RAFAEL FORESTI PEGO - ?· RAFAEL FORESTI PEGO O PARADIGMA DA ESTRUTURA SINDICAL BRASILEIRA: uma análise…

Download RAFAEL FORESTI PEGO - ?· RAFAEL FORESTI PEGO O PARADIGMA DA ESTRUTURA SINDICAL BRASILEIRA: uma análise…

Post on 03-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DO RIO GRANDE DO SUL

    RAFAEL FORESTI PEGO

    O PARADIGMA DA ESTRUTURA SINDICAL BRASILEIRA:

    uma anlise sob a tica dos Direitos Fundamentais

    Porto Alegre

    2009

  • RAFAEL FORESTI PEGO

    O PARADIGMA DA ESTRUTURA SINDICAL BRASILEIRA:

    uma anlise sob a tica dos Direitos Fundamentais

    Dissertao para obteno do ttulo de

    Mestre em Direito, Pontifcia Universidade

    Catlica do Rio Grande do Sul.

    Orientador: Dr. Gilberto Strmer

    Porto Alegre

    2009

  • O PARADIGMA DA ESTRUTURA SINDICAL BRASILEIRA: uma anlise sob a tica

    dos Direitos Fundamentais

    Rafael Foresti Pego

    Dissertao apresentada como requisito parcial para

    aprovao no curso de Mestrado em Direito na

    Pontifcia Universidade Catlica do Rio Grande do

    Sul, pela comisso formada pelos professores.

    Orientador: Professor Gilberto Strmer

    Professora Denise Pires Fincato

    Professor Marco Antnio Csar Villatore

    Aprovado em ____ de ___________ de 2009, pela Banca Examinadora.

    Porto Alegre

    2009

  • RESUMO

    Este trabalho prope a busca, pelo sindicato, da efetividade dos direitos fundamentais dos trabalhadores, questo que suscita o debate acerca da reformulao da estrutura sindical brasileira. Determinados vcios existentes na organizao sindical ptria acabam por impedir o fortalecimento dos sindicatos, atraindo o foco da discusso para questes j ultrapassadas em nvel internacional, ao invs de ensejar o debate sobre as aes sindicais e o futuro do sindicalismo diante dos contextos econmico e social. Isso representa prejuzos para todos os atores do mundo laboral, cujo desenvolvimento empaca em uma legislao trabalhista rgida e extensa, incapaz de lidar com a dinmica das relaes de trabalho modernas, resultando no afogamento dos Tribunais do Trabalho. Essas e outras intrincadas questes so enfrentadas neste estudo. Para tanto, faz-se um repasse histrico do sindicalismo no mundo e no Brasil, culminando na anlise contextual da realidade brasileira. Tambm feito um estudo sobre temas da estrutura sindical dos Estados Unidos, muitos dos quais fundamentaro as mudanas necessrias organizao sindical brasileira. Assim, o resultado pretendido a consolidao de um paradigma de estrutura sindical para o caso brasileiro, de modo a ensejar a existncia de entidades sindicais fortes e representativas, o que tratado no segundo captulo deste trabalho, cujas alteraes tambm encontram fundamento no sistema sindical espanhol. Ao final, analisa-se o dever dos sindicatos em dar efetividade aos direitos fundamentais dos trabalhadores, principalmente mediante o assistencialismo. Palavras-chave: Sindicato. Estrutura sindical. Direitos fundamentais.

  • ABSTRACT

    This paper presents, as its main proposition, the search for efficacy of workers fundamental rights through their labour union, matter that brings about the discussion concerning the reformulation of the brazilian labor union structure. Certain defects that exist in the nations labour union organization end up obstructing the encourage of the unios, attracting the focus of the discussion to already surpassed issues in the international level, instead of actually debating the unions actions and future of unionism in face of economic and social context. This represents losses for all of the participants in the labour world, and its lack of progress leads to a rigid and extense labor law, uncapable of dealing with modern work realtions and dynamics, which also reflects the overload of Labor Courts. These and others intricate matters are put forth in this paper. To do so, a historic review of unionism around the world and in Brazil is made, culminating in a contextual analysis of the Brazilian reality. A study about the United States union structure is also made to serve as basis for the necessary reform of the Brazilian labour union organization. Thereby the end result of the paper is to consolidate a better union structure for Brazil, to allow the existence of strong and representative unions, which is the object of the chapter two of this paper. In the end, the unions obligation to give efficiency to laborers fundament rights is analysed, especially through attendance. Key-words: Union. Union Structure. Fundamental Rights.

