Relacao Professor Aluno

Download Relacao Professor Aluno

Post on 17-Jul-2015

110 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>ANDRA CATARINA DA SILVA ROSEANE MOREIRA DOS SANTOS</p> <p>RELAO PROFESSOR ALUNO Uma reflexo dos problemas educacionais</p> <p>Belm Par Universidade da Amaznia 2002</p> <p>RELAO PROFESSOR-ALUNO Uma reflexo crtica dos problemas educacionais</p> <p>Andra Catarina da Silva Roseane Moreira dos Santos</p> <p>Trabalho de Concluso de Curso apresentado ao Curso de Pedagogia do Centro de Cincias Humanas e Educao da Universidade da Amaznia UNAMA, como requisito para obteno do Grau em Pedagogia, orientado pela Professora Ms. Rosa helena Nogueira Ferreira.</p> <p>Belm Par Universidade da Amaznia 2002</p> <p>RELAO PROFESSOR-ALUNO Uma reflexo crtica dos problemas educacionais</p> <p>Andra Catarina da Silva Roseane Moreira dos Santos</p> <p>Avaliado por: Prof Ms. Rosa Helena Nogueira Ferreira</p> <p>Data:20/06/2002</p> <p>Belm Par Universidade da Amaznia 2002</p> <p>Vai aqui este pedido aos professores, pedido de algum que sofre ao ver o rosto aflito das crianas: lembrem-se de que vocs so pastores da alegria, e que a sua responsabilidade primeira definida por um rosto que lhes faz um pedido: Por favor:, me ajude a ser feliz....</p> <p>RUBEM ALVES</p> <p>*A minha me, Nazar, que sempre acreditou no meu sucesso, me apoiando para que eu pudesse concretizar mais uma etapa da minha vida. *Ao meu irmo, Andrey, pelo apoio nos momentos preciosos. *A todos os meus parentes que sempre me apoiaram com palavras e gestos de carinhos. *As minhas amigas de curso, em especial, as amigas Roseane e Shirley, que contriburam de alguma forma na construo desse ideal. *E a todos aqueles que com suas manifestaes de carinho e respeito ajudaram-me no alcance desta vitria.</p> <p>Com carinho: Andra Catarina da Silva</p> <p>*A Deus pela fora suprema para superar os obstculos. *Ao corpo docente da UNAMA que com seus conhecimentos me conduziram uma formao cidad. *A minha orientadora Prof Ms. Rosa Helena Nogueira Ferreira, que conduziu-me desde o incio desta trajetria com pacincia e dedicao. *A todos aqueles que de uma forma ou outra contriburam para o meu sucesso.</p> <p>Com carinho:</p> <p>Andra Cataria da Silva</p> <p>* minha me, Edme Moreira dos Santos que no me deu o prazer de participar dessa defesa, pois Deus a tirou do nosso convvio (2002), no momento mais crtico de minha caminhada. A ela cujos desafios eram vencidos na labuta da vida, dedico com carinho este trabalho, retomado graas persistncia e ao incentivo deixado pelas suas palavras e pelo seu desejo de ver realizado este sonho.</p> <p>Com carinho:</p> <p>Roseane Moreira dos Santos</p> <p>* Deus, porque me ama com amor rigoroso de pai, com amor terno e fiel de uma me, dando-me foras para vencer as intempries da vida. * professora Rosa Helena Ferreira, minha orientadora com quem caminhei os passos iniciais da minha formao de pesquisa. *Aos meus irmos, meus maiores incentivadores, que me compreendem e no interrompem os meus sonhos. *Aos meus amigos, que me estenderam as mos e me compreenderam nos momentos mais difceis, fazendo com que a coragem de lutar e amar fosse uma realidade. *A um amigo especial, Amintas Jos Quingosta Pinheiro que diante das dificuldades, me entendeu e me incentivou a chegar ao ponto desejado. * minha irm-me, Maria Clia Moreira dos Santos pelo apoio e incentivo, compartilhando conquistas e dificuldades ao longo desses anos. *Ao meu irmo-primo, Euclydes de Souza Gesta pelo apoio e acolhida carinhosa nessa longa caminhada. *s minhas eternas amigas Andra Catarina e Shirley Raquel pelo companheirismo e dedicao durante a minha vida acadmica.</p> <p>Com carinho:</p> <p>Roseane Moreira dos Santos</p> <p>SUMRIO</p> <p>CAPTULO II INTRODUO 1.1 INCIO DA TRAJETRIA................................................................................ 