reforma e contra-reforma www.nilson.pro.br aula – 02 1b

Download REFORMA E CONTRA-REFORMA www.nilson.pro.br AULA – 02 1B

If you can't read please download the document

Post on 18-Apr-2015

106 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • REFORMA E CONTRA-REFORMA www.nilson.pro.br AULA 02 1B
  • Slide 2
  • ECONOMICAS Em vrios pases da Europa, a nobreza feudal almejava confiscar as propriedades da Igreja. A burguesia protestava contra a drenagem de capitais para a Itlia.
  • Slide 3
  • ECONOMICAS Os historiadores marxistas no consideram a Reforma um fenmeno essencialmente religioso, mas um aspecto e disfarce religioso da crise que os pases da Europa atravessaram, na segunda metade do sculo XVI
  • Slide 4
  • RELIGIOSA A Reforma pode ser entendida como a finalizao das inquietaes religiosas do trmino da Idade Mdia.
  • Slide 5
  • RELIGIOSA Nesse perodo, em que o individualismo ganhava corpo, a religio tambm se individualizava para prticas mais pessoais.
  • Slide 6
  • RELIGIOSA Tradues da Bblia em lngua vulgar. Muitos passaram a desrespeitar a tradio catlica e a fazer da Bblia o nico fundamento de suas crenas
  • Slide 7
  • RELIGIOSA Os humanistas no permaneceram calados em relao aos assuntos religiosos. Erasmo de Rotterdam, por exemplo, combatia a ignorncia, a superstio e o obscurantismo que caracterizavam boa parte do clero.
  • Slide 8
  • MORAIS Os abusos do clero eram muitos. Ter amantes, filhos e dilapidar os bens da Igreja era comum. O papa Alexandre VI foi um mau exemplo.
  • Slide 9
  • POLITICA Muitos monarcas viram que podiam usar a religio para se tornarem mais fortes politicamente. Foi o que fez, por exemplo, Henrique VIII da Inglaterra.
  • Slide 10
  • ANTECEDENTES Na Bomia (hoje Repblica Tcheca), um outro professor de Teologia, Jan Huss, fez muitas crticas Igreja. Acabou sendo queimado por ordem do Tribunal da Santa Inquisio, em 1415.
  • Slide 11
  • LUTERANISMO NA ALEMANHA Na Alemanha, em 1517, Lutero afixou na porta da Catedral de Wittenberg as 95 teses contra a venda de indulgncias.
  • Slide 12
  • LUTERANISMO NA ALEMANHA Prncipes, burgueses, camponeses, enfim, amplos setores da sociedade, por razes diferentes, apoiaram Lutero.
  • Slide 13
  • LUTERANISMO NA ALEMANHA Em 1521, o imperador Carlos V convocou a Dieta de Worms para efetuar o julgamento de Lutero. Banido do Imprio, permaneceu na Alemanha, apoiado pelo Duque da Saxnia.
  • Slide 14
  • LUTERANISMO NA ALEMANHA Em 1534, Lutero traduziu a Bblia do grego para o alemo.
  • Slide 15
  • LUTERANISMO NA ALEMANHA Entre as novidades introduzidas por Lutero, esto: justificao da salvao do homem pela f; livre interpretao da Bblia; abolio do celibato clerical; aceitao da doutrina da predestinao; a missa, assim como os sacramontos, exceto a Eucaristia e o Batismo, so repudiados; desconsiderou-se a autoridade papal.
  • Slide 16
  • CALVINISMO Francisco I comeou a perseguir os reformistas, Calvino fugiu para Basilia, na Sua
  • Slide 17
  • CALVINISMO Ensinava que as pessoas devem, por todos os meios, multiplicar as riquezas, j que estas lhes so confiadas por Deus.
  • Slide 18
  • CALVINISMO Outras proibies de Calvino: bailes, jogos, teatro, enfeites, uso de nomes que no figurem na Bblia, etc. O calvinismo tornou-se to intolerante como a Igreja Catlica em relao a todos aqueles que no compartilhassem de suas crenas.
  • Slide 19
  • CALVINISMO Todos os homens so criados em uma mesma condio e estado, no entanto o eterno decreto de Deus estabelece que alguns homens sero salvos e outros sero condenados.
  • Slide 20
  • ANGLICANISMO O monarca ingls usou como pretexto para romper com Roma ofato de o Papa ter-se recusado a anular o seu casamento com a estril e pouco atraente Catarina de Arago.
  • Slide 21
  • ANGLICANISMO A consolidao do anglicanismo ocorreu no reinado de Elizabeth I (1558- 1603) com a Lei dos 39 Artigos
  • Slide 22
  • CONTRA-REFORMA A Contra-Reforma definida por muitos historiadores como uma reao da Igreja Catlica diante dos avanos do protestantismo. Os meios utilizados foram os mais diversos, desde a persuaso at a represso.
  • Slide 23
  • CONTRA-REFORMA Paulo III, que se tornou papa em 1534, convocou o Conclio de Trento, procurou moralizar o clero e a administrao eclesistica, alm de ter incentivado a renovao das ordens religiosas.
  • Slide 24
  • CONTRA-REFORMA 1. A Inquisio atuou intensamente na Itlia, na Espanha, em Portugal e, por extenso, no Brasil. 2. foram criadas diversas ordens religiosas, 3. O espanhol e ex-militar Incio de Loyola fundou a Companhia de Jesus, conhecida como Ordem dos Jesutas.
  • Slide 25
  • CONTRA-REFORMA As principais decises tomadas foram as seguintes: Para a salvao alm da f, as boas obras. A Bibila de acordo com os ensinamentos da Igreja. As fonts da f a Biblia e a Tradio. O culto aos santos. Foram mantidos o celibato, latim como idioma litrgico. Foram criados seminrios. Enfatzou-se o ensino do catecismo. Manteve-se a indissolubilidade do casamento.
  • Slide 26
  • OBRIGADO www.nilson.pro.br