Resumo de Gramática.docx

Download Resumo de Gramática.docx

Post on 18-Oct-2015

221 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Gramtica</p> <p>Tem como finalidade orientar e regular o uso da lngua, estabelecendo um padro de escrita e de fala baseado em diversos critrios, tais como:- Exemplo de bons escritores;- Lgica;- Tradio;- Bom senso.Em se tratando de Gramtica, tem-se como matria-prima um sistema de normas, o qual d estrutura lngua. Tais normas definem a lngua padro, tambm chamada lngua culta ou norma culta. Assim, para falar e escrever corretamente, preciso estudar a Gramtica. Por ser um organismo vivo, a lngua est sempre evoluindo, o que muitas vezes resulta num distanciamento entre o que se usa efetivamente e o que fixam as normas. Isso no justifica, porm, o descaso com a Gramtica. Imprecisa ou no, existe uma norma culta, a qual deve ser conhecida e aplicada por todos.Quem desconhece a norma culta acaba tendo acesso limitado s obras literrias, artigos de jornal, discursos polticos, obras tericas e cientficas, enfim, a todo um patrimnio cultural acumulado durante sculos pela humanidade. Tipos de Gramtica </p> <p>Gramtica Normativa: aquela que busca a padronizao da lngua, estabelecendo as normas do falar e escrever corretamente. Costuma ser utilizada em sala de aula e em livros didticos. Gramtica Descritiva: Ocupa-se da descrio dos fatos da lngua, com o objetivo de investig-los e no de estabelecer o que certo ou errado. Enfatiza o uso oral da lngua e suas variaes.Gramtica Histrica: Estuda a origem e a evoluo histrica de uma lngua.Gramtica Comparativa: Dedica-se ao estudo comparado de uma famlia de lnguas. O Portugus, por exemplo, faz parte da Gramtica Comparativa das lnguas romnicas.Diviso da Gramtica</p> <p>Sabe-se que a lngua um sistema trplice: compreende um sistema de formas (mrfico), um sistema de frases (sinttico) e um sistema de sons (fnico). Por essa razo, a Gramtica tradicionalmente divide-se em:</p> <p>Morfologia: abrange o sistema mrfico.Sintaxe: enfoca o sistema sinttico. Fonologia/Fontica: focaliza o sistema fnico.Semntica: ocupa dos significados dos componentes de uma lngua.Estilstica: estuda os processos de manipulao da linguagem que permitem a quem fala ou escreve sugerir contedos emotivos e intuitivos por meio das palavras.</p> <p>Morfologia</p> <p>Em Lingustica, Morfologia o estudo da estrutura, da formao e da classificao das palavras. A peculiaridade da morfologia estudar as palavras olhando para elas isoladamente e no dentro da sua participao na frase ou perodo. A morfologia est agrupada em dez classes, denominadas classes de palavras ou classes gramaticais. So elas: Substantivo, Artigo, Adjetivo, Numeral, Pronome, Verbo, Advrbio, Preposio, Conjuno e Interjeio.</p> <p>- Estrutura da Palavras;- Classes de Palavras;</p> <p>Estrutura das Palavras</p> <p>Estudar a estrutura conhecer os elementos formadores das palavras. Assim, compreendemos melhor o significado de cada uma delas. As palavras podem ser divididas em unidades menores, a que damos o nome de elementos mrficos ou morfemas.Vamos analisar a palavra "cachorrinhas". Nessa palavra observamos facilmente a existncia de quatro elementos. So eles:cachorr - este o elemento base da palavra, ou seja, aquele que contm o significado.inh - indica que a palavra um diminutivoa - indica que a palavra femininas - indica que a palavra se encontra no plural</p> <p>Morfemas: unidades mnimas de carter significativo. Existem palavras que no comportam diviso em unidades menores, tais como: mar, sol, lua, etc. So elementos mrficos:- Raiz, Radical, Tema: elementos bsicos e significativos- Afixos (Prefixos, Sufixos), Desinncia, Vogal Temtica: elementos modificadores da significao dos primeiros- Vogal de Ligao, Consoante de Ligao: elementos de ligao ou eufnicos. </p> <p>Raiz: o elemento originrio e irredutvel em que se concentra a significao das palavras, consideradas do ngulo histrico. a raiz que encerra o sentido geral, comum s palavras da mesma famlia etimolgica. Exemplo: Raiz noc [Latim nocere = prejudicar] tem a significao geral de causar dano, e a ela se prendem, pela origem comum, as palavras nocivo, nocividade, inocente, inocentar, incuo, etc.