Projecto de Exploração da Pedreira “Vale da Erva”esa.ipb.pt/~geraldes/RNT/pedreira 3.pdf · m2,…

Download Projecto de Exploração da Pedreira “Vale da Erva”esa.ipb.pt/~geraldes/RNT/pedreira 3.pdf · m2,…

Post on 09-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Pag.1 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL </p><p>Projecto de Explorao da Pedreira Vale da Erva </p><p>FREGUESIA DE AVELS DE CIMA </p><p>CONCELHO DE ANADIA </p><p>DISTRITO DE AVEIRO </p><p>RESUMO NO TCNICO </p><p>1 INTRODUO </p><p>O presente documento constitui o Resumo No Tcnico do Estudo de Impacte Ambiental </p><p>(EIA) do projecto de explorao da pedreira da FARIA LOPES &amp; ALDEIA, S.A. denominada </p><p>Vale da Erva, localizada na freguesia de Avels de Cima, concelho de Anadia, distrito de </p><p>Aveiro. Dando cumprimento legislao em vigor sobre o Processo de Avaliao de </p><p>Impactes Ambientais (AIA), este documento tem como principal finalidade dar apoio </p><p>participao pblica, pelo que nele se descreve de forma sucinta e coerente, numa </p><p>linguagem e apresentao acessvel generalidade do pblico, as informaes mais </p><p>importantes que constam do Relatrio Sntese do EIA da referida pedreira. </p><p>O Resumo No Tcnico (RNT) e o Relatrio Sntese (RS) integram o Estudo de Impacte </p><p>Ambiental da pedreira Vale da Erva, sendo o EIA do projecto de explorao da pedreira </p><p>acompanhado por um Plano de Pedreira (Plano de Lavra PL, e Plano Ambiental e de </p><p>Recuperao Paisagstica PARP), elaborado de acordo com a legislao em vigor que </p><p>rege a actividade de explorao de pedreiras, nomeadamente o Decreto-Lei n. 270/2001 </p><p>de 6 de Outubro. </p><p>A realizao do EIA decorreu durante 7 meses, entre Novembro de 2003 e Maio de 2004. </p></li><li><p>Pag.2 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>2 DESCRIO GERAL DO PROJECTO </p><p>2.1 Dono da Obra e Entidade Responsvel pelo EIA </p><p>O dono da obra a FARIA LOPES &amp; ALDEIA, S.A. com sede em Apartado 2839, 2401-901 </p><p>Leiria, que tambm a entidade promotora e responsvel pelo Estudo de Impacte </p><p>Ambiental referente ao Projecto de Explorao da Pedreira Vale da Erva. </p><p>2.2 Pretenso da Empresa na Explorao da Pedreira Vale da Erva </p><p>A exigncia de nveis de qualidade mais elevados aos materiais cermicos por parte das </p><p>empresas de produo de pastas cermicas hoje uma realidade incontornvel radicada </p><p>no controle de qualidade sistemtico do produto final comercializado e nas exigncias </p><p>crescentes dos procedimentos de certificao impostos quelas empresas. </p><p>De modo a corresponder s especificaes tcnicas impostas pelas fbricas de produo </p><p>de pavimentos e revestimentos cermicos relativamente s pastas produzidas, a FARIA </p><p>LOPES &amp; ALDEIA implementou um programa de prospeco e pesquisa nas zonas </p><p>produtivas em argilas especiais do jazigo sedimentar de Aguada de Cima. Este trabalho </p><p>permitiu inserir a rea do projecto num corpo argiloso onde ocorrem as argilas negras e </p><p>cinzentas com caractersticas especiais, inclusas na designada Formao da Aguada. </p><p>A presena da massa mineral em volume de reservas, a localizao geogrfica, as vias de </p><p>acesso privilegiadas, a ocorrncia na envolvente de unidades similares de extraco de </p><p>argilas, e os resultados da caracterizao fsica e tecnolgica efectuada aos diversos nveis </p><p>de argila ocorrentes, constituram os principais factores de seleco para a definio de </p><p>uma zona favorvel explorao de argilas especiais, pelo que a FARIA LOPES &amp; ALDEIA </p><p>diligenciou a aquisio de uma propriedade com uma rea de 