Relações Humanas - RESUMO

Download Relações Humanas - RESUMO

Post on 10-Jul-2015

2.758 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Relaes Humanas

Ficha - 02

CONTEXTO DOS NEGCIOS NO SCULO XXIMudanas constantes e rpidas A nica certeza a incerteza (Nonaka & Takeuchi) 1. Mercados Globalizados: Maior integrao das empresas 2. Hipercompetio: Empresas mais competitivas (dentro da empresa Relao ganha-ganha, competio em cadeia) 3. Hiperinformao : Informaes rpidas (pessoas mais informadas) 4. Mudanas tecnolgicas rpidas 5. Ciclo de Vida reduzido: Mudana de empresa (busca de novas oportunidades) 6. Sustentabilidade: Focada nos 4 pilares (Ambiental, social, econmica e cultural)

ADMINISTRAO: FUNDAMENTOS E CONCEITOS ADMINISTRAO: CONCEITO BSICO: Administrar o ato de realizar coisas por intermdio das pessoas (American Management Association - 1979)

ADMINISTRAO: CONCEITO COMPLETO: Processo de planejar, organizar, liderar e controlar o trabalho dos membros da organizao, e de usar todos os recursos disponveis da organizao para alcanar objetivos estabelecidos. (STONER - 1999)

A EVOLUO DA GESTO E DAS TEORIAS ADMINISTRATIVASTEORIA CLSSICA BUROCRTICA HUMANSTICA ESTRUTURAL SISTMICA SCIOTCNICA NEOCLASSICA COMPORTAMENTAL VISO Produtividade Excessivas nfase nas Mquinas nfase nas Normas Preocupao nas Pessoas Estrutura da empresa (Pessoas + Mquinas) Departamento depende de outro Departamento Melhorias Tcnicas Volta a Viso do Maquinrio Viso no comportamento humano e da empresa Moldado

por Normas

HISTRICO DA ADMINISTRAOERA DA PRODUO EM M ASSA ERA DO M ARKETING EM M ASSA ERA PS-INDUSTRIAL ERA GLOBALIZAO Evoluo do Pensamento Administrativo ABORDAGENS CLSSICAS 1890 1900 1910 1920 1930 1940 1950

ABORDAGENS CONTEMPORNEAS 1960 1970 1980 1990 2000

Administrao sis temtica Administrao cientfica

Gesto adminis trativa Relaes humanas Burocracia

Administrao quantitativa Comportamento organiz acional Teoria dos sis temas

Teoria da contingncia Gesto da qualidade total

Reengenharia

Organizao inteligente

EVOLUO HISTRICA nfase Nos relacionamentos de trabalho informal e na satisfao do trabalhador Conceitos-chave A produtividade e o comportamento dos empregados so influenciados pelo grupo de trabalho informal Coeso, status e normas de grupos determinam o resultado Os administradores deveriam enfatizar o bem estar, a motivao e a comunicao dos trabalhadores As necessidades sociais tm precedncia sobre as necessidades econmicas Contribuies: Os processos psicolgicos e sociais influenciam o desempenho Hierarquia das necessidades de Maslow Limitaes Ignorava o lado racional dos trabalhadores e a contribuio das organizaes formais para a produtividade Resultado das pesquisas posteriores contrariaram a prescrio simplista de que trabalhadores felizes so sempre produtivos. Contribuies: Os processos psicolgicos e sociais influenciam o desempenho Hierarquia das necessidades de Maslow

Limitaes Ignorava o lado racional dos trabalhadores e a contribuio das organizaes formais para a produtividade Resultado das pesquisas posteriores contrariaram a prescrio simplista de que trabalhadores felizes so sempre produtivos

Relaes Humanas

Ficha - 03

TEORIA DAS RELAES HUMANAS / ABORDAGEM HUMANSTICA RELAES HUMANAS: CONCEITO: Perspectiva que estuda a administrao por meio da considerao de fatores que influenciam e explicam o comportamento humano no trabalho Robbis, 2001. INCIO: Nos EUA, entre 1927 e 1933, experimento de Elton Mayo em Hawthorne. ORIGEM: 1- Teve seu incio num perodo difcil marcado por recesso econmica, inflao, elevado desemprego e forte atuao dos sindicatos. 2- Surgiu graas ao desenvolvimento das cincias sociais, notadamente da Psicologia e, em particular, a Psicologia do Trabalho. 3- A Abordagem humanstica representa uma transferncia da nfase anterior, colocada nos aspectos tcnicos e formais da administrao para os aspectos sociolgicos e psicolgicos do trabalho. 4- Rejeio extrema da viso mecanstica sobre os funcionrios: Taylor = nfase nas tarefas; Fayol = nfase na estrutura; ( Pioneiros da abordagem humanstica = nfase no comportamento humano com relao ao trabalho.) OBJETIVOS: 1 - A anlise do trabalho e adaptao do trabalhador ao trabalho; (A psicologia do trabalho ou psicologia industrial passou a verificar as caractersticas humanas que cada tarefa exige) 2 - A anlise do trabalho e a adaptao do trabalho ao trabalhador. (A adaptao do trabalho ao trabalhador passou a ser pensada a partir do estudo de questes como: Motivao e incentivo / Liderana / Comunicao / Relaes interpessoais) NFASE: Foco nas pessoas e como o comportamento das mesmas pode interferir nos processos produtivos e resultados.

Teoria das Relaes Humanas

Elton Mayo

nfase nas Pessoas enquanto parte da organizao

EXPERINCIA DE HAWTHORNEPesquisa conduzida por Elton Mayo, em 1923, introduzindo APENAS aspectos Sociais na Indstria.

