PROFESSOR DE MSICA / HISTRIA DA MSICA POPULAR DE MSICA / HISTRIA DA MSICA POPULAR E TRADIES BRASILEIRAS ATENO Abra este Caderno, quando o Fiscal de Sala autorizar o

Download PROFESSOR DE MSICA / HISTRIA DA MSICA POPULAR   DE MSICA / HISTRIA DA MSICA POPULAR E TRADIES BRASILEIRAS ATENO Abra este Caderno, quando o Fiscal de Sala autorizar o

Post on 17-Feb-2018

215 views

Category:

Documents

3 download

TRANSCRIPT

  • SECRETARIA DE ADMINISTRAO DO ESTADO SECRETARIA DE EDUCAO

    CONCURSO PBLICO

    No deixe de preencher as informaes a seguir.

    Prdio Sala

    Nome

    N de Identidade rgo Expedidor UF N de Inscrio

    PPRROOFFEESSSSOORR DDEE MMSSIICCAA // HHIISSTTRRIIAA DDAA MMSSIICCAA PPOOPPUULLAARR EE TTRRAADDIIEESS BBRRAASSIILLEEIIRRAASS

    ATENO Abra este Caderno, quando o Fiscal de Sala autorizar o incio da Prova.

    Observe se o Caderno est completo. Ele dever conter 60 (sessenta) questes objetivas de mltipla

    escolha com 05 (cinco) alternativas cada, sendo 10 (dez) questes de Lngua Portuguesa, 10 (dez)

    questes de Conhecimentos Pedaggicos e 40 (quarenta) questes de Conhecimentos Especficos.

    Se o Caderno estiver incompleto ou com algum defeito grfico que lhe cause dvidas, informe,

    imediatamente, ao Fiscal.

    Uma vez dada a ordem de incio da Prova, preencha, nos espaos apropriados, o seu Nome completo, o

    Nmero do seu Documento de Identidade, a Unidade da Federao e o Nmero de Inscrio.

    Para registrar as alternativas escolhidas nas questes objetivas de mltipla escolha, voc receber um

    Carto-Resposta de Leitura tica. Verifique se o Nmero de Inscrio impresso no Carto coincide

    com o seu Nmero de Inscrio.

    As bolhas constantes do Carto-Resposta devem ser preenchidas, totalmente, com caneta esferogrfica

    azul ou preta.

    Preenchido o Carto-Resposta, entregue-o ao Fiscal, juntamente com este Caderno e deixe a sala em

    silncio.

    BOA SORTE !

  • 2

    LNGUA PORTUGUESA

    Texto I para as questes de 01 a 05.

    Vida Moderna

    Olhar para o cu noturno quase um privilgio em nossa atribulada e iluminada vida moderna. (...)Companhias de turismo deveriam criar excurses noturnas, em que grupos de pessoas so transportados at pontos estratgicos para serem instrudos por um astrnomo sobre as maravilhas do cu noturno. Seria o nascimento do turismo astronmico, que complementaria perfeitamente o novo turismo ecolgico. E por que no?

    Turismo astronmico ou no, talvez a primeira impresso ao observarmos o cu noturno seja uma enorme sensao de paz, de permanncia, de profunda ausncia de movimento, fora um eventual avio ou mesmo um satlite distante (uma estrela que se move!). Vemos incontveis estrelas, emitindo sua radiao eletromagntica, perfeitamente indiferentes s atribulaes humanas.

    Essa viso pacata dos cus completamente diferente da viso de um astrofsico moderno. As inocentes estrelas so verdadeiras fornalhas nucleares, produzindo uma quantidade enorme de energia a cada segundo. A morte de uma estrela modesta como o sol, por exemplo, vir acompanhada de uma exploso que chegar at a nossa vizinhana, transformando tudo o que encontrar pela frente em poeira csmica. (O leitor no precisa se preocupar muito. O sol ainda produzir energia docilmente por mais uns cinco bilhes de anos).

    KLINK. A. Mar sem fim. In: ABAURRE, M. L. e PONTARRA, M. Gramtica, Texto: anlise e construo de

    sentido. So Paulo: Moderna, 2006. 01. De acordo com o texto, percebe-se que as estrelas A) so consideradas maravilhas do cu noturno pelos observadores leigos, mas no, pelos astrnomos. B) possibilitam uma viso pacata dos cus, impresso que pode ser desfeita pelas instrues de um astrnomo. C) produzem, no observador leigo, um efeito encantatrio, em razo de serem verdadeiras fornalhas nucleares. D) promovem um espetculo noturno to grandioso que os moradores das cidades modernas se sentem privilegiados. E) confundem-se, por vezes, com um avio ou um satlite, por se movimentarem do mesmo modo que estes. 02. Ao se analisar o Texto I, observa-se que o autor considera a possibilidade de se olhar para o cu noturno, a partir de

    duas distintas perspectivas, que se evidenciam no confronto das expresses: A) maravilhas do cu noturno / sensao de paz B) instrudos por um astrnomo / viso de astrofsico C) radiao eletromagntica / quantidade enorme de energia D) poeira csmica / viso de astrofsico E) ausncia de movimento / fornalhas nucleares 03. Em relao ao Texto I, analise as afirmaes abaixo.