4</p> <p>CAPTULO II BASES TERICAS 2.1 ESCOLA: QUE ESPAO ESSE?................................................................ 9 2.2 EDUCAO POR TODA PARTE................................................................... 15 2.3 O PROFESSOR E SUA PRTICA.................................................................. 19 2.4 AFETIVIDADE................................................................................................. 24 2.5 INTERAO PROFESSOR-ALUNO.............................................................. 31</p> <p>CAPTULO III CONSIDERAES FINAIS........................................................ 38</p> <p>BIBLIOGRAFIA..................................................................................................... 41</p> <p>RESUMO O objetivo deste trabalho de concluso de curso identificar e refletir as possveis relaes entre professor e o aluno a fim de contribuir para o processo ensino-aprendizagem, atravs da identificao de pontos relevantes, nas concepes, que possam estimular professor e aluno para uma convivncia de afetividade no processo educativo levando-os a uma educao de qualidade no processo metodolgico adotou-se uma pesquisa de cunho bibliogrfico. Identificou-se que a prtica educativa de grande significncia na formao do educando-cidado. Assim, traa uma anlise reflexiva dos principais problemas cotidianos enfrentados na sala de aula pelos alunos e professores, em suas interaes, enquanto sujeitos inerentes do processo educacional. Como uma pesquisa qualitativa em educao, contextualiza toda a problemtica aqui estudada e lana subsdios reflexo dos leitores e pesquisadores, visando a viabilizao de futuros trabalhos de maior alcance cientfico.</p> <p>CAPTULO I - INTRODUO MEMORIAL I Com objetivo de identificar a escolha da problemtica em questo comentarei aspectos referentes minha trajetria de vida pessoal e acadmica dando nfase o porqu da escolha da relao professor-aluno como tema deste trabalho. Sou natural de Belm do Par nascida na dcada de 70. Conclu meus estudos do Ensino Mdio em um colgio particular na rea de CB. Porm, as metodologias de ensino de cada profissional da educao chamavam-me ateno, o que me fez novamente cursar o ensino mdio na rea de magistrio. Ingressei na Universidade da Amaznia em 1999, no curso de Pedagogia, onde, por conseguinte, comecei a ter uma viso mais abrangente da minha prpria prtica pedaggica fazendo-me perceber o quanto o desempenho do professor em sala de aula importante para a aprendizagem do aluno. Assim adentrando na Universidade, deparei-me com um mundo fantstico de mltiplos conhecimentos, onde me identifiquei plenamente com a disciplina Introduo Filosofia, a qual me proporcionou maturidade crtica e investigativa tomando-me convicta da sua utilidade para a vida e para todos os que cultivavam a reflexo e bom senso. Nesse contexto, perceber que o aluno, como sujeito que se depara com contedos desconhecidos, e com nvel de complexidade elevado, no consegue assimilar conhecimentos, pela falta de articulao com sua realidade de vida e pela imposio de contedos desconexos, fazendo do estudo uma obrigao que muitas vezes lhe permite adquirir nota. Portanto, para melhor compreenso da relao professor-aluno atentei-me em buscar subsdios que pudessem responder minhas dvidas diante disso no</p> <p>2</p> <p>percurso deste irei relatar o quanto interao entre educador e educando importante para o processo, de ensino-aprendizagem. Andra Catarina da Silva</p> <p>3</p> <p>MEMORIAL II Para que se possa ter uma compreenso do tema do trabalho de concluso de curso apresentado, delinearei um pouco do percurso de minha vida. Nasci em Belm do Par na dcada de 70. Terminei o Ensino Mdio no Instituto de Educao do Par onde no 2 ano iniciei minha docncia desenvolvendo-a