Medidas adotadas: - Introduziu o intervalo de descanso; - Deixou a critrio dos operrios a deciso de quando parar as mquinas; - Contratou uma enfermeira do trabalho. Resultados alcanados: - Emergiu um esprito de grupo; - Menor rotatividade de pessoal; - A produo aumentou.

A EXPERINCIA: 4 FASES 1 FASE - Separam dois grupos com o mesmo tipo de produo; - Um foi submetido a condies variveis de luminosidade e outro no. - O objetivo da pesquisa era de fazer um estudo sobre: A fadiga; Os acidentes no trabalho; Do efeito das condies fsicas de trabalho sobre a produtividade dos empregados. RESULTADO: - Descobriu-se que isto no alterava a produo pois apresentou-se outras variveis psicolgicas. - Passou ento a se reconhecer que existiriam outros fatores psicolgicos que poderiam interferir nos fatores comportamentais dos funcionrios e, por Conseqncia, nos resultados de produtividade. 2 FASE - Separou-se um grupo formado por seis moas, nem experientes, nem novatas e foram submetidas a variaes no seu trabalho como: 1) Grupo Isolado (sem superviso) na sala de provas, mantendo-se as condies e medindo produo; 2) Pagamento por tarefa do grupo; 3) Intervalos variados; 4) Sada s 17:00 e no s 16:30; 5) Eliminao do Sbado. RESULTADO: - As moas gostavam da sala: ( DIVERTIDO) = Status; - Superviso branda, trabalhavam com mais liberdade; - Ambiente amistoso e sem presses; - No havia temor ao supervisor; - O grupo desenvolveu liderana e objetivos comuns.

3 FASE - Foi elaborado um plano de pesquisa, por meio de entrevistas pessoais com os funcionrios, onde estes poderiam falar tudo o quanto sentissem sobre o trabalho. RESULTADO: - Descobriu-se uma grande influncia da organizao informal que mantinham os funcionrios unidos.

4 FASE - Escolheu-se um grupo experimental, e o pagamento para estes funcionrios era realizado mediante a produo. (Acreditava-se que cada trabalhador maximizaria sua produtividade quando percebesse que a mesma estaria atrelada ao seu salrio.) RESULTADO: -Os funcionrios no maximizavam sua produo individual; - A produo dos trabalhadores estava sendo controlada por uma norma grupal visando: 1) Proteo de todos para que no ocorresse a demisso de funcionrios mais lentos; 2) A no diminuio dos benefcios concedidos pela empresa; 3) Uma estabilizao das metas.

CONCLUSES - O nvel de produo resultante da integrao social; (No bastam apenas boas condies fsicas e de trabalho); - Existe um comportamento social dos empregados; (O comportamento do indivduo se apia totalmente no grupo por medo de reprovaes); - As recompensas e sanes sociais se fazem importantes; (Recompensas no-econmicas como reconhecimento se mostraram importantes); - Grupos informais; (Muitas vezes em contraposio organizao, estes grupos definem suas regras, formas de recompensas, seus objetivos e escala de valores); - As relaes humanas; (Cada indivduo uma personalidade altamente diferenciada que influencia e influenciado pelos outros); - A importncia do contedo do cargo; (A relevncia do trabalho fundamental para a compreenso da importncia da pessoa em relao a organizao); - A nfase nos aspectos emocionais; (nfase nos comportamentos considerados positivos (motivao) e negativos (resistncias).

ABORDAGEM HUMANSTICA ASPECTOS PRINCIPAIS1. O trabalho uma atividade tipicamente grupal: a produo influenciada pelas normas do grupo e pelos incentivos salariais e materiais; 2. O operrio no reage como indivduo isolado mas como membro de um grupo social; 3. Formar uma elite capaz de compreender e de comunicar ao grupo as necessidades da empresa; 4. Formar uma elite capaz de recobrar a cooperao dos indivduos; 5. O ser humano motivado pela necessidade de estar junto, de ser reconhecido, de receber adequada comunicao; 6. A organizao uma unidade social, porquanto, congrega indivduos que desejam e influenciam seu meio.

TEORIA DAS RELAES HUMANAS ASPECTOS PRINCIPAIS1- Trata a organizao como grupos de pessoas; 2- Enfatiza as pessoas; 3- Inspirada em sistemas de psicologia; 4- Delegao de autoridade; 5- Autonomia do empregado; 6- Confiana e abertura; 7- nfase nas relaes entre as pessoas; 8- Dinmica grupal e interpessoal.

TEORIA DAS RELAES HUMANAS O HOMEM SOCIAL1- Os trabalhadores so criaturas sociais complexas, dotados de sentimentos, desejos e temores; 2- As pessoas so motivadas por necessidades humanas e alcanam suas satisfaes, por meio dos grupos sociais com que interagem; 3- O comportamento dos grupos sociais influenciado pelo estilo de superviso e liderana; 4- As normas sociais do grupo funcionam como mecanismos reguladores do comportamento dos membros.

TEORIA DAS RELAES HUMANAS CRTICA Oposio cerrada Teoria Clssica Visualizao errada dos problemas de Relaes Industriais Concepo ingnua e romntica do empregado nfase nos grupos informais

TEORIA CLSSICA X TEORIA DAS RELAES HUMANASCLSSICA Trata a organizao como mquina. Enfatiza as tarefas ou a tecnologia. Inspirada em sistemas de engenharia. Autoridade centralizada Linhas claras de autoridade Especializao e competncia tcnica Acentuada diviso