processo de planejamento financeiro .3 –planejamento de caixa prof. josé luís ciências...

Download PROCESSO DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO .3 –Planejamento de Caixa Prof. José Luís Ciências Contábeis

Post on 02-Dec-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 1

    3 Planejamento de Caixa

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 2

    PROCESSO DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO

    O planejamento financeiro um aspecto

    importante das operaes das empresas porque

    fornece um mapa para a orientao, a

    coordenao e o controle dos passos que a

    empresa dar para atingir seus objetivos.

    Dois aspectos fundamentais do processo de

    planejamento financeiro so o planejamento de

    caixa e o planejamento de lucros.

    O planejamento de caixa envolve a elaborao do

    oramento de caixa da empresa.

    O planejamento de lucros envolve a elaborao de

    demonstraes pr-forma.

  • 2

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 3

    PROCESSO DE PLANEJAMENTO FINANCEIRO

    Tanto o oramento de caixa quanto as

    demonstraes pr-forma so teis para o

    planejamento financeiro interno; tambm so

    rotineiramente exigidos por credores atuais e em

    potencial.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 4

    O processo de planejamento financeiro comea

    pelos planos financeiros de longo prazo, ou

    estratgicos.

    Estes, por sua vez, orientam a formulao de

    planos e oramentos de curto prazo, ou

    operacionais.

    De modo geral, os planos e oramentos de curto

    prazo implementam os objetivos estratgicos de

    longo prazo da empresa.

  • 3

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 5

    Planos financeiros de longo prazo (estratgicos)

    Os planos financeiros de longo prazo

    (estratgicos) expressam as aes financeiras

    planejadas por uma empresa e o impacto previsto

    dessas aes ao longo de perodos que vo de

    dois a dez anos.

    So comuns planos estratgicos de cinco anos,

    revistos medida que novas informaes

    relevantes tornam-se disponveis.

    De modo geral, as empresas sujeitas a alto grau

    de incerteza operacional, a ciclos de produo

    relativamente breves, ou a ambos, tendem a usar

    horizontes de planejamento mais curtos.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 6

    Os planos financeiros de longo prazo fazem parte

    de uma estratgia integrada que, juntamente com

    os planos de produo e de marketing, orientam a

    empresa em direo a suas metas estratgicas.

    Tais planos incluem propostas de dispndio em

    ativo imobilizado, atividades de pesquisa e

    desenvolvimento, aes de marketing e

    desenvolvimento de produtos, estrutura de capital

    e principais fontes de financiamento.

    Tambm podem constar o encerramento de

    projetos, linhas de produto, ou linhas de negcio

    existentes; amortizao ou eliminao de dvidas

    em aberto; e quaisquer aquisies que estejam

    planejadas. Esses planos tendem a encontrar

    respaldo numa srie de oramentos anuais.

  • 4

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 7

    Planos financeiros de curto prazo (operacionais)

    Os planos financeiros de curto prazo

    (operacionais) especificam aes financeiras de

    curto prazo e o impacto previsto.

    Esses planos geralmente cobrem perodos de um

    a dois anos.

    As principais informaes usadas so a previso

    de vendas e diversos dados operacionais e

    financeiros.

    Os principais 'produtos' so diversos oramentos

    operacionais, o oramento de caixa e as

    demonstraes financeiras pr-forma.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 8

    O planejamento financeiro de curto prazo comea

    com a projeo de vendas.

    Partindo dela, as empresas desenvolvem planos de

    produo que levam em conta os prazos de espera

    (preparao) e incluem estimativas das matrias-

    primas necessrias.

    Usando os planos de produo, a empresa pode

    estimar as despesas diretas de folha de pagamento,

    o desembolso com custo fixo das fbricas e as

    despesas operacionais.

    Uma vez realizadas essas estimativas, a empresa

    pode elaborar uma demonstrao do resultado e um

    oramento de caixa. Com essas informaes

    bsicas, pode, finalmente, desenvolver um balano

    patrimonial.

  • 5

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 9

    Elaborao da demonstrao dos fluxos de caixa

    Os fluxos de caixa da empresa

    Representam uma reserva de liquidez que

    aumenta com entradas de caixa e diminui com

    Sadas de caixa.

    Os fluxos de caixa da empresa podem ser

    divididos em:

    (1) fluxos operacionais,

    (2) fluxos de investimento e

    (3) fluxos de financiamento.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 10

    Elaborao da demonstrao dos fluxos de caixa

    Os fluxos operacionais constituem as entradas e sadas de

    caixa diretamente relacionadas venda e produo de bens

    e servios.

