resenha de estudos espiritas 06

Download Resenha de estudos espiritas 06

Post on 18-Dec-2014

390 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Estudos espíritas dedicados especialmente ao principiante espírita, descortinando novos horizontes à criatura humana, semeando conhecimento iluminativo, estimulando a prática incondicional do bem, enaltecendo Jesus.

TRANSCRIPT

  • 1. especialmente ao principiante esprita E spritas Resenha de Estudos Espiritismo estudado descortinando novos horizontes s criaturas humanas SRIE o celeste roteiro 6 janeiro de 2014 semeando conhecimento iluminativo; estimulando a prtica incondicional do bem; enaltecendo Jesus 1
  • 2. Roteiro A CELESTE INDAGAO O CELESTE Resenha de Estudos Espritas 7 de janeiro de 2014 Unidade em estudo: Que buscais? (Joo 1 : 38) A quem buscais? (Joo 18 : 4) n6 Eu Sou o Caminho tema: Jesus, nosso modelo e guia abordagem: A Celeste Indagao parte nica A Celestre Indagao ttulo desta edio: A Celeste Indagao objetivo do tema abordado: O objetivo do tema enaltecer a figura de Jesus e sua presena em nossas vidas, como expresso de esperana e consolo, relacionando o Espiritismo com a Sua mensagem, por ser ela a essncia da Doutrina Esprita. observao: Alm das Notas de Referncia para as citaes contidas no texto de abordagem do assunto, ao final seguem referncias bibliogrficas, que recomendamos sejam lidas e estudadas, pois ali se encontra conhecimento que ir dar maior substncia ao que ora nos dispomos aprender. B J uscais? QUE esus, voltando-se e vendo que eles o seguiam, disse-lhes: Que buscais? Afinal, o que estamos buscando em nosso dia a dia, que tem consumido nossas foras, nosso nimo, nosso tempo? Somos ns os que seguimos Jesus desde h mais de dois mil anos e chegado o momento de respondermos ao celeste questionamento. Naturalmente que essa resposta exige de ns, profunda e amadurecida reflexo sobre a vida, suas razes e nossos objetivos no curso dela. Sobre o que j sabemos e o que fazemos em nosso benefcio espiritual e em prol do prximo. 2 3
  • 3. Sobre nossa relao conosco mesmo, com o prximo e com Deus. A Benfeitora Espiritual, Joanna de ngelis, tambm nos fala a esse respeito, no livro Vida Feliz1: As circunstncias de cada dia operam no sentido de despertar nosso entendimento sobre as razes do existir. Acontece que nem sempre nos fazemos suficientemente atentos para melhor aproveitarmos as lies da vida. E esse nosso despertar se faz tardio. Ningum colhe em seara alheia, que no haja semeado, no que diz respeito aos valores morais. Cada um herdeiro de si mesmo. Esprito imortal que , evolui de etapa em etapa, como aluno em educandrio de amor, repetindo a lio quando erra e sendo promovido quando acerta. No entanto, como o Criador estabeleceu como nosso fanal o Bem e a felicidade, pelo que, reconheamos, pouco temos feito por perseguir, as Leis Divinas nos facultam sacudidelas (provas expiaes) a fim de tirar-nos do entorpecimento e inao espiritual. Assim, numa existncia d prosseguimento ao que deixou interrompido na outra, corrige o que fez errado ou inicia uma experincia nova. O que, porm, no realiza por amor, a dor o convocar a executar. Aprendemos em O Livro dos Espritos, conforme resposta das Vozes dos Cus questo 259: inadivel o momento de agora para trabalharmos pelo despertar do Esprito, pelo despertar da nossa conscincia. Do fato de pertencer ao Esprito a escolha do gnero de provas que deva sofrer, seguir-se- que todas as tribulaes que experimentamos na vida ns as previmos e buscamos? Todas, no, porque no escolhestes e previstes tudo o que vos sucede no mundo, at s mnimas coisas. Escolhestes apenas o gnero das provaes. As particularidades correm por conta da posio em que vos achais; so, muitas vezes, consequncias das vossas prprias aes. Escolhendo, por exemplo, nascer entre malfeitores, sabia o Esprito a que arrastamentos se expunha; ignorava, porm, quais os atos que viria a praticar. Esses atos resultam do exerccio da sua vontade, ou do seu livre-arbtrio. Sabe o Esprito que, escolhendo tal caminho, ter que sustentar lutas de determinada espcie; sabe, portanto, de que natureza sero as vicissitudes que se lhe depararo, mas ignora se se verificar este ou aquele xito. Os acontecimentos se- 4 Esse abrir dos olhos do Esprito que nos facultar saber, de antemo, qual caminho a seguir, sabendo distinguir o bem do mal. Como se pode distinguir o bem do mal?2 O bem tudo o que conforme a lei de Deus; o mal, tudo o que lhe contrrio. Assim, fazer o bem proceder de acordo com a lei de Deus. Fazer o mal infringi-la. Lemos na Introduo de o livro Momentos de Conscincia:3 Imagem de Joanna de ngelis. Extrada de tela pintada por Cludio Urpia. Foto de Jorge Moehlecke A criatura agoniada, todavia, busca outros rumos de afirmao. cundrios se originam das circunstncias e da fora mesma das coisas. Previstos s so 1 FRANCO, Divaldo P. Vida Feliz. Ditado pelo Espos fatos principais, os que influem no destino. Se tomares uma estrada cheia de sulcos rito Joanna de ngelis. 