    I. Na primeira frase do texto, os termos atribulada e iluminada caracterizam dois aspectos contraditrios e inconciliveis a que o autor chama de vida moderna.

    II. No segundo pargrafo, o sentido da expresso perfeitamente indiferentes s atribulaes humanas indica que j se desfez aquela primeira impresso e desapareceu a sensao de paz.

    III. No terceiro pargrafo, a expresso estrela modesta referente ao sol implica uma avaliao que vai alm das impresses ou sensaes de um observador comum.

    Est CORRETO, apenas, o que se afirma em A) I. B) II. C) III. D) I e II. E) II e III. 04. Analise o trecho abaixo.

    As inocentes estrelas so verdadeiras fornalhas nucleares, produzindo uma quantidade enorme de energia a cada segundo.

    Sobre o termo grifado, CORRETO afirmar que A) se trata de um advrbio de intensidade. B) uma conjuno temporal. D) classificado como um adjetivo. C) um conectivo de ligao. E) um advrbio de tempo.

  • 3

    05. Em qual das alternativas abaixo, o advrbio ainda tem o mesmo sentido encontrado no trecho O sol ainda produzir energia docilmente por mais uns cinco bilhes de anos.?

    A) Ainda lutando, nada conseguirs. B) H ainda outras pessoas envolvidas no caso. C) Ainda h cinco minutos, ela estava aqui. D) Um dia ele voltar, e ela estar ainda sua espera. E) Sei que ainda sers rico. 06. Assinale a alternativa em cuja frase o e assume o valor de mas. A) Ele pernoitava e fazia as refeies naquele hotel. B) Deram-se o brao e desceram felizes a ladeira. C) Seu jeito displicente e seu descaso me aborrecem. D) Permita que eu o ajude, e garanto, no se arrepender. E) Estudou dia e noite e no conseguiu passar. 07. Analise os dilogos abaixo.

    I. -A Vera se veste diferente. - mesmo, que ela tem um estilo prprio.

    II. -A Lena j viu esse filme uma dezena de vezes. Eu no consigo ver o que ele tem de to maravilhoso assim. - que ele prprio para adolescente.

    III. -Dora, o que eu fao? Ando to preocupada com o Fabinho! Meu filho est impossvel! -Relaxa, Tnia. prprio da idade. Com o tempo, ele se acomoda.

    Considerando que, nas conversas dirias, utiliza-se freqentemente a palavra prprio em vrias situaes, assinale a alternativa que contm o sinnimo da expresso prprio, respectivamente: A) adequado, particular, tpico. B) peculiar, adequado, caracterstico. D) adequado, exclusivo, conveniente. C) conveniente, adequado, particular. E) peculiar, exclusivo, caracterstico. Baseando-se no texto abaixo, responda as questes 08 e 09.

    Um homem precisa viajar para lugares que no conhece, para quebrar sua arrogncia que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e no simplesmente como ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que no vimos, quando deveramos ser alunos, e simplesmente ir ver.

    KLINK. A. Mar sem fim. In: ABAURRE, M. L. e PONTARRA, M. Gramtica, Texto: anlise e construo de sentido. So Paulo:

    Moderna, 2006. 08. Analisando o trecho (...) que nos faz professores e doutores do que no vimos (...) , o pronome sublinhado retoma os

    termos antecedentes: A) para lugares B) o mundo C) um homem D) essa arrogncia E) como a imaginamos 09. Assinale a alternativa que contm vocbulos que obedecem mesma regra de acentuao da palavra arrogncia

    sublinhada no trecho Um homem precisa viajar para lugares que no conhece para quebrar sua arrogncia que nos faz ver o mundo como o imaginamos (...)

