disposio do cidado para fazer valer este princpio? Instrumentos de natureza administrativa representao administrativa contra o juiz por excesso de prazo. Art. 198 do CPC. Caso exaurido o mbito estadual CNJ , pode ser utilizado. Jurisdicionais HC no processo penal. No mbito processual civil MS contra a omisso judicial, para pedir que o juiz decida (tribunal pode dizer decida em 10 dias sob pena de multa), pois se est diante de direito fundamental.

Princpio da Lealdade ou da boa-f objetiva processual Boa-f objetiva uma norma de conduta. Todos os sujeitos da relao jurdica tm o dever de respeitar o outro sujeito da relao, agindo com lealdade tica de modo a proteger a confiana. O dever de respeitar o boa-f no processo decorre do devido processo legal. Em regra, para os civilistas brasileiros, o fundamento constitucional da boaf objetiva o p. da dignidade da pessoa humana. STF o devido processo legal impe o fair trial uma das faces do devido processo (assegura um modelo garantista de jurisdio). Todos devem agir de acordo com a boa-f objetiva. CPC, art. 14 So deveres das partes e de todos aqueles que, de qq forma, participem no processo II proceder com lealdade de boa f. Em 1973, o texto do inciso II se lia como uma exigncia de boas-intenes no processo era a exigncia de boa-f subjetiva. Com o passar do tempo, a leitura que se faz do inciso II de uma norma de conduta relacionada boa-f objetiva. Se no houvesse isso, j havia na CF, atravs do devido processo legal. Boa-f subjetiva elemento psicolgico, boa inteno.

Princpio do contraditrio Dupla dimenso: Dimenso formal: a que garante s partes o direito de participar do processo, de serem ouvidas. Garantia puramente formal. Dimenso substancial: garante s partes aquilo que se chama de PODER DE INFLUNCIA. poder convencer o juiz das razes, de produzir prova. Se no puder produzir prova, h apenas simulacro de contraditrio. Esse contraditrio substancial a chamada ampla defesa (contedo que seu contraditrio tem de ser para que seja um contraditrio efetivo, para que no seja apenas uma formalidade). 4

Existem questes que o juiz pode conhecer de ofcio, mas deve levar a questo s partes, para efetuar o contraditrio. Princpio da Cooperao Juno da boa-f com o contraditrio. Todos tm de cooperar para a melhor soluo do conflito. O p. da cooperao gera