7,06 ha (rea da pedreira) no </p><p>lugar de Vale da Erva, freguesia de Avels de Cima, concelho de Anadia, sobre a qual foi </p><p>definida uma rea de lavra com 5,46 ha. </p></li><li><p>Pag.3 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>Os recursos da empresa permitem o desenvolvimento do projecto de explorao da </p><p>pedreira Vale da Erva, onde sero extradas argilas especiais do designado jazigo </p><p>sedimentar de Aguada, com vista ao seu racional aproveitamento tcnico-econmico e </p><p>valorizao (comercializao), de acordo com o conhecimento tcnico-cientfico adquirido e </p><p>com os interesses da economia. </p><p>Neste contexto, o projecto de explorao da pedreira configura a explorao das reservas </p><p>de argilas especiais contidas na rea definida pelo Plano de Lavra, facto que obriga o </p><p>projecto, antes do licenciamento, a sujeitar-se Avaliao de Impactes Ambientais (AIA) ao </p><p>abrigo do estipulado na alnea a) do n. 2 do Anexo II do Decreto-Lei n. 69/00 de 3/5. </p><p>A rea total de desmonte de 5,46 ha o que, segundo o estipulado no Plano de Lavra, </p><p>traduzir s cotas de projecto (cota base dos 50 m) reservas geolgicas explorveis na </p><p>ordem de 310 000 ton, estimando-se que possam ser exploradas durante os prximos 14 </p><p>anos com referncia a uma produo constante estimada em cerca de 22 000 ton/ano. </p><p>2.3 Localizao e Acessos </p><p>A pedreira Vale da Erva localiza-se na freguesia de Avels de Cima, ocupando uma </p><p>pequena parcela da folha n 197 (Oliveira do Bairro) da Carta Topogrfica Militar escala </p><p>1/25000 dos Servios Cartogrficos do Exrcito. O acesso principal rea da pedreira a </p><p>Estrada Nacional EN1 (ligao Mealhada-Anadia). Nesta via, entre o K220 e o K221 </p><p>apanha-se a Estrada Nacional 609 e de seguida a Estrada Nacional 334 at povoao de </p><p>Avels de Cima. A partir deste povoado e ainda na EN334 entroncam diversos caminhos </p><p>vicinais que permitem o acesso pedreira a partir do seu limite Sul. </p><p>A planta 1 ilustra a localizao da pedreira tendo em considerao o seu enquadramento </p><p>escala nacional, regional e local. </p></li><li><p>Pag.5 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>2.4 Caracterizao da Explorao </p><p>reas e Produes: A rea total da pedreira a licenciar de 7,06 ha, estando 5,46 ha </p><p>desta rea afecta lavra. Os restantes 1,6 ha englobam as zonas ocupadas pelos </p><p>depsitos de materiais, pelos acessos, e pelas reas no intervencionadas que, entre </p><p>outras, incluem as zonas de defesa. A produo mdia prevista de argilas especiais de </p><p>22 000 ton/ano. Parte das terras vegetais a decapar, de um total de 30850 m3 (17400 m3 na </p><p>1 Fase de explorao e 13450 m3 na 2 Fase), sero reutilizadas na construo de um </p><p>talude de proteco pelo permetro do cu aberto, numa extenso de 1442 m, o qual </p><p>servir de suporte ao ecr arbreo a formar. A restante volumetria ser utilizada como </p><p>substrato no repovoamento arbreo da rea de desmonte, em fase com o avano da lavra. </p><p>Equipamentos Produtivos: O equipamento produtivo adstrito actividade de explorao </p><p>na pedreira Vale da Erva o seguinte: 1 escavadora hidrulica; 1 dumper de carga </p><p>articulado; 1 p carregadora de balde frontal, totalizando uma potncia de 780 CV. </p><p>Meios Humanos e Regime de Laborao: A laborao ir desenvolver-se ao longo dos </p><p>12 meses do ano, num turno dirio que decorrer das 8.30 h at s 18.00 h. Os meios </p><p>humanos afectos explorao tero a seguinte distribuio: Um (1) encarregado e dois (2) </p><p>manobradores de mquinas. </p><p>Desmonte: O mtodo de desmonte a praticar