    A) Agrnomo, ndex, fssil, dspar. B) Bomia,heri, amveis, imundcie. D) Argnteo, vivo, balas,esferide. C) Amndoa, mgoas, suprfluo, bilnge. E) Argnteo, m, mdiuns, volvel. 10. Em relao concordncia verbal e nominal, assinale a alternativa que contm uma afirmao que CONTRARIA

    as normas gramaticais. A) Os professores de msica foram tomados de uma emoo, de uma alegria, de um entusiasmo arrebatadores. B) A extraordinria Marilyn Monroe e Grace Kelly so atrizes inesquecveis e no, professores. C) O aluno est meio desconfiado. No acredita nas histrias que contam as professoras. D) No compareceu votao um por cento dos eleitores. E) Eu e voc devemos ser muito cuidadosos com relao s informaes que seremos chamados para dar sobre o

    desaparecimento da gravao.

  • 4

    CONHECIMENTOS PEDAGGICOS

    11. A escola, numa concepo democrtica, oferece aos alunos as bases culturais que lhes permitam identificar e se posicionarem frente s transformaes do mundo e se incorporarem na vida produtiva e sociopoltica. A escola cidad aquela que

    I. os professores tm o domnio de todas as reas de ensino. II. est voltada para a construo de uma cidadania plena e consciente. III. respeita a diversidade pessoal, social e cultural. IV. favorece a construo da identidade e da autonomia do aluno. V. enaltece os alunos mais talentosos.

    Assinale a alternativa que contm as afirmativas CORRETAS. A) Apenas II, III e IV. B) Apenas IV e V. D) Apenas II e III. C) Apenas I, II, III e IV. E) I, II, III, IV e V. 12. A democratizao escolar, como meio de desenvolvimento do educando, do ponto de vista individual e coletivo,

    defende trs princpios bsicos. Identifique-os. A) Recursos tecnolgicos, planos de ensino e avaliaes objetivas. B) Seleo como acesso, capacitao docente e qualidade do ensino. C) Livros didticos, espaos escolares amplos e tcnicas de ensino. D) Acesso universal escola, permanncia e qualidade do ensino. E) Ampliao do nmero de escolas, capacitao docente e uso de mdias. 13. Os processos de ensino e de aprendizagem, sob a coordenao do professor que utiliza as mdias informatizadas,

    podem tornar o trabalho pedaggico interativo, quando

    I. o aluno se sente atrado pela informtica. II. adota tcnicas eficientes no ensino que utiliza a informtica. III. possibilita ampliar as aprendizagens e a autonomia do aluno. IV. favorece o compartilhamento das informaes e a construo dos conhecimentos.

    Assinale a alternativa que contm as afirmativas CORRETAS.

    A) Apenas I e II. B) Apenas III e IV. D) Apenas II, III e IV. C) Apenas III. E) Apenas I, II e III. 14. A organizao do trabalho docente na perspectiva de uma gesto democrtica deve reduzir

    I. os efeitos da diviso do trabalho escolar. II. a fragmentao do trabalho pedaggico. III. a representatividade dos professores nas decises administrativas. IV. a centralizao e burocracia administrativa e pedaggica. V. a separao entre as reas de conhecimento.

    Assinale a alternativa que contm as afirmativas CORRETAS. A) Apenas I, II e IV. B) III, IV e V. C) II, III e IV. D) Apenas I, IV e V. E) I, II, IV e V. 15. Preencha as lacunas com (V) para as alternativas verdadeiras e (F) para as falsas. A avaliao da aprendizagem na

    perspectiva processual

    ( ) um procedimento que serve para mensurar o saber do aluno no final do processo de ensino. ( ) formativa por ser parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem. ( ) avalia bem o aluno, utilizando, principalmente, provas com questes de mltipla escolha. ( ) ocorre simultaneamente s situaes de aprendizagem, permitindo novas intervenes pedaggicas. ( ) tem, como referncia, as necessidades socioeducativas dos alunos.

    Assinale a alternativa que apresenta a seqncia CORRETA. A) F-V-F-V-V. B) F-F-V-V-V. C) V-F-V-F-V. D) F-V-V-F-V. E) V-V-F-F-V.

  • 5

    16. O planejamento pedaggico um instrumento, que auxilia o professor na estruturao da prtica do ensino. Para que o planejamento escolar objetive a aprendizagem significativa dos conhecimentos, necessrio que priorize

    A) aulas expositivas e textos para memorizao. B) os saberes prvios dos alunos e a realidade social. C) os exerccios de fixao como um recurso para o alcance do aprendizado D) avaliao pontual ao final do perodo letivo. E) o emprego das tecnologias como fundamental para a aprendizagem. 17. O planejamento de aes de uma escola de educao bsica pautou-se em princpios democrticos expressos na

    legislao educacional vigente. Dentre as aes realizadas pela escola, considera-se como imprescindvel concretizao dos princpios idealizados por lei o(a)

    A) cumprimento de todos os contedos previstos no currculo proposto. B) formao de classes com base nos desempenhos escolares apresentados. C) oferta de ensino de qualidade e de preparao para uma cidadania crtica. D) exigncia dos planos de ensino de cada disciplina. E) garantia de recursos pedaggicos e tecnolgicos pela escola. 18. Alm de promover a organizao do trabalho pedaggico, o professor que atua na Educao Bsica deve propor

    situaes didticas estimuladoras para a formao de habilidades cognitivas e sociais. Considere as afirmativas seguintes como verdadeiras(V) ou falsas(F) em relao ao enunciado.

