resumo de varios topicos

Download Resumo de varios topicos

Post on 28-Aug-2015

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Resumo de varios topicos

TRANSCRIPT

Direito Constitucional

Em primeiro lugar, cabe mencionar que, de fato, a CF/88 do tipo: (i) rgida (exige procedimento mais rduo para alterao dos seus dispositivos do que para a mudana das demais leis); (ii) escrita (redigida em documento nico, por um rgo constituinte); (iii) democrtica(elaborada por representantes do povo democraticamente eleitos); (iv) dogmtica (reflete a ideologia reinante em determinado momento histrico delimitado no tempo); (v) formal (trata no s de normas substancialmente constitucionais); (vi) analtica (de texto extenso, tratando de matrias variadas, e no s de temas substancialmente constitucionais); (vii) dirigente (alm de estabelecer as garantias fundamentais frente ao Estado, fixa programas e diretrizes para aatuao futura dos rgos estatais); e (viii) normativa (efetivamente regula a vida poltica do Estado).

Ateno! No caber mandando de segurana contra (Lei 12.016/09,art. 5):CURSO ON-LINE DIREITO CONSTITUCIONAL P/ O TCUPROFESSOR: FREDERICO DIAS7www.pontodosconcursos.com.brI - ato do qual caiba recurso administrativo com efeito suspensivo, independentemente de cauo;II - deciso judicial da qual caiba recurso com efeito suspensivo;III - deciso judicial transitada em julgado;IV - atos de gesto comercial praticados pelos administradores de empresas pblicas, de sociedade de economia mista e de concessionrias de servio pblico (Lei 12.016/09, art. 1, 2). de se observar que os processos de mandado de segurana e os respectivos recursos tero prioridade sobre todos os atos judiciais, salvo habeas corpus (art. 20).O direito de requerer mandado de segurana extinguir-se- decorridos 120 (cento e vinte) dias, contados da cincia, pelo interessado, do ato impugnado. Isso importante! Pois, o STF fixou entendimento de que constitucional esse prazo decadencial de 120 dias.A lei admite a concesso de medida liminar em mandado de segurana. Entretanto, no ser concedida medida liminar que tenha por objeto: (i) a compensao de crditos tributrios, (ii) a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, (iii) a reclassificao ou equiparao deservidores pblicos e (iv) a concesso de aumento ou a extenso de vantagens ou pagamento de qualquer natureza.Segundo o STF, lcito ao impetrante desistir da ao de mandado de segurana, independentemente de aquiescncia da autoridade coatora (ou entidade interessada). (MS 26.890-AgR, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 16-9-09, Plenrio).Quanto competncia para julgamento do mandado de segurana, ela definida pela categoria da autoridade coatora e sua sede funcional.Ou seja, a partir da autoridade que comete o ato coator, que se estabelece quem ser competente para o julgamento da ao. Assim, por exemplo, compete ao STF processar e julgar, originariamente, o mandado de segurana contra ato do Presidente da Repblica ou contraato do TCU (CF, art. 102, I, d).A Constituio Federal de 1988 prev ainda a figura do mandado de segurana coletivo. interessante voc observar que pela primeira vez essa verso coletiva do mandado de segurana foi regulamentada em legislao infraconstitucional (a antiga lei era de 1951 e no tratava disso).Assim, o mandado de segurana coletivo pode ser impetrado por (art. 21):I - partido poltico com representao no Congresso Nacional, na defesa de seus interesses legtimos relativos aos seus integrantes ou finalidade partidria; ouII - organizao sindical, entidade de classe ou associao legalmente constituda e em funcionamento h, pelo menos, 1 (um) ano, em defesa de direitos lquidos e certos da totalidade, ou de parte, dos seus membros ou associados, na forma dos seus estatutos e desdeque pertinentes s suas finalidades, dispensada, para tanto, autorizao especial.

Domiclio necessrio ou legal aquele imposto por lei a certas pessoas em razo de sua condio especial. Conforme art. 76 do CC, tm domiclio necessrio ou legal o incapaz, o servidor pblico, o militar, o martimo e o preso. O pargrafo nico lista seus domiclios necessrios: do incapaz o do seu representante ou assistente; do servidor pblico o lugar em que exerce permanentemente suas funes; do militar o lugar onde servir, mas se for da marinha ou da aeronutica a sede do comando a que estiver imediatamente subordinado; do martimo onde o navio estiver matriculado; do preso o lugar em que cumprir a sentena.FICA A DICA PRA LEMBRAR:"MAR INCA SERVI PREMIL"MAR - MARTIMOINCA - INCAPAZSERVI - SERVIDORPREMIL - PRESO + MILITAR

Nos processos perante o Tribunal de Contas da Unio asseguram-se ocontraditrio e a ampla defesa quando da deciso puder resultaranulao ou revogao de ato administrativo que beneficie o interessado,excetuada a apreciao da legalidade do ato de concesso inicial deaposentadoria, reforma e penso. (Smula Vinculante 3)

