Registo Ed98

Download Registo Ed98

Post on 27-Jan-2016

222 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edio 98 do semanario Registo

TRANSCRIPT

  • 1

    PUB

    COORDENADORES DO PROJECTO EVUE RENEM-SE EM BEJA

    PG.08 A propsito da participao da Cmara de Beja no Projecto EVUE, numa representao do nosso pas a nvel inter-nacional onde se inclui s mais uma cida-de portuguesa (Lisboa), a capital do Baixo Alentejo recebe, este dia 23 (tera-feira) para uma reunio de trabalho, os parcei-ros da cidade londrina coordenadora do projecto.

    SNS contrata uma centena de mdicos mas s um para o AlentejoPG.09 Para atenuar a falta de mdicos, o Ministrio da Sade anunciou quinta-feira a entrada no SNS de 97 mdicos recm-formados com a especialidade de medicina geral e familiar, mas apenas um vai ser colocado no Alentejo.

    FLUVIRIO COMEMORA TERCEIRO ANIVERSRIO

    PG.04 0 Fluvirio de Mora, no Alente-jo, comemora hoje o terceiro aniversrio com um programa especial de animao, esperando alcanar a marca dos 450 mil visitantes, disse Agncia Lusa o director do equipamento, Jos Manuel Pinto.

    Destinado a dar a conhecer as espcies aquticas e terrestres dos habitats de gua doce, o Fluvirio de Mora foi o primeiro equipamento do gnero na Europa e o ter-ceiro no mundo.

    AURORA CARAPINHA EM ENTREVISTA EXCLUSIVA AO REGISTO A directora Regional de Cultura do Alentejo aborda as possveis atitudes do sector perante a crise e reflecte sobre o papel social e econmico do Patrimnio nos vrios Alentejos.

    12

    Amieira Marina prope vela para as friasda Pscoa

    www.registo.com.pt

    SEMANRIO Director Nuno Pitti | 22 de Maro de 2010 | ed. 098 | 0.50 euros

    Passos Coelho, Paulo Rangel e Aguiar-Branco, o Senhor que se segue na liderana do PSD. 05

    PG.15 Vida, Vela, Vento! Eis o desafi o do Ncleo de Vela da Amieira Marina e da empresa Livre-de-Amarras a todos os jo-vens, a partir dos 13 anos, que pretendam umas frias de Pscoa repletas de emoo e de aventura nas guas do Alqueva.

  • 2 22 Mar 10

    Opinio

    Nos dias 13 e 14 de Maro do corrente ano, decorreu o XXXII Congresso Nacional do PSD. Portugal teve a oportunidade de acompanhar tal evento por meio da comunicao social, eu estive l e pude presenciar o pulsar de um grande partido poltico. Estou convencida que aps o dia 26 de Maro, o PSD voltar a ser um partido unido, forte e determina-do em conquistar a confiana dos portugueses.Os discursos dos ex-Presidentes do partido foram excelentes e levaram ao rubro os militantes. O Professor Marcelo Rebelo de Sousa, como seria de esperar, apelou afincadamente unidade do partido, relembrando que fo-ram raros os momentos na hist-ria do partido em que assistimos emancipao de vrias candi-daturas liderana.Santana Lopes, emotivo e autn-tico, como sempre, no deixou de questionar se os ltimos cinco anos de governao tero corres-pondido boa moeda de que falava ento Cavaco Silva, num tom magoado e sentido que nin-gum pode estranhar. Falou tam-bm da insustentvel situao do Primeiro-ministro Jos Scrates, que resumiu da seguinte forma: a suspeio no pode permane-cer eternamente. Ou se demite ou exige explicaes urgentes para restaurar a sua honra.Marques Mendes, homem de grande rectido e lisura, apelou igualmente unidade do partido aps as eleies, lembrando que o lder no pode ser fragilizado nem alvo de tricas internas. So-mos todos sociais-democratas, disse. Apelou tambm clarifica-o das funes do Estado: Esta-do agente econmico; ou Estado limitado s funes de regulao e fiscalizao. Defendeu aberta-mente o fim das golden share e o fim da promiscuidade entre as empresas e o Estado.O Congresso foi tambm palco de batalha poltica entre os quatro candidatos liderana. Abriu-se um espao de debate privilegia-do. Paulo Rangel apelou s bases do partido e importncia dos militantes, afirmando que no h bares, nem marqueses ou duque-sas no partido. Fazer a ruptura e liderar a agenda poltica, so as suas prioridades. Desferiu vrias crticas governao socialista,

    XXXII Congresso PSD

    por ter acentuado as desigualda-des, e nem a execuo do QREN, que vai em 9%, contribui para a melhoria do desempenho dos agentes econmicos. Criticou igualmente a transformao do plano tecnolgico no plano do beto, atendendo panplia de obras pblicas em curso, que se tornaram no desgnio socialista.Relembrou que Jos Scrates fo-mentou a guerra nas profisses e nas classes profissionais, tor-nando-se na fora de bloqueio da vida portuguesa, acusando-o de propaganda populista e con-fuso entre poderes pblicos e privados. Portugal precisa de uma des-socratizao. Acima de tudo Rangel conseguiu con-quistar o aplauso da plateia pela sua capacidade de mobilizao, convocando todos os portugueses para a rdua tarefa de dinamizar o tecido econmico e social.Exigncia, rigor e disciplina na escola e uma forte aposta no ensi-no profissional e obrigatoriedade do ensino pr-escolar, so as di-rectrizes que adoptou para a edu-cao, nas quais me revejo, alis. O equilbrio territorial entre regi-es ricas e pobres, entre litoral e interior, tem sido outro dos seus lemas. A coeso do territrio um tema que me caro, porque entendo que os vrios governos tm desprezado o interior do pas, mormente este nosso Alentejo, em debandada para o litoral. Rangel tem essa sensibilidade de conse-guir enxergar o tremendo erro estratgico que tem sido abando-nar o Alentejo e deit-lo aos ps daqueles que percebem nele, no um ponto fraco mas uma janela de oportunidades. Finalizou com a liberdade de voto.Jos Pedro Aguiar Branco tam-bm fez um discurso inflamado, colocando a tnica na dificuldade em ser oposio, porque somos sempre criticados pelas decises que tomamos. preciso coe-rncia e muita coragem, disse. normal que tenha comeado o seu discurso por esta matria, aten-dendo ao bom desempenho que

