PROPOSTAS DA CNT PARA A DINAMIZAÇÃO DO SETOR DE ...cms.cnt.org.br/Imagens CNT/PDFs CNT/Plano CNT de…

Download PROPOSTAS DA CNT PARA A DINAMIZAÇÃO DO SETOR DE ...cms.cnt.org.br/Imagens CNT/PDFs CNT/Plano CNT de…

Post on 13-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • PROPOSTAS DA CNT PARA A DINAMIZAO DO SETOR DE

    TRANSPORTE E LOGSTICA BRASILEIRO 2015-2018

    Propostas para o fortalecimento dos pilares para o desenvolvimento

    Para se dinamizar o setor de transporte imprescindvel que se resgate o planejamento

    e que se viabilize um novo patamar de investimentos, com maior participao do setor

    privado. Ademais, deve-se profissionalizar a gesto do setor e promover aes de

    desburocratizao que garantam agilidade operacional ao sistema de transporte.

    Medidas que, se adotadas, beneficiaro o setor e o pas.

    Problemas identificados pela CNT

    1. Falta de viso sistmica do transporte no pas.

    2. Falta de recursos e baixa capacidade de investimento do Estado.

    3. Carncia de projetos executivos de qualidade.

    4. Processos licitatrios complexos e longos.

    5. Inexistncia de uma poltica setorial de transporte nica que defina objetivos e

    metas para o setor.

    6. Elevado nmero de instituies pblicas relacionadas ao setor de transporte, com

    sobreposio de atribuies.

    7. Excesso de documentos exigidos para a operao da atividade transportadora.

    8. Elevada carga tributria.

    Solues propostas

    1. Criao de Conselho Gestor com autonomia para aprovar projetos de

    infraestrutura (e outros), composto de representantes das reas tcnica,

    ambiental e poltica, com prazo determinado para anlise e aprovao.

    2. Facilitao ao investimento privado_ nacional e estrangeiro_ em obras de

    infraestrutura de transporte.

    3. Segurana jurdica.

    4. Implantao de projeto de renovao e sucateamento de frota.

    5. Desenvolver e manter um banco de projetos bsicos e executivos de qualidade.

    6. Desenvolver um Plano Nacional de Transporte integrado, de longo prazo, com

    a definio de cronograma de desembolsos financeiros e execuo fsica de

    obras com a previso de reviso peridica para discusses de ajustes

    necessrios.

    7. Assegurar ao setor produtivo maior participao nos processos decisrios

    relacionados infraestrutura de transporte.

  • 8. Definir clara e objetivamente as competncias de cada instituio envolvida no

    processo decisrio do transporte, para que no haja duplicidade de esforos e

    seja facilitado o dilogo entre instituies, investidores e transportadores.

    9. Desembaraar o processo de financiamento para o setor produtivo, com

    destaque para bancos pblicos, de forma a elevar o nvel de investimento no

    pas.

    10. Garantir a estabilidade jurdica dos contratos vigentes e dos futuros com a

    manuteno dos termos acordados.

    11. Padronizar editais e contratos de concesso.

    12. Investir no desenvolvimento de projetos bsicos e executivos e em anlises de

    viabilidade dos projetos, respeitando prazos.

    13. Ampliar as modalidades de licitao para todos os tipos de infraestrutura de

    transporte.

    14. Simplificar a legislao tributria com a reduo da burocracia.

  • PROPOSTAS PARA A DINAMIZAO DA INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE

    BRASILEIRA

    O setor de transporte e logstica um dos elementos primordiais no desenvolvimento de

    um pas. Entretanto, no Brasil, por diversos anos, a infraestrutura e os servios de

    transporte e logstica foram considerados como parte secundria nas polticas pblicas

    brasileiras.

    essencial que se busque solucionar os problemas do transporte, para que o setor deixe

    de representar um fator limitador e volte a atuar como catalisador do crescimento

    econmico brasileiro.

    Problemas identificados pela CNT

    Baixa densidade da malha.

    Ineficincia na integrao entre os modais.

    Baixa qualidade da infraestrutura disponvel.

    Solues propostas

    Gargalos fsicos

    Para a soluo dos entraves fsicos, so necessrios investimentos em adequao e

    expanso da infraestrutura de transporte da ordem de R$ 987,2 bilhes.