A falta de defesa tcnica por advogado no processo administrativodisciplinar no ofende a Constituio. (Smula Vinculante 5)

direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amploaos elementos de prova que, j documentados em procedimentoinvestigatrio realizado por rgo com competncia de polcia judiciria,digam respeito ao exerccio do direito de defesa. (Smula Vinculante 14)

inconstitucional a exigncia de depsito ou arrolamento prviosde dinheiro ou bens para admissibilidade de recurso administrativo.(Smula Vinculante 21)Competncias do Senado (privativas)I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da Repblica nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exrcito e da Aeronutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;II - processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justia e do Conselho Nacional do Ministrio Pblico, o Procurador-Geral da Repblica e o Advogado-Geral da Unio nos crimes de responsabilidade;III - aprovar previamente, por voto secreto, aps argio pblica, a escolha de:a) Magistrados, nos casos estabelecidos nesta Constituio;b) Ministros do Tribunal de Contas da Unio indicados pelo Presidente da Repblica;c) Governador de Territrio;d) Presidente e diretores do banco central;e) Procurador-Geral da Repblica;f) titulares de outros cargos que a lei determinar;IV - aprovar previamente, por voto secreto, aps argio em sesso secreta, a escolha dos chefes de misso diplomtica de carter permanente;V - autorizar operaes externas de natureza financeira, de interesse da Unio, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territrios e dos Municpios;VI - fixar, por proposta do Presidente da Repblica, limites globais para o montante da dvida consolidada da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios;VII - dispor sobre limites globais e condies para as operaes de crdito externo e interno da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios, de suas autarquias e demais entidades controladas pelo Poder Pblico federal;VIII - dispor sobre limites e condies para a concesso de garantia da Unio em operaes de crdito externo e interno; IX - estabelecer limites globais e condies para o montante da dvida mobiliria dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios;X - suspender a execuo, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por deciso definitiva do Supremo Tribunal Federal;XI - aprovar, por maioria absoluta e por voto secreto, a exonerao, de ofcio, do Procurador-Geral da Repblica antes do trmino de seu mandato;XII - elaborar seu regimento interno;XIII - dispor sobre sua organizao, funcionamento, polcia, criao, transformao ou extino dos cargos, empregos e funes de seus servios, e a iniciativa de lei para fixao da respectiva remunerao, observados os parmetros estabelecidos na lei de diretrizes oramentrias;XIV - eleger membros do Conselho da Repblica, nos termos do art. 89, VII da CF/88.XV - avaliar periodicamente a funcionalidade do Sistema Tributrio Nacional, em sua estrutura e seus componentes, e o desempenho das administraes tributrias da Unio, dos Estados e do Distrito Federal e dos Municpios.Dentre as competncias mais cobradas em concursos, est a de julgar diversas autoridades por crimes de responsabilidade (incisos I e II). De se observar que, nessas situaes, presidir a sesso o Presidente do STF, limitando-se a condenao (proferida por dois teros) perda do cargo, com inabilitao, por oito anos, para o exerccio de funo pblica, sem prejuzo das demais sanes judiciais cabveis.Quanto a esse julgamento, o STF firmou entendimento de que a renncia ao cargo, apresentada na sesso de julgamento, no paralisa o processo de impeachment. Ademais, no interrompe a jurisdio do Senado Federal para prosseguir no julgamento do processo, uma vez que ainda pode ser aplicada a pena de inabilitao para o exerccio de funes pblicas por oito anos.Observe ainda que diversas autoridades devem passar pela chancela do Senado para terem sua nomeao aprovada.

Cabe AGU representar, judicial e extrajudicialmente, a Unio, bem como prestar consultoria e assessoramento jurdico ao Poder Executivo.Errado, servidor pblico ocupante de cargo efetivo que seja extinto ficar em disponibilidade.Formas de aquisio da nacionalidade.Forma originria, divide-se em ius solis (nasceno Brasil)e ius sanguinis (filhos de brasileiros).Formas derivadas, divide-se em ordinria e extraordinria:Ordinria: lngua portuguesa, residir no mnimo h 1 ano sem interrupo no Brasil, idoneidade moral.Extraordinria: qualquer nacionalidade, 15 anos ininterruptos, no possuir condenao penal, requerer a nacionalidade.Membros do TCE e TCM ====> STJ (art. 105, I, a).Membros do TCU ====> STF (art. 102, I, c).

Transcrevo abaixo um artigo do professor Vicente Paulo publicado no site Ponto dos Concursos:Quem julga Governadores e Congressistas nos crimes de responsabilidade?Num Ponto pretrito, tratamos do processo de responsabilizao do Presidente da Repblica, nos crimes comuns e nos crimes de responsabilidade. Hoje, vamos examinar alguns detalhes, ainda envolvendo o assunto competncia para julgar.

Questo 1: Sabemos que o Presidente da Repblica processado e j