    ( ) Leituras e memorizao de informaes em livros e computador. ( ) Questionamentos, investigao, atividades envolvendo saberes relevantes. ( ) Atividades que facilitem o acesso aos bens culturais. ( ) Formao de grupos na sala de aula com os alunos que apresentem bom desempenho. ( ) Debates de temas entre alunos, visando ao exerccio crtico e produo de novos conhecimentos.

    Assinale a alternativa que apresenta a seqncia CORRETA. A) V-V-F-F-F. B) F-V-V-V-F. C) F-F-V-V-V. D) V-F-F-V-F. E) F-V-V-F-V. 19. A Lei N. 10.639, de 09.01.2003, sancionada pelo Presidente da Repblica, decreta a obrigatoriedade do ensino da

    Histria e Cultura Afro-Brasileira em todos os estabelecimentos de ensino fundamental e mdio. Em termos educacionais, a referida lei tem como objetivo principal, na educao bsica,

    A) a incluso da populao negra na escola. B) o resgate e o reconhecimento da contribuio da cultura afro-brasileira no currculo escolar. C) o estudo da histria do continente africano no currculo do ensino fundamental. D) a juno da populao branca com afro-descendentes. E) o estudo dos quilombos no Brasil. 20. Afirma-se que a interdisciplinaridade curricular implica a superao das fronteiras entre as disciplinas e,

    sobretudo, da viso fragmentada do conhecimento. A prtica interdisciplinar significa A) encontros permanentes entre professores das disciplinas de um curso e adoo de metodologias comuns. B) adotar a concepo de uma dada rea, contedos ou temticas em uma perspectiva inter-relacional, sem que haja perda das

    especificidades metodolgicas. C) conhecimento do projeto poltico-pedaggico do curso por todos os professores e ao integrada de um tema. D) promoo de eventos com a participao de todas as reas de conhecimento, sem que haja a perda das especificidades

    metodolgicas. E) adoo de texto contendo temas de estudo sobre conhecimentos abrangentes da atualidade.

  • 6

    CONHECIMENTOS ESPECFICOS

    Dado o seguinte trecho musical:

    21. Quais os tons vizinhos da tonalidade do trecho? A) D # menor, L maior, Si maior, F # menor, Sol # menor. B) Sol # menor, Mi maior, F# maior, D # menor, R # menor. C) Mi maior, F # menor, Sol # menor, L maior, Si maior. D) Si maior, Mi maior, F# maior, D # menor, R # menor. E) L maior, D # menor, Si menor, Mi maior, R maior. 22. Qual a funo do acorde que se encontra nos tempos 3 e 4 do compasso 3? A) Dominante secundria (V/V). B) Subdominante com 6 adicionada. D) Acorde de 6 napolitana (N6). C) Tnica de uma nova tonalidade. E) Supertnica (ii). 23. O acorde do segundo compasso pode ser encontrado nos seguintes graus e tonalidades, exceto. A) ii grau, tonalidade de Si maior. B) i grau, tonalidade de D # menor. D) ii grau, tonalidade de Si menor. C) vi grau, tonalidade de Mi maior. E) iv grau, tonalidade de Sol# menor. 24. Sobre intervalos, assinale a alternativa correta. A) A tera menor formada por dois tons. B) A quinta justa formada por trs tons. C) A sexta maior formada por trs tons e um semitom. D) A segunda menor formada por um tom. E) A stima maior formada por cinco tons e um semitom. 25. A tonalidade de Si maior e seu homnimo tm respectivamente armaduras com A) 4 sustenidos e 2 sustenidos. B) 5 sustenidos e 5 bemis. D) 5 sustenidos e 3 sustenidos. C) 5 sustenidos e 2 sustenidos. E) 2 bemis e 5 bemis. 26. So termos ligados ao estudo do Barroco todos os citados abaixo, exceto. A) Baixo Contnuo. B) Concerto Grosso. D) Trio Sonata. C) Clusula. E) ria da Capo.