  • SUMRIO

    INTRODUO..........................................................................................................07 1 NOES PRELIMINARES SOBRE O SINDICALISMO .......................................10 1.1 A ORIGEM DOS SINDICATOS NO MUNDO .....................................................10 1.2 A ORIGEM DOS SINDICATOS NO BRASIL ......................................................22 1.3 ANLISE CONTEXTUAL DO SINDICALISMO BRASILEIRO.............................30 1.4 ANLISE DE DIREITO COMPARADO: O SINDICALISMO NOS ESTADOS UNIDOS ...................................................................................................................38 1.4.1 Noes Preliminares de Direito Comparado................................................39 1.4.2 Estrutura Sindical Norte-Americana ............................................................42 2 O PARADIGMA DA ESTRUTURA SINDICAL BRASILEIRA................................60 2.1 CONSTITUIO DO SINDICATO ......................................................................63 2.2 ENQUADRAMENTO SINDICAL E REPRESENTAO NO LOCAL DE TRABALHO...............................................................................................................65 2.3 UNICIDADE.........................................................................................................77 2.4 REPRESENTATIVIDADE ...................................................................................78 2.5 CONTRIBUIES ..............................................................................................82 2.6 NEGOCIAO COLETIVA .................................................................................86 2.7 A COORDENAO DE INTERESSES E O DEVER DE COOPERAO..........87 2.8 MELHORES CONDIES DE VIDA PARA TODOS TRABALHADORES .........92 3 O SINDICATO EM PROL DA EFETIVAO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS 95 3.1 AS RELAES SINDICAIS ...............................................................................96 3.2 A VINCULAO DOS PARTICULARES AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS ....99 3.3 A VINCULAO DOS SINDICATOS AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS ........109 CONCLUSO .........................................................................................................118 REFERNCIAS.......................................................................................................122

  • INTRODUO

    O trabalho apresenta um estudo acerca do paradigma da estrutura sindical

    brasileira, no desiderato de traar as principais bases de uma organizao sindical

    que se entende como a mais plausvel na experincia ptria. Objetiva desenhar os

    caracteres de uma organizao sindical que possibilite o fortalecimento e

    desenvolvimento das entidades sindicais e a efetiva representao dos

    trabalhadores, enquanto pressupostos para que possam vir a ser debatidas

    questes modernas, como as aes sindicais nos contextos econmico e social.

    Em outras palavras, o Brasil permanece com um sistema sindical que enseja

    a pulverizao de sindicatos frgeis e inoperantes, obrigando a que o foco das

    discusses permanea em questes j ultrapassadas no cenrio internacional, tais

    como a unicidade e a contribuio sindical compulsria, o que impede o

    enfrentamento do verdadeiro desafio do sindicalismo: as funes e a importncia

    dos sindicatos na proteo dos trabalhadores, diante da complexidade e incessante

    e veloz modificao das relaes de trabalho na sociedade. Os sindicatos do mundo

    inteiro voltam suas atenes ao enfrentamento dos problemas sociais que assolam

    os trabalhadores, principalmente decorrentes da globalizao e da alterao no

    modo de produo, impondo uma atuao em nvel internacional e, ao mesmo

    tempo, regional e interna.

    Entretanto, para tratar dessas questes, imprescindvel que haja um

    ambiente sindical livre, com sindicatos fortes e representativos, situao que no se

    verifica no Brasil, ainda na atualidade. Por isso o enfrentamento da estrutura sindical

    brasileira, delineando o paradigma da organizao sindical que se entende por

    melhor na experincia ptria, tendo em vista a finalidade acima mencionada. Para

  • 08

    tanto, inicia-se a pesquisa com um repasse histrico do sindicalismo no mundo e no

    Brasil, culminando com a anlise contextual do sindicalismo ptrio.

    Alm disso, realizado um breve estudo pontual de temas da estrutura

    sindical dos Estados Unidos, muitos dos quais fundamentaro as mudanas

    necessrias organizao sindical brasileira. Tais mudanas so tratadas no

    segundo captulo, sopesando matrias como o enquadramento sindical, a

    representao no local de trabalho, a unicidade, as fontes de receita dos sindicatos,

    o dever de cooperao, entre outros. Somente com a reformulao dessas questes

    ser possvel caminhar em direo regulamentao dinmica das relaes de

    trabalho, o que se constitui uma exigncia diante da constante mutabilidade dessas

    relaes, principalmente pela via da autocomposio.

    So as partes das relaes de trabalho, em um ambiente que permita o

    equilbrio entre estas, que devem compor as bases da regulamentao trabalhista,

    traando limites, impondo direitos e deveres, tudo em conformidade com a realidade

    especfica dos trabalhadores envolvidos. No Direito Coletivo do Trabalho est a

    soluo dos principais problemas em matria laboral, ao passo que o Brasil continua

    privilegiando a interveno do Estado nesta seara, mediante uma vasta e rgida

    legislao trabalhista, que no raro se encontra extremamente distante da realidade.

    Consequentemente, a maioria dessas questes passam a ser resolvidas no mbito

    dos Tribunais de Trabalho, que esto assoberbados e talvez por isso sem dar-lhes a

    devida considerao. Demonstra-se, assim, uma poltica estatal que ignora a origem

    das mazelas e dos conflitos, e seu respectivo saneamento, e opta pela proliferao

    de Tribunais do Trabalho enquanto soluo mais simples e rpida, mas cuja

    efetividade se discute.

