resumo processo civil

Download Resumo Processo Civil

Post on 13-Jul-2015

1.186 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Resumo Processo Civil

TRANSCRIPT

RESUMO DE PROCESSO CIVIL

(Atualizado com as leis 11.382/2006, 11.417/2006, 11.418/2006, 11.341/2006, 11.419/2006, 11.441/2007 e 11.448/2007) Conceito: O Processo Civil a instrumentalidade do Direito Civil, que disciplina a aplicao da jurisdio sobre as partes em litgio, visando a pacificao social. Princpios O Processo Civil regido por princpios, dentre os quais podemos citar: devido processo legal: obrigao de se aplicar um processo justo e legal; contraditrio: todas as partes da relao processual tm assegurado o direito de exposio de suas razes; ampla defesa: garantia de promover a ampla defesa de seus direitos; isonomia: igualdade de tratamento no decorrer do processo; juiz natural: as sentenas sero expedidas por juzo competente, proibido o juzo ou tribunal de exceo - o tribunal criado por lei apara julgar um caso especfico; proibio de prova ilcita: no so aceitas provas obtidas por meios ilcitos e usadas no processo; motivao das decises judiciais: toda sentena deve ser motivada; publicidade: atos processuais devem ser pblicos, com exceo dos legalmente impedidos de publicao (segredo de justia); duplo grau de jurisdio: direito de recorrer das decises judiciais; e, finalmente, o princpio da boa-f, segundo o qual as partes devem litigar sob a lealdade.

JURISDIO E AO Jurisdio (artigos 1 a 6 do CPC) a capacidade do Estado de substituir as partes em conflito, mediante uma provocao expressa, tendo o Estado o poder de expedir uma deciso que gere a pacificao do litgio. Em sntese, a jurisdio o comprometimento do Estado em dar soluo a litgios, aplicando a imperatividade da legislao pertinente.

1

Tipos de Jurisdio: Voluntria inexiste conflito entre as partes, mas a interveno do Estado se faz, mediante provocao, quando algum interesse envolvido precisa ser assegurado por sua relevncia; Contenciosa interveno do Estado junto aos conflitos, para soluo mediante definio da razo em favor de uma das partes envolvidas (pode ocorrer de mais de um indivduo ser beneficiado) . Ao Pedido de interveno do Estado para efetivao da jurisdio em um determinado conflito. Condies da Ao Legitimidade - direito da parte em invocar a prestao jurisdicional; Interesse - vontade de agir, que se concretiza com a proposio da ao em juzo; e Possibilidade jurdica do pedido - legalidade do pedido junto ao ordenamento pertinente. Elementos da Ao Constituem elementos da ao: as partes: que so os agentes em litgio que sofrero os efeitos da jurisdio; e o pedido: que o objeto da pretenso estancada em juzo, e pode ser mediato (delimitao do bem pretendido), ou imediato (delimitao do bem pretendido diretamente ao juiz); e a causa de pedir: que o objeto da pretenso proposta em juzo.

Partes e Procuradores (artigos 7 a 45 do CPC) Partes Todas as pessoas que se acham no exerccio de seus direitos. Os incapazes sero representados ou assistidos por seus pais, tutores ou curadores. Deveres So deveres das partes: expor os fatos em juzo conforme a verdade; proceder com lealdade e boa-f; no formular pretenses, nem alegar defesa, cientes de que so destitudas de fundamento; no produzir provas, nem praticar atos inteis ou desnecessrios declarao ou defesa do direito; 2

cumprir com exatido os provimentos mandamentais; e no criar embaraos efetivao de provimentos judiciais, de natureza antecipatria ou final. O autor, o ru ou o interveniente sempre respondem por perdas e danos no caso de seu pleito vir eivado de m-f.

Procuradores - A parte ser representada em juzo por advogado legalmente habilitado. Ser-lhe- lcito, no entanto, postular em causa prpria, quando tiver habilitao legal, ou, no a tendo, no caso de falta de advogado no local, ou no caso de recusa ou impedimento dos que houver.

Litisconsrcio (artigos 46 a 49) - Facultativo: duas ou mais pessoas podem litigar no mesmo processo, em conjunto, ativa ou passivamente, quando entre elas houver comunho de direitos ou de obrigaes em relao lide; quando os direitos ou as obrigaes derivarem do mesmo fundamento de fato ou de direito; quando entre as causas houver conexo pelo objeto ou pela causa de pedir; e quando ocorrer afinidade de questes, por um ponto comum de fato ou de direito. Necessrio: h litisconsrcio necessrio, quando, por disposio de lei ou pela natureza da relao jurdica, o Juiz tiver de decidir a lide de modo uniforme para todas as partes; caso em que a eficcia da sentena depender da citao de todos os litisconsortes no processo.

Assistncia (artigos 50 a 55) - Pendendo uma causa entre duas ou mais pessoas, um terceiro, que tenha interesse jurdico em que a sentena seja favorvel a uma delas poder intervir no processo para assisti-la. Simples: a relao entre assistente e assistido. Litisconsorcial a relao do assistente com a parte contrria do assistido.

