prova enem-amarela-98

Download Prova enem-amarela-98

Post on 25-Jul-2015

311 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • (1(0

    amarela

    REDAO2#4XH#e#2#4XH#e

    +111,

    ###9LYHU###H#QmR#WHU#D#YHUJRQKD#GH#VHU#IHOL]###&DQWDU#H#FDQWDU#H#FDQWDU###D#EHOH]D#GH#VHU#XP#HWHUQR#DSUHQGL]###(X#VHL###TXH#D#YLGD#GHYLD#VHU#EHP#PHOKRU###H#VHUi###0DV#LVVR#QmR#LPSHGH#TXH#HX#UHSLWD###e#ERQLWD/#p#ERQLWD#H#p#ERQLWD

    +111,

    Luiz Gonzaga Jr. (Gonzaguinha)

    Redija um texto dissertativo, sobre o tema Viver e Aprender , no qual voc exponha suas idias deforma clara, coerente e em conformidade com a norma culta da lngua, sem se remeter a nenhumaexpresso do texto motivador O Que O Que .

    D um ttulo sua redao, que dever ser apresentada a tinta e desenvolvida na folha anexa aoCarto-Resposta. Voc poder utilizar a ltima pgina deste Caderno de Questes para rascunho.

    QUESTES OBJETIVASObserve nas questes 1 e 2 o que foi feito para colocar bolinhas de gude de 1 cm de dimetro numacaixa cbica com 10 cm de aresta.

    01 Uma pessoa arrumou as bolinhas em camadas superpostas iguais,tendo assim empregado:

    (A) 100 bolinhas.(B) 300 bolinhas.(C) 1000 bolinhas.(D) 2000 bolinhas.(E) 10000 bolinhas.

    02 Uma segunda pessoa procurou encontrar outra maneira de arrumar as bolas na caixaachando que seria uma boa idia organiz-las em camadas alternadas, onde cadabolinha de uma camada se apoiaria em 4 bolinhas da camada inferior, como mostra afigura. Deste modo, ela conseguiu fazer 12 camadas. Portanto, ela conseguiu colocarna caixa:

    (A) 729 bolinhas.(B) 984 bolinhas.(C) 1000 bolinhas.(D) 1086 bolinhas.(E) 1200 bolinhas.

  • (1(0

    amarela

    Para falar e escrever bem, preciso, alm de conhecer o padro formal da Lngua Portuguesa, saberadequar o uso da linguagem ao contexto discursivo. Para exemplificar este fato, seu professor deLngua Portuguesa convida-o a ler o texto A, Galera, de Lus Fernando Verssimo. No texto, o autorbrinca com situaes de discurso oral que fogem expectativa do ouvinte.

    A, Galera

    Jogadores de futebol podem ser vtimas deestereotipao. Por exemplo, voc pode imaginarum jogador de futebol dizendo estereotipao ? E,no entanto, por que no?

    - A, campeo. Uma palavrinha pra galera.-Minha saudao aos aficionados do clube e

    aos demais esportistas, aqui presentes ou norecesso dos seus lares.

    - Como ?- A, galera.- Quais so as instrues do tcnico?

    - Nosso treinador vaticinou que, com umtrabalho de conteno coordenada, com energiaotimizada, na zona de preparao, aumentam asprobabilidades de, recuperado o esfrico,concatenarmos um contragolpe agudo comparcimnia de meios e extrema objetividade,valendo-nos da desestruturao momentnea dosistema oposto, surpreendido pela reversoinesperada do fluxo da ao.

    - Ahn?- pra dividir no meio e ir pra cima pra peg

    eles sem cala.- Certo. Voc quer dizer mais alguma coisa?- Posso dirigir uma mensagem de carter

    sentimental, algo banal, talvez mesmo previsvel epiegas, a uma pessoa qual sou ligado por razes,inclusive, genticas?

    - Pode.- Uma saudao para a minha progenitora.- Como ?- Al, mame!- Estou vendo que voc um, um...- Um jogador que confunde o entrevistador,

    pois no corresponde expectativa de que o atletaseja um ser algo primitivo com dificuldade deexpresso e assim sabota a estereotipao?

    - Estereoqu?- Um chato?

    - Isso.Correio Braziliense, 13/05/1998.

    03 O texto retrata duas situaes relacionadas que fogem expectativa do pblico. So elas:

    (A) a saudao do jogador aos fs do clube, no incio da entrevista, e a saudao final dirigida sua me.(B) a linguagem muito formal do jogador, inadequada situao da entrevista, e um jogador que fala, com

    desenvoltura, de modo muito rebuscado.(C) o uso da expresso galera , por parte do entrevistador, e da expresso progenitora , por parte do

    jogador.(D) o desconhecimento, por parte do entrevistador, da palavra estereotipao , e a fala do jogador em

    pra dividir no meio e ir pra cima pra peg eles sem cala .(E) o fato de os jogadores de futebol serem vtimas de estereotipao e o jogador entrevistado no

    corresponder ao esteretipo.

    04 O texto mostra uma situao em que a linguagem usada inadequada ao contexto. Considerando asdiferenas entre lngua oral e lngua escrita, assinale a opo que representa tambm uma inadequao dalinguagem usada ao contexto:

    (A) o carro bateu e capot, mas num deu pra v direito - um pedestre que assistiu ao acidente comentacom o outro que vai passando.

    (B) E a, meu! Como vai essa fora? - um jovem que fala para um amigo.(C) S um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma observao - algum comenta em uma reunio

    de trabalho.(D) Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo de Secretria Executiva desta

    conceituada empresa - algum que escreve uma carta candidatando-se a um emprego.(E) Porque se a gente no resolve as coisas como tm que ser, a gente corre o risco de termos, num

    futuro prximo, muito pouca comida nos lares brasileiros - um professor universitrio em um congressointernacional.