  • 7

    27. Leitmotiv, cromatismo, nacionalismo e virtuose so termos comumente relacionados ao perodo denominado A) Classicismo. B) Romantismo. D) Impressionismo. C) Barroco. E) Expressionismo.

    Dada a srie de notas acima 28. O intervalo formado entre a primeira e a ltima nota pertence tonalidade A) Sol maior. B) R maior. C) mi menor. D) D maior. E) L maior. 29. Se tomarmos a segunda, a terceira e a nona notas, estaremos em uma das seguintes tonalidades. Assinale-a. A) r menor natural. B) sol menor harmnica. D) Mi menor meldica. C) mi b maior. E) L b maior. 30. Se tomarmos a primeira, a terceira, a stima, a oitava e a dcima segunda notas da srie acima, teremos um acorde.

    Qual ser ele e a que tonalidade ele pertence? A) Acorde de nona maior da dominante, tom de D maior. B) Acorde de nona menor da dominante, tom de D maior. C) Acorde de nona menor da dominante, tom de D menor. D) Acorde de nona maior da dominante, tom de R maior. E) Acorde de nona menor da dominante, tom de Sol maior. 31. A srie de notas acima caracterstica da msica A) Dodecafnica. B) Impressionista. C) Neo-clssica. D) Dadasta. E) Microtonalismo.

  • 8

    A imagem anterior traz o tema do terceiro movimento da Sonata para piano K.284, de Mozart. Baseando-se nesta pea, responda as questes a seguir. 32. Qual a forma da pea acima? A) Forma ternria. B) Rond. C) Minueto. D) Forma sonata clssica. E) Forma binria. 33. A parte escrita para mo esquerda traz uma frmula de acompanhamento conhecida como A) Ostinato. B) Baixo de Alberti. C) Fugato. D) Coral. E) Arpejos. 34. Qual a funo do acorde escrito no quarto tempo do stimo compasso da pea acima? A) Supertnica. B) Subdominante. D) Tnica. C) Superdominante. E) Dominante secundria. 35. Considerando os oito primeiros compassos, assinale a alternativa INCORRETA. A) A pea est no tom de R maior. B) H duas frases de incio anacrstico. C) O trecho modula para o tom da dominante. D) O trecho est na tonalidade de si menor. E) O acorde do segundo tempo do compasso 7 est na primeira inverso. 36. Os termos das alternativas abaixo se relacionam com o Classicismo, EXCETO. A) Homofonia. B) Forma Sonata. D) Iluminismo. C) Primeira Escola de Viena. E) Poema Sinfnico.

    37. Os intervalos acima so, respectivamente, A) stima menor; quarta aumentada; sexta maior; stima menor. B) stima maior; quarta aumentada; sexta menor; stima menor. C) stima maior; quarta justa; sexta menor; stima menor. D) stima maior; quarta aumentada; sexta maior; stima menor. E) stima maior; quarta aumentada; sexta menor; stima maior. 38. Os acordes que contm os intervalos acima so, na ordem, A) D maior com stima maior; si diminuto; D maior; r menor com stima menor. B) D maior com stima menor; si diminuto; L bemol maior; r menor com stima menor. C) D maior; si diminuto; D maior; r menor com stima menor. D) D maior com stima menor; Si maior; D maior; r menor com stima menor. E) D maior; Si maior; D maior; r menor com stima maior.

    39. O primeiro tempo do compasso 4 apresenta um(uma) A) contratempo regular. B) quiltera. D) contratempo irregular. C) sncope irregular. E) sncope regular.

  • 9

    40. Sobre a Sinfonia Clssica, assinale a alternativa CORRETA. A) Seu terceiro movimento um minueto. B) Tem origem na fuga barroca. C) Tem o Scherzo como seu quarto movimento. D) Apresenta todos os movimentos em uma nica tonalidade. E) Seu primeiro movimento tem trs partes principais: Exposio, Desenvolvimento e Coda. 41. Msico, Professor, Musiclogo de reconhecimento por parte da intelectualidade brasileira e de msicos e

    antroplogos de outros pases, dentre eles, Francisco Curt Lange(Montevidu), que o considerou um perfeito musiclogo. Nasceu em Pernambuco e estudou contraponto e outras modalidades da Msica no Pontifcio Instituto de Msica Sacra (ROMA). Uma das mais belas pesquisas antropolgicas que fez foram os estudos do mulatismo na histria da msica brasileira. No satisfeito, pesquisou a obra de Ernesto Nazareth, sua obra e o contexto social, as composies das mulheres pernambucanas, levantou um grande nmero de composies ouvidas somente pelas famlias destas. Foi um pesquisador da Ciranda da Zona da Mata de Pernambuco e abraou com competncia e alegria a pesquisa das razes da msica brasileira. Estamos falando de

