processo de execução – aula iv prof. dr. marco félix jobim

Download Processo de Execução – Aula IV Prof. Dr. Marco Félix Jobim

If you can't read please download the document

Post on 02-Jan-2016

18 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Processo de Execução – Aula IV Prof. Dr. Marco Félix Jobim. Diferença:. Tutela jurisdicional executiva vs. Atividade jurisdicional executiva?. Tutela?. Atividade?. Classificação:. Quanto à origem; Quanto à natureza ou modalidade; Quanto à estabilidade; Quanto aos efeitos. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

  • Processo de Execuo Aula IVProf. Dr. Marco Flix Jobim

  • Diferena:

    Tutela jurisdicional executiva vs. Atividade jurisdicional executiva?

  • Tutela?

  • Atividade?

  • Classificao:Quanto origem;Quanto natureza ou modalidade;Quanto estabilidade;Quanto aos efeitos.

  • Origem dos ttulos executivos

    Art. 475-N;

    Art. 585.

  • Art. 475-N. So ttulos executivos judiciais: I a sentena proferida no processo civil que reconhea a existncia de obrigao de fazer, no fazer, entregar coisa ou pagar quantia; II a sentena penal condenatria transitada em julgado; III a sentena homologatria de conciliao ou de transao, ainda que inclua matria no posta em juzo; IV a sentena arbitral; V o acordo extrajudicial, de qualquer natureza, homologado judicialmente; VI a sentena estrangeira, homologada pelo Superior Tribunal de Justia; VII o formal e a certido de partilha, exclusivamente em relao ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a ttulo singular ou universal. Pargrafo nico. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluir a ordem de citao do devedor, no juzo cvel, para liquidao ou execuo, conforme o caso.

  • Art. 585. So ttulos executivos extrajudiciais: I - a letra de cmbio, a nota promissria, a duplicata, a debnture e o cheque; II - a escritura pblica ou outro documento pblico assinado pelo devedor; o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas; o instrumento de transao referendado pelo Ministrio Pblico, pela Defensoria Pblica ou pelos advogados dos transatores; III - os contratos garantidos por hipoteca, penhor, anticrese e cauo, bem como os de seguro de vida; IV - o crdito decorrente de foro e laudmio; V - o crdito, documentalmente comprovado, decorrente de aluguel de imvel, bem como de encargos acessrios, tais como taxas e despesas de condomnio; VI - o crdito de serventurio de justia, de perito, de intrprete, ou de tradutor, quando as custas, emolumentos ou honorrios forem aprovados por deciso judicial;VII - a certido de dvida ativa da Fazenda Pblica da Unio, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territrios e dos Municpios, correspondente aos crditos inscritos na forma da lei; VIII - todos os demais ttulos a que, por disposio expressa, a lei atribuir fora executiva

  • Quanto natureza da obrigao apresentada em juzo.

  • Fazer e no fazer

    461 e 632 e ss do Cdigo de Processo Civil.

  • Entrega de coisa certa/incerta

    461 A e 621 e ss do Cdigo de Processo Civil.

  • Pagamento de quantia.

    475 J e 646 do Cdigo de Processo Civil

  • Mas ainda h outras peculiaridades na prestao em dinheiro em virtude na natureza do direito material violado!!!

  • Execuo de alimentos.

    732 a 735 do Cdigo de Processo Civil.

  • Execuo contra a Fazenda Pblica.

    730, 731 e 741 do Cdigo de Processo Civil, artigo 100 da Constituio e Lei 6.830/80.

  • 748 e ss

    DA EXECUO POR QUANTIA CERTA CONTRA DEVEDOR INSOLVENTE

  • Quanto estabilidade.

  • Provisria;Definitiva.

  • Quanto aos efeitos.

  • Importante: subsidiariedade ou vasos comunicantes!

  • Artigos

    475 R: ao cumprimento de sentena, as regras da execuo;

    598: execuo, as regras do processo de conhecimento.

  • Princpios da execuo

  • Funes dos princpios?

    - informativa;- normativa;- interpretativa.

  • Celso Antnio Bandeira de Melloprincpio , por definio, mandamento nuclear de um sistema, verdadeiro alicerce dele, disposio fundamental que se irradia sobre diferentes normas, compondo-lhes o esprito e servindo de critrio para sua exata compreenso e inteligncia, exatamente por definir a lgica e a racionalidade do sistema normativo, no que lhe confere a tnica e lhe d sentido harmnico.

  • Cassio Scarpinella Bueno

  • Do princpio da autonomia ao princpio do sincretismo.

  • Nulla executio sine titulo.

  • Princpio da patrimonialidade.

  • Princpio da disponibilidade.

  • Princpio da adequao.

  • Princpio da tipicidade dos atos executivos.

  • Princpio do resultado.

    Princpio da menor gravosidade possvel.

    Princpio da execuo equilibrada?

  • Princpio da lealdade: atos atentatrios dignidade da justia.

  • Princpio da responsabilidade.