INTERVENO DE TERCEIROS 3

Oposio (artigos 56 a 61) - Quem pretender, no todo ou em parte, a coisa ou o direito sobre que controvertem autor e ru poder, at ser proferida a sentena, oferecer oposio contra ambos.

Nomeao a Autoria (artigos 62 a 69) - Aquele que detiver a coisa em nome alheio, sendo-lhe demandada em nome prprio, dever nomear autoria o proprietrio ou o possuidor. Em sntese, o pedido de retirada do processo, com nomeao de um terceiro.

Denunciao a Lide (artigos 70 a 76) Denncia feita sobre terceiro para que este pague a sucumbncia sobre a lide, por ser uma espcie de garantia desta. A denunciao acontece em casos especficos, dos quais podemos citar, de acordo com o art. 70 do CPC: a denunciao ao alienante, na ao em que terceiro reivindica a coisa, cujo domnio foi transferido parte, a fim de que esta possa exercer o direito que da evico Ihe resulta; a denunciao ao proprietrio ou ao possuidor indireto, quando, por fora de obrigao ou direito, em casos como o do usufruturio, do credor pignoratcio ou do locatrio, o ru citado em nome prprio exera a posse direta da coisa demandada; e a denunciao quele que estiver obrigado, pela lei ou pelo contrato, a indenizar, em ao regressiva, o prejuzo do que perder a demanda.

Chamamento ao Processo (artigos 77 a 80) Chamamento no prazo da contestao para que os coobrigados venham a integrar o plo passivo da lide. Possibilidades: do devedor, na ao em que o fiador for ru; dos outros fiadores, quando para a ao for citado apenas um deles; e de todos os devedores solidrios, quando o credor exigir de um ou de alguns deles, parcial ou totalmente, a dvida comum.

Ministrio Pblico (artigos 81 a 85) O Ministrio Pblico ter direito de ao nas causas em que houver interesses de incapazes; nas causas concernentes 4

ao estado da pessoa, ptrio poder, tutela, curatela, interdio, casamento, declarao de ausncia e disposies de ltima vontade; nas aes que envolvam litgios coletivos pela posse de terra rural; e nas demais causas em que h interesse pblico evidenciado pela natureza da lide ou pela qualidade da parte.

Competncia (artigos 83 a 153) a medida da Jurisdio. Determina-se a competncia no momento em que a ao proposta. So irrelevantes as modificaes do estado de fato ou de direito ocorridas posteriormente, salvo quando suprimirem o rgo judicirio ou alterarem a competncia em razo da matria ou da hierarquia.

Definio da Competncia O CPC adota trs critrios para definir a competncia: o objetivo - segundo o qual se fixa a competncia com base nos elementos da causa, ou seja, natureza, valor e condio das partes; o territorial - competncia relativa, fixada basicamente no domiclio do ru; e o funcional competncia absoluta, atuao). prevista em lei, na qual os rgos do judicirio funcionam dentro de uma hierarquia verticalizada e dividida em instncias de

A

competncia

territorial

possu

as

seguintes

caractersticas:

firmada

basicamente no domiclio do ru (artigo 94); no local dos fatos (artigo 100); e no domiclio delimitado e foro da situao da coisa.

Modificao da Competncia (artigos 86 a 124) - A competncia, em razo do valor e do territrio, poder modificar-se pela conexo (duas ou mais aes, quando Ihes for comum o objeto ou a causa de pedir) ou pela continncia (duas ou mais aes, sempre que h identidade quanto s partes e causa de pedir, mas o objeto de uma, por ser mais amplo, abrange o das outras).

5

Atos Processuais (artigos 154 a 171) Todas as atividades praticadas pelas partes com um objeto comum. No se apresentam de forma isolada, e seu conjunto visa a uma finalidade comum ( o resultado).

Princpios Liberdade das formas - forma mais idnea de se atingir o objetivo; documentao - todos os documentos relevantes ao julgamento da ao; publicidade - todos os atos so pblicos, com exceo dos que devem preservar os interesses particulares das partes; obrigatoriedade de vernculo uso obrigatrio da Lngua Portuguesa.

Classificao Atos das partes

- praticados por autor, ru, terceiros - sentenas e decises

interessados e Ministrio Pblico; atos do juiz

interlocutrias (no pem fim ao processo), e despachos - atos praticados pelos auxiliares da justia para a devida prestao jurisdicional.

Feriados Forenses A regra para que os atos no sejam praticados nos feriados forenses, com exceo das medidas de natureza urgente.

Prazos Se no houver previso legal, a lei diz que os prazos omissos devem ser praticados em cinco dias.

Contagem Exclui-se o dia de incio e inclui-se o dia de final. No caso de o dia de incio ou fim cair em final de semana (sbado ou domingo), em feriado, ou em dias em que no haja expediente forense, os prazos so prorrogados para o dia til subseqente.

Prazo para Fazenda Pblica e Ministrio Pblico - O prazo contado em 6

dobro para recorrerem, e quadruplicado para contestar.

Prazo para Defensoria Pblica - Os prazos so contados em dobro.

Prazo para Litisconsortes - No caso de litisconsortes tiverem diferentes procuradores, ser-lh