publicidade justin kearns - .na praça marquês de pombal, em lisboa, anunciada na passada sema-na,

Download PUBLICIDADE JUSTIN KEARNS - .na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa, anunciada na passada sema-na,

Post on 01-Jan-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

87c9b342-28ae-4427-badb-1b56a9b2ce17

Venda de imveis da EDP no Marqus pode atrair mais investimento para Portugal

A venda de quatro edifcios da EDP na Praa Marqus de Pombal, em Lisboa, anunciada na passada sema-na, poder ter um efeito positivo na captao da ateno dos investido-res para o imobilirio portugus, dizem as duas consultoras que atu-aram no negcio. p04

Portugal vai promover-se durante o Barcelona Meeting PointAinda faltam quatro meses, mas j esto em marcha os esforos para promover o imobilirio portugus em Espanha com a organizao de diversas iniciativas no mbito do Barcelona Meeting Point. p03

QUARTA-FEIRA 25 JUNHO 2014 www.imobiliario.publico.pt

JUSTIN KEARNS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Este suplemento parte integrante do jornal PBLICO e no pode ser vendido separadamente

SUPLEMENTO COMERCIAL

O jardim ideal ao alcance de cada umCom o vero acabado de chegar, conhea as principais tendncias e propostas nas reas de jardins, exteriores e piscinas, alm dos conselhos da arquiteta paisagista Teresa Chambel sobre como planear o melhor jardim para si. p08

OrelhaPublico_MDO_48x30.ai 1 13/03/12 10:32

02 Opinio IMOBILIRIO 25 JUNHO 2014

Um drama para as famlias

Olhar mais para o Brasil, Copa do Mundo parte

Com os actuais valores patrimoniais

dos imveis, uma taxa de IMI

de 0,1% mais que suficiente para

assegurar o equilbrio financeiro das

autarquias.

Notcias recentes reve-laram que o nmero de famlias que deixou de pagar o crdito de habitao atinge va-lores alarmantes. Segundo dados do Banco de Portugal 149800 fa-mlias esto em situao de incum-primento, sendo que s neste ano foram mais 4083 as famlias que deixaram de pagar o seu crdito a habitao.

Precisamente por isso est-se a verifi car um enorme aumento da devoluo das casas ao Banco, estando os tribunais superiores a revogar as decises dos tribunais de primeira instncia que tinham considerado que a entrega da casa saldava a dvida. Com a desvaloriza-o dos imveis, a maioria dos pro-

prietrios pode perder a sua ca-sa, mas mesmo assim continuar com uma dvida enorme perante o Banco.

Para esse fac-tor contribui naturalmente o enorme au-mento do cus-to do crdito mas tambm a situao fi scal. No se pode es-

quecer a brutal tributao em IMI que incide sobre os proprietrios de imveis, a que nem sequer es-capam os titulares de casa prpria. Desde a entrada da troika em Por-tugal que foram subidas todas as ta-xas de IMI, ao mesmo tempo que se elevou brutalmente os valores patrimoniais, colocando o impos-to em nveis incomportveis. E os prprios municpios tm agravado a situao, fi xando a taxa no mximo, ou seja, 0,5% do valor patrimonial dos imveis.

Ocorre ao mesmo tempo o mul-tiplicar das execues fi scais sobre imveis. Os ltimos dados publica-dos tambm revelam que este ano j

Ns por c, que h mais de 500 anos anda-mos a viajar para o Brasil, olhamos com pouca ateno para esse enorme pas que julgamos co-nhecer mas que na verdade tanto desconhecemos - quantos de ns sabero que foi em 1822 que o pa-s recuperou a independncia, que foi em 1889 que passou a ser uma Repblica e foi em 1985 que recu-perou a Democracia aps 21 anos de ditadura militar?

Talvez nos lembremos que h 40 anos, mais ms menos ms, Fran-cisco Buarque de Hollanda, mais conhecido por Chico Buarque, um dos grandes intelectuais da luso-fonia que h dias celebrou setenta anos de idade, escreveu, em plena ditadura militar brasileira, uma can-o de homenagem ao regresso da Democracia a Portugal, a que deu o nome de Fado Tropical e onde va-ticinava um futuro mais prspero para o Brasil.

Ele, que ps o Amazonas a correr por Trs-os-Montes e a desaguar no Tejo, vaticinando igualmente que a terra do Brasil iria cumprir seu ide-al e tornar-se um imenso Portugal , estaria ento ento ainda longe de pensar que uma infl ao to brutal e atpica, que se notava da manh para a tarde, poderia ser controlada, e que o pas poderia transformar-se numa Economia emergente, com crescimento e desenvolvimento em conformidade.

Sabe-se hoje que um dos segredos deste salto qualitativo do Brasil tam-bm passou pela promoo de mi-lhes de brasileiros que deixaram a base da pirmide social para integra-rem a classe mdia e, principalmen-te a Economia formal, a par de ou-tros desafi os assumidos pelo Estado, como por exemplo a criao de um sistema pblico de sade universal, ainda em desenvolvimento, um caso

PUBLICIDADE

foram penhorados e vendidos pelo Fisco 31.506 imveis, mais 12,48% do que o correspondente a idnti-co perodo do ano anterior, estando actualmente as Finanas a vender 189 imveis por dia, um valor sem paralelo.

