projeto esgotamento sanitário

Download Projeto Esgotamento Sanitário

Post on 20-Jul-2015

53 views

Category:

Health & Medicine

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    0

    PROJETO DE ESGOTO

    AGOSTO

    2014

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    1

    MEMORIAL DESCRITIVO E DE CLCULO

    PROJETO DE INFRAESTRUTURA

    REDE COLETORA DE ESGOTO SANITRIO

    CIFRATER FAZENDA DA FRATERNIDADE

    ORGANIZAO SOCIAL CRIST ANDR LUIZ

    ALTO PARASO DE GOIS - GO

    AGOSTO 2014

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    2

    1- Objetivo do Projeto:

    Dimensionar a rede de coleta de esgoto sanitrio da Comunidade Cifrater

    localizada no municpio de Alto Paraso de Gois - GO.

    2- Normatizao:

    NBR 9649/86 Projeto de Rede Coletora de Esgoto Sanitrio. 3- Memorial de Clculo: Dados:

    Populao (fixa+flutuante): 300 pessoas

    Contribuio per capita: q = 150 litros / pessoa / dia

    Coeficiente de retorno de esgoto: 0,80

    Taxa de infiltrao T = 0,3 l/s.km

    Coeficiente do dia de maior consumo (demanda): K1 = 1,2

    Coeficiente da hora de maior consumo, do dia de maior consumo: K2 = 1,5

    - Vazo de Esgoto coeficiente de retorno = 0,8

    smQ

    slQ

    xxxxQ

    KKqPQ

    /00293,0

    /93,2

    86400

    5,12,12008808,0

    86400

    .8,0

    3

    21

    Q infiltrao = 0,0005 l/s.m Q total = 2,93 + 0,0005 x Comprimento da rede Q trecho = Qmx total/L = (l/s.m)

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    3

    4- Rede Coletora de Esgoto Sanitrio: O projeto de esgotamento sanitrio, em questo, ser do tipo separador

    absoluto com previso de tratamento em nvel secundrio.

    A tubulao da rede coletora de esgoto ser em PVC rgido com junta elstica

    integrada.

    Conforme a NBR 9649/86 Projeto de Rede Coletora de Esgoto Sanitrio, os

    dimetros a empregar devem ser os previstos nas normas e especificaes

    brasileiras relativas aos diversos materiais, o menor no sendo inferior a DN 100.

    Ainda conforme a NBR 9649, as lminas dgua devem ser sempre

    calculadas admitindo o escoamento em regime uniforme e permanente, sendo o seu

    valor mximo, para vazo final (Qf), igual ou inferior a 75 % do dimetro do coletor.

    A fim de evitar o remanso deve-se estabelecer que a cota de sada em uma

    inspeo qualquer seja tal que a altura da lmina na tubulao de sada esteja no

    mximo 1 cm superior lmina da mais baixa tubulao de entrada, para as vazes

    finais de dimensionamento.

    A verificao em cada inspeo deve ser feita segundo a expresso: h = hj

    hm

    Sendo:

    h = desnvel entre a lmina da mais baixa tubulao de entrada e a tubulao de

    sada, em m;

    hj = cota da lmina lquida da tubulao de entrada mais baixa na inspeo, em m.

    hm = cota da lmina lquida da tubulao de sada na inspeo, em m.

    Para:

    h < 0 no ocorre remanso;

    0 < h < 1 cm remanso aceitvel;

    h > 1cm a tubulao de sada deve ser rebaixada a fim de eliminar o remanso,

    sendo adotado o desnvel h encontrado.

    Todo o esgoto coletado ser direcionado para a ETE Estao de Tratamento

    de Efluentes.

    Sero construdos poos de visita (PV) em todos os pontos singulares da rede

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    4

    coletora, tais como no incio de coletores, nas mudanas de direo, de declividade,

    de dimetro e de material, na reunio de coletores e onde h degraus.

    Conforme a NBR 9649, o recobrimento no deve ser inferior a 0,90 m para

    coletor assentado no leito da via de trfego, ou a 0,65 m para coletor assentado no

    passeio. Recobrimento menor deve ser justificado.

