relatorio de fisiologia vegetal (30maio)

Download Relatorio de Fisiologia Vegetal (30maio)

Post on 18-Jun-2015

1.448 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Grupo 2 Turma Prtica 1

1

Trabalho elaborado por:Ana Rita Graa Carlos Moreira Joo Neves Joo Martins Nelson Farinha

01.06.2009

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

ndiceIntroduo

Pg. 3 GA3 ABA BA GA3 vs BA Pg. 3 Pg. 4 Pg. 5 Pg. 5 Pg. 1

Material e Procedimentos 6 6

Experincia A

Pg.

Experincia B

Pg.

7

Experincia C

Pg.

8 Resultados 9

Pg. 9 Experincia A Pg.

Experincia B

Pg.

12

Experincia C

Pg.

14 Discusso/Concluso 16 Bibliografia Pg. 17 Pg.

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

1

IntroduoCom este trabalho pretendemos estudar o efeito do cido giberlico, normalmente designado por GA3, no alongamento do hipoctilo de alface (Lactuca sativa); induo de dormncia de sementes pelo cido abscsico (ABA) em sementes de nabo (Brassica napus); e, por fim, testar a interaco de diferentes hormonas na germinao de sementes de Brassica napus. O desenvolvimento normal das plantas depende da interaco de vrios factores, quer externos quer internos. As hormonas so os constituintes fundamentais dos factores internos, e regulam o crescimento e o desenvolvimento orgnicas das plantas. em Geralmente as hormonas usadas so substncias activas quantidades pequenas, uma vez que vo modificar a resposta fisiolgica dos tecidos alvo exibindo inmeros efeitos no crescimento e diferenciao das plantas. As principais hormonas que usmos foram o GA 3 e o ABA e tambm o BA (benziladenina).

GA3O cido Giberlico considerado uma hormona muito potente, em que a ocorrncia natural nas plantas controla o seu desenvolvimento. EsteFig. 1 Estrutura qumica do GA3

cido, em termos qumicos, e que

pertence a um grupo, o qual denominamos giberelinas, um diterpeno, que

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

deriva de quatro unidades isoprenides, formando, assim, um sistema de quatro anis. Notava-se um crescimento exagerado em plantas de arroz,

posteriormente estas morriam. Este efeito era causado por um fungo chamado Gibberella fujikuroi, fungo este de onde foi isolado, inicialmente, o cido giberlico. Mais tarde, foi demonstrado que as plantas tambm produziam este cido. Actualmente existem cerca de 110 giberelinas conhecidas, que diferem muito pouco quimicamente, mas possuem diferentes funes biolgicas. As giberelinas so designadas pela letra A seguida do nmero de ordem de descoberta. Este sistema foi proposto por dois cientistas em 1968, MacMillan e Takahashi. As giberelinas so responsveis pelo crescimento de ramos, germinao de sementes, florao e crescimento de frutos, contudo existem plantas ans de algumas espcies de plantas, hortcolas e florcolas, que no produzem giberelinas em quantidade suficiente ou so insensveis s mesmas. As giberelinas so utilizadas comercialmente para: Aumentar o tamanho das flores em plantas ornamentais; Aumentar o tamanho de alguns frutos; Reverter a dormncia de algumas plantas; Estimular a germinao; Estimular o crescimento das plantas.

1

ABAOutra hormona que usamos durante o nosso trabalho foi o cido Abscsico. Este cido uma hormona vegetal que tem como funo a regulao de vrios aspectos ligados Fig. 2 Estrutura qumica do ABA

fisiologia das plantas, tais como resposta ao stress hdrico, estmulo da abscso, inibio da germinao de sementes e o desenvolvimento dos

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

gomos. Este composto ajuda as plantas no crescimento e desenvolvimento do caule. Em 1963, trs grupos de investigadores, trabalhando de um modo independente, de 3 zonas diferentes (Gr-Bretanha, Nova Zelndia e Estados Unidos da Amrica), descobriram uma hormona inibidora do crescimento. Nos vrios estudos, foram isoladas duas substncias: A dormina (induzia a dormncia em gomos de plantas) e a abscisina (promovia a absciso de frutos). Mas, em 1965, a dormina e a abscisina foram identificadas como sendo o mesmo composto, ao qual denominaram cido Abscsico. O ABA sintetizado a partir de intermedirios de carotenides de clulas que possuem cloroplastos ou amiloplastos. Encontram-se espalhadas por toda a planta mas com mais frequncia nos frutos carnudos, onde impede a germinao de sementes (o cido abscsico actua promovendo a acumulao de protenas de reserva e a resistncia das sementes desidratao). O seu transporte feito pelo xilema e pelo floema.

1

BAPor ltimo, e usmos uma o BA,

benziladenina,

hormona

vegetal que favorece a germinao, apesar de ser muito menos eficiente que o GA3. A benziladenina uma citocinina sinttica que promove o crescimento vegetal e estimula aFig. 3 Estrutura qumica da BA.

germinao. Aumenta a resistncia dos vegetais verdes aps serem colhidos.

