REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO - cm ?· MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO…

Download REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO - cm ?· MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO…

Post on 30-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

MUNICPIO DE MACHICO

REGULAMENTO DO ORAMENTO PARTICIPATIVO1

Nota justificativa

A participao dos cidados na construo de uma sociedade mais ativa passa tambm pela

governao local, nomeadamente pela sua interveno ao nvel dos instrumentos de planeamento. O

oramento municipal, enquanto instrumento de planeamento, tem estado, tradicionalmente, sob

orientao politica dos executivos municipais. Assim, com o presente regulamento pretende-se potenciar

a participao de todos na vida da comunidade local prevendo a possibilidade dos muncipes participarem

na elaborao do planeamento financeiro, nomeadamente, do Oramento Municipal.

A partir de bons exemplos em vigor noutros municpios, a Cmara Municipal de Machico

pretende incentivar a participao dos muncipes, em particular dos jovens, criando para o efeito um

processo designado de Oramento Participativo que visa abranger toda a comunidade de Machico, dando,

desta forma, um passo em frente no apelo cidadania e participao cvica para a construo de um

Concelho melhor, mais esclarecido e com conscincia crtica.

CAPTULO I

Disposies Gerais

Artigo 1.

Norma habilitante

O presente regulamento tem o seu suporte legal genericamente no n. 7 do artigo 112. e artigo 241. da

Constituio da Repblica Portuguesa e na Lei n. 75/2013, de 12 de setembro.

Artigo 2.

mbito

O presente regulamento estabelece o processo de participao dos muncipes na elaborao do Oramento

Municipal, designado por Oramento Participativo.

Artigo 3.

Objetivos

1 O Oramento Participativo visa contribuir para o exerccio de uma interveno informada, ativa e

responsvel dos cidados no processo de governao local, garantindo a participao dos cidados e das

organizaes da sociedade civil na deciso sobre a afetao de recursos pblicos s polticas pblicas

municipais.

1 Aprovado por deliberao de 25.06.2014 da Assembleia Municipal de Machico.

2 Esta participao tem como objectivos:

a) Incentivar o dilogo entre os eleitos locais os muncipes de forma organizada, na procura das melhores

solues para os problemas, tendo em conta os recursos disponveis, promovendo uma democracia

participativa;

b) Contribuir para a educao cvica, permitindo aos cidados integrar as suas preocupaes pessoais com

o bem comum, compreender a complexidade dos problemas e desenvolver atitudes, competncias e

prticas de participao;

c) Adequar as polticas pblicas municipais s necessidades e expetativas das pessoas;

d) Aumentar a transparncia da atividade da autarquia, o nvel de responsabilizao dos eleitos e da

estrutura municipal.

Artigo 4.

Estrutura

1 O Oramento Participativo do Municpio de Machico assenta num modelo de participao com duas

vertentes, uma de cariz consultivo e outra de cariz deliberativo.

2 A vertente consultiva consiste na consulta dos municpes sobre a definio de propostas de

investimento para o oramento e plano de atividades da Cmara Municipal.

3 Na dimenso deliberativa visa-se com o oramento Participativo votar os projetos de investimento

resultantes de propostas apresentadas.

4 A Cmara Municipal fixa, anualmente, uma verba a afetar ao processo de co-deciso

CAPTULO II

Organizao do Oramento Participativo

Artigo 5.

Participao

No Oramento Participativo podero participar todos os cidados que sejam naturais ou residentes,

trabalhadores ou estudantes no Concelho de Machico.

Artigo 6.

Coordenao

1 O Oramento Participativo coordenado por uma equipa designada por Conselho do Oramento

Participativo.

2 O Conselho do Oramento Participativo presidido pelo Presidente da Cmara Municipal.

3 Integram o Conselho do Oramento Participativo:

a) Vereador com o pelouro financeiro;

b) Um representante por cada junta de freguesia;

c) Um tcnico municipal da rea financeira, a designar pelo presidente da Cmara Municipal;

4 So competncias do Conselho do Oramento Participativo:

a) Acompanhar o processo em todas as suas fases de desenvolvimento;

b) Recolher e seleccionar as propostas que sero submetidas a votao;

c) Analisar as reclamaes apresentadas sobre os projetos recusados ou excludos de votao;

d) Promover a avaliao interna e externa do processo;

e) Manter os muncipes informados.