o arranque mecnico a cu aberto, com </p><p>patamares desenvolvidos por degraus direitos e/ou frentes de inclinao. O desmonte </p><p>seguir o modelo composto, conjugando o desenvolvimento por degraus direitos de tecto </p><p>para muro da formao produtiva com o desenvolvimento por avanos longitudinais </p><p>partindo dos flancos. O modelo de explorao permitiu compartimentar a pedreira em dois </p><p>sectores de lavra, de modo a que esta ocorra sequencialmente do primeiro ao segundo, </p><p>aps o esgotamento das reservas explorveis no primeiro. Estes dois sectores de lavra </p><p>foram designados por: a) Sector da Fase 1 de Lavra (F1), com 30480 m2; b) Sector da </p><p>Fase 2 de Lavra (F2), com 24200 m2. Em cada uma das Fases, o desmonte envolver as </p></li><li><p>Pag.6 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>seguintes operaes: A) Decapagem e preparao do terreno com a remobilizao de </p><p>terras vegetais e de materiais areno-argilosos; B) Extraco da massa mineral; C) </p><p>Transporte da massa mineral para a zona de stockagem; D) Expedio das argilas </p><p>especiais para os centros de transformao. </p><p>Depresso escavada: Tendo em conta as caractersticas do jazigo mineral a explorar bem </p><p>como a geometria e a topografia do terreno onde se pretende implantar o projecto de </p><p>explorao, de acordo com o Plano de Lavra, no final da explorao projectada encontrar-</p><p>se- uma escavao que s cotas de projecto (cota base dos 50 m) ter 5,46 ha e cerca de </p><p>12 m de profundidade mxima, desenvolvendo-se no permetro do cu-aberto um talude </p><p>com inclinao residual entre 15 e 20. A base do cu aberto ficar dividida em duas </p><p>plataformas: - a do sector Sul (Fase 1 de lavra) com 30480 m2 de rea, sub-horizontal, </p><p>cotada aos 55 m; e a do sector Norte (Fase 2 de lavra) com 24200 m2 de rea, sub-</p><p>horizontal, cotada aos 50 m. Esta diferena de cotas corresponde ao basculamento e </p><p>possana que o corpo argiloso apresenta em cada um dos sectores de lavra. </p><p>Proteco Ambiental e Recuperao Paisagstica: Visando a integrao da rea de </p><p>interveno do projecto na paisagem natural, o modelo de recuperao paisagstica e </p><p>ambiental do projecto incorpora duas fases de implementao: </p><p>E 1 Fase: Engloba as medidas de recuperao paisagstica e ambiental da pedreira a </p><p>implementar em fase com o desenvolvimento das tarefas de lavra, utilizando a </p><p>temporizao definida no mbito do Faseamento do Desmonte descrito. Assim, as medidas </p><p>de recuperao paisagstica relativas 1 Fase sero implementadas em concomitncia </p><p>com o desmonte do corpo argiloso no sector correspondente rea de lavra com 30480 </p><p>m2, visando fundamentalmente a camuflagem da rea a intervencionar atravs da </p><p>execuo das seguintes tarefas: Armazenamento das Terras Vegetais e dos Materiais </p><p>Areno-Argilosos Provenientes da Decapagem; Enchimento da Zona de Retaguarda s </p><p>Frentes de Desmonte com Material Areno-Argiloso; Constituio de Ecr Arbreo; </p><p>Repovoamento Arbreo da rea de Enchimento. </p></li><li><p>Pag.7 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>E 2 Fase: A recuperao paisagstica a implementar na 2 Fase no mais do que a </p><p>continuidade espao-temporal do modelo de recuperao implementado no sector </p><p>correspondente Fase 1 de explorao, pelo que a 2 Fase de recuperao incidir no </p><p>sector Norte da rea de lavra (24200 m2), sendo implementada em articulao com os </p><p>procedimentos da lavra durante o perodo temporal relativo Fase 2, at ao fim da vida til </p><p>da pedreira. O modelo de recuperao a implementar nesta fase