relatório final de estágio mestrado integrado em medicina ...· solução polielectrolítica...

Download Relatório Final de Estágio Mestrado Integrado em Medicina ...· solução polielectrolítica composta

Post on 10-Dec-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Relatrio Final de Estgio

Mestrado Integrado em Medicina Veterinria

CINCO CASOS CLNICOS DE MEDICINA INTERNA DE ANIMAIS

DE COMPANHIA

Ana Sofia Bacelar Brochado Coutinho

Orientador: Dr. Miguel Augusto Soucasaux Marques Faria

Co-Orientador: Dr. Lus Montenegro

Porto 2009

Relatrio Final de Estgio

Mestrado Integrado em Medicina Veterinria

CINCO CASOS CLNICOS DE MEDICINA INTERNA DE ANIMAIS

DE COMPANHIA

Ana Sofia Bacelar Brochado Coutinho

Orientador: Dr. Miguel Augusto Soucasaux Marques Faria

Co-Orientador: Dr. Lus Montenegro

Porto 2009

Relatrio de estgio 2008/2009

i

Resumo

O relatrio de concluso de Mestrado Integrado em Medicina Veterinria aqui apresentado tem

como principais objectivos a descrio e discusso de cinco casos clnicos da rea de Medicina

Interna de Animais de Companhia.

Cada caso est includo numa especialidade diferente, sendo que sero apresentados casos de

gastroenterologia, neurologia, dermatologia, urologia e de cardiologia.

Todos eles foram por mim acompanhados durante as dezasseis semanas de estgio curricular no

Hospital Veterinrio Montenegro.

Durante este perodo foi-me possvel entrar em contacto com a realidade da clnica e cirurgia de

animais de companhia. Rotativamente era permitido aos estagirios assistir e participar em

consultas externas, cirurgias, internamento e cuidados intensivos. Estive presente em todas estas

actividades, o que permitiu aprofundar os meus conhecimentos e melhorar a minha prtica

clnica em actividades que j no eram novas para mim, tendo sido tambm possvel entrar em

contacto directo com procedimentos nunca antes observados, enquanto aluna.

Nas consultas externas era-nos permitido no s observar, como tambm realizar exames fsicos.

Nas cirurgias, o estagirio tinha como funes fazer o controlo e monitorizao da anestesia, ser

ajudante de cirurgio, fazer a preparao pr-cirrgica e acompanhamento ps-operatrio do

animal.

No internamento, eram-nos incumbidas as tarefas de realizao de exames fsicos dirios,

administrao da medicao, fisioterapia, exames complementares e vigilncia.

Eram tambm solicitadas aos estagirios, durante as reunies dirias do hospital, a opinio sobre

os casos presentes, em termos de diagnstico e teraputica. Cada um de ns era assim

incentivado a fazer uma reviso bibliogrfica, de forma a podermos contribuir no s para

auxiliar os mdicos veterinrios, como tambm para a nossa formao.

Por fim, toda a equipa do Hospital Veterinrio Montenegro se mostrou igualmente disponvel

para nos esclarecer qualquer dvida relacionada com o acompanhamento dos casos e para

contribuir para a nossa formao.

Relatrio de estgio 2008/2009

ii

Agradecimentos

Ao meu orientador, Professor Miguel Faria, por toda a disponibilidade e pacincia demonstradas.

O meu muito obrigado por todo o auxlio prestado durante esta jornada.

Ao meu co-orientador, Dr. Lus Montenegro, em primeiro lugar por me ter recebido no seu

hospital e por me ter colocado disposio todos os meios necessrios para a minha formao.

Obrigada igualmente pela ateno dispensada e pelo auxlio prestado na construo deste

relatrio.

A toda a equipa do Hospital Veterinrio Montenegro, mdicos veterinrios, estagirios,

enfermeiros e auxiliares, por todo o apoio e dedicao.

Aos meus queridos animais, que tambm tanto contriburam, pela sua presena no hospital, para

aumentar os meus conhecimentos.