</p> <p>Uma raiz pode sofrer alteraes: at-o; at-or; at-ivo; a-o; ac-ionar; </p> <p>Radical:</p> <p>Observe o seguinte grupo de palavras: livr-o; livr-inho; livr-eiro; livr-eco. Voc reparou que h um elemento comum nesse grupo? Voc reparou que o elemento livr serve de base para o significado? Esse elemento chamado de radical (ou semantema). Elemento bsico e significativo das palavras, consideradas sob o aspecto gramatical e prtico. encontrado atravs do despojo dos elementos secundrios (quando houver) da palavra. Exemplo: cert-o; cert-eza; in-cert-eza.</p> <p>Afixos: so elementos secundrios (geralmente sem vida autnoma) que se agregam a um radical ou tema para formar palavras derivadas. Sabemos que o acrscimo do morfema "-mente", por exemplo, cria uma nova palavra a partir de "certo": certamente, advrbio de modo. De maneira semelhante, o acrscimo dos morfemas "a-" e "-ar" forma "cert-" cria o verbo acertar. Observe que a- e -ar so morfemas capazes de operar mudana de classe gramatical na palavra a que so anexados. Quando so colocados antes do radical, como acontece com "a-", os afixos recebem o nome de prefixos. Quando, como "-ar", surgem depois do radical, os afixos so chamados de sufixos. Exemplo: in-at-ivo; em-pobr-ecer; inter-nacion-al.</p> <p>Desinncias: so os elementos terminais indicativos das flexes das palavras. Existem dois tipos:- Desinncias Nominais: indicam as flexes de gnero (masculino e feminino) e de nmero (singular e plural) dos nomes. Exemplos: aluno-o / aluno-s; alun-a / aluna-s. S podemos falar em desinncias nominais de gneros e de nmeros em palavras que admitem tais flexes, como nos exemplos acima. Em palavras como mesa, tribo, telefonema, por exemplo, no temos desinncia nominal de gnero. J em pires, lpis, nibus no temos desinncia nominal de nmero.</p> <p>- Desinncias Verbais: indicam as flexes de nmero e pessoa e de modo e tempo dos verbos. A desinncia "-o", presente em "am-o", uma desinncia nmero-pessoal, pois indica que o verbo est na primeira pessoa do singular; "-va", de "ama-va", desinncia modo-temporal: caracteriza uma forma verbal do pretrito imperfeito do indicativo, na 1 conjugao. </p> <p>Vogal Temtica: a vogal que se junta ao radical, preparando-o para receber as desinncias. Nos verbos, distinguem-se trs vogais temticas:- Caracteriza os verbos da 1 conjugao: buscar, buscavas, etc.- Caracteriza os verbos da 2 conjugao: romper, rompemos, etc.- Caracteriza os verbos da 3 conjugao: proibir, proibir, etc.</p> <p>Tema: o grupo formado pelo radical mais vogal temtica. Nos verbos citados acima, os temas so: busca-, rompe-, proibi-</p> <p>Vogais e Consoantes de Ligao: As vogais e consoantes de ligao so morfemas que surgem por motivos eufnicos, ou seja, para facilitar ou mesmo possibilitar a pronncia de uma determinada palavra. Exemplos: parisiense (paris= radical, ense=sufixo, vogal de ligao=i); gas--metro, alv-i-negro, tecn-o-cracia, pau-l-ada, cafe-t-eira, cha-l-eira, inset-i-cida, pe-z-inho, pobr-e-to, etc. </p> <p>Formao das Palavras: existem dois processos bsicos pelos quais se formam as palavras: a Derivao e a Composio. A diferena entre ambos consiste basicamente em que, no processo de derivao, partimos sempre de um nico radical, enquanto no processo de composio sempre haver mais de um radical.