    A) Padre Jos Maurcio. B) Frei Manoel de Madre Deus. D) Padre Jaime Diniz. C) Padre Filipe Nery da Trindade. E) Frei Pedro Sinzig. 42. A Msica Popular, aquela nascida ou recriada com o povo simples dos vrios pases, foi fonte de inspirao,

    principalmente no Romantismo, que procurou nessas razes sua identidade nacional. Dentre eles, podemos citar Chopin (Polnia), Grieg (Noruega), Dvork (Tchecoslovquia - hoje dividida) e tantos outros. No Brasil, embora tardiamente, j em pleno modernismo, temos um compositor, que, apesar da grande erudio como msico e maestro, deu uma linguagem brasileira a sua obra, pesquisando os brinquedos cantados, os cnticos indgenas, as loas dos africanos e as batidas do jongo, tornando-se conhecido e respeitado mundialmente. Estamos falando de

    A) Luiz lvares Pinto. B) Edgard Grieg. D) Marco Guarnire. C) Villa-Lobos. E) Guerra Peixe. 43. Quando os Europeus, principalmente da Pennsula Ibrica, descobriram o Brasil, a Europa j estava em pleno

    esprito renascentista, com suas descobertas e exploraes. A Cincia, a Astronomia, o Antropocentrismo, A Msica j partiam para grandes experincias, para o canto acompanhado, a Polifonia (embora ainda sob a gide da igreja), A Reforma Protestante, liderada por Lutero, j trazia para as igrejas as msicas cantadas pelo povo com letras religiosas em alemo. As caravelas aportavam na terra dos Brasis, com msicas, religio e costumes desses europeus que para aqui trouxeram esses cantares e forma de pensar. Alguns burgueses, que queriam terras e ttulos de nobreza, alguns nobres, muito poucos, e a grande maioria, gente do povo ou degredados que vinham cumprir suas penas. Que tipo de msica essa maioria trouxe em suas lembranas e bagagens?

    A) Msica Polifnica e de Salo. B) Modinhas Imperiais. D) Motetos e Missas. C) Msicas Contrapontsticas. E) Romances e Xcaras. 44. Nos Saraus da burguesia brasileira e at nas festas dos sales do sculo XVIII, esse gnero musical teve grande

    aceitao, tanto que, at os dias atuais, musiclogos e musicistas discutem sua origem. Musiclogos famosos, mesmo portugueses, acreditam que ela surgiu dos ais das Trovas, Xcaras e Romances portugueses, recriadas e enriquecidas no Brasil. Outra corrente diz que, devido a sua dramaticidade, de origem portuguesa. Estamos nos referindo ao gnero

    A) Cano. B) ria. C) Lundus. D) Modinhas. E) Canonetas. 45. Nasceu na classe mdia alta de Ipanema; usou os acordes dissonantes e uma nova forma de tocar o violo,

    desprezando a antiga forma meldica dos baixos, denominados vulgarmente de baixaria. Suas letras traziam metforas e tentavam escapar da dramaticidade das canes e boleros antigos, alm de contextualizar sua msica com o momento poltico brasileiro. Os acordes de sexta batida faziam as vezes da percusso. Este movimento associado ao crescimento urbano, depois de alguns anos, foi considerado Msica de Elite Cultural. Estamos nos referindo ao()

    A) Tropicalismo. B) Jovem guarda. D) Velha Guarda. C) Nova Forma. E) Bossa Nova.

  • 10

    46. O Movimento abaixo citado caracterizou-se pela ruptura com a msica tradicional e os movimentos dirigidos a determinadas ideologias. Foi um movimento que amalgamou a Bossa Nova e adotou a guitarra e outros instrumentos eletrnicos. Juntou estilos, do pop ao samba, usou de artifcios de linguagem pictrica, adotando elementos de um Brasil colorido e vanguardista. Estamos nos referindo ao()

    A) Jazz. B) Jovem Guarda. C) Tropicalismo. D) Fino da Bossa. E) Reggae. 47. Alberto Nepomuceno escreveu o Hino do Cear, usando abaixamento do stimo grau, sendo ele, na opinio da

    Doutora em Msica, Ermelinda da Paz, quem primeiro observou esta peculiaridade da Msica Nordestina. Essas peculiaridades deram origem s descobertas dos cinco modos principais de escalas nordestinas, Mixoldio- Hexacordal Elio Ldio Drico. Foram sistematizadas mais tarde e descambaram em um Movimento denominado