visa a restituio da rea </p><p>correspondente base da escavao para uso florestal, contemplando as seguintes </p><p>tarefas: Extenso do Talude de Terras Vegetais; Extenso da Colocao do Horizonte </p><p>de Terras Vegetais; Extenso do Ecr Arbreo; Extenso do Repovoamento Arbreo. </p><p>Apresenta-se o cronograma do plano de intenes de lavra e recuperao paisagstica </p><p>para o primeiro quinqunio (5 anos), sendo este o modelo a implementar em concomitncia </p><p>com o desmonte, deste o incio da actividade at ao fim da vida til da pedreira. </p><p>1 Ano </p><p> Alargamento, regularizao do piso e construo de pontes para desvio das guas, nos caminhos de acesso rea a explorar. </p><p> Demarcao e regularizao do substrato da rea de pr-stock temporrio. Decapagem das terras de cobertura e do estril e sua subsequente stockagem. Desmonte da formao produtiva (argilas especiais). </p><p>2 Ano </p><p> Trabalhos de conservao das pistas de circulao de mquinas. Decapagem e armazenamento da cobertura terrosa e areno-argilosa. Construo de talude de proteco na bordadura da escavao. Sinalizao da rea de escavao. Desmonte da formao produtiva. </p><p>3 Ano </p><p> Trabalhos de conservao das pistas de circulao de mquinas. Decapagem e armazenamento da cobertura terrosa e areno-argilosa. Continuao da sinalizao da rea de escavao. Desmonte da formao produtiva. Enchimento da escavao em sectores libertos da actividade de lavra. </p><p>4 Ano </p><p> Trabalhos de conservao das pistas de circulao de mquinas. Decapagem e armazenamento da cobertura areno-argilosa. Desmonte da formao produtiva. Enchimento da escavao em sectores libertos da actividade de lavra. Nivelamento do fundo da escavao (reas de enchimento). </p><p>5 Ano </p><p> Conservao das pistas de circulao de mquinas. Desmonte da formao produtiva. Enchimento da escavao em sectores libertos da actividade de lavra. Plantao de espcies arbreas nas zonas j niveladas. </p></li><li><p>Pag.8 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>3 CARACTERSTICAS AMBIENTAIS DE REFERNCIA </p><p>Geologia e Geomorfologia O recurso geolgico a explorar argilas especiais, integra a </p><p>sequncia sedimentar da Formao da Aguada que aflora no Vale da Erva, a Norte de </p><p>Avels de Cima. A pedreira insere-se na morfologia tpica do extremo montante da zona de </p><p>plancie aluvial que constitui a metade inferior da bacia hidrogrfica da ribeira do Vidoeiro, </p><p>afluente da margem esquerda do rio Crtima. </p><p>Solos A pedreira Vale da Erva assenta nos Fluvissolos associados s unidades areno-</p><p>argilosas plio-quaternrias ocorrentes, numa zona onde o coberto terroso diminuto e </p><p>dominado pela ocupao florestal com predomnio do pinheiro e eucalipto. A massa mineral </p><p>a explorar sobreposta por uma camada de solo de reduzida espessura (mdia de 0,6 m). </p><p>Planeamento e Ordenamento do Territrio Na Carta de Ordenamento do Territrio do </p><p>PDM de Anadia, a pedreira Vale da Erva insere-se na totalidade numa vasta rea </p><p>cartografada como pertencendo Classe de Espao para Indstrias Extractivas, </p><p>abrangendo as Sub-Classe de Espao denominadas por Espaos Abandonados e Espaos </p><p>em Explorao e/ou a Explorar. Em termos de reas de Uso Condicionado, a rea da </p><p>pedreira no assenta em solos pertencentes Reserva Agrcola Nacional (RAN); No que </p><p>diz respeito Reserva Ecolgica Nacional (REN), cerca de 30% da rea de lavra </p><p>distribuda pelos sectores N e S da pedreira intersecta solos includos na REN, </p><p>concretamente manchas cartografadas como reas com riscos de eroso, numa zona do </p><p>territrio identificada como pertencendo a uma