registo ed153

Download Registo ed153

Post on 25-Mar-2016

226 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 153 do Semanário Registo

TRANSCRIPT

  • www.registo.com.pt

    SEMANRIO Director Nuno Pitti Ferreira | 05 de Maio de 2011 | ed. 153 | 0.50

    O Melhor Petisco | Rua Catarina Eufmia , 14Horta das Figueiras | 7005-320 vora

    266771284

    PUB

    LIVRO Memrias contra o esquecimentoMagistrada do Ministrio Pblico, em vora, Aurora Rodrigues publica livro em que recorda os longos dias de priso e tortura nos calabouos da PIDE. Este livro tambm um grito, uma revolta da memria. H coisas que tm de ser ditas, diz a autora em entrevista exclusiva.

    Carlos Zorrinhoem ENTREVISTA

    1818

    Agravam-se os nmeros da sinistralidade grave no Alentejo, com mais mortos e feridos do que em 2010.

    O pRxIMO gOVERNO dEVE dISpOR dE MAIORIACabea-de-lista do PS por vora defende que o prximo governo deve ter maio-ria absoluta. E quer recuperar para o PS o segundo deputado por vora.

    06/07

    09

    Scrates recebe apoio de autarcas independentes

    Pg.08 Eleitos em listas de cidados independentes, os autarcas de Alandroal, Estremoz, Redondo e Sines mani-festaram durante um almoo na Serra dOssa o seu apoio a Jos Scrates. Dizem ser quem rene melhores condies para levar a cabo o programa de austeridade e enfrentar as dificuldades que vamos ter.

    TURISMONovo hotel 5 estrelas

    Pg.16 O LAND Vineyards, primeiro empreendimento desenvolvido pela Sousa Cunhal Turismo em Montemor-o-Novo e que elege o vinho como ncora da sua inspira-o, foi inaugurado depois de um investimento de 44 mi-lhes de euros. Trata-se do quarto empreendimento de 5 estrelas a abrir no Alentejo.

    Reguengos de Monsaraz promove o melhor da olaria ibrica

    Pg.12 Os dois maiores centros oleiros da Pennsula Ibrica, So Pedro do Corval, no concelho de Reguengos de Monsaraz, e Salvatierra de los Barros, na Extremadura espanhola, juntam-se mais uma vez na Festa Ibrica da Olaria e do Barro (FIOBAR). A dcima stima edio deste certame vai decorrer de amanh at domingo.

    agrava-seSinistralidade

  • 2 05 Maio 11

    A Abrir

    director Nuno Pitti Ferreira (nuno.pitti@registo.com.pt) Editor Lus Maneta

    propriedade

    PUBLICREATIVE - Associao para a Promoo e Desenvolvimento Cultural; Contribuinte 5099759815 Sede Rua Werner Von Siemens, n.16 -7000.639 vora - Tel: 266 751 179 fax 266 751 179 Direco Silvino Alhinho; Joaquim Simes; Nuno Pitti

    Ferreira; departamento Comercial Teresa Mira (teresa.registo@gmail.com) paginao Arte&design Luis Franjoso Cartoonista Pedro Henriques (pedro.henriques@registo.com.pt); Fotografia Lus Pardal (editor) Colaboradores Pedro Galego; Pedro

    Gama; Carlos Moura; Capoulas Santos; Snia Ramos Ferro; Carlos Sezes; Margarida Pedrosa; Antnio Costa da Silva; Marcelo Nuno Pereira; Eduardo Luciano; Jos Filipe Rodrigues; Lus Martins Impresso Funchalense Empresa Grfica S.A. | www.

    funchalense.pt | Rua da Capela da Nossa Senhora da Conceio, n 50 - Morelena | 2715-029 Pro Pinheiro Portugal | Telfs. +351 219 677 450 | Fax +351 219 677 459 ERC.ICS 125430 Tiragem 10.000 ex distribuio Nacional periodicidade Semanal/

    Quinta-Feira N.depsito Legal 291523/09 distribuio Miranda Faustino, Lda

    Ficha TcnicaSEMANRIO

    No perca o seu Semanrio REgISTO (gratuito) nas bancas!Tabacaria Central

    Rua do Raimundo, n.4 (Junto Praa do Giraldo)vora - Tel. 266 702 161

    Tabacaria Rico Papelaria, Drogaria Arco Iris

    Papelaria O Cantinho

    Rua Antnio Jos de Almeida, n.3 (Junto REPSOL)

    vora - 266 709 500Praceta Infante D. Henrique

    4-4A - 7000 vora

    Horta Figueiras 7000 vora

    Folheando Artigos Papelaria,Jornais e Revistas, Lda

    Intermarch-lj 18, Horta Figueiras 7000 vora - 266 771 463

    PUB

    A verdade da mentira?

    ww

    w.egoisthedonism

    .wordpress.com

    Pedro H

    enriques | Cartoonista

    Trinta minutos de teatro

    No dia 26 de Abril do corrente ano S-crates deu uma entrevista TVI, onde demonstrou mais uma vez as suas qua-lidades de camaleo poltico. Tranquilo e sereno, no o mesmo homem irritado e prepotente que todos conhecemos, que dispara ofensas em todas as direces. No. Scrates um homem renovado, cordato e de fcil trato, preocupado em preservar o Presidente da Repblica. O que o marketing poltico e o Lus no fazem por este homem.

    Scrates transpira cinismo, num exer-ccio de paz podre e de falso respeito pe-los outros protagonistas da vida poltica portuguesa, que chega a causar nuseas. Conhecemo-lo como Primeiro-ministro h seis anos mas apresenta-se-nos agora como se fosse o salvador da ptria, como se tivesse aterrado algures em Portugal, depois de um prolongado lifting ao ca-rcter e ao esprito.