    Aps a anlise da estrutura sindical brasileira e a constatao da necessidade

    de sua reformulao, pode-se asseverar o dever dos sindicatos em dar efetividade

    aos direitos fundamentais dos trabalhadores, em prol da melhoria das suas

    condies de vida, principalmente por medidas assistenciais. Tal dever se impe,

    inclusive, na atual conjuntura sindical brasileira, at mesmo como critrio de

    representatividade, pois um sindicato que no atende a esse comando no digno

    da representao dos trabalhadores. Em vista disso, no terceiro captulo so

    formulados argumentos para que o sindicato atue em prol da efetividade dos direitos

    fundamentais dos trabalhadores, assunto que demanda a abordagem de temas

    como a vinculao dos particulares aos direitos fundamentais.

  • 09

    A importncia deste trabalho se verifica nas premissas j aludidas e na crena

    de que no Direito Coletivo do Trabalho est o futuro e o equilbrio das relaes

    laborais. Embora sejam inmeras e qualificadas as referncias doutrinrias sobre

    temas voltados estrutura sindical e sua reforma, destaca-se, neste trabalho, a

    inteno de focalizar os prprios parmetros dessa reformulao, em detrimento da

    mera crtica ao modelo sindical vigente. E o trato do tema vinculao dos sindicatos

    aos direitos fundamentais, tambm voltado aos efeitos em concreto dos argumentos

    defendidos, consolida a importncia e o ineditismo do presente estudo.

    Assim, trata-se de um tema demasiadamente amplo e, no mais das vezes,

    controvertido. Envolve diversos aspectos nos mais variados ramos da cincia,

    embora tenha se privilegiado o enfoque jurdico da questo. Mesmo sendo

    dificultoso chegar a um consenso nos diversos pontos apresentados, no resta a

    menor dvida quanto necessidade de mudanas na seara sindical, cujos

    parmetros e limites justamente constituem objeto de debate neste trabalho. Urge a

    adequao entre realidade social e Direito do Trabalho no Brasil.

    Por ltimo, destaca-se que o mtodo de abordagem utilizado na pesquisa foi

    o indutivo, ao passo que os mtodos de procedimento foram o histrico, o

    comparativo e o monogrfico. Quanto interpretao, privilegiaram-se os mtodos

    sistemticos de interpretao. Em relao tcnica, foi utilizada a pesquisa

    bibliogrfica e documental.

  • CONCLUSO

    Enumeram-se as concluses do presente estudo:

    1. necessria a reformulao da estrutura sindical brasileira, haja vista a

    importncia dos sindicatos no enfrentamento das transformaes que ocorreram e

    continuam ocorrendo no mundo do trabalho. A soluo passa pela consolidao de

    uma regulao dinmica das relaes de trabalho, principalmente pela via da

    autocomposio, em prol da efetiva proteo do trabalhador. Contudo, no Brasil, o

    foco das discusses segue voltado a questes j ultrapassadas no cenrio

    trabalhista internacional, tais como a contribuio sindical compulsria e a unicidade.

    2. O paradigma da estrutura sindical sugerido para a experincia brasileira

    tem como pilares:

    a) a simplificao dos procedimentos para a criao e constituio do

    sindicato, o qual deve gozar de natureza jurdica prpria e possuir registro nico, o

    que no pode ser confundido com a eventual concesso posterior de poderes de

    representao por determinada coletividade de trabalhadores;

    b) a substituio da regra do enquadramento sindical pela definio a

    posteriori da categoria, mediante livre eleio pelos trabalhadores e adoo do

    critrio da vontade da maioria, inclusive com a escolha do mbito de atuao do

    sindicato (unidade de negociao) e da(s) respectiva(s) entidade(s) que

    incumbir(o) a representao por determinado perodo. Aos interessados cabe a

    autodeterminao do mbito de atuao do grupo, pautada na solidariedade,

    resultando na unio concreta dos trabalhadores em virtude de real e prprio

    interesse, em detrimento de qualquer outro critrio jurdico e abstrato, previamente

    definido. A atuao do sindicato e a incidncia das normas coletivas devem estar

    modeladas ao mbito espacial em que acontecem;

  • 119

    c) a representao unitria dos trabalhadores na empresa ou nos

    estabelecimentos, mediante representante ou comit de representantes livremente

    eleitos pelos trabalhadores;

    d) a atuao sindical pensada em nvel internacional, em uma gama de

    questes, porm mantendo a importante aproximao com os representados e da

    atuao interna, igualmente necessria para determinadas discusses, com o

    sindicato promovendo o entendimento direto entre trabalhadores e empregadores;

    e) a insustentabilidade do critrio da unicidade sindical;

    f) a implantao de mecanismos dinmicos de representatividade e

    negociao, privilegiando a eleio pelos representados, o critrio da maioria e a

    representao erga omnes;

    g) a obrigao livremente assumida das contribuies sindicais, com base no

    associativismo. No h espao para a contribuio sindical imposta por lei. No

    tocante a trabalhadores no-filiados ou filiados a outro sindicato, razovel a

    cobrana de uma cota de representao;

    h) a valorizao da negociao coletiva enquanto regulamentao dinmica

    que atende s necessidades es...