</p> <p>Derivao: o processo pelo qual se obtm uma palavra nova, chamada derivada, a partir de outra j existente, chamada primitiva. Exemplo: Mar (martimo, marinheiro, marujo); terra (enterrar, terreiro, aterrar). Observamos que "mar" e "terra" no se formam de nenhuma outra palavra, mas, ao contrrio, possibilitam a formao de outras, por meio do acrscimo de um sufixo ou prefixo. Logo, mar e terra so palavras primitivas, e as demais, derivadas. </p> <p>Tipos de Derivao</p> <p>- Derivao Prefixal ou Prefixao: resulta do acrscimo de prefixo palavra primitiva, que tem o seu significado alterado: crer- descrer; ler- reler; capaz- incapaz.- Derivao Sufixal ou Sufixao: resulta de acrscimo de sufixo palavra primitiva, que pode sofrer alterao de significado ou mudana de classe gramatical: alfabetizao. No exemplo, o sufixo -o transforma em substantivo o verbo alfabetizar. Este, por sua vez, j derivado do substantivo alfabeto pelo acrscimo do sufixo -izar.</p> <p>A derivao sufixal pode ser:Nominal, formando substantivos e adjetivos: papel papelaria; riso risonho.Verbal, formando verbos: atual - atualizar.Adverbial, formando advrbios de modo: feliz felizmente.</p> <p>- Derivao Parassinttica ou Parassntese: Ocorre quando a palavra derivada resulta do acrscimo simultneo de prefixo e sufixo palavra primitiva. Por meio da parassntese formam-se nomes (substantivos e adjetivos) e verbos. Considere o adjetivo "triste". Do radical "trist-" formamos o verbo entristecer atravs da juno simultnea do prefixo "en-" e do sufixo "-ecer". A presena de apenas um desses afixos no suficiente para formar uma nova palavra, pois em nossa lngua no existem as palavras "entriste", nem "tristecer". Exemplos:emudecermudo palavra iniciale prefixomud radicalecer sufixo</p> <p>desalmadoalma palavra inicialdes prefixoalm radicalado sufixo</p> <p>No devemos confundir derivao parassinttica, em que o acrscimo de sufixo e de prefixo obrigatoriamente simultneo, com casos como os das palavras desvalorizao e desigualdade. Nessas palavras, os afixos so acoplados em sequncia: desvalorizao provm de desvalorizar, que provm de valorizar, que por sua vez provm de valor. impossvel fazer o mesmo com palavras formadas por parassntese: no se pode dizer que expropriar provm de "propriar" ou de "exprprio", pois tais palavras no existem. Logo, expropriar provm diretamente de prprio, pelo acrscimo concomitante de prefixo e sufixo.</p> <p>- Derivao Regressiva: ocorre derivao regressiva quando uma palavra formada no por acrscimo, mas por reduo: comprar (verbo), compra (substantivo); beijar (verbo), beijo (substantivo).</p> <p>Para descobrirmos se um substantivo deriva de um verbo ou se ocorre o contrrio, podemos seguir a seguinte orientao:- Se o substantivo denota ao, ser palavra derivada, e o verbo palavra primitiva.- Se o nome denota algum objeto ou substncia, verifica-se o contrrio.Vamos observar os exemplos acima: compra e beijo indicam aes, logo, so palavras derivadas. O mesmo no ocorre, porm, com a palavra ncora, que um objeto. Neste caso, um substantivo primitivo que d origem ao verbo ancorar.</p> <p>Por derivao regressiva, formam-se basicamente substantivos a partir de verbos. Por isso, recebem o nome de substantivos deverbais. Note que na linguagem popular, so frequentes os exemplos de palavras formadas por derivao regressiva. o portuga (de portugus); o boteco (de botequim); o comuna (de comunista); agito (de agitar); amasso (de amassar); chego (de chegar)</p> <p>O processo normal criar um verbo a partir de um substantivo. Na derivao regressiva, a lngua procede em sentido inverso: forma o substantivo a partir do verbo.