    A vazo mdia diria totaliza para toda a comunidade 0,75 litros/ segundo.

    O comprimento da rede coletora, os dimetros dos trechos, as declividades e

    demais informaes constam no projeto.

    _______________________________________________ Eng Civil/Sanitarista: Carolina Colucci de Castro Candi CREA: 100281/D

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    5

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    6

    ESPECIFICAES

    AGOSTO

    2014

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    7

    NDICE 1.0 INTRODUO

    2.0 ESPECIFICAO DE EQUIPAMENTOS

    3. EQUIPAMENTOS - RELAO E ESPECIFICAES DOS MATERIAIS

    4.0 QUALIDADE DO EFLUENTE

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    8

    1. INTRODUO

    O Sistema de Tratamento de Efluente - Estao de Tratamento de Efluentes

    Domstico-Sanitrios ser do tipo Tratamento Anaerbio.

    Dever ser implantado, levando em conta o atendimento a legislao e

    as normas ambientais Normas NBR 7.229/93 e NBR 13.969/97 da ABNT As tancagens utilizadas devem ser todas em PEMD garantia de no

    vazamento e a praticidade:

    2. ESPECIFICAO DE EQUIPAMENTOS

    EQUIPAMENTOS Unid. Quant.

    Uasb e filtro biologico

    un 1

    Sistema de desinfeco Bomba Dosadora Eletromagntica (de 0 a 5,0L/h)

    Tanque de secagem

    un 1

    Tanque de reuso

    1

    Quadro Comando Eltrico para proteo e

    acionamento dos equipamentos

    un 1

    3. EQUIPAMENTOS - RELAO E ESPECIFICAES DOS MATERIAIS

    A- ETE: est constar de uma unidade UASB com FILTRO BIOLOGICO. O

    detalhamento desta encontra-se na prancha - Estao de Tratamento

    de Efluente, Planta baixa, perfil hidrulico, detalhes- 01/01 B- BOMBA DOSADORA: eletromagntica de diafragma com velocidade varivel

    Cabeote em polipropileno / fibra de carbono e diafragma de Teflon, resistente a

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMBIENTAL - GEOGRAFO: CRQ 02.200.334 / CREA 47.030 / D

    9

    ataque de produtos qumicos, para dosagem do alcalinizante (barrilha) e Cloro, com

    vazo de 05 L/H para presso de injeo de at 8 BAR. 230 V, com regulagem

    manual (0-100%), luz indicadora de pulso, fora e escala selecionada. Painel em

    filme de Policarbonato resistente a produtos qumicos, gabinete em plstico

    reforado de alta resistncia. Podendo ser o Modelo: Kompact, Tipo 200, Presso

    [bar] 8; Vazo [l/h] 5, ou similar.

    Devero acompanhar os seguintes acessrios:

    01 Vlvula de p com filtro e reteno; 01 Vlvula de Injeo anti-retorno; 02 Mangueiras em PVC Cristal com 2 metros cada 4x6 mm (suco / alvio); 01 Mangueira em polietileno com 2 metros 4x6 mm (descarga).

    C-TANQUE DE SECAGEM, TANQUE DE REUSO, ACESSORIOS/COMPONENTES

    O detalhamento destes encontra-se na prancha - Estao de Tratamento de

    Efluente, Planta baixa, perfil hidrulico, detalhes- 01/01

    OBSERVAO: TUBULAES, CONEXES E VLVULAS PVC soldvel

    4.0 QUALIDADE DO EFLUENTE:

    A implantao do projeto, atender um efluente final vivel de ulitizao como

    irirgao para culturas, exceto em hortalias.

    AGOSTO

    2014

  • GRUPO DE FRATERNIDADE ESPRITA IRMO PALMINHA Filiado OSCAL - Organizao Social Crist Esprita Andr Luiz

    ENGENHEIRO CIVIL: Edmir Magacho CREA 21.292 / D - MG ENGENHEIRA CIVIL Carolina Colucci de Castro Candi - CREA 10.128 / D - MG QUMICO TECNLOGO AMB