    Investimento necessrio em infraestrutura de transporte - Brasil - 2014

    Tipo de infraestrutura N de Projetos Investimento (R$ bilho)

    Total 2.045 987,2

    Rodoviria 618 293,9

    Ferroviria 213 281,7

    Navegao Interior 107 60,1

    Porturia 261 61,0

    Aeroporturia 200 24,9

    Terminais 303 25,9

    Mobilidade Urbana 343 239,8

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

  • PROPOSTAS PARA A DINAMIZAO DO MODAL RODOVIRIO BRASILEIRO

    O modal rodovirio tem participao predominante na matriz de transporte de cargas e de

    passageiros no Brasil. No transporte de cargas, responsvel por cerca de 61% dos

    deslocamentos e, no de passageiros, representa aproximadamente 96% da matriz. Apesar de sua

    preponderncia, a densidade desse tipo de infraestrutura no Brasil inferior quela observada

    em outros pases.

    Problemas identificados pela CNT

    1. Infraestrutura: baixa densidade da malha (km de malha rodoviria/ rea do pas

    em km2); baixa integrao com os demais modais; reduzida extenso de pistas

    duplas; e m qualidade das rodovias.

    2. Gesto: projetos executivos deficientes e inadequada manuteno da

    infraestrutura.

    Solues propostas

    Gargalos fsicos Para a soluo dos entraves fsicos, so necessrios investimentos em

    adequao e expanso da infraestrutura de transporte da ordem de R$ 293,9 bilhes.

    Investimentos necessrios em infraestrutura rodoviria Brasil - 2014

    Tipo de infraestrutura N de Projetos Investimento (R$ bilho)

    Total 618 293,9

    Adequao de Rodovia 187 10,2

    Duplicao de Rodovia 74 137,1

    Recuperao do Pavimento de Rodovia

    175 48,2

    Construo de Rodovia 85 47,3

    Pavimentao de Rodovia 97 51,0

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Gargalos institucionais

    1. Investir na elaborao de projetos executivos de qualidade.

    2. Realizar a manuteno da malha de forma mais eficiente.

  • Projetos de destaque para o modal rodovirio

    Investimento em infraestrutura rodoviria - Projetos de destaque - Brasil- 2014

    1 Duplicao da BR-116: Cear, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais , Rio de Janeiro, Paran, Santa Catarina, Rio Grande do Sul

    2 Duplicao da BR-153: Tocantins, Gois, So Paulo, Paran, Santa Catarina e Rio Grande do Sul

    3 Duplicao da rodovia BR-101: Alagoas, Sergipe, Bahia, Rio de Janeiro e So Paulo

    4 Duplicao da rodovia BR-070: Gois e Mato Grosso - Cuiab (MT) a guas Lindas (GO)

    5 Construo e pavimentao da rodovia BR-242: Mato Grosso e Tocantins - Sorriso (MT) a Taguatinga (TO)

    6 Duplicao da rodovia BR-242: Barreiras (BA) a Rafael Jambeiro (BA)

    7 Duplicao da rodovia BR-262: Esprito Santo e Minas Gerais

    8 Duplicao da rodovia BR-251: Montes Claros (MG) a Cachoeira de Paje (MG)

    9 Duplicao da rodovia BR-470: Campos Novos (SC) a Navegantes (SC)

    10 Duplicao da rodovia BR-135: Montes Claros (MG) a Curvelo (MG)

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Benefcios das aes propostas

    Aumento da densidade da malha.

    Reduo do custo do transporte.

    Diminuio do nmero de acidentes.

    Ganho de eficincia no deslocamento de passageiros e cargas.

  • PROPOSTAS PARA A DINAMIZAO DO MODAL FERROVIRIO BRASILEIRO

    O modal ferrovirio, com caractersticas que lhe proporcionam grande eficincia, no

    transporte de grandes volumes em longas distncias compatvel com as caractersticas

    fsicas e econmicas do pas um meio de transformao com um importante papel

    estratgico na composio da matriz. Apesar disso, ele mostra-se pouco abrangente no

    Brasil e carece de significativos e continuados investimentos.

    Problemas identificados pela CNT

    1. Infraestrutura: baixa densidade da malha (km de malha frrea/ rea do pas em

    km2); heterogeneidade das bitolas; baixa integrao com os demais modais; e

    elevado nmero de invaso de faixas de domnio e de passagens em nvel crticas.

    2. Marco regulatrio: possibilidade de coexistncia de dois marcos regulatrios o

    que regula as concessionrias da malha da extinta RFFSA e o novo modelo

    apresentado no mbito do PIL (Programa de Investimento em Logstica).

