Resumo de Cardiovascular

Download Resumo de Cardiovascular

Post on 19-Jul-2015

321 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>RESUMO DE ANATOMIA DOS SISTEMAS - UFBA SISTEMA CARDIOVASCULAR - PROVA III Autor: Gualter 2009.1 Recomendao: tenha sempre um bom atlas em mos, para anlise das estruturas aqui citadas. Voc estuda automaticamente para a prova prtica. SISTEMA CIRCULATRIO: introduo; Pginas 36 a 41 do Moore - &gt; Vide figuras da pg. 37</p> <p>Transporte de lquidos e nutrientes, basicamente e normalmente. Composio: Corao, vasos sanguneos e vasos linfticos; - No diga! Trs tipos de vasos: artrias veias e capilares; Como o sangue que sai do corao sai sob alta presso, esses vasos precisam ser mais espessos, concorda? medida que a presso diminui, o calibre e a espessura da parede do vaso tambm vai diminuindo; Leito capilar: local de trocas de gases, nutrientes, resduos e substncias Estrutura histolgica comum: 1) Tnica ntima: endotlio + tecido conjuntivo; capilares possuem apenas esta; 2) Tnica mdia: basicamente musculatura lisa; 3) Tnica externa: tecido conjuntivo; Geralmente a distino de artrias, veias e vasos linfticos ocorre por anlise dessa camada (no caso das artrias, encontramos muita fibra elstica nessa camada) Artrias: Sangue corao ^ corpo; Calibre decrescente; Grandes artrias elsticas: recebem o dbito cardaco; Se expande durante a contrao ventricular para minimizar as variaes de presso; Exemplo: Aorta, tronco BC etc. Artrias musculares mdias: artrias distribuidoras; principalmente msculo liso circular; A caracterstica principal a vasoconstrio para regulao de fluxo; Exemplo: A. Braquial; Pequenas artrias e arterolas: luz estreita e parede muscular espessa; controla o grau de enchimento dos leitos capilares; Anastomoses: escape caso haja obstruo; conceito de circulao colateral; exigem tempo, e so insuficientes para compensar ocluso sbita;</p> <p>Arteriosclerose E a doena mais comum das artrias;Consiste em espessamento e perda de elasticidade; Aterosclerose ^ acmulo de gordura (placas de ateroma) na parede; posterior deposio de clcio; Trombose: ocluso por coagulao local; Embolia: a placa se rompe e cai na corrente sangunea; Consequncias: isquemia (reduo do suprimento sanguneo) e infarto (necrose); Notria particularidade com corao, encfalo (derrame) e parte distal dos membros (gangrena) Veias: geralmente conduzem sangue desoxigenado dos leitos capilares ^ corao; Porm, as veias pulmonares conduzem sangue oxigenado do pulmo para o corao; A baixa presso confere parede fina s veias; No pulsam (exceto na estenose jugular); Trs tamanhos: vnulas, as menores, tributrias de maiores que geralmente formam plexos venosos, como por exemplo o arco venoso dorsal do p; Veias mdias, acompanham artrias mdias, possuem vlvulas (ver figura da pg. 40), como a safena magna e parva. Grandes veias, como a veia cava superior, possuem muito m. Liso longitudinal e tnica adventcia bem desenvolvida; Veias so mais abundantes que artrias; 20% do sangue ocupam artrias e 80% ocupam veias, devido ao maior dimetro das ultimas;</p> <p>Veias Varicosas So as veias que perderam elasticidade, e que se entorta devido dilatao que sofre para poder sustentar uma coluna de sangue contra a gravidade; maior frequncia nas pernas; vlvulas ausentes ou destrudas por inflamao; vlvulas incompetentes; Capilares sanguneos: tbulos endoteliais simples para juno arteriovenosa, permitindo a troca entre o lquido extracelular; A presso hidrosttica da arterola fora a sada de lquido contendo oxignio, nutrientes e outros materiais; o retorno do lquido para as vnulas ocorre pela presso coloidosmtica, porm parte do lquido no retorna, sendo responsabilidade agora do sistema linftico; Pginas 41 a 43 do Moore; Vide figura da pg. 42;</p> <p>SISTEMA LINFTICO: introduo;</p> <p>No