prova azul - concursos em andamento .39 - cargo assistente em administra§£o prova azul...

Download PROVA AZUL - Concursos em andamento .39 - Cargo Assistente em Administra§£o PROVA AZUL Atividade

Post on 30-Nov-2018

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Universidade Federal do Rio de Janeiro Concurso pblico 2012 - Edital no21/2012

    39 - Cargo Assistente em Administrao

    PROVA AZUL

    Atividade Data LocalDivulgao do gabarito preliminar 24/04/12

    http://concursos.pr4.ufrj.br

    Interposio de recursos contra o gabarito preliminar 25 e 26/04/12Resultado do julgamento dos recursos 09/05/12Resultado preliminar da prova objetiva 09/05/12Pedido de vista do carto de respostas 10 e 11/05/12Vista do carto de resposta 21/05/12Interposio de recursos - resultado preliminar - prova objetiva 22 e 23/05/12Resultado final da prova objetiva 30/05/12

    Instrues1. Voc recebeu do fiscal um carto de respostas e um caderno de questes contendo 60 (sessenta) questes. Verifique se os seus dados esto corretos. Se necessrio, comunique ao fiscal.

    2. responsabilidade do candidato se certificar de que o nome do cargo informado nesta capa de prova corresponde ao nome do cargo informado no seu carto de respostas.

    3. O carto de respostas s pode ser preenchido com caneta esferogrfica de tinta indelvel azul ou preta (Edital 21/2012, subitem 10.9.5).

    4. O carto de respostas NO pode ser dobrado, amassado, rasurado, manchado ou conter qualquer registro fora dos locais destinados s respostas.

    5. Preencha no carto de respostas:

    5.1. A cor da prova recebida, conforme o exemplo a seguir:

    Prova Azul Prova Verde

    5.2. A alternativa correta, conforme o exemplo a seguir:

    A) B) C) D) E)

    6. Voc dispe de 4 (quatro) horas para fazer a prova, incluindo o preenchimento do carto de respostas. Respeite o espao destinado s respostas.7. Ao ser autorizado o incio da prova, verifique, no caderno de questes, se a numerao das questes e a paginao esto corretas.8. Aps o incio da prova, ser efetuada a coleta da impresso digital de cada candidato (Edital 21/2012, subitem 10.9.7, alnea a).9. Somente aps decorrida uma hora do incio da prova o candidato poder entregar o seu carto de respostas e retirar-se da sala de prova (Edital 21/2012, subitem 10.9.7, alnea c).10. Aps o trmino de sua prova, entregue obrigatoriamente o seu carto de respostas ao fiscal.11. Somente ser permitido levar seu caderno de questes faltando uma hora para o trmino estabelecido para o fim da prova (Edital 21/2012, subitem 10.9.7, alnea d).12. terminantemente vedado copiar respostas, em qualquer fase do concurso pblico (Edital 21/2012, subitem 10.9.7, alnea e).13. Os 3 (trs) ltimos candidatos de cada sala s podero ser liberados juntos (Edital 21/2012, subitem 10.9.7, alnea g).14. Se voc precisar de algum esclarecimento solicite a presena do responsvel pelo local.15. Transcreva a frase abaixo, utilizando letra cursiva, no espao reservado no seu carto de respostas.

    Para melhorar a qualidade de vida, melhore a qualidade de seus pensamentos. Brian Tracy

    Cronograma Previsto - Divulgao e interposio de recurso

  • Assistente em Administrao

    2

    Concurso Pblico UFRJ 2012

    Lngua Portuguesa

    TEXTO - NAUFRGIO IMINENTELus Garcia, O Globo, 20/03/2012

    da natureza dos partidos polticos divergirem uns dos outros. O que no indica m ndole ou alguma espcie de incompatibilidade congnita, simplesmente, isso acontece porque todos eles buscam o poder e tambm acontece que o poder no d para todos.

    Nada mais natural e at saudvel, portanto, que cada um defenda seus interesses e suas ambies baixando o porrete, verbalmente, claro, nas costas dos demais.

    s vezes, no entanto, eles se juntam na busca de algum objetivo comum. o que est acontecendo agora. Todas as legendas que compem o cenrio poltico esto unidas na perseguio de um objetivo comum: derrubar uma deciso do Tribunal Superior Eleitoral.

    O TSE decidiu, por quatro votos contra trs, que, nas eleies deste ano, o registro das candidaturas depender da aprovao das contas da campanha de 2010. No parece ser exigncia descabida. Contas no aprovadas so prova bvia de malandragem ou incompetncia com bvia tendncia, diro cidados mais espertos ou de melhor memria, de mais casos da primeira hiptese.

    preciso registrar que a exigncia de ficha limpa est limitada s eleies de dois anos atrs. Provavelmente, os ministros, por bondade de seus coraes ou simplesmente por bom-senso, consideraram que poucas legendas ou, quem sabe, nenhuma delas sobreviveria a uma inquirio mais ampla.

    Note-se, com alguma tristeza mas talvez sem surpresa -, que estamos diante de uma atitude rara, se no for absolutamente indita: qual foi mesmo a ltima vez que todos os partidos polticos brasileiros uniram-se na defesa de uma causa?

    tambm curioso e lamentvel que a iniciativa dos partidos entre em choque com uma exigncia que nasceu de um rarssimo se no tiver sido indito movimento de origem popular (ou seja, sem qualquer ligao com polticos e seus partidos), a campanha da Ficha Limpa. E tambm no h demrito para o TSE numa associao de sua exigncia de contas limpas com aquela recente, mas j histrica, campanha popular.

