recupera§£o da paisagem 4 ano 2 semestre recupera§£o de sistemas dunares...

Download Recupera§£o da Paisagem 4 ano 2 semestre Recupera§£o de sistemas dunares Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar

If you can't read please download the document

Post on 17-Apr-2015

107 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Recuperao da Paisagem 4 ano 2 semestre Recuperao de sistemas dunares Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar
  • Slide 2
  • Formao e Funcionamento das Dunas O Litoral Portugus tem cerca de 950 Km de costa, dos quais 456 Km so Dunas e Praias de Areia; Trata-se de uma estrutura dinmica e extremamente sensvel ao pisoteio; As Dunas so acumulaes de Areia e formam um sistema de transio entre a terra e o mar; A Duna forma-se gradualmente pela deposio de sedimentos de areia na parte anterior da Praia. Isto acontece sempre que a areia transportada encontra um obstculo (vegetao ou outro); Nas Dunas a vegetao desempenha um papel de extrema importncia, quer na formao e consolidao como na manuteno.
  • Slide 3
  • Slide 4
  • Caracterizao do Sistema Dunar Praia caracteriza-se por uma intensa utilizao humana e compreende um zona sujeita aco das mars. Pr-duna ocorrncia de dunas embrionrias onde surgem os primeiros agrupamentos vegetais (feno das areias, cardo martimo) Duna primria cordo de dunas paralelas linha de costa, com elevada dinmica sazonal. Vegetao essencialmente composta por herbceas e gramneas, diferenciada nos flancos martimo (estorno, cordeiros da praia, cardo martimo) e continental (granza martima, armria). Zona Inter-dunar depresso entre dunas com percentagem de humidade mais elevada, onde comea a surgir uma vegetao lenhosa subarbustiva (perptua das areias, tominho, granza martima, armria, narciso das areias). Duna Secundria separada da linha de costa pela duna primria tendo menor influncia martima. Ocorrncia de povoamentos vegetais, mais ricos e diversificados podendo mesmo ocorrer matagais (joina das praias, perptua das areias, luzerna das praias). Zona Posterior s dunas rea mais protegida do vento e com pouca influncia salina onde, alm dos matagais das dunas secundrias, pode surgir coberto arbreo (pinheiro, aroeira, lentisco, piorno branco)
  • Slide 5
  • Funo das Dunas As dunas so sistemas naturais muito eficazes contra a eroso das praias e funcionam como reservas de areia para a alimentao das mesmas; Evitam invases de areia, transportada pela aco do vento e do mar, para o interior do territrio com consequncias graves para as actividades e ocupaes a estabelecidas; Em pocas de tempestade podero evitar catstrofes, dado que impedem a progresso do mar para o interior;
  • Slide 6
  • Causas da Degradao As dunas, bem como a sua vegetao, podem ser afectadas por variadas foras naturais como sendo as ondas geradas por ciclones e tempestades, inundaes de gua salgada, fortes ventos com rajadas de areia, grandes secas, incndios ou at ataques de insectos e parasitas. Muitas actividades humanas tm tambm contribudo para a delapidao e destruio das dunas, entre elas podemos destacar o desenvolvimento/crescimento urbano, as queimadas, o pastoreio, o trfego de veculos e o pisoteio sobre os sistemas dunares, bem como as medidas de proteco costeira espores.... Trabalhos incorrectos de fixao de dunas atravs da sementeira ou plantao de accias e chores, espcies exticas de carcter invasor que a pouco e pouco acabam por substituir as espcies da flora autctone. (Decreto-Lei n. 565/99 )(Decreto-Lei n. 565/99 )
  • Slide 7
  • Efeitos da Destruio das Dunas Aps a deteriorao da vegetao dunar, as reas escassas em areia ficam vulnerveis eroso do vento e acabam, na maioria das vezes por desenvolver aberturas no sistema dunar. Se esta danificao continuar pode dar origem a que extensas reas de Duna fiquem expostas, tornando- se mveis e deslocando-se em direco zona Terrestre. O volume de areia retido junto Praia diminui, permitindo s ondas tempestivas chegar mais longe, mais interiormente, acelerando portanto as taxas de eroso da Praia.
  • Slide 8
  • Decidir sobre a recuperao de Dunas Para decidir sobre se devemos reparar o dano ocorrido em dunas danificadas, quer por causas naturais ou pela aco humana as seguintes questes devem ser respondidas: a.O que que acontecer se eventualmente a duna danificada no for recuperada? b.Quais os danos que esto a ser causados propriedade pblica e privada, a infra-estruturas e zonas de mata e quais os custos implicados para o governo e para o pblico em geral? c.Quanto ir custar a recuperao da duna? d.Quais sero os custos anuais de manuteno? e.Ser que os benefcios da recuperao compensam os custos?
  • Slide 9
