progressao textual

Download Progressao Textual

Post on 08-Aug-2015

405 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

FACULDADE FORTIUM

JOSEFINA MARIA FERREIRA ALBUQUERQUE

PROGRESSO TEXTUAL ANLISE DO DISCURSO DE POSSE DO MINISTRO WASHINGTON BOLVAR NO CARGO DE PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIA

BRASLIA 2009

JOSEFINA MARIA FERREIRA ALBUQUERQUE

PROGRESSO TEXTUALANLISE DO DISCURSO DE POSSE DO MINISTRO WASHINGTON BOLVAR NOCARGO DE

PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIA

Artigo

Acadmico

apresentado

ao

Ncleo de Ps-Graduao e MBAs da Faculdade FORTIUM, como requisito para obteno do ttulo de especialista em Lngua Portuguesa, Gramtica e Reviso de Texto, sob orientao da Professora Mestra Kelly Cristina Nunes da Silva.

BRASLIA 2009

Trabalho de autoria de Josefina Maria Ferreira Albuquerque, intitulado Progresso Textual Anlise do Discurso de Posse do Ministro Washington Bolvar no cargo de Presidente do Superior Tribunal de Justia, requisito para a obteno do certificado de Especialista em Lngua Portuguesa, Gramtica e Reviso de Texto, aprovado em 14 de dezembro de 2009, pela Professora Mestra Kelly Cristina Nunes da Silva.

_________________________________________ Professora Mestra Kelly Cristina Nunes da Silva Orientadora

A produo de linguagem constitui atividade interativa altamente complexa de produo de sentidos, que se realiza, evidentemente, com base nos elementos lingusticos presentes na superfcie textual e na sua forma de organizao, mas que requer no apenas a mobilizao de um vasto conjunto de saberes, mas, sobretudo a sua reconstruo [...] no momento da interao verbal. (KOCH, 2008a, p.19).

RESUMOEste trabalho que se sustenta na vertente cognitivo/discursiva/interacional da Lingustica Textual tem como objetivo a anlise da construo da cadeia argumentativa do discurso. A abordagem da progresso do raciocnio se assenta no estudo da coeso e da coerncia. A progresso textual examinada sob trs aspectos: progresso referencial, temtica e tpica. PALAVRAS-CHAVE: Lingustica textual. Coeso e coerncia. Progresso textual. Progresso referencial. Progresso temtica. Progresso tpica.

ABSTRACTThis article based on the interational/cognitive/discursive vertente of the Textual Linguistic has as objetive the analisis of the construction of the argumentative speech. Achieving the progression of arguments is based on the study of cohesion and coherency. The textual progression is examined through three aspects: referencial, themathic and topic progression. KEYWORDS: Textual linguistics. Cohesion and coherency. Textual progression. Referencial progression. Thematic progression. Topic progression.

SUMRIO

PARA SITUAR O LEITOR................................................................................. 1 QUAL O OBJETIVO DESTE ARTIGO? ......................................................... 2 COMO SE D A PROGRESSO TEXTUAL? ................................................ 3 PROGRESSO REFERENCIAL....................................................................... 3.1 ANFORA................................................................................................... 3.2 ANFORA INDIRETA.................................................................................. 4 PROGRESSO TEMTICA............................................................................. 4.1 TIPOS DE PROGRESSO TEMTICA...................................................... 4.2 RELAES LGICO/SEMNTICAS E DISCURSIVO/ ARGUMENTATIVAS.. 5 PROGRESSO TPICA.................................................................................. 6 CONCLUINDO............................................................................................... 7 REFERNCIAS............................................................................................... 7.1 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR............................................................. 8 ANEXOS.........................................................................................................

8 10 11 13 13 14 19 19 20 22 24 26 27 28

8

PARA SITUAR O LEITOR...1989. Um ano que separa pocas distintas. Tantas e to importantes mudanas ocorreram nesse ano que se pode dizer que o Sculo XXI se antecipou, dando incio a ps-modernidade. Hobsbawm, na obra A Era dos Extremos: o breve Sculo XX (1994, p. 248), diz que foi o colapso do imprio sovitico em 1989, a desintegrao e dissoluo da prpria URSS em 1989-1991 que tornaram impossvel fingir, quanto mais acreditar, que nada tinha mudado. Sustenta ser possvel considerar, sob certa perspectiva histrica, a curta durao do Sculo XX, que, no seu entender, durou de 1914, com o incio da Primeira Grande Guerra, at o fim da era sovitica (HOBSBAWM, 1999, p. 7). Nesse ano, uma srie de revolues derrubou governos comunistas, fortalecendo os ideais democrticos. Na Europa, a queda do Muro de Berlim reunificou a Alemanha aps 40 anos de separao e marcou o fim da Guerra Fria. Na China, a coragem de um manifestante annimo que protestava junto a milhares de outros estudantes contra o regime comunista ficou registrada como um dos momentos marcantes do Sculo XX e tornou-se smbolo da luta pela paz e liberdade. Tambm nas cincias houve inovaes. O que foi anunciado como o maior feito cientfico do sculo a descoberta da fuso nuclear a frio , se no se consolidou como a soluo para os problemas energticos que a humanidade ainda enfrenta, pelo menos serviu para desmistificar a cincia como indicativo de certezas absolutas. A chegada da Voyager 2 a Netuno comprovou a inteligncia e a grandeza do Homem, mas, tambm, sua insignificncia perante o Universo. Esperava-se que essa viagem interplanetria, que demandou alto investimento e mobilizou diversos cientistas da Nasa, trouxesse contribuio mais significativa sobre o conhecimento do Cosmos e de suas origens. Maior revoluo se deu no campo tecnolgico. O mundo nunca mais foi o mesmo depois do surgimento da Web rede aberta, de alcance mundial, que interliga computadores para a comunicao instantnea entre usurios em sites de notcias, mensageiros eletrnicos, redes sociais, pginas de games on-line, servios

