rdc 44 revisada

Download Rdc 44 Revisada

Post on 14-Dec-2014

110 views

Category:

Documents

41 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

FARMCIA COMERCIAL-REGULAMENTAORDC 44/2009- Dispe sobre boas praticas de dispensao. A RDC 20/2011- Trata sobre o controle de antibiticos, a resoluo trs algumas pequenas alteraes em relao a RDC 44/2009.

RDC 41/2012-Altera Resoluo RDC N 44 e revoga a Instruo Normativa IN n 10.RE 499/2008-Dispe sobre servios farmacuticos em farmcias e drogarias.

RE 505/2009-Altera RE 499/2008

FONTE: AGNCIA NACIONAL DE VIGILNCIA SANITRIA ANVISA

BOAS PRTICASENTENDE-SE POR BOAS PRTICAS FARMACUTICAS: O CONJUNTO DE TCNICAS E MEDIDAS QUE VISAM ASSEGURAR A MANUTENO DA QUALIDADE E SEGURANA DOS PRODUTOS DISPENSADOS E DOS SERVIOS PRESTADOS EM FARMCIAS E DROGARIAS.

REGULAMENTADA PELA RDC 44 DE 17 DE AGOSTO DE 2009

PROCESSOS ENVOLVIDOS NAS BOAS PRATICAS PARA FARMACIAS E DROGARIAS

DOCUMETNOS INFRA ESTRUTURA

ATENO FARMACEUTICA

RECURSOS HUMANOS

BOAS PRATICAS

DISPENSAO

AQUISIO E RECEBIMENTO ARMAZENAMETNO

ORGANIZAO E EXPOSIO DE PRODUTOS

DOCUMENTAO OBRIGATRIAFONTE: RDC 44/2009

DOCUMENTAO OBRIGATRIACERTIFICADO DE REGULARIDADE TCNICA -CRF MANUAL DE BOAS PRTICAS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS REGISTRO DE QUALIFICAO DOS FORNECEDORES

OUTROS DOCUMENTOS

TREINAMENTO E CURSO DOS FUNCIONRIOS

MANUTENO EQUIPAMENTOS

OUTROS DOCUMENTOS

CONTROLE DE PRAGAS E VETORES

TEMPERATURA DE UMIDADE

RE 505/09 X RE 499/08O inciso II do 1 do artigo 1 da Resoluo/CFF n 499/08 passa a vigorar com a seguinte redao: "II Determinao quantitativa do teor sanguneo de glicose,(COLESTEROL E TRIGLICERDEOS) mediante coleta de amostras de

sangue por puno capilar, utilizando-se de medidor porttil;Artigo 3 - Os 2 e 3 do artigo 1 da Resoluo/CFF n 499/08 passam a vigorar com a seguinte redao: " 2 Os servios realizados e os resultados obtidos

devero ser registrados, monitorados, avaliados e arquivados. Art. 3 - Os serviosfarmacuticos realizados devero ser registrados em formulrio prprio (anexo II), em tantas vias quantas necessrias, sendo a original arquivada no estabelecimento farmacutico, uma entregue ao usurio e as demais

encaminhadas aos profissionais de sade correspondentes, quando for o caso. 2 Os servios realizados e os resultados obtidos devero ser registrados, monitorados, avaliados e arquivados.

RE 505/09 X RE 499/08 3 Outros servios farmacuticos, no especificados nesta Resoluo,

tambm podero ser executados, desde que se situem no domnio dacapacitao tcnica, cientifica ou profissional.Art. 2 - O farmacutico dever especificar, quando da solicitao de direo ou responsabilidade tcnica ao Conselho Regional de Farmcia da jurisdio, quais os servios que sero prestados, devendo para tal comprovar suas habilitaes e qualificaes profissionais, de acordo com o anexo I. 1 A comprovao das habilitaes e qualificaes do farmacutico para

realizar os servios solicitados ser feita por meio de certificado,expedido pelo Conselho Regional de Farmcia, o qual dever ficar exposto no estabelecimento.