visvel no cadver; Hiptese e foras de Starling (Vide fisiologia, Berne, pginas 675-676) Diariamente at 3 litros de lquido no so reabsorvidos pelos capilares; Acmulo de lquido causaria edema; Sistema de hiperfluxo ; Componentes Importantes: Plexos linfticos ^ redes de capilares com fundo cego, endotlio fino sem lmina basal permite fcil passagem de protenas plasmticas e resduos; Vasos linfticos ^ encontrados em quase todos os lugares onde h capilares sanguneos, exceto em dentes, osso e medula ssea; Linfa ^ Lquido amarelo de composio semelhante ao plasma; Linfonodos ^ Massa de tecido linftico para filtrao da linfa; Tecido Linfoide ^ produo de linfcitos, como bao, timo e linfonodos; Vasos linfticos superficiais (anastomose livre) ^ convergem ^ Vasos linfticos profundos ^ unem-se para form ar o ducto linftico direito e ducto torcico, explicados + profundamente no prximo tpico Vasos linfticos tambm comunicam-se livremente com veias em muitas partes do corpo; Outras funes do sistema linftico: Absoro e transporte de gordura da alimentao e formao de um mecanismo de defesa para o corpo;</p> <p>A Disseminao do Cncer Contiguidade ou metstase; Metstase de 3 formas ^ Semeadura direta das mucosas das cavidades corporais; Disseminao Linfognica; e Disseminao hematognica; A linfognica a via mais comum para disseminao dos carcinomas (tumores epiteliais); linfonodos tornam-se locais de cncer secundrio; linfonodos cancerosos: tamanho aumentado devido ao tumor; Linfangite, Linfadenite e Linfedema As primeiras so inflamao secundria dos vasos e linfonodos, respectivamente; traumatismo ou infeco grave; Linfedema acmulo de lquido intersticial; Ducto torcico e troncos linfticos: pginas 167 e 168 do Moore; Ducto torcico: localizao na face anterior das 7 vrtebras torcicas inferiores; o maior do corpo; conduz a maior parte da linfa para o sistema venoso; Origem: cisterna do quilo (saco coletor dilatado); responsvel por: cavidade plvica, abdominal, MSE, lado esquerdo do trax, cabea e pescoo; Relaes: Aorta sua esquerda, Veia zigo direita, Esfago anteriormente e corpos vertebrais posteriormente; Recebe ramos intercostais, troncos jugular, subclvio e broncomediastinal; Desemboca na unio das veias jugular interna e subclvias esquerdas (ngulo venoso esquerdo);</p> <p>Lacerao do Ducto torcico Difcil identificao o torna vulnervel durante procedimentos de investigao e/ou cirrgicos; ocorre perda de linfa para cavidade torcica em taxa de 75 a 200 ml/hora ^ Quilotrax; remoo por agulha ou toracocentese; a ligadura faz com que a linfa retorne para o sistema venoso por canais superiores esta ligadura; Ducto linftico direito: drena linfa do QSD do corpo ( lado direito da cabea, pescoo e trax, alm do MSD); desemboca no ngulo venoso direito, juno das veias jugular interna direita e subclvia direita; Ver figura da pgina 261</p> <p>BAO: Pginas 260 a 264 do Moore; </p> <p>rgo abdominal mais vulnervel; Localizao no hipocndrio esquerdo, onde recebe a proteo da caixa torcica inferior; Local de proliferao de linfcitos, superviso e resposta imune; Perodo pr-natal: rgo hematopoitico; serve como reservatrio de sangue, armazenando hemcias e plaquetas; grau limitado de auto-transfuso em resposta a hemorragias; Massa vascular de consistncia mole, com uma cpsula fibrelstica delicada circundada por peritneo, exceto no hilo esplnico, local de entrada e sada dos ramos das artrias e veias esplnicas; Relaes do Bao: anteriormente o estmago; posteriormente a parte esquerda do diafragma; inferiormente a flexura esquerda do colo; medialmente o rim esquerdo; Face diafragmtica: superfcie convexa para se encaixar na cavidade do diafragma; margens superior e anterior: agudas; Posterior e inferior: arredondadas; Cpsula esplnica; Trabculas esplnicas; estas formaes contm msculo liso para auxiliar no