Esta situao vai ser agravada com a abolio da clusula de salvaguar-da do IMI, prevista para 2015. J ti-vemos ocasio de salientar que esta ser uma verdadeira bomba atmica para muitas famlias, aumentando o nmero de pessoas que iro ser privadas das suas casas.

urgente fazer alguma coisa pa-ra evitar este fl agelo. O Governo tem-se mostrado surdo ao drama que fez recair sobre grande parte dos portugueses. No sustent-vel que esta tributao continue, em escandalosa violao do prin-cpio da capacidade contributiva consagrado na Constituio. Os de-putados que suscitaram, e bem, a fi scalizao da constitucionalidade de medidas discriminatrias que atingiram os funcionrios pblicos e pensionistas deveriam olhar rapi-damente para a situao que atinge os proprietrios de casa prpria, e solicitar a fi scalizao da constitu-cionalidade destes nveis inaceit-veis de tributao.

tempo de evitar a continuao deste drama. Com os actuais valores patrimoniais dos imveis, uma taxa de IMI de 0,1% mais que sufi cien-te para assegurar o equilbrio fi nan-ceiro das autarquias. A extino da clusula de salvaguarda no prximo ano uma boa razo para que a tri-butao em IMI seja rapidamente revista, com a fi xao da taxa nesse montante. Espera-se que haja bom senso por parte do Governo, espe-cialmente quando o mesmo com-posto por partidos que se reclamam dos contribuintes. Se o Governo no revir esta situao, que ao menos o Tribunal Constitucional intervenha. S se espera que no o faam dema-siado tarde.Presidente da Associao Lisbonense de Proprietrios

nico e exemplar, em pases com mais de cem milhes de habitantes.

Hoje o Brasil muito mais do que o pas que acolhe o Campeo-nato Mundial de Futebol 2014 ou vai receber, no Rio de Janeiro, dentro de dois anos, os Jogos Olmpicos de 2016. um pas que aposta num ci-clo de crescimento que mantenha a solidez econmica e aumente as prestaes e os apoios das polticas sociais, baseando-se assumidamen-te na sociedade do conhecimento e numa educao de qualidade.

Tudo isto s possvel, como ml-tiplas experincias polticas em todo o Mundo o demonstram, se um dos pilares destas transformaes for a classe mdia, a procura e o mercado privilegiado das cidades, os espaos que no Brasil, como em muitos ou-tros locais, esto a merecer profun-das reformas ditas urbanas, com vista qualidade de vida, no plano dos transportes, da mobilidade, da habitao.

precisamente o contrrio do que temos vindo a fazer por c. Sobre-carregando toda a base da pirmide social e uma parte muito signifi cativa da classe mdia, com impostos exces-sivos, com perda de apoios sociais e sem polticas de emprego que inver-tam de forma clara e signifi cativa as fortes taxas de desemprego que se verifi cam e alimentam um pesadelo permanente.

As quedas na pirmide social a atingir pessoas que se julgavam e julgvamos seguras no patamar em que se encontravam tm de ser es-tancadas no s em nome das pre-ocupaes sociais que qualquer Es-tado deve assumir mas tambm em nome da nossa prpria recuperao econmica.Presidente da CIMLOPConfederao da Construo e do Imobilirio de Lngua Oficial Portuguesapresidente@cimlop.com

Lus Menezes Leito

Lus Lima

www.vidaimobiliaria.com

Conhea j o novo site da Vida Imobiliria

ASSINATURA DIGITAL:

19,99TRIMESTRALOferta Voucher 5

Assine j em: loja.vidaimobiliaria.com*Oferta no acumulvel com outras promoes

49,99ANUALOferta Voucher 10

IMOBILIRIO 25 JUNHO 2014 Atualidade 03

O Barcelona Meeting Point (BMP) 2014, que continua a ser um dos principais eventos europeus de in-vestimento imobilirio, vai realizar-se de 29 de outubro a 2 de novembro na cidade catal e esto j a ser de-senvolvidos esforos para dar corpo a um conjunto de iniciativas integra-das no certame com o objetivo de promover o imobilirio portugus junto de investidores estrangeiros. Na ltima edio do BMP, sentiu-se j um notvel interesse por parte dos principais fundos de investimen-to internacionais em voltar a inves-tir na Pennsula Ibrica. E por isso mesmo, o BMP pretende destacar Portugal na sua prxima edio, comea por dizer Jos Mara Pons,

Ana Tavares

Portugal vai promover-se durante o Barcelona Meeting PointAinda faltam quatro meses, mas j esto em marcha os esforos para promover o imobilirio portugus em Espanha com a organizao de diversas iniciativas no mbito do Barcelona Meeting Point.

diretor geral do Barcelona Meeting Point. Os moldes j esto desenha-dos, em parceria com a portugue-sa Vida Imobiliria, e passam pela realizao de diversas iniciativas e encontros.

Em destaque estar o Iberian Capital Markets Forum, que ter lugar a 30 de outubro e pretende criar um momento de networking e contacto entre players portugue-ses e espanhis e um grupo de de-cisores de pelo menos 25 fundos de investimento internacionais. A or-ganizao avanou ao Pblico Imo-bilirio que este evento se iniciar com um pequeno-almoo debate que acolher um keynote speaker encarregue de apresentar uma ra-diografi a da economia portuguesa e do cenrio ps-troika, com ex-

Shop in Barcelona. Real Estate, para o qual a organizao da feira ir convida