    Esta nova roupagem de homem de consenso e de dilogo no passou des-percebida jornalista Judite Sousa, que estranhou a ausncia do tom crispado ao que Scrates respondeu que o dilogo e a negociao no so sinal de fraque-za. Pois no, mas ento porque no ne-gociou o PEC IV antes de o apresentar em Bruxelas? Excelente oportunidade perdida para provar as suas sbitas qua-lidades de homem de Estado.

    Diz Scrates que um poltico deve saber separar as questes pessoais das questes polticas. Nada mais correcto, mas ele nunca o fez, nem dentro do pr-prio partido. Quem no por ele contra ele, logo est fora das listas de Deputa-dos.

    As cartas do PSD ao Governo fazem-lhe estalar o falso verniz. A final, o esqueleto escondido dentro do armrio no uma fico. O deficit de 2010 j vai em 9.1. No tem importncia, tal deve-se a alteraes metodolgicas devido incluso das contas do BPN, BPP e das empresas de transporte, em falncia tc-nica. Para o Primeiro-ministro, o pro-blema o PSD fazer perguntas sobre as contas guardadas na gaveta, como car-tas de amor antigas e comprometedoras. No a prpria existncia dessas contas, que desesperadamente continua a querer ocultar. Para Scrates, pedir esclareci-

    mentos e transparncia nas contas p-blicas fazer guerrilha poltica. Mas quando questionado sobre a expresso utilizada por Jos Lelo para descrever o discurso do Presidente da Repblica, no respondeu. Isso que guerrilha poltica, de baixo nvel e ofensiva, bem ao estilo de um poltico a quem faltam todos os atributos de um ser de bom sen-so, a quem, por isso, deveria ser interdito o exerccio da vida pblica.

    Questionado sobre o que far caso seja considerado um obstculo ao enten-dimento poltico por parte de todos os partidos polticos, Scrates, que tem in-vocado o interesse nacional, esconde-se atrs do argumento mais fcil: foi reelei-to secretrio-geral do Partido Socialista. Uma forma legitima de dizer que est agarrado ao poder.

    Scrates sempre disse que Portugal no precisava de ajuda externa. Agora diz que sempre considerou a ajuda ex-terna como o ltimo recurso. Em 4 de Abril, Scrates dizia que entre ele e o FMI estavam 10 milhes de portugue-ses. Dois dias depois, anuncia o pedido de ajuda externa. Seguramente um dos dias mais negros da sua carreira poltica. Fiz o meu melhor para que no chegs-semos aqui. O melhor de Scrates foi a bancarrota.

    Ningum tem dvidas de que se o PEC IV tivesse obtido aprovao, j es-taramos a discutir o PEC V. No no espao de um ms que um pas fica sem dinheiro para solver as suas responsabi-lidades.

    Nunca deixou cair um Ministro, afir-ma. Esqueceu-se do Ministro da Sade, Correia de Campos e da anterior Minis-tra da Educao, Maria de Lurdes Ro-drigues.

    Lus Amado e Jaime Gama esto des-gastados e querem dedicar-se famlia. Scrates deveria fazer o mesmo, depois de se ter consagrado o lder do desem-prego, dos juros e da divida pblica, do nvel de endividamento do Estado, das empresas e das famlias, do deficit da balana corrente, da crise na justia, do abandono escolar (temos a 3. maior taxa em toda a OCDE) e da pobreza infantil (8. maior taxa dos pases da mesma or-ganizao), entre outras.

    A publicao de um livro, entrevistas e con-ferncias vieram trazer memria um pas onde existia uma polcia poltica que matava e torturava. Para que no se esquea.

    Os primeiros meses de 2011 foram marca-dos pelo aumento da sinistralidade grave no Alentejo e no distrito de vora., quando comparada com o ano passado.

    protagonistas

    p18

    p09Fernanda Ramos

    Aurora Rodrigues

    Snia ramoS ferroJurista

  • 3

    Poltica

    Redaco | Registo

    O Bloco de Esquerda quer criar bolsas de arrendamento que permitam recuperar os centros histricos e ajudar jovens e fa-mlias carenciadas. No existe interveno adequada ao n-vel da manuteno dos centros histricos e da recuperao dos edifcios. No se investe porque no h dinheiro, no se gera di-nheiro porque no se investe e o patrimnio vai caindo, diz Mi-guel Sampaio, cabea-de-lista do Bloco por vora.

    A ideia recuperar as propos-tas de um projecto-lei que pre-v a criao de uma bolsa de habitao para arrendamento destinada a responder s graves carncias habitacionais ainda existentes, estimadas em cerca de 200 mil fogos, de acordo com o estudo de diagnstico realiza-do no mbito do Plano Estratgi-co de Habitao.

    A ideia incentivar a utili-zao de habitaes desocupa-das, dinamizando o mercado de arrendamento. O que assume particular relevo em centros histricos classificados, como o de vora.

    A nossa proposta a recupe-rao dos centros histricos atra-vs de um programa especfico com interveno das autarquias e do Estado, recorrendo a fundos europeus e colocando os edif-cios recuperados numa bolsa de arrendamento, explica Miguel Sampaio. Dentro de um deter-minado prazo, ou quando o di-nheiro investido na recuperao do edifcio tivesse sido recupera-do, a gesto do imvel voltaria a ser entregue ao res-pectivo propriet-rio.

    uma aposta que tem duas vertentes: cria-o de emprego e recuperao dos centros histricos com todas as conse-quncias que da derivam, a nvel do au-m e n t o

    do turismo, defesa sustentada do comrcio tradicional e maior qualidade de vida, acrescenta o candidato por vora.

    A proposta que a bolsa seja gerida pe