expelimento regular de sangue;</p> <p>Ligamentos gastroesplnico e esplenorrenal: possuem vasos esplnicos e esto fixados ao hilo; obs.: o hilo esplnico est frequentemente em contato com a cauda do pncreas e constitui o limite esquerdo da bolsa omental; Artria esplnica: maior ramo do tronco celaco; se ramifica entre as camadas do ligamento esplenorrenal que no se anastomosam; Veia esplnica: tributrias que emergem do hilo; une-se VMS para form ar a veia porta; Face visceral: rea gstrica: superior ao hilo; rea renal: nfero-medial; rea clica: nfero-lateral; rea pancretica: dentro do hilo;</p> <p>Pericrdio (Mediastino): pginas 126 a 130 do Moore; Ver figuras da pgina 127 e 128 Mediastino mdio: pericrdio + corao + razes dos seus grandes vasos; Pericrdio: membrana fibrosserosa que cobre o corao e o incio de seus grandes vasos; Duas camadas: pericrdio fibroso ^ externa resistente, contnua com o tendo central do diafragma; pericrdio seroso ^ lminas parietal e visceral; O pericrdio seroso , ainda: fixado anteriormente ao esterno pelos ligamentos esternopericrdicos; Ligamento pericardiofrnico; O corao fica bem preso dentro do saco pericrdico, e devido s fixaes, o pericrdio influenciado por movimentos do corao e dos grandes vasos, esterno e diafragma; Pericrdio fibroso: protege corao contra super enchimento sbito devido sua inflexibilidade; Seio transverso do pericrdio = passagem transversal no saco pericrdico entre as origens dos grandes vasos aferentes e eferentes Seio oblquo do pericrdio = recesso semelhante a uma bolsa posterior base do corao formada pelo trio esquerdo; limite lateral: reflexes pericrdicas de VCI e pulmonares; Limite posterior: pericrdio sobrejacente face anterior do esfago; SUPRIMENTO ARTERIAL do pericrdio: Artria torcica interna ^ artria pericardiofrnica; artria musculofrnica; Aorta torcica ^ Aa. Brnquica, esofgica e frnica superior; Artrias coronrias: lmina visceral do pericrdio seroso DRENAGEM VENOSA: Veias pericardiofrnicas ^ Veias braquiceflicas; Sistema venoso zigo INERVAO do pericrdio: frnicos (C3-C5); nervos vagos; troncos simpticos vasomotores;</p> <p>Significado cirrgico do Seio Transverso do pericrdio Inserindo um dedo por de trs da aorta e do tronco pulmonar, o cirurgio pode introduzir um clampe cirrgico ou ligadura e assim desviar ou interromper a circulao enquanto realizam a cirurgia cardaca; Pericardite ^ inflamao causa dor torcica; ouvido, com um estetoscpio, um atrito pericrdico das superfcies speras na borda esternal esquerda; Derrame pericrdico ^ Acmulo de pus ou lquido na cavidade pericrdica, comprimindo o corao e impedindo sua expanso; Insuf. Cardaca congestiva;</p> <p>CORAO E GRANDES VASOS: pginas 130 a 143 do Moore; Ver figuras das pg. 134 e 140; Lado direito do corao: VCS E VCS chegam com sangue pobre em O2; Tronco pulmonar sai com sangue para ser oxigenado; Lado esquerdo do corao: Vv. Pulmonares chegam com sangue rico em 02; Aorta sai com sangue para o corpo; Quatro cmaras; duas em cada lado ^ Dois trios, 1 em cada lado; Dois ventrculos, um em cada lado; trios so para recepo, ventrculos so para ejeo; As aes sincronizadas que mantm o fluxo sanguneo nessa ordem que a gente viu ali em cima constitui o CICLO CARDACO; Distole = alongamento e enchimento; Sstole = esvaziamento; Sons ouvidos no estetoscpio: TUM : sangue dos trios ^ ventrculos; TAC: Sangue dos ventrculos ^ fora; estes sons so produzidos pelo fechamento das respectivas valvas; TRS CAMADAS: 1) Endocrdio: fino; endotlio + TCF; cobre paredes internas e valvas; 2) Miocrdio: msculo estriado cardaco helicoidal (contrao em toro); 3) Epicrdio: lmina visceral do pericrdio seroso; As fibras musculares esto fixadas ao esqueleto fibroso do corao: colgeno denso forma quatro anis fibrosos que circundam os stios das valvas; entre os anis ficam os t