    A) Movimento Nordestino. B) Movimento Cultural do Nordeste. D) Movimento Musical do Nordeste. C) Movimento Armorial. E) Movimento Pentatnico. 48. O Samba nasceu das razes africanas, do Semba, do Jongo, do Lundu, etc. Hoje, alguns historiadores acreditam que

    o Samba tenha surgido com os escravos, na Bahia, entretanto, se pensarmos que, alm do cacau, houve um grande contingente de escravos para a plantao de cana em Pernambuco, de caf em So Paulo, de minrios e Pedras Preciosas em Minas Gerais, de Borracha no Amazonas e no Par, etc. O Samba evoluiu no Rio de Janeiro e hoje Patrimnio Cultural daquele Estado. Sofreu influncia dos escravos brasileiros e a influncia meldica da msica europia. Hoje so muitas as classificaes do samba, dentre outras, o Samba Enredo, Samba de Partido Alto, Samba de Roda, Samba de Coco, Samba Cano, etc. Assinale a alternativa que contm o primeiro samba gravado e o seu compositor.

    A) Pelo Telefone Sinh. B) Samba no Asfalto Cartola. D) Aquarela do Brasil Ari Barroso. C) O Rei do Samba Carlos Melodia. E) Carinhoso Pixinguinha. 49. O Rock surgiu nos Estados Unidos (dcada de 1950). Na verdade, o Rock tem alguma influncia negra, do Sul dos

    Estados Unidos, um ritmo muito rpido, uma mistura de msica country e se diferencia de tudo o que existia nos Estados Unidos at ento. Uma das caractersticas mais importantes do Rock seu instrumental bsico: Guitarra Eltrica, Bateria e Baixo. Na dcada de 50, um roqueiro espantou o mundo com sua bela voz, seu tipo romntico e sua expresso corporal, muito agitada e danante para a poca. O nome desse famoso roqueiro foi

    A) Elvis Presley. B) Led Zepelin. C) Black Sabbath. D) Kurt Cobain. E) Pearl Jam. 50. O primeiro sucesso de Rock brasileiro apareceu na voz de Celly Campelo e estourou em todas as rdios com Banho

    de Lua e Estpido Cupido, na dcada de 60. Em seguida, surge o programa comandado pelo jovem (na poca) Roberto Carlos. Este programa era a coqueluche do momento, e o seu nome era

    A) Tarde Jovem. B) Rock in Rdio. C) Os Caetanos. D) Jovem Guarda. E) Tropiclia. 51. O Carnaval uma das mais antigas manifestaes culturais do mundo. Nasceu do culto aos deuses, no Egito e na

    Babilnia. As crnicas da poca falam em um carrus navalis, ou seja, uma espcie de procisso danante, onde, em grandes barcos, iam mulheres seminuas seguidas de ditirambos, (homens fantasiados com pernas de bode, que tocavam flautas e instrumentos de percusso.) A Deusa sis era a mais homenageada, deusa do amor. Esta festa foi levada para o ocidente pelos romanos, que, na poca, dominavam a regio. Por conta disto, CORRETO afirmar que o carnaval tem origem

    A) Profana. B) Religiosa. C) Ldica. D) Dionisaca. E) Profano/religiosa. 52. O Carnaval de Veneza influenciou toda a Europa e surgiu com os personagens da Commdia DellArte, Teatro

    Popular que se fortificou com a ascenso da burguesia, (bourgeoisie) com o comrcio, fruto das viagens, principalmente nas cidades de Gnova, Florena e Veneza. Os personagens deste Teatro Popular e outros formariam os principais personagens do Carnaval de Veneza, que, no futuro, foi levado para as colnias portuguesas, francesas, espanholas, etc. No Brasil, depois do Entrudo, e com a vinda de Dom Joo VI, esse carnaval chegou aos sales da classe dominante e, depois, s ruas. Os personagens principais dos antigos carnavais so:

    A) Pierrot Arlequim IL Dottore. B) Arlequim Mascarado Saloia. D) Diana Bailarina Saloia. C) Saloia Dona Deusa Pierrot. E) Pierrot Colombina Arlequim.

  • 11

    53. As festas juninas tm suas remotas origens ligadas ao plantio do trigo, ao Culto Deusa Me, Terra e ao Fogo, smbolo de purificao para os povos antigos, principalmente na regio da Irlanda, da Esccia e da Inglaterra. Com a cristianizao, imposta pela Igreja Catlica, esses deuses foram substitudos por santos cristos e, mais tarde, por deuses do candombl. Da, podemos fazer todas as afirmaes abaixo, EXCETO uma. Assinale-a.