    05 A expresso peg eles sem cala poderia ser substituda, sem comprometimento de sentido, em lnguaculta, formal, por:

    (A) peg-los na mentira.(B) peg-los desprevenidos.(C) peg-los em flagrante.(D) peg-los rapidamente.(E) peg-los momentaneamente

  • (1(0

    amarela

    O sol participa do ciclo da gua, pois alm de aquecer a superfcie da Terra dando origem aos ventos,provoca a evaporao da gua dos rios, lagos e mares. O vapor da gua, ao se resfriar, condensa emminsculas gotinhas, que se agrupam formando as nuvens, neblinas ou nvoas midas. As nuvenspodem ser levadas pelos ventos de uma regio para outra. Com a condensao e, em seguida, a chuva,a gua volta superfcie da Terra, caindo sobre o solo, rios, lagos e mares. Parte dessa gua evaporaretornando atmosfera, outra parte escoa superficialmente ou infiltra-se no solo, indo alimentar riose lagos. Esse processo chamado de ciclo da gua.

    06 Considere, ento, as seguintes afirmativas:

    I. a evaporao maior nos continentes, uma vez que o aquecimento ali maior do que nos oceanos.II. a vegetao participa do ciclo hidrolgico por meio da transpirao.III. o ciclo hidrolgico condiciona processos que ocorrem na litosfera, na atmosfera e na biosfera.IV. a energia gravitacional movimenta a gua dentro do seu ciclo.V. o ciclo hidrolgico passvel de sofrer interferncia humana, podendo apresentar desequilbrios.

    (A) somente a afirmativa III est correta.(B) somente as afirmativas III e IV esto corretas(C) somente as afirmativas I, II e V esto corretas.(D) somente as afirmativas II, III, IV e V esto corretas.(E) todas as afirmativas esto corretas.Um porto est fixo em um muro por duasdobradias A e B, conforme mostra a figura,sendo P o peso do porto. A

    B

    07 Caso um garoto se dependure no porto pela extremidade livre, e supondo que as reaes mximassuportadas pelas dobradias sejam iguais,(A) mais provvel que a dobradia A arrebente primeiro que a B.(B) mais provvel que a dobradia B arrebente primeiro que a A.(C) seguramente as dobradias A e B arrebentaro simultaneamente.(D) nenhuma delas sofrer qualquer esforo.(E) o porto quebraria ao meio, ou nada sofreria.

    Texto 1

    Mulher, Irm, escuta-me: no ames,Quando a teus ps um homem terno e curvojurar amor, chorar pranto de sangue,No creias, no, mulher: ele te engana!As lgrimas so gotas da mentiraE o juramento manto da perfdia.

    Joaquim Manoel de Macedo

    Texto 2

    Teresa, se algum sujeito bancar osentimental em cima de vocE te jurar uma paixo do tamanho de umbondeSe ele chorarSe ele ajoelharSe ele se rasgar todoNo acredite no Teresa lgrima de cinema tapeaoMentiraCAI FORA

    Manuel Bandeira

    08 Os autores, ao fazerem aluso s imagens da lgrima sugerem que:

    (A) h um tratamento idealizado da relao homem/mulher.(B) h um tratamento realista da relao homem/mulher.(C) a relao familiar idealizada.(D) a mulher superior ao homem.(E) a mulher igual ao homem.

  • (1(0

    amarela

    Matria publicada em jornal dirio discute o uso de anabolizantes (apelidados de bombas) porpraticantes de musculao. Segundo o jornal, os anabolizantes so hormnios que do uma fora extraaos msculos. Quem toma consegue ganhar massa muscular mais rpido que normalmente. Isso porqueuma pessoa pode crescer at certo ponto, segundo sua herana gentica e independentemente do quantoela se exercite . Um professor de musculao, diz: Comecei a tomar bomba por conta prpria. Ficavanervoso e tremia. Fiquei impotente durante uns seis meses. Mas como sou lutador de vale tudo, tenho quetomar .

    09 A respeito desta matria, dois amigos fizeram os seguintes comentrios:I. o maior perigo da auto-medicao seu fator anabolizante, que leva impotncia sexual.II. o crescimento corporal depende tanto dos fatores hereditrios quanto do tipo de alimentao da

    pessoa, se pratica ou no esportes, se dorme as 8 horas dirias.III. os anabolizantes devem ter mexido com o sistema circulatrio do professor de musculao, pois ele

    at ficou impotente.IV. os anabolizantes so mais perigosos para os homens, pois as mulheres, alm de no correrem o risco

    da impotncia, so protegidas pelos hormnios femininos.Tomando como referncia as informaes da matria do jornal e o que se conhece da fisiologia humana,pode-se considerar que esto corretos os comentrios:

    (A) I, II, III e IV.(B) I, II e IV, apenas.(C) III e IV, apenas.(D) II e III, apenas.(E) I, II e III, apenas.

    10 A sombra de uma pessoa que tem 1,80 m de altura mede 60 cm. No mesmo momento, a seu lado, asombra projetada de um poste mede 2,00 m. Se, mais tarde, a sombra do poste diminuiu 50 cm, asombra da pessoa passou a medir:

    (A) 30 cm(B) 45 cm(C) 50 cm(D) 80 cm(E) 90 cmNa figura abaixo est esquematizado um tipo de usina utilizada na gerao de eletricidade.

    gua

    Gerador

    TurbinaTorre de

    transmisso

    h

    11 Analisando o esquema, possvel identificar que