  • Implementao da recuperao dunar Em qualquer programa de recuperao de dunas importante ter em conta que as dunas so erosionadas durante fortes tempestades levando a inevitveis perdas de vegetao. Minimizar os custos de manuteno fornecendo vegetao capaz de se regenerar naturalmente, e atravs do uso de estruturas mveis e econmicas que poderem ser substitudas com o mnimo custo. Recomenda-se que se Identifique a causa dos danos e tente perceber se ela resulta de foras naturais ou da actividade humana.
  • Slide 10
  • Tcnicas de Recuperao de Dunas 1. Modelao construo de dunas - revegetao 2. Barreiras de Proteco Conservao da vegetao
  • Slide 11
  • Modelao das Dunas A modelao apenas a 1 etapa, para a criao da forma base da duna, na qual se formar a nova paisagem. Recomenda-se que se proceda recolha da vegetao existente na duna afectada, para posterior reutilizao.
  • Slide 12
  • Altura Largura - Declives A criao de dunas em altura rondem as cotas 5 a 7m acima do nvel do mar. A extenso ir variar consoante a rea de praia disponvel bem como com a intensidade das tempestades verificadas. A duna deve ter uma forma aerodinmica com um declive do lado do mar com cerca de 20% de inclinao, sendo que do lado terrestre encontraramos um declive de 33%. As dunas naturais da rea envolvente devem ser observadas para obter uma indicao da forma estvel da duna sob as condies locais.
  • Slide 13
  • O reabastecimento de areia nas zonas mais erodidas pode ser feito atravs de: a) criao um conjunto de barreiras paralelas que induzam a uma acumulao gradual de areias. Estas vedaes encontram-se progressivamente mais distanciadas, de modo a que a acumulao de areias origine um declive adequado. b) definio de uma grelha de vedaes, que se torna mais eficiente, em reas onde os ventos soprem de diversas direces.
  • Slide 14
  • O perfil da duna resultante frgil e parecer pouco natural quando comparado com as dunas erodidas circundantes. Com o passar do tempo a sua complexidade aumentar.
  • Slide 15
  • Barreiras de proteco das dunas: Colocao de estruturas capazes de proteger uma seco de duna da aco dos ventos e do mar. Estas barreiras devero ser porosas para que ocorra a diminuio/dissipao da energia libertada pelas ondas, quando estas embatem contra as barreiras. O material a partir do qual se constrem as vedaes no dura muitos anos e para alm disso a aco das ondas e as tempestades ocasionais podem destruir estas estruturas. Este sistema pode ser desenvolvido utilizando trs tcnicas: a.Ramagens b.Paliadas c.Gabies
  • Slide 16
  • As linhas perpendiculares tm como objectivo acumular areias. a. Ramagens
  • Slide 17
  • Aplicao de vedaes de Ramagens Esta tcnica ideal para zonas onde haja maior disponibilidade de ramos, provenientes de cortes e de limpezas de matas. Pode-se utilizar qualquer tipo de material vegetal desde que este mantenha a sua densidade. Entre dois toros de 2,00 m de altura enterram-se duas linhas de ramadas com um compasso de 30 cm, num esquema em zig-zag. Prende-se o conjunto com fio de arame de 2,50 mm aos dois toros, a uma altura de 90 cm destes (envolvendo as duas linhas de ramadas ao mesmo tempo). Prendem-se tambm alguns arames perpendiculares ao arame que sustenta o conjunto, de modo a consolidar a estrutura.
  • Slide 18
  • Aplicao de vedaes de Ramagens Este mtodo diferencia-se do anterior pelo facto das ramagens no se encontrarem enterradas na areia sendo suportadas por trs arames de 2,50 mm de espessura. As ramadas sero entrelaadas em trs nveis entre os arames formando uma sebe compacta. Estas vedaes normalmente duram pouco tempo.
  • Slide 19
  • Vedaes de Ramadas As vedaes so colocadas em ngulos rectos em relao linha de costa. Sero colocadas aos pares sendo que cada vedao dista da outra 1m. Esta medida desencorajar as pessoas de andar sobre as dunas propiciando o desenvolvimento de vegetao. As vedaes so fceis e rpidas de executar se forem utilizados ramos ou partes de ramos de matas prximas. As ramadas so dispostas sobre a areia e fixadas por estacas enterradas na areia.
  • Slide 20
  • b. Paliadas Os toros so de madeira tratada e aconselham-se que tenham 2x0.10 m. Para que esta estrutura seja eficiente os toros devem estar enterrados pelo menos 1m abaixo da linha de base. No se considera compensatrio tentar levantar uma paliada que foi soterrada e reutiliz-la. O seu levantamento solta areia acumulada contrariando o motivo para que foi colocada. Deve-se sim proceder reposio de uma nova paliada, ou de parte dela.
  • Slide 21
  • Tcnicas de colocao de Paliadas Para iniciar a instalao da vedao, em primeiro lugar enterra-se o tutor ( o toro de maiores dimenses) e de seguida coloca-se a estaca na areia, ajusta-se a Inclinao atravs da rotao de um torniquete. Outra hiptese de instalao das vedaes a criao de uma sapata de sustentao do toro. As paliadas constitudas por um ripas de madeira so um mtodo mais econmico e de colocao mais fci do que as ramagens.
  • Slide 22
  • Vedaes com redes de Material Sinttico para reter areias Wyretex Fibra com arames de ferro galvanizado, resistente acidez e aos UV.