Relatrio de estgio 2008/2009

iii

Lista de abreviaturas

AST- Aspartato Aminotransferase

bid- duas vezes por dia

bpm- batimentos por minuto

BUN- Blood Urea Nitrogen

CHCM- Concentrao de Hemoglobina

Corpuscular Mdia

DTM- Dermatophyte Test Medium

FA- fosfatase alcalina

FIV- Feline Imunodefeciency Vrus

FLUTD- Feline Lower Urinary Tract

Disease

GPT- Alanina Aminotransferase

IM- intramuscular

IV- intravenoso

KCl- cloreto de potssio

LCR- Lquido Cefalorraquidiano

MARE- Meningite-Arterite Responsiva aos

Esterides

NaCl- cloreto de sdio

PO- per os

qid- cada seis horas

qod- cada 48 horas

rpm- respiraes por minuto

SC- subcutneo

sid- uma vez por dia

SNC- Sistema Nervoso Central

TAC- Tomografia Axial Computorizada

TRC- Tempo de Repleco Capilar

VCM- Volume Celular Mdio

Relatrio de estgio 2008/2009

iv

ndice

Caso clnico n 1: parvovirose canina1

Caso clnico n 2: meningite-arterite responsiva aos esterides7

Caso clnico n 3: dermatofitose felina13

Caso clnico n 4: FLUTD...19

Caso clnico n 5: mesotelioma pericrdico.25

Anexos.31

Parvovirose canina Relatrio de estgio 2008/2009

1

Caracterizao do paciente e motivo da consulta: O Bob era um candeo com nove meses de

idade, macho inteiro, de raa indeterminada, com 12,3 kg de peso e que foi trazido consulta

devido a diarreia com sangue vivo e vmitos.

Anamnese: O Bob no se apresentava vacinado contra nenhum dos agentes infecciosos, nem

desparasitado, tanto interna como externamente. O animal foi oferecido aos proprietrios quando

tinha trs meses de idade e estes no tinham conhecimento sobre o estado de sade dos restantes

irmos. Vivia numa moradia no Porto, onde tinha acesso a um jardim privado. Costumava vir dar

um passeio at um jardim pblico. Comia uma rao seca comercial para ces jovens, embora os

proprietrios lhe fornecessem por vezes alguns extras (po, fiambre ou queijo). No tinha por

hbito roer ou ingerir objectos, de mexer no lixo ou de comer ervas. No tinha acesso a txicos,

no tinha coabitantes, no fazia viagens e nunca foi sujeito a nenhum tipo de cirurgia. Estava a

ser medicado nesse momento com cimetidina, 8 mg/kg, tid, PO e metronidazol, 21 mg/kg, bid,

PO. Estava a fazer tambm dieta caseira e vigilncia, uma vez que o tinham trazido consulta

dois dias antes, devido a anorexia, prostrao, vmitos e diarreia que haviam aparecido trs dias

atrs. Devido s dificuldades financeiras dos proprietrios foi sugerido, contudo, apenas um

tratamento sintomtico para um diagnstico de gastroenterite. No passado mdico registava-se

uma sarna sarcptica haviam trs meses.

O quadro tinha-se agravado em relao aos ltimos dias, uma vez que os vmitos passaram a ser

mais frequentes, a diarreia passou a apresentar sangue vivo e o animal encontrava-se tambm

cada vez mais prostrado. A diarreia era lquida, hemorrgica e ftida. O vmito apresentava

contedo lquido, de cor amarelado. Em relao a todos os restantes parmetros da anamnese no

se identificaram mais alteraes. No apresentava perdas de sangue por qualquer outro local.

Exame fsico geral: Ao exame fsico o animal apresentava uma atitude em estao e em

movimento normal, encontrava-se bastante prostrado e o temperamento era equilibrado. As

mucosas oral, ocular e anal encontravam-se plidas e o TRC era de 3 segundos. A temperatura

rectal de 38,9C, com tnus anal normal sem sangue, parasitas ou fezes no termmetro. A

frequncia cardaca era de 116 bpm e a frequncia respiratria de 25 rpm. A respirao era do

tipo costoabdominal, com uma relao de 1:1,3, sendo os movimentos de profundidade normal,

regulares e rtmicos. O pulso era fraco, regular, rtmico e simtrico. Tanto a auscultao cardaca

como a auscultao pulmonar encontravam-se normais. O grau de desidratao era de 6%. Os

gnglios linfticos mandibulares, pr-escapulares e poplteos eram palpveis, de tamanho, forma

e consistncia normais. Os gnglios parotdeos, retrofarngeos, axilares, axilares acessrios e

inguinais no se palpavam. Quanto condio corporal era considerado um animal magro.

Parvovirose canina Relatrio de estgio 2008/2009

2

Exame dirigido ao sistema digestivo: palpao abdominal o animal apresentava um grande

desconforto, sobretudo na poro mdia e caudal do abdmen. As ansas intestinais encontravam-

se algo espessadas e com um contedo lquido. Ao toque rectal no se evidenciaram alteraes,

nem a presena de fezes ou s