5 O trabalho desenvolvido pelos membros do Conselho do Oramento Participativo no ser

remunerado.

Artigo 7.

Recolha de propostas

1 Os muncipes podem apresentar propostas para a verba que vier a ser aprovada nos termos do n. 4 do

artigo 4. atravs de requerimento dirigido ao presidente da Cmara Municipal.

2 O requerimento deve conter:

a) A identificao do proponente, pela indicao do nome, estado, profisso e residncia;

b) A exposio da proposta minimamente fundamentada;

c) A data e a assinatura do proponente.

3 Cada requerimento apenas poder conter uma proposta.

4 Os muncipes podem apresentar a sua proposta em papel dando entrada da mesma na Secretaria-geral

da Cmara Municipal ou atravs de e-mail para o seguinte endereo gap@cm-machico.pt.

5 O perodo de recolha de propostas decorre entre os meses de janeiro e junho.

Artigo 8.

Anlise das propostas

1 As propostas apresentadas so analisadas pelo Conselho do Oramento Participativo.

2 So excludas as propostas que no renem condies de implementao, designadamente por:

a) No apresentar todos os dados necessrios sua avaliao ou que no permitam a sua concretizao;

b) O valor da proposta ultrapassar o valor definido;

c) Implicar a violao da lei ou de regulamentos municipais em vigor;

d) Configurar venda de servios a entidades concretas;

e) Contrariar ou serem incompatveis com os planos ou projetos municipais;

f) Estarem a ser executadas no mbito do Plano Anual de Atividades Municipal;

g) Serem demasiado genricas ou muito abrangentes, no permitindo a sua adaptao a projeto;

h) No serem tecnicamente exequveis.

3 No perodo que decorre entre os meses de julho e agosto, procede-se anlise das propostas e

consequente admisso ou excluso.

4 A excluso de propostas dever ser devidamente fundamentada e notificada ao proponente por

qualquer das vias referidas no n. 4 do artigo 7..

5 As propostas admitidas sero publicitadas mediante a afixao de editais nos locais de estilo.

Artigo 9.

Votao das propostas

1 As propostas selecionadas nos termos do artigo anterior sero numeradas atendendo data de

apresentao e so identificadas pelo nome atribudo ao projeto pelo proponente.

2 A votao pblica podendo nela participar as pessoas referidas no artigo 5. com idade igual ou

superior a 14 anos.

3 A votao realiza-se durante o ms de setembro em sesso pblica a realizar nos Paos do Concelho.

4 A data e perodo de votao so designados pelo Conselho do Oramento Participativo e alvo de

publicitao edital com pelo menos 15 dias teis de antecedncia.

5 O resultado da votao apurado aps decurso do perodo de votao e revelado durante a sesso

pblica.

Artigo 10.

Integrao da proposta no Oramento

1 A proposta escolhida submetida votao da Cmara Municipal na reunio ordinria seguinte para

aprovao.

2 Aprovada a proposta dever a mesma integrar a proposta de oramento municipal a apresentar

Assembleia Municipal.

CAPTULO III

Disposies Finais

Artigo 11.

Norma transitria

Com a aprovao do presente regulamento inicia-se o processo de recolha de propostas para o oramento

municipal de 2015, devendo a anlise e a votao das mesmas ocorrer nos meses referidos nos artigos 8.

e 9..

Artigo 12.

Dvidas e omisses

1 As dvidas que possam surgir na aplicao do presente regulamento sero resolvidas pela Cmara

Municipal.

2 Os casos no previstos no presente regulamento sero resolvidas pela Cmara Municipal, de acordo

com a legislao em vigor; na falta de norma, sero regulados segundo a norma aplicvel aos casos

anlogos; na falta de caso anlogo, a situao resolvida segundo a norma que o prprio intrprete criaria

se a tivesse previsto.

Artigo 13.

Entrada em vigor2

O presente regulamento entra em vigor no dia til seguinte aps a sua publicitao.

2 Publicado atravs do Edital n. 114/2014, de 27 de junho.

Recommended

View more >