RE 505/09 X RE 499/08Artigo 4 - O artigo 10 da Resoluo/CFF n 499/08 passa a vigorar com a seguinte redao: "Art. 10 - Para a determinao quantitativa do teor sanguneo de glicose, devero ser estabelecidos protocolos relativos ao registro dos testes, de modo a que sirvam para a validao da qualidade dos mtodos e aparelhos usados para o rasteio."Art. 10 Para a determinao quantitativa do teor sanguneo de glicose, colesterol total e triglicrides, devero ser estabelecidos protocolos relativos ao registro dos testes, de modo a que sirvam para a validao da qualidade dos mtodos e aparelhos

usados para o rasteio.

RE 505/09 X RE 499/08Artigo 5 - O pargrafo nico do artigo 11 da Resoluo/CFF n 499/08

passa a vigorar com a seguinte redao: "Pargrafo nico - Osresultados da determinao quantitativa do teor sanguneo de glicose no podero ser fornecidos como diagnstico, sob qualquer hiptese.ART.11 O farmacutico dever, antes de realizar a determinao, esclarecer o usurio de que o procedimento se destina apenas preveno de enfermidades ou ao monitoramento do tratamento em curso, cabendo o devido preenchimento do anexo II.

Artigo 7 - ALTERA O REGISTRO DE SERVIOS FARMACEUTICOS

SERVIOS FARMACUTICOSOs estabelecimentos podero oferecer os seguintes servios: I - Ateno farmacutica: parmetros fisiolgicos: presso arterial e temperatura corporal; parmetro bioqumico: glicemia capilar; administrao de medicamentos: injetveis, inalatrios, etc; ateno farmacutica domiciliar.

II - Perfurao de lbulo auricular

vedado farmcia e drogaria prestar servios no abrangidos pela Resoluo RDC 44/09!!!

SERVIOS FARMACUTICOSSomente sero considerados regulares os servios farmacuticosdevidamente indicados no licenciamento de cada estabelecimento, sendo vedado utilizar qualquer dependncia da farmcia ou drogaria como consultrio ou outro fim diverso do licenciamento. A prestao de servios farmacuticos em farmcias e drogarias deve ser permitida por autoridade sanitria mediante prvia inspeo. O estabelecimento deve manter disponvel, para informar ao usurio, lista atualizada com a identificao dos estabelecimentos pblicos de sade mais prximos, contendo a indicao de endereo e telefone. FONTE : RDC 44/2009

ASSISTNCIA FARMACUTICADeve ter como objetivos a preveno, deteco e

resoluo de problemas relacionados a medicamentos,promover o uso racional dos medicamentos, a fim de melhorar a sade e qualidade de vida dos usurios, assim como permitir o acompanhamento ou a avaliao da eficcia do tratamento prescrito por profissional habilitado.

FONTE: RDC 44/2009

AVALIAO DA PRESCRIOO farmacutico tem a obrigao de avaliar a receita quanto: legibilidade e ausncia de rasuras e emendas; identificao do usurio, identificao do medicamento, concentrao, dosagem, forma farmacutica e quantidade; modo de usar ou posologia; durao do tratamento; local e data da emisso; assinatura e identificao do prescritor com n de registro no respectivo conselho profissional.

AVALIAO DA PRESCRIONo ato da dispensao, para conhecimento do paciente, devem ser fornecidas ainda as , seguintes orientaes: condies de conservao e cuidados na recepo do produto, interaes alimentares e medicamentosas, via de administrao e, quando for o caso, os efeitos adversos bem como outras informaes consideradas necessrias para a garantia da efetividade do medicamento dispensado

Da Aferio Dos Parmetros Fisiolgicos e Bioqumico Permitidos Os parmetros fisiolgicos: presso arterial e temperatura corporal. O parmetro bioqumico: glicemia capilar. Ainda que seja verificada discrepncia entre os valores encontrados e os valores de referncia, no podero ser indicados medicamentos ou alterados os medicamentos em uso pelo paciente quando estes possuam restrio de venda sob prescrio mdica.