</p> <p>- Derivao Imprpria: A derivao imprpria ocorre quando determinada palavra, sem sofrer qualquer acrscimo ou supresso em sua forma, muda de classe gramatical. Neste processo:Os adjetivos passam a substantivos: Os bons sero contemplados.Os particpios passam a substantivos ou adjetivos: Aquele garoto alcanou um feito passando no concurso.Os infinitivos passam a substantivos: O andar de Roberta era fascinante; O badalar dos sinos soou na cidadezinha.Os substantivos passam a adjetivos: O funcionrio fantasma foi despedido; O menino prodgio resolveu o problema.Os adjetivos passam a advrbios: Falei baixo para que ningum escutasse.Palavras invariveis passam a substantivos: No entendo o porqu disso tudo.Substantivos prprios tornam-se comuns: Aquele coordenador um caxias! (chefe severo e exigente)</p> <p>Os processos de derivao vistos anteriormente fazem parte da Morfologia porque implicam alteraes na forma das palavras. No entanto, a derivao imprpria lida basicamente com seu significado, o que acaba caracterizando um processo semntico. Por essa razo, entendemos o motivo pelo qual denominada "imprpria".</p> <p>Composio: o processo que forma palavras compostas, a partir da juno de dois ou mais radicais. Existem dois tipos:</p> <p>- Composio por Justaposio: ao juntarmos duas ou mais palavras ou radicais, no ocorre alterao fontica: passatempo, quinta-feira, girassol, couve-flor. Em "girassol" houve uma alterao na grafia (acrscimo de um "s") justamente para manter inalterada a sonoridade da palavra. </p> <p>- Composio por Aglutinao: ao unirmos dois ou mais vocbulos ou radicais, ocorre supresso de um ou mais de seus elementos fonticos: embora (em boa hora); fidalgo (filho de algo - referindo-se a famlia nobre); hidreltrico (hidro + eltrico); planalto (plano alto). Ao aglutinarem-se, os componentes subordinam-se a um s acento tnico, o do ltimo componente.</p> <p>- Reduo: algumas palavras apresentam, ao lado de sua forma plena, uma forma reduzida. Observe: auto - por automvel; cine - por cinema; micro - por microcomputador; Z - por Jos. Como exemplo de reduo ou simplificao de palavras, podem ser citadas tambm as siglas, muito frequentes na comunicao atual. </p> <p>- Hibridismo: ocorre hibridismo na palavra em cuja formao entram elementos de lnguas diferentes: auto (grego) + mvel (latim).</p> <p>- Onomatopeia: numerosas palavras devem sua origem a uma tendncia constante da fala humana para imitar as vozes e os rudos da natureza. As onomatopeias so vocbulos que reproduzem aproximadamente os sons e as vozes dos seres: miau, zumzum, piar, tinir, urrar, chocalhar, cocoricar, etc.</p> <p>Prefixos: os prefixos so morfemas que se colocam antes dos radicais basicamente a fim de modificar-lhes o sentido; raramente esses morfemas produzem mudana de classe gramatical. Os prefixos ocorrentes em palavras portuguesas se originam do latim e do grego, lnguas em que funcionavam como preposies ou advrbios, logo, como vocbulos autnomos. Alguns prefixos foram pouco ou nada produtivos em portugus. Outros, por sua vez, tiveram grande vitalidade na formao de novas palavras: a- , contra- , des- , em- (ou en-) , es- , entre- re- , sub- , super- , anti-.</p> <p>Prefixos de Origem Grega </p> <p>a-, an-: afastamento, privao, negao, insuficincia, carncia: annimo, amoral, ateu, afnico.ana-: inverso, mudana, repetio: analogia, anlise, anagrama, anacrnico.anfi-: em redor, em torno, de um e outro lado, duplicidade: anfiteatro, anfbio, anfibologia.anti-: oposio, ao contrria: antdoto, antipatia, antagonista, anttese.apo-: afastamento, separao: apoteose, apstolo, apocalipse, apologia.arqui-, arce-: superioridade hierrquica, primazia, excesso: arquiduque, arqutipo, arcebispo, arquimilionrio.cata-: movimento de cima para baixo: cataplasma, catlogo, catarata.di-: duplicidade: disslabo, ditongo, dilema.dia-: movimento atravs de, afastamento: dilogo, diagonal, diafragma, diagrama.dis-: dificuldade, privao: dispneia, disenteria, dispepsia, disfasia.ec-, ex-, exo-, ecto-: movimento para fora: eclipse, xodo, ectoderma, exorcismo.en-, em-, e-: posio interior, movimento para dentro: encfalo, embrio, elipse, entusiasmo.endo-: movimento para dentro: e...</p>