sempre de forma alegre e prazerosa. Em 1999, iniciei o curso de Pedagogia onde pude ampliar meus conhecimentos na rea educativa, conhecendo um pouco de sua complexidade. Dentro da Universidade percebi de forma mais abrangente, que a ao educativa faz parte da dinmica das relaes sociais em que esto imersos interesses de toda ordem: sociais, polticos, econmicos e culturais que precisam ser compreendidos pelos professores, hoje visto estes desenvolverem suas aes de forma interativa numa relao recproca em prol do reconhecimento do papel poltico do trabalho docente, enquanto fora de modificao das relaes de poder na busca de uma revoluo nos processos educacionais. Todavia, a partir das inquietaes, indagaes e reflexes feitas no decurso das observaes vivenciadas nos campos de estgios e nas escolas, nas quais atuei, verifiquei a existncia de casos de maus relacionamentos entre professor e aluno, caracterizando entraves nesta relao a qual vm transformando num dos grandes problemas para o desenvolvimento do processo de construo do conhecimento. Dessa forma, a escolha da temtica do presente trabalho versa sobre "Relaes Professor-Aluno: Uma reflexo crtica dos problemas educacionais", pelo fato de observar-se nesta relao fatores que com certeza interferem no distanciamento, dificultam ou facilitam o processo ensino-aprendizagem. Roseane Moreira dos Santos</p> <p>4</p> <p>1.1 O INCIO DA TRAJETRIA O momento atual impe ao profissional de educao desenvolver habilidades que possibilitem uma melhor adaptao s novas culturas e aos novos padres de conduta social. Alm disso, o acelerado processo de globalizao em que se encontra o pas, insere o homem em um ambiente de alta competitividade e seletividade. Nesse contexto, a relao professor-aluno representa um esforo a mais na busca da praticidade, afetividade e eficincia no preparo do educando para a vida, numa redefinio do processo ensinoaprendizagem. No obstante, cada profissional deve ter claramente definido o seu papel nesse contexto social, onde esta relao aqui considerada passa a ser alvo de pesquisas, na busca do dilogo, do livre debate de idias, da interao social e da diminuio da importncia do trabalho individualizado. A interao professor-aluno ultrapassa os limites profissionais, escolares, do ano letivo e de semestres. , na verdade, uma relao que deixa marcas, e que deve sempre buscar a afetividade e o dilogo como forma de construo do espao escolar, trazendo tona algumas questes norteadoras: a) de que maneira a relao professor-aluno interfere no processo ensinoaprendizagem? b) como fazer com que a relao professor-aluno torne-se um alicerce para a construo do conhecimento? c) como trabalhar a relao professor-aluno imbuda de afetividade e dilogo para a formao de um cidado mais crtico, consciente e participativo. Objetivamente, busca-se desvelar o mago da relao professor-aluno diante dos problemas educacionais, buscando com isso lanar uma reflexo acerca do processo de construo do conhecimento. Especificamente, a inteno de identificar os fatores que dificultam o relacionamento entre professor e aluno, compreender como uma boa relao entre estes atores contribui para o processo de ensino-aprendizagem e, ao final, propor alternativas que possam contribuir</p> <p>5</p> <p>para a melhoria do relacionamento aqui trabalhado, numa perspectiva de aprendizagem significativa e satisfatria. Ser professor no constitui uma tarefa simples, ao contrrio, uma tarefa que requer amor e habilidade. Como bem destaca RODRIGUES (1997), o educador no simplesmente aquele que transmite um tipo de saber para seus alunos, como um simples repassador de conhecimentos. O papel do educador bem mais amplo, ultrapassando esta mera transmisso de conhecimentos. Vale questionar: como educar nossos alunos em uma sociedade onde a tica e o moral parecem