rgonos fibrosos direito e esquerdo; abaixo dos anis ficam as partes membranceas dos septos interatrial e interventricular; Funes: mantm os orifcios permeveis e impedem distenso excessiva; fixao para vlvulas e miocrdio, e ainda forma um isolante eltrico para os impulsos atriais e ventriculares ^ independncia de contrao;</p> <p>Sulco coronrio: demarcao entre trio e ventrculo; Sulco interventricular: demarcao entre ventrculos; anterior e posterior; pice do corao: pt. nfero-lateral do ventrculo esquerdo; 5 EIC em adultos (ictus cordis); imvel durante o ciclo; som mximo de fechamento da mitral Base do corao: Face posterior oposta ao pice; formada pelo trio esquerdo e pouco do direito; corpos vertebrais de T6 a T9; Recebe as veias cavas e as veias pulmonares; Faces do corao: Esternocostal (VD), Diafragmtica (VE, parte do VD, tendo central do diafragma;) e Pulmonar (VE): forma impresso cardaca no pulmo; Margens: Direita:AD entre as cavas; Inferior: VD e pouco do VE; Esquerda: VE e pouco da aurcula direita; Superior: trios e aurculas Tronco pulmonar: continuao arterial de VD; divide-se nas pulmonares;_________________________</p> <p>Anom alias de posio do corao Dobramento anormal do corao embrionrio ^ dextrocardia; posicionamento espelhado dos grandes vasos e do arco artico; Quando isolada (ou seja, as vsceras torcicas e abdominais no se inverteram) ocorrem complicaes cardacas Percusso do corao ^ define tamanho e densidade do corao atravs das diferenas de conduo das ondas sonoras; trio Direito: O interior possui: parte posterior lisa, de paredes finas, com seio das veias cavas e o seio coronrio; parte anterior muscular (pectneos); Um stio AV direito; Separao entre as partes lisa e rugosa ^ sulco terminal externamente e crista termina internamente; stio do seio coronrio: abertura do tronco venoso que recebe maior parte das veias cardacas e que localiza-se entre o stio AV e o stio da VCI; Septo interatrial: possui uma depresso chamada fossa oval, e seu limbo, que so remanescentes do forame oval e sua valva, no feto. Ventrculo Direito: O ventrculo direito forma a maior parte da face esternocostal;, pequena parte da face diafragmtica e quase toda a margem inferior do corao; Cone arterial (infundbulo) ^ conduz o tronco pulmonar; Trabculas Crneas: elevaes musculares irregulares; Crista supraventricular: separa parede rugosa da parte lisa do cone arterial; stio AV direito: influxo de sangue atrial direito; possui um dos anis fibrosos, que mantm o calibre constante, impedindo que o sangue passe com presses variadas; Valva AV direita: base das vlvulas fixadas ao anel; cordas tendneas fixam-se s margens livres e s superfcies ventriculares das vlvulas anterior, posterior e septal. Originam-se dos mm. Papilares. Uma contrao dos papilares antes da prpria contrao do ventrculo direito impedem o prolapso das vlvulas e uma regurgitao do sangue para o trio direito; MPAnterior: maior; origem na parede anterior do VD; manda cordas para a vlvula anterior e septal; MPPosterior; menor que o anterior; origem na parede inferior do VD; manda cordas para posterior e septal; MPSeptal: Origem no septo IV; manda cordas para septal e anterior; Septo IV: partes membrancea e muscular; Trabcula Septomarginal: feixe muscular curvo que atravessa VD conduzindo parte do ramo direito do fascculo AV at o MPA; Valva Pulmonar: no pice do cone arterial;</p> <p>Defeitos do Septo Comunicaes interatriais: anomalia congnita ^ fechamento incompleto do forame oval; em 15 25% dos adultos existe uma pequena abertura, que no causa alteraes hemodinmicas; sangue oxigenado desviado para AD causando aumento e dilatao do tronco pulmonar, sobrecarregando o sistema vascular pulmonar; Comunicaes interventriculares: origem embriolgica complexa separa partes membrancea e muscular do septo...</p>