    A) O Ciclo Junino inicia-se no dia 19 de maro, Dia de So Jos. B) O So Joo festejado o apstolo de Cristo, aquele a quem Jesus entregou sua me, quando estava na cruz. C) O So Joo festejado o primo de Jesus, aquele que o batizou, filho de Isabel. D) Os Santos do ciclo jJunino so: So Jos Santo Antnio - So Joo So Pedro e So Paulo que festejado no mesmo dia

    de So Pedro. E) No Rio Grande do Sul, o So Pedro mais festejado do que So Joo, pois l, So Pedro o Padroeiro. 54. Assinale a alternativa INCORRETA. A) O Maracatu de Baque Virado um Cortejo e representa o poder dominante de uma nao africana, embora, com trajes

    europeus, porque, na poca, os afro-brasileiros no tinham idia de como se vestia um Rei Africano. B) O Maracatu Rural tambm denominado Maracatu de Baque Solto ou Maracatu de Orquestra. C) Os Maracatus do Recife surgiram, principalmente, na Confraria de Nossa Senhora do Rosrio. D) A Dama do Pao assim denominada por ter um passo Alegre e danar com a Boneca. E) Os Maracatus de Baque Virado prestam homenagem aos Orixs, fazendo suas obrigaes religiosas, antes de sarem para o

    desfile. 55. Dentre as vrias manifestaes abaixo, uma NO pertence ao CICLO CARNAVALESCO em Pernambuco.

    Assinale-a. A) Maracatu Rural Frevo de Rua Urso da Torre. B) Taboquinha de Vitria de Santo Anto La Ursa. C) Troas Maracatu de Baque Virado. D) Batutas de So Jos Reisado. E) Bloco da Saudade Papangus de Bezerros. 56. O primeiro Prespio aconteceu na cidade de Grcio, no ano de 1223. Somente em 1391, em Lisboa, h notcias de ter

    sido montado pelas freiras de So Salvador. No Brasil, foi apresentado pela primeira vez, na cidade de Olinda, Pernambuco, por Frei Gaspar de Santo Agostinho. O idealizador do primeiro Prespio, segundo a tradio Catlica, foi

    A) Frei Salvador do Esprito Santo. B) as Freiras Beneditinas de Portugal. C) So Francisco de Assis. D) as Freiras Carmelitas. E) Padre Antnio Vieira. 57. O Ciclo Natalino tambm tem origem no paganismo, nas festas do Nascimento do SOL INVICTO, o Solistcio do

    Inverno. Os festejos aconteciam no dia 25 de dezembro. A Igreja resolveu que, naquela data, Semrames passaria a chamar-se de Maria, e Tammuz, de Jesus. Estava feito o sincretismo religioso, e hoje o Natal a Festa mais comemorada do mundo cristo. No Nordeste Brasileiro, encontramos belas manifestaes ligadas ao Ciclo Natalino. Sobre ele, assinale a alternativa INCORRETA.

    So pertencentes ao Ciclo Natalino: A) Prespio Pastoril Taieira. B) Pastoril Profano Fandango Chegana. C) Fandango Marujada Reisado. D) Guerreiro Lapinha Taieira. E) Acorda Povo Fandango Marujada. 58. No Serto Pernambucano, alm da influncia europia, do ritmo africano e dos cantos indgenas, a msica sofreu

    transformaes que embelezaram a forma de tocar e de cantar desse povo. Sobre isso, assinale a alternativa CORRETA.

    A) Os Holandeses em Pernambuco. B) Os Franceses no Maranho. C) Os Portugueses Descobridores. D) Os Espanhis principalmente Jesutas. E) Os Cristos Novos rabes e Judeus de qualquer nao.

  • 12

    59. A Rdio Nacional, em 1936, marcou histria no nosso pas, revelando talentos e tornando-se o embrio de nossa futura televiso. Era a poca do Estado Novo, e a rdio Nacional foi, na verdade, a venda obrigatria da rdio Phillips, que foi obrigada por Getlio Vargas a desaparecer do grande projeto e vender seu equipamento por pertencer ou estar ligado a um grupo holands. Todos abaixo so considerados primeiros astros da Rdio Nacional, EXCETO.

    A) Aracy de Almeida intrprete do samba. B) Abgail Pareces Cantora Lrica. D) Silvinha Melo Folclore brasileiro. C) Orlando Silva Cantor Romntico. E) Altemar Dutra O Seresteiro. 60. Dentre todos os nomes abaixo, um NO etnlogo ou folclorista. Assinale-o. A) Luiz da Cmara Cascudo. B) Rossine Tavares. D) Pereira da Costa. C) Mrio de Andrade. E) Abrao de Almeida.

Recommended

View more >