4ed. Salvador, BA: Leal. 1994. Cap.: profundos, sabes que ters de andar cautelosamente, porque h muitas probabilidades de 70, p. 83. KARDEC, Allan. O Livro dos Espritos. 80ed. Rio cares; ignoras, contudo, em que ponto cairs e bem pode suceder que no caias, se fores 2 de Janeiro, RJ: FEB. 1998. Perg. 630, p. 310. bastante prudente. Se, ao percorreres uma rua, uma telha te cair na cabea, no creias 3 FRANCO, Divaldo P. Momentos de Conscincia. que estava escrito, segundo vulgarmente se diz. Ditado pelo Esprito Joanna de ngelis. Salvador, BA: Leal. 1992. Cap.: Momentos de conscincia, p. 11. 5
  • 4. Est, porm, em a natureza humana, a necessidade da paz e o anelo pelo bem-estar. Essa busca surge nos momentos de conscincia, quando descobre as necessidades legtimas e sabe distingui-las no meio dos despautrios, do suprfluo e da desiluso. (...) O amadurecimento intelecto-moral faculta a conscincia e esta propele para a verdade e a vida. Ainda a Veneranda Benfeitora, Joanna de ngelis, quem nos traz importante texto a respeito do despertar da conscincia, denominado: Aquisio da Conscincia:4 4 FRANCO, Divaldo P. Momentos de Conscincia. Ditado pelo Esprito Joanna de ngelis. Salvador, BA: Leal. 1992. Cap.: 1 p. 14-18. profundos como bem e o mal, o certo e o errado, o dever e a irresponsabilidade, a honra e o desar, o nobre e o vulgar, o lcito e o irregular, a liberdade e a libertinagem. cidez para agir diante dos desafios da existncia, elegendo o comportamento no agressivo e digno, mesmo que a contributo de sacrifcio. Essa conscincia no de natureza intelectual, atividade dos mecanismos cerebrais. a fora que os propele, porque nascidas nas experincias evolutivas, a exteriorizar-se em forma de aes. nentes vida. A conscincia pode ser treinada meTrabalhando dados no palpveis, diante o exerccio dos valores morais sabers selecionar os fenmenos exis- elevados, que objetivam o bem do prtenciais e as ocorrncias, tornando ximo, por consequncia, o prprio bem. tuas diretrizes de segurana aquelas O esforo para adquirir hbitos sauque proporcionam bem-estar, harmo- dveis conduz conscientizao dos nia, progresso moral, tranquilidade. deveres e s responsabilidades perti- Encontramo-la em pessoas incultas intelectualmente, e ausente em outras, portadoras de conhecimentos acadmicos. C aquisio da ONSCINCIA No momento da conscientizao, isto , no instante a partir do qual consegues discernir com acerto, usando como parmetro o equilbrio, alcanas o ponto elevado na condio de ser humano. Efeito natural do processo evolutivo, essa conquista te permitir avaliar fatores 6 Se analisarmos a conduta de um especialista em problemas respiratrios, que conhece intelectualmente os danos provocados pelo tabagismo, pelo alcoolismo e por outras drogas adictivas, e que, apesar disso, usa, ele prprio, qualquer um desses flagelos, eis que ainda no logrou a conquista da conscincia. Os seus dados culturais so frgeis de tal forma, que no dispem de valor para fomentar uma conduta saudvel. Por extenso, a pessoa que se permite o crime do aborto, sob falsos argumentos legais ou de direitos que se faculta, assim como todos aqueles que o estimulam ou o executam, incidem na mesma ausncia de conscincia, comportando-se sob a ao do instinto e, s vezes, da astcia, da acomodao, mascaradas de inteligncia. Herdeiro de si mesmo, das experincias transatas, o ser evolui por etapas, adquirindo novos recursos, corrigindo erros anteriores, somando conquistas. Jamais retrocede nesse processo, mesmo quando, aparentemente, reencarna dentro das paredes de enfermidades limitadoras, que bloqueiam o corpo, a mente ou a emoo, gerando tormentos. Os logros evolutivos permanecem adormecidos para futuros cometimentos, quando assomaro, lcidos. A aquisio da conscincia desafio da vida, que merece exame, considerao e trabalho. * A tua existncia terrena pode ser considerada uma empresa que deves dirigir de forma segura, a mais cuidadosa possvel. Ters que trabalhar dados concretos e outros mais abstratos, na rea da programao das atividades, a fim de conseguires xito. Todo empenho e devotamento se transformaro em mecanismos de lucro, a que sempre poders recorrer durante as situaes difceis. Algumas breves regras ajudar-te-o no desempenho do empreendimento, Outros indivduos, no obstante sem tais: conhecimento intelectual, possuem lu- administra os teus conflitos. O con- 7
  • 5. flito psicolgico inerente natureza humana e todos o sofrem; Onde est escrita a lei de Deus ? Na conscincia. - Responderam - evita eleger homens-modelos para com sabedoria. seguires. Eles tambm so vulnerA conscincia o estgio elevado veis s injunes que experimentas e, que deves adquirir, a fim de seguires