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

Combinando estes dois componentes, BA e GA3 como fizemos no trabalho, observamos que em conjunto favorecem mais a germinao do que cada composto por si s.

ABA vs GA3A dormrncia das sementes regulada pela concentrao relativa de cido abscsico e de giberelinas. O ABA ir inibir a -amilase e o GA 3 induz a mesma enzima. O que ir promover a dormncia das sementes. Este estado s desfeito quando se nota um decrscimo da concentrao de ABA em relao s giberelinas, logo, a inibio provocada pelo ABA pode ser reversvel, isto se usarmos giberelinas.

1

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

Materiais e ProcedimentosExperincia A Material e 10-7 M; copo de 200 ml; gua destilada; 5 caixas de Petri forradas com papel de filtro; proveta de 10 ml; pipeta de 10 ml com pompete; pina; folha de prata; papel milimtrico e rgua sementes da alface (Lactuca sativa var. Grand Rapids); solues de cido giberlico (GA3) 10-4 (soluo stock), 10-5, 10-6

1

Procedimento Colocaram-se a germinar sementes da alface, temperatura ambiente, num copo com 50 ml de H2O destilada, durante um perodo de tempo de aproximadamente 48 horas. Aps as 48 horas seleccionaram-se as plantas que apresentavam razes com um comprimento de cerca de 5mm. Transferiram-se 20 dessas plantas para cada uma das caixas de Petri, forradas previamente com o papel de filtro. Colocou-se em cada caixa de Petri 5ml de gua (controlo) ou das solues de diferentes concentraes de GA3. Nota: As concentraes utilizadas resultaram de uma diluio sucessiva da concentrao stock de GA3, pela adio de 50% do volume final de H2O. Deixou-se as sementes sob luz difusa por um perodo de 3 dias de modo a se desenvolverem, ao fim dos 3 dias efectuou-se a medio do comprimento dos hipoctilos das plantas.

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

Experincia B Material sementes de nabo (Brassica napus); solues de ABA 0, 1, 5, 10, 20 mg/l (stock); copo de 200 ml; gua destilada; 15 caixas de Petri forradas com papel de filtro; proveta de 10 ml; pipetas de 5, 10 e 20 ml com pompete; pina

1

Procedimento Demolharam-se

as

sementes

em

gua

destilada

durante

aproximadamente 24 horas temperatura ambiente. Transferiram-se 50 dessas sementes para cada caixa de Petri forradas com papel de filtro e contendo 5 ml de gua (controlo) ou das solues de diferentes concentraes de ABA. Nota: As concentraes de 10 e 5 mg/l realizaram-se por diluio sucessiva da concentrao stock, pela adio de 50% do volume final de H2O. No caso concreto da concentrao de ABA de 1mg/l adicionaram-se quatro partes de gua para uma de ABA de 5mg/l. Foram realizadas duas rplicas de cada tratamento. As caixas foram incubadas a 25-30C. Efectuou-se a contagem das sementes germinadas, aquelas que apresentavam radcula com um comprimento mnimo de 2 milmetros, todas as 24 horas durante 3 dias. Determinou-se a percentagem da germinao mdia para cada soluo.

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

Experincia C Material sementes de nabo (Brassica napus); solues de ABA , de GA3 e de BA; copo de 200 ml; gua destilada; 9 caixas de Petri; discos de papel de filtro; proveta de 10 ml; pipetas de 5, 10 e 20 ml com pompete; pina.

1

Procedimento Demolharam-se as sementes em gua destilada durante aproximadamente 24 horas temperatura ambiente. Transferiram-se 50 sementes para cada uma das caixas de Petri forradas com papel de filtro e contendo 5 ml de GA3 da concentrao stock ou GA3 em simultneo com a concentrao mnima de ABA que inibe a germinao das sementes (10 mg/l), uma apenas com ABA, e outra caixa com apenas BA. Determinou-se a percentagem mdia da germinao das sementes para cada caso como efectuado na experincia B1.

Faculdade de Cincias e Tecnologias da Universidade de Coimbra Fisiologia Vegetal

Grupo 2 Turma Prtica 1

Resultados A.Na experincia A pretendamos analisar o efeito do cido giberlico (GA3) no alongamento dos hipoctilos de alface (Lactuca sativa) sabendo que este promove o alongamento do caule das plantas. Ao fim de quatro dias, no final da experincia, as caixas de Petri apresentavam o seguinte aspecto:

1

Fig. 4 Aspecto geral final da germinao das sementes de alface, com gua e as diferentes concentraes de GA3.

Por esta altura, as mdias dos comprimentos dos hipoctilos das sementes nas diferentes concentraes de cido giberlico eram as seguintes:

Experincia A Co