    SOnia raMOS ferrOJurista e Deputada Municipal

    tem tido como lder parlamentar. Sentiu necessidade de se justifi-car antecipando, at, eventuais crticas de Passos Coelho nomea-damente em matria oramental.Dirigiu-se juventude, que expe-rimenta as agruras do desempre-go e que apesar de culta e especia-lizada, no consegue encontrar emprego no seu pas, vendo-se obrigada a emigrar para outras paragens, mais convidativas.Afirmou que era seu ensejo devol-ver o poder comunidade, falan-do em localidade e defendendo o referendo regionalizao.Pedro Passos Coelho, herdeiro da Jota, falou do seu passado, fazendo um resumo biogrfico da sua histria politica, desfe-rindo contra Paulo Rangel essa diferena de tempo de militncia. Experimentou uma aproximao a Alberto Joo Jardim, que lhe saiu desajeitada. Falou contra a governao socialista do subs-dio que fomenta a dependncia e a ociosidade. Lanou um aler-ta cvico que preciso atentar: moralizador de quem trabalha e assistencial para quem precisa mas na medida do que precisa. Defendeu a prestao de trabalho a favor da comunidade por parte de quem recebe prestaes so-ciais no enquadradas no regime contributivo. Revelou-se contra a aprovao do oramento para 2010, considerando que se no um bom oramento para o pas, o PSD no se deveria ter abstido.Quanto s vrias propostas apre-sentadas para alterao dos esta-tutos, faltando melhor argumen-to e numa tentativa de desviar a ateno do PEC, o PS ocupa-se agora das propostas aprovadas pelos militantes do PSD com di-reito a voto. A lei da rolha, como lhe chamam, tem suscitado preo-cupao no PS quem diria! Ape-sar de ter uma norma semelhante nos seus estatutos, mas vitalcia, o PS socratista no precisa de lei da rolha porque j tem uma! Quem tem Scrates no precisa de mais nada! Se falar, despe-dido!

    COrreiO DO LeitOr

    O correio do leitor feito para si. voz activa no nosso

    jornal. Queremos saber a sua opinio sobre contedos

    ou propostas de abordagem. Somos uma equipa que

    desejamos dar-lhe a melhor informao. Para isso,

    contamos consigo e com a sua confiana.

    correiodoleitor@registo.com.pt

    efeMriDeS

    22 de maro: Dia Mundial da gua.

    *1895 - Os irmos Lumire realizam a primeira exibi-o de cinema.* 1911 - Fundada a Universidade do Porto em Portugal.* 1935 - Transmitido o primeiro programa regular de televiso do mundo atravs da antena da Torre de R-dio de Berlim.

    Nasceram neste dia

    * 1868 - Robert Andrews Millikan, fsico norte-ameri-cano (m. 1953).* 1923 - Marcel Marceau, ator francs (m. 2007).* 1948 - Andrew Lloyd Webber, compositor britnico.

    Morreram neste dia

    * 1418 - Nicolas Flamel, alquimista francs (n. 1330).* 1832 - Johann Wolfgang von Goethe (na imagem), es-critor alemo (n. 1749).* 1945 - Tadamichi Kuribayashi, militar japons (n. 1891).

    Como seria de esperar, apelouafincadamente unidade do partido

    inunDaeS e JOgO De futebOL interrOMpiDO DeviDO queDa De granizO

    Inundaes em casas e vias pblicas, um acidente de

    viao e a interrupo de um jogo de futebol foram as

    principais consequncias da forte chuvada, acompa-

    nhada de trovoada, que hoje tarde fustigou vrias

    zonas do Alentejo.

    No distrito de vora, ocorrerem pelo menos 14 inunda-

    es em casas e vias pblicas, sobretudo nos concelhos

    de Arraiolos, Estremoz, Portel, Reguengos de Monsa-

    raz e Viana do Alentejo, adiantou agncia Lusa fonte

    do Comando Distrital de Operaes de Socorro (CDOS).

    A queda de granizo obrigou interrupo de um jogo

    de futebol entre o Sporting de Viana do Alentejo e o

    Estrela de Vendas Novas, quando faltavam 13 minu-

    tos para terminar, conforme constatou a Lusa no local.

    O jogo, a contar para a Diviso de Honra da Associao

    de Futebol de vora, foi interrompido quando a equipa

    de Vendas Novas vencia por 0-2, devendo os restantes

    13 minutos de jogo ser cumpridos na sexta feira noite.

    No Baixo Alentejo e tambm devido queda de grani-

    zo, os bombeiros registaram uma coliso envolvendo

    trs automveis na A2, perto de Aljustrel, de que resul-

    taram dois feridos ligeiros, disse Lusa fonte do CDOS

    de Beja.

    Alm da formao de um lenol de gua nu