9 governamentais e infinitas outras possibilidades que justificam a afirmao de que vivemos em uma aldeia global. Em 1989, vivia-se, no Brasil, poca de contagiante esperana. Depois de quase vinte anos de ditadura, haveria, em novembro daquele ano, eleies diretas para a escolha do presidente. Com a promulgao, no ano anterior, da Constituio cidad assim chamada pela macia participao popular em sua elaborao , tudo apontava, depois de longo perodo de exceo democrtica, para a consolidao da democracia nas instituies do Pas. Iniciativas dos diversos segmentos da sociedade eram levadas Assembleia Constituinte, que as estudava, as debatia, para, ento, inclu-las no texto constitucional. Foi assim que nasceu o Superior Tribunal de Justia (STJ). Depois do amadurecimento poltico e acadmico das ltimas dcadas, sua implantao foi amplamente examinada por uma comisso de magistrados e consolidada na Constituio de 1988. Em abril de 1989, o STJ comeou a funcionar. No mbito do Judicirio, esta foi uma das grandes novidades trazidas pela nova Constituio: a criao de uma corte responsvel por uniformizar a interpretao da lei federal no mbito da justia federal e estadual, seguindo os princpios constitucionais e a garantia e defesa do Estado de Direito. Como ltima instncia da Justia brasileira para as causas infraconstitucionais, rgo de convergncia da Justia comum, ao STJ cabe apreciar causas oriundas de todo o territrio nacional. Esse era o cenrio em que vivia o autor do discurso que aqui se pretende analisar. Washington Bolvar, primeiro presidente do STJ, antes de entrar para o servio pblico, o que se deu na dcada de 60, quando veio para Braslia e se tornou membro do Ministrio Pblico, advogou no interior da Bahia. Sua bagagem intelectual, sua experincia como defensor pblico e a busca pela justia e verdade foram determinantes para moldar o esprito de um homem comprometido com seu tempo e com os anseios da sociedade. Em seu discurso de posse, ele reala o alcance nacional das decises proferidas pelo recm-criado tribunal, a genialidade com que foi pensada a escolha de seus membros e a importncia de se julgar grandes e poderosos sem concesso de privilgios. Convicto da necessidade do constante aprimoramento jurdico, prev a criao da Escola Nacional da Magistratura, hoje uma realidade. Repisa a necessidade de se selecionar servidores por meio de concurso pblico, assentando

10 seu entendimento na nova Constituio. Seu discurso revela, dessa forma, o que ele depreende da realidade poltica e social do momento por que passa e se soma viso pessoal do que est por vir.

1 QUAL O OBJETIVO DESTE ARTIGO?Neste artigo, busca-se analisar como o Ministro Washington Bolvar construiu a cadeia argumentativa do seu discurso, de que forma os fatos que vivenciava se encontram presentes em sua fala e se somam com um claro discernimento do universo poltico-social em que estava inserido. Pois seu texto nada mais do que a concretizao da linguagem realizadapor sujeitos histricos e sociais em interao, sujeitos que constroem mundos textuais cujos objetos no espelham fielmente o mundo real, mas so isto sim, interativamente e discursivamente constitudos em meio a prticas sociais (KOCH, MORATO & BENTES, 2005, p. 8).

O respaldo terico que d apoio a este artigo a Lingustica Textual, mais precisamente a vertente cognitivo/discursiva/interacional, que v o texto como a unidade bsica de comunicao humana, realando o exame da coerncia argumentativa e de como o texto organizado, no s pelo encadeamento dos enunciados, mas tambm pelo conhecimento construdo pela vivncia do autor. Importa frisar que existem critrios de textualidade presentes no texto (coeso e coerncia) e em quem o recebe (informatividade, situacionalidade, intertextualidade, intencionalidade e aceitabilidade). Aqui, a abordagem da progresso do raciocnio lgico se assenta no estu