    3. Gesto: burocracia relacionada s questes do passivo da RFFSA.

    Solues propostas

    Gargalos fsicos Para a soluo dos entraves fsicos, so necessrios investimentos em

    adequao e expanso da infraestrutura de transporte da ordem de R$ 281,7 bilhes.

    Investimentos necessrios em infraestrutura ferroviria - Brasil 2014

    Tipo de infraestrutura N de Projetos

    Investimento (R$ bilho)

    Total 213 281,7

    Duplicao de Ferrovia 4 2,4

    Eliminao de Gargalos 59 1,7

    Recuperao de Ferrovia 36 31,4

    Construo de Ferrovia 109 157,6

    Construo de TAV 5 88,7

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Gargalos institucionais

    1. Definir clara e objetivamente como os dois marcos regulatrios do setor

    ferrovirio que devero se relacionar durante o perodo em que ambos estiverem

    em vigor, de forma a reduzir a insegurana regulatria.

    2. Harmonizar e centralizar as normas relativas realizao de obras ferrovirias.

    3. Reduzir o atual nmero de interlocutores no processo de inventrio da extinta.

  • Projetos de destaque para o modal ferrovirio

    1 Construo da Ferrovia Rio de Janeiro-Esprito Santo (EF-118)

    2 Construo da ferrovia Uruau - Campos

    3 Construo da Ferrovia Norte-Sul: Barcarena (PA) e Porto de Espadarte a Aailandia (MA) e Estrela do Oeste (SP) a Rio Grande (RS)

    4 Construo da Ferrovia Transcontinental: Vilhena (RO) a Rodrigues Alves (AC)

    5 Construo da ferrovia Cuiab - Santarm

    6 Construo da Ferrovia de Integrao Centro-Oeste: Comodoro (MT) a Campinorte (GO)

    7 Construo do Corredor Ferrovirio de Santa Catarina: Itaja a Dionsio Cerqueira

    8 Construo da Ferrovia do Pantanal: Brasilndia (MS) e Porto Murtinho (MS)

    9 Construo da conexo ferroviria Paran - Mato Grosso do Sul: Cascavel (PR) a Maracaju (MS)

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Benefcios das aes propostas

    Aumento da densidade da malha.

    Modernizao da matriz de transporte com maior participao do modal

    ferrovirio.

    Reduo do custo do transporte.

    Atenuao de acidentes em reas urbanas.

    Ganho de eficincia para o deslocamento da produo, com destaque para as

    commodities agrcolas e minerais.

  • PROPOSTAS PARA A DINAMIZAO DO MODAL AQUAVIRIO BRASILEIRO

    No Brasil, o modal aquavirio constantemente subestimado em seu potencial

    transportador. Comparativamente aos demais modais, ele possui vantagens que o

    tornam estratgico no processo de modernizao da matriz de transporte no pas,

    sobretudo no deslocamento de cargas de elevada tonelagem e baixo valor agregado.

    Problemas identificados pela CNT

    1. Infraestrutura: carncia de terminais fluviais; limitaes de espao nos terminais

    e nas retroreas; falta de manuteno dos canais de acesso e dos beros;

    insuficincia de acessos terrestres e ausncia de eclusas nos principais rios

    brasileiros.

    2. Marco regulatrio: rigidez da legislao relativa tripulao; elevado imposto de

    importao sobre as embarcaes, tributao do combustvel.

    3. Gesto: excesso de burocracia relacionada implantao de novos terminais;

    duplicidade de documentos exigidos pelas autoridades que atuam nos portos;

    dificuldade de acesso aos recursos do FMM e reduzido horrio de funcionamento

    dos portos.

    Solues propostas

    Gargalos fsicos Para a soluo dos entraves fsicos, so necessrios investimentos em

    adequao e expanso da infraestrutura de transporte da ordem de R$ 121,1 bilhes.

    Investimentos necessrios em infraestrutura aquaviria - Brasil 2014

    Tipo de infraestrutura N de Projetos Investimento (R$ bilho)

    Total 368 121

    Acessos Terrestres ao Porto 36 11

    Ampliao de Profundidade 26 3

    rea Porturia 136 21

    Construo de Porto 63 26

    Adequao de Hidrovia 31 14

    Dispositivo de Transposio 67 42

    Abertura de Canal 9 4

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Gargalos institucionais

    a. Flexibilizar o artigo 3 da Resoluo Normativa n 72 de outubro de 2006 para

    a contratao de tripulao.

    b. Permitir que o prprio setor forme seus profissionais em centros a serem

    autorizados pela Marinha do Brasil.