estar em crise? Alguns valores, antes to discutveis, j no so mais importantes e outros parecem estar em voga, e assustam alguns segmentos da sociedade. Dentro de sala de aula, o que se verifica, na maioria das vezes, o estabelecimento de regras disciplinares de modo arbitrrio. Alm disso, pode-se perceber a no explicitao dessas regras, e que as exigncias de seu cumprimento so feitas com base em ameaas e punies, o que pode provocar reaes conformistas ou de resistncia, ou seja, a aceitao como forma de adestramento ou a indisciplina. De fato, no se pode negar que a autoridade construda e precisa ser aceita; ela no torna os educandos inferiores, mas, d as suas vidas um sentido mais seguro de caminhada e conquista. Assim, a autoridade de fato sempre responsvel, enquanto que a de direito s poder s-lo por coincidncia. Cabe ao professor, em seu relacionamento com o alunado, dialogar e manter com ele uma afetividade, auxiliando o educando a ir reconhecendo que sua vida diferenciada, tanto em coisas intransformveis quanto em coisas que podem e devem ser modificadas. O educador deve considerar que a nica maneira de ajudar o homem em sua vocao ontolgica, a inserir-se na construo da sociedade e na direo da mudana social, substituir esta captao principalmente mgica da realidade por uma capta mais e mais crtica. Como chegar a isto? bem a propsito, inclusive, que FREIRE (1980) destaca que atravs utilizando um mtodo ativo de educao, um mtodo de dilogo crtico e que convide crtica -, modifica-se o contedo dos programas de educao. Este o primeiro passo para que seja</p> <p>6</p> <p>possvel iniciar qualquer processo de mudana, pois, a confiana entre educador e educando primordial. essencial que o exerccio do profissional de educao seja imbudo de uma formao profunda, crtica, para que ele possa acompanhar as transformaes que se impem no contexto da sociedade. Nesse sentido, quando de uma anlise do compromisso do docente de ensino, possvel inferir que seu cotidiano resulta ou resultante de componentes histricos e estruturais conhecidos, e de conjunturas desfavorveis que complexificam seu modo de pensar e agir. Tal passado circunscreve, de modo pondervel, o seu presente e suas perspectivas de ao. No sistema escolar, o profissional deve tornar seu saber pedaggico uma alavanca desencadeadora de mudanas, no somente ao nvel da escola que parte integrante, mas tambm ao nvel do sistema social, econmico e poltico. O professor dever ser uma fonte inesgotvel de conhecimentos no cotidiano de sala de aula, retirar dos elementos tericos que permitam a compreenso e um direcionamento a uma ao consciente. Tambm deve procurar superar as deficincias encontradas e recuperar o real significado do seu papel como professor, no sentido de apropriar-se de um fazer e de um saber fazer adequados ao momento que vive a escola atual. O trabalho docente constitui o exerccio profissional do educador, representando seu primeiro compromisso com a sociedade. Sua responsabilidade, frente aos novos tempos e a uma nova era que se impe, a de preparar os alunos para se tornarem cidados ativos e participantes na famlia, no trabalho e na vida cultural e poltica. , portanto, uma atividade fundamentalmente social, porque contribui para a conscientizao e a conquista democrtica. A pedagogia que se inspira numa concepo consciente de educao est fundamentalmente interessada em introduzir, no trabalho docente, elementos de mudana que assegurem a qualidade pretendida para o ensino. E, coerente com</p> <p>7</p> <p>esse pressuposto, busca-se garantir ao aluno, atravs do professor, uma formao mais slida e abrangente, que privilegie o processo de construo do conhecimento. Este processo compreendido como decorrncia das trocas que o aluno estabelece na interao com o meio - natural, social e cultural. Ao professor, cabe exerc...</p>