bacia com caractersticas de planura </p><p>sedimentar, onde particularmente os declives na rea que ser abrangida pela lavra se </p><p>situam abaixo dos 10%. </p><p>Clima A regio de estudo caracterizada por apresentar um clima de transio entre as </p><p>influncias martimas do Atlntico e do Mediterrneo, sendo condicionado pelas bacias </p><p>inferiores dos rios Vouga, Mondego e Liz. O vento mais frequente sopra de NW, sendo este </p><p>o rumo do vento mais veloz nos meses mais secos e quentes do ano (Julho e Agosto). </p></li><li><p>Pag.9 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>Recursos Hdricos A pedreira Vale da Erva localiza-se na bacia hidrogrfica da ribeira </p><p>do Vidoeiro. Apesar de rodeada por linhas de gua sazonais de ordem inferior, a rea da </p><p>pedreira no atravessada por nenhum talvegue, posicionando-se numa rea com </p><p>potencial para a ocorrncia de recarga, situao que no entanto estar condicionada de </p><p>forma negativa pelo factor geolgico. A regio em estudo est sob a influncia do sistema </p><p>aqufero Quaternrio de Aveiro, embora a zona da pedreira se situe em domnio de </p><p>unidades indistintas de baixa produtividade, pelo que na sua envolvente mais prxima no </p><p>existe nenhuma sada natural de qualquer destes sistemas (nascente e/ou captao), quer </p><p>para abastecimento pblico quer para uso agrcola. No contexto regional, a qualidade das </p><p>guas de uma forma geral razovel, estando alguns focos de poluio particularmente </p><p>associados a zonas sob a influncia da descarga dos efluentes produzidos nos maiores </p><p>ncleos populacionais da regio Anadia e Oliveira do Bairro. </p><p>Paisagem No vale da Erva o valor paisagstico bastante baixo, devido s alteraes na </p><p>paisagem introduzidas pelas exploraes actualmente existentes. Como principais traos </p><p>paisagsticos da rea de insero do projecto destacam-se: a) reas praticamente </p><p>desprovidas de cobertura vegetal, em associao com clareiras dispersas no seio do </p><p>pinhal/eucaliptal; b) Extensas reas com densa cobertura vegetal, assente numa estrutura </p><p>de bosquetes essencialmente formados pelo pinhal e eucaliptal; c) Pequenos retalhos de </p><p>terrenos outrora cultivados e actualmente bastante surribados para suporte de plantaes </p><p>recentes de eucalipto, ou ento totalmente abandonados onde as espcies florsticas </p><p>espontneas proliferam; d) reas completamente desprovidas de vegetao, atapetadas </p><p>por uma incipiente vegetao espontnea, associadas a zonas ardidas e por vezes a zonas </p><p>abandonadas pela actividade agrcola e extractiva; e) Pequenos charcos artificiais </p><p>dispersos e de reduzida profundidade, em zonas de depresso originadas pelo abandono </p><p>prematuro da actividade extractiva, sobre formaes de natureza silto-argilosa saturadas. </p><p>Ecologia A rea da pedreira Vale da Erva encontra-se significativamente afastada de </p><p>qualquer rea Protegida ou Stio Classificado pelo Instituto da Conservao da Natureza. O </p><p>bitopo florestal que caracteriza a envolvente da rea do projecto evidencia uma total </p></li><li><p>Pag.10 __________________________________________________________________________________________________________________________ PEDREIRA Vale da Erva ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NO TCNICO </p><p>ausncia de vegetao primitiva, encontrando-se profundamente fragmentado pela </p><p>actividade extractiva que aqui se desenvolve. Dominam os pinhais e com menor expresso </p><p>os eucaliptais. A elevada interveno que se verifica nesta rea permite constatar uma </p><p>ace

Recommended

View more >