  • c. Esclarecer as regras de participao do setor privado e soluo clere para os

    arrendamentos de vigncia vencida ou com previso de vencer no curto

    prazo.

    d. Definir um calendrio factvel para a realizao das licitaes para novos

    arrendamentos.

    e. Instituir alquota zero para o Imposto de Importao na aquisio de

    embarcaes por EBNs.

    f. Simplificar o processo de avaliao dos pedidos de financiamento de

    embarcaes por EBNs no mbito do FMM (Fundo da Marinha Mercante);

    g. Isentar de ICMS, PIS e Cofins o combustvel utilizado na navegao interior e

    de cabotagem, a exemplo do que ocorre com o bunker.

    h. Simplificar e unificar as tbuas tarifrias nos portos.

    i. Ampliar o funcionamento dos portos para 24 horas.

    j. Definir o Porto Sem Papel como a nica forma de apresentar documentos nos

    portos brasileiros.

    k. Garantir do uso mltiplo das guas, com a construo de eclusas.

    l. Garantir do atendimento das cotas mnimas navegao interior.

    Projetos de destaque para o modal aquavirio

    Benefcios das aes propostas

    Reduo do custo de transporte no Brasil.

    Reduo da presso sobre as rodovias.

    Ganho de competitividade para os produtos nacionais, advindos da eficincia

    logstica.

  • PROPOSTAS PARA A DINAMIZAO DO MODAL AREO BRASILEIRO

    As polticas de distribuio de renda permitiram que mais pessoas tivessem acesso a esse

    modo de transporte. Hoje, estima-se que o Brasil o terceiro maior mercado areo do

    mundo, atrs apenas dos Estados Unidos e da China em nmero de passageiros

    transportados.

    Problemas identificados pela CNT

    1. Infraestrutura: deficincia na parte terra dos aeroportos (sistemas de pistas,

    ptios e terminais de passageiros e cargas) , reduzido nmero de aeroportos com

    voos regulares autorizados; necessidade de modernizao do sistema de controle

    de trfego areo (parte ar).

    2. Gesto: ineficincia nas operaes em aeroportos administrados pela Infraero.

    Solues propostas

    Gargalos fsicos Para a soluo dos entraves fsicos, so necessrios investimentos em

    adequao e expanso da infraestrutura de transporte da ordem de R$ 24,9 bilhes.

    Investimentos necessrios em infraestrutura aeroviria - Brasil 2014

    Tipo de infraestrutura N de

    Projetos Investimento (R$ bilho)

    Total 200 24,9

    Ampliao de Aeroporto 128 10,7

    Ampliao da Estrutura de Carga de Aeroporto 12 1,4

    Melhorias na Pista de Aeroporto 27 2,1

    Construo de Aeroporto 33 10,7

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Gargalos institucionais

    a. Instituir uma gesto eficiente nos aeroportos administrados pela Infraero;

    b. Redefinir a metodologia de precificao do querosene de aviao (QAV);

    c. Reduzir a alquota de ICMS incidente sobre o QAV para at, no mximo, 12%.

  • Projetos de destaque para o modal areo

    1 Ampliao de aeroporto em Belo Horizonte: aeroporto da Pampulha

    2 Ampliao de aeroporto de Congonhas

    3 Ampliao de Terminal de Carga Domstica do aeroporto de Curitiba

    4 Ampliao de aeroporto de Cuiab

    5 Ampliao de aeroporto de Goinia

    6 Ampliao de Terminal de Carga Domstica e de Passageiros do aeroporto de Porto Velho

    7 Ampliao de Terminal de Carga Domstica e Internacional do aeroporto de Salvador

    8 Construo de aeroporto em Guaruj-SP

    Fonte: Plano CNT de Transporte e Logstica 2014.

    Benefcios das aes propostas

    Aumento da capilaridade do transporte areo.

    Elevao do nmero de brasileiros com acesso ao transporte areo.

    Maior segurana no transporte de cargas e passageiros.

    Reduo do custo de viagem.

    Melhor qualidade de vida para a populao brasileira.

    Reescalonamento de custos das empresas areas.

    Possibilidade de r...

Recommended

View more >