    No fim das contas, os partidos, unidos como talvez jamais tenha acontecido antes pelo menos na discusso de questo intrinsecamente poltica -, esto remando contra a correnteza duplamente: enfrentam tanto a vontade expressa da opinio pblica como uma deciso explcita da Justia Eleitoral. Um naufrgio parece to iminente quanto indispensvel.

    1. O ttulo dado ao texto o de naufrgio iminente; com ele o jornalista se refere ao:A) fracasso do movimento dos polticos contra a deciso

    do TSE;B) desespero dos polticos diante de uma justa deciso

    do TSE;C) fato de algumas iniciativas do TSE parecerem

    descabidas;D) movimento de unio entre os polticos corruptos;E) enfrentamento dos polticos em relao a opinio

    pblica.

    2. Uma incompatibilidade congnita a que:A) atende a interesses escusos;B) dura muito tempo;C) carece de razes lgicas;D) justifica-se historicamente;E) nasce com o indivduo.

    3. No primeiro pargrafo do texto, o pronome demons-trativo isso se refere a:A) natureza dos partidos polticos;B) divergncia entre os partidos;C) presena de m ndole;D) apresentao de incompatibilidade congnita;E) busca pelo poder.

    4. ...e tambm acontece que o poder no d para todos; com essa frase o autor do texto nos afirma que:A) os candidatos polticos nem sempre so eleitos;B) os cargos disponveis no Congresso so de nmero

    limitado;C) os postos de mando so ocupados por poucos

    privilegiados;D) o poder concedido somente a altos postos de

    comando;E) a nica fonte de poder o governo eleito.

    5. O texto do artigo emprega, algumas vezes, uma variante coloquial de linguagem; os segmentos abaixo que apresentam uma variedade coloquial so:A) No fim das contas, os partidos, unidos como talvez

    jamais tenha acontecido antes/ O TSE decidiu, por quatro votos contra trs...;

    B) ...e tambm acontece que o poder no d para todos/ No parece ser exigncia descabida;

    C) No parece ser exigncia descabida / No fim das contas, os partidos, unidos como talvez jamais tenha acontecido antes;

    D) ...cada um defenda seus interesses e suas ambies baixando o porrete, verbalmente, claro, nas costas dos demais. / ...e tambm acontece que o poder no d para todos;

    E) O TSE decidiu, por quatro votos contra trs... / ...cada um defenda seus interesses e suas ambies baixando o porrete, verbalmente, claro, nas costas dos demais.

    6. Muitos adjetivos de lngua portuguesa no podem ser empregados no grau comparativo ou superlativo, como o caso do seguinte adjetivo sublinhado:A) exigncia descabida ;B) m ndole;C) nada mais natural;D) partidos polticos;E) rarssimo movimento.

  • Assistente em Administrao

    3

    Concurso Pblico UFRJ 2012

    7. Nos segmentos abaixo, os conectivos sublinhados tm seus valores semnticos indicados frente; a alternativa em que esse significado est corretamente indicado :

    A) Simplesmente, isso acontece porque todos eles buscam o poder / modo;

    B) No fim das contas, os partidos, unidos como talvez jamais tenha acontecido antes... / comparao;

    C) Nada mais natural e at saudvel, portanto, que cada um defenda seus interesses e suas ambies / explicao;

    D) s vezes, no entanto, eles se juntam / concesso;E) ...os ministros, por bondade de seus coraes ou

    simplesmente por bom-senso / adio.

    8. A frase eles se juntam na busca de um objetivo comum se ope semanticamente no texto ao seguinte elemento anteriormente expresso:

    A) divergirem uns dos outros;B) alguma espcie de incompatibilidade congnita;C) todos eles buscam o poder;D) baixando o porrete;E) o poder no d para todos.

    9. O segmento do texto que NO expressa uma opinio do autor :

    A) Contas no aprovadas so prova bvia de malandragem ou incompetncia;

    B) No parece ser exigncia descabida;C) ...diro cidados mais espertos ou de melhor

    memria, de mais casos da primeira hiptese;D) Nada mais natural e at saudvel,...;E) tambm curioso e lamentvel que a iniciativa dos

    partidos entre em choque com uma exigncia....

    10. Contas no aprovadas so prova bvia de malandragem ou incompetncia com bvia tendn-cia, diro cidados mais espertos ou de melhor memria, de mais casos da primeira hiptese. Se fosse empregado um pronome demonstrativo em lugar do termo sublinhado, sua forma adequada seria:

    A) essa;B) aqueles;C) estes;D) esta;E) aquela.

    11. O segmento do texto abaixo indicado que, ao contrrio dos demais, apresenta a presena de uma ironia :

    A) s vezes, no entanto, eles se juntam na busca de algum objetivo comum;

    B) Contas no aprovadas so prova bvia de malandragem ou incompetncia com bvia tendn-cia, diro cidados mais espertos ou de melhor memria, de mais casos da primeira hiptese;

    C) preciso registrar que a exigncia de ficha limpa est limitada s eleies de dois anos atrs;

    D) Nada mais natural e at saudvel, portanto, que cada um defenda seus interesses e