FONTE: RDC 44/2009

DECLARAO DE SERVIOS FARMACUTICOSAps a prestao do servio farmacutico deve ser entregue ao usurio a Declarao de Servio Farmacutico. A Declarao de Servio Farmacutico deve ser elaborada em papel com identificao do estabelecimento, contendo nome, endereo, telefone e CNPJ, assim como a identificao do usurio ou de seu responsvel legal, quando for o caso.

Alm dos dados do estabelecimento, a Declarao de ServioFarmacutico deve conter determinadas informaes, conforme o servio farmacutico prestado (vide norma)

FONTE: RDC 44/2009

DECLARAO DE SERVIOS FARMACUTICOS proibido utilizar a Declarao de Servio Farmacutico com finalidade de propaganda ou publicidade ou para indicar o uso de medicamentos para os quais exigida prescrio mdica ou de outro profissional legalmente habilitado. A Declarao de Servio Farmacutico deve ser emitida em duas vias, sendo que a primeira deve ser entregue ao usurio e a segunda permanecer arquivada no estabelecimento.

SERVIO FARMACUTICO FARMACUTICOCAPACITAO E PERFIL ESPECFICO ESTRUTURA FSICAADEQUADA PARA PROCEDIMENTO DOCUMENTAOPOPS,PROTOCOLOS, FICHAS PACIENTE CONHECIMENTOIMPLANTAO PRTICA

PRESSO ARTERIAL

PRESSO ARTERIAL- NO COM O OBJETIVO PROGNOSTICO OU DIAGNSTICO - SERVIO FARMACUTICO AUXILIAR A DETECO DE CASOS SUSPEITOS AVALIAR A EFETIVIDADE E SEGURANA DA FARMACOTERAPIA EM PACIENTES DIAGNOSTICADOS

PRESSO ARTERIALAs leituras de presso arterial so medidas em milmetros de mercrio(mmHg) e normalmente so apresentadas na forma de dois nmeros por exemplo, 120 por 80 (escreve-se 120/80 mmHg).

A verificao da presso arterial realizada em sala especfica para este servio, pelo farmacutico ou sob sua superviso, utilizando-se um

esfigmomanmetro e estetoscpio.

FONTE: V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSO ARTERIAL-SBC

PRESSO SISTLICAA presso sistlica, ou tambm chamada de: mxima, a

presso do sangue no momento da sstole cardaca, ou seja, nomomento em que o corao contra e impulsiona o sangue para as artrias. a presso que o sangue faz contra a parede das artrias. Portanto se o corao contrair-se com mais nfase a presso sistlica ser maior.

PRESSO DIASTLICAA presso diastlica ou tambm conhecida como presso

mnima, influenciada pela resistncia que os vasos oferecem passagem do sangue.

Correspondente ao momento em que o ventrculo esquerdo voltaa encher-se para retomar todo o processo da circulao. Essa a presso empurrando contra a artria quando o corao est descansando entre os batimentos.

Hemoglicoteste (Glicemia Capilar)

APLICAO DE INJETVEIS

PERFURAO DO LBULO AURICULAR

INALAOREQUISITOS BSICOS:SER REALIZADO SOMENTE COM PRESCRIO MEDICAO KIT PARA INALAO (MSCARA, COPINHO, E EXTENSO), DEVEM SER DESCARTVEIS E DE USO PESSOAL NO DEVE SER FEITO DESINFECO E ESTERELIZAO DE MSCARAS PELA FARMACIA

DISPENSAO DE ANTIMICROBIANOS RDC 20/11 E RDC 44/09Alterao da via retida e da devolvida para o paciente (reteno

da 2 via n