    Os fluxos de investimento representam os fluxos de caixa

    associados compra e venda de ativo imobilizado e

    investimentos em participaes societrias Evidentemente,

    as transaes de compra resultam em sadas de caixa e as

    de venda, em entradas de caixa.

    Os fluxos de financiamento provm de transaes

    financeiras com capital de terceiros (dvidas) ou capital

    prprio. Incorrer em dvidas de curto ou longo prazos resulta

    numa entrada de caixa correspondente; a quitao de

    dvidas resulta em sada de caixa. Da mesma forma, a venda

    de aes da empresa resulta em entrada de caixa, enquanto

    a recompra de aes ou distribuio de dividendos em

    dinheiro geram sadas de caixa.

  • 6

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 11

    3 Planejamento de Caixa

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 12

    PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORAMENTOS de CAIXA

    O oramento de caixa, ou projeo de caixa,

    uma demonstrao das entradas e sadas de caixa

    previstas da empresa. Serve para estimar as

    necessidades de caixa no curto prazo, dando

    especial ateno ao planejamento de supervits e

    dficits de caixa.

  • 7

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 13

    Normalmente, o oramento de caixa visa abranger

    o perodo de um ano, dividido em intervalos

    menores.

    O nmero e o tipo de intervalos dependem da

    natureza da atividade da empresa, Quanto mais

    sazonais e incertos os fluxos de caixa, maior o

    nmero de intervalos.

    Como muitas empresas se deparam com um

    padro sazonal de fluxo de caixa, o oramento de

    caixa muitas vezes elaborada mensalmente.

    Empresas com padres de fluxo de caixa estveis

    podem usar intervalos trimestrais anuais.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 14

    A endas V de Projeo

    A principal informao de base para o processo de

    planejamento financeiro a previso de vendas

    da empresa. Essa previso das vendas ao longo

    de um dado perodo costuma ser elaborada pelo

    departamento de marketing.

    Com base na projeo de vendas, o administrador

    financeiro estima os fluxos de caixa mensais

    decorrentes das vendas previstas e dos

    desembolsos ligados produo, aos estoques e

    s vendas.

  • 8

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 15

    A endas V de Projeo

    O administrador tambm determina o nvel de ativo

    imobilizado necessrio e o montante de

    financiamento, caso haja, para sustentar o nvel

    previsto de vendas e produo.

    Na prtica, a obteno de dados confiveis o

    aspecto mais complicado da projeo. A projeo

    de vendas pode se basear em uma anlise de

    dados externos, dados internos, ou uma

    combinao de ambos.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 16

    Uma previso externa baseia-se nas relaes

    observadas entre as vendas da empresa e

    determinados indicadores econmicos externos

    fundamentais, como produto interno bruto (PIB,

    construo de novos imveis residenciais,

    confiana do consumidor e renda pessoal

    disponvel.

    No h dificuldade em obter previses que

    contenham esses indicadores.

  • 9

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 17

    As previses internas baseiam-se em previses

    consensuais de vendas dos canais da prpria

    empresa.

    Normalmente, pede-se aos vendedores que

    estimem quantas unidades de cada tipo de produto

    esperam vender no ano vindouro.

    Essas previses so coletadas e totalizadas pelo

    gerente vendas, que pode ajust-las com base no

    conhecimento que tem de mercados especficos

    ou da capacidade de previso dos vendedores.

    Finalmente, alguns ajustes podem ser feitos com

    base em fatores internos, como capacidade de

    produo.

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 18

    As empresas costumam usar uma combinao de

    dados projetados internos e externos para realizar

    suas previses finais de vendas.

    Os dados internos fornecem informaes sobre as

    expectativas de vendas, enquanto os externos

    fornecem meios de ajustar essas expectativas a

    fatores econmicos gerais.

    A natureza do produto da empresa tambm afeta,

    com frequncia, o mix e os tipos de mtodos de

    projeo empregados.

  • 10

    Prof. Jos Lus

    Cincias Contbeis - UNIP 19

    Formato Geral do Oramento de caixa

    Jan Fev .... Nov Dez

    Recebimentos 300 200 280 290

    Menos desembolsos 200 450 440 230

    Fluxo de Caixa Lquido 100 -250 0 -160 60

    Mais Saldo de Caixa Inicial 50 150 80 -80

    Saldo de Caixa Final 150 -100 80 -80 -20

    Menos saldo de caixa mnimo 50 50 50 50